O X-59 QueSST que está sendo desenvolvido pela equipe Skunk Works da Lockheed Martin.

A NASA está monitorando como os moradores da Costa do Golfo do Texas reagem a ondas sônicas enquanto a agência espacial trabalha em uma aeronave experimental supersônica que pode reduzir significativamente o tempo de voos comerciais, o X-59 QueSST.

Um F/A-18 da NASA está sendo usado nos testes.

A NASA lançou um projeto de pesquisa de duas semanas no dia 6 de novembro para pesquisa de voos supersônicos silenciosos. Para isso a NASA está pilotando um jato F/A-18 Hornet em uma manobra exclusiva no Golfo do México para avaliar a resposta da comunidade ao ruído.

Um porta-voz disse que os funcionários da NASA esperam que os testes produzam dados que podem ser usados ??pela agência para testar o X-59, o avião experimental que espera poder reduzir o tempo de voo comercial pela metade. A sua próxima geração de aeronave de passageiros foi apelidada de “Son of Concorde” pelos fãs de aviação.

O X-59 durante testes em túnel de vento.

O novo avião, oficialmente conhecido como X-59 Quiet Supersonic Transport (QueSST), vai provocar booms sonoros “silenciosos” quando for lançado nos testes de voo. O jato, que poderia um dia voar de Londres a Nova York em apenas três horas sem produzir um estrondo alto e sonoro, está previsto para ficar pronto 2021.

A aeronave pode se tornar a primeira aeronave supersônica comercial a transportar passageiros desde que o icônico jato anglo-francês Concorde foi desativado há 15 anos.

O Concorde, um avião testado décadas atrás, podia atravessar o Atlântico em pouco mais de três horas, viajando duas vezes a velocidade do som. Mas oficiais da Agencia federal de aviação dos EUA (FAA) proibiram estes voos depois que os moradores se queixaram do boom sonoro do avião.

Os voos supersônicos feitos por aviões de passageiros são proibidos sobre a terra ou perto da costa nos EUA, embora a Administração Federal de Aviação possa permitir exceções.

O piloto de testes da NASA, junto ao F/A-18.

A NASA recrutou cerca de 500 voluntários da área de Galveston para dar feedback e definir o nível em que eles foram capazes de ouvir os estrondos sônicos do F/A-18. O projeto marca “a primeira vez em décadas que alcançamos uma grande comunidade como parte de nossa pesquisa supersônica”, disse Peter Coen, gerente comercial de projetos de tecnologia supersônica da NASA.

A turbulência atmosférica e a umidade podem afetar a forma como algumas áreas percebem os “booms silenciosas” produzidos a partir da manobra especial do jato, de acordo com oficiais da NASA. O jato de combate modificado verificará a “assinatura acústica” dos motores a serem usados no avião X-59, através da realização de uma série de mergulhos.

O avião, pilotado pelo pesquisador da NASA, Jim Less descerá rapidamente de quase 15.000 metros, com um breve movimento supersônico e disparando o som que provavelmente virá da aeronave X-59. Depois nivelará novamente à 9.000 metros. A poucos quilômetros do pontos de mergulho, o ruído rapidamente se dispersa à medida que se espalha e enfraquece.

O F/A-18 Hornet durante testes sobre Galveston, no Texas.

A NASA fornecerá os dados coletados da resposta pública à Administração Federal de Aviação, que proibiu os voos de passageiros supersônicos sobre a terra, em parte devido a preocupações sobre como eles afetam as comunidades e a infraestrutura.

O ruído, que a NASA chama de “batida sonora”, deve soar mais como uma porta de carro batendo ao contrário dos estrondos produzidos pelas aeronaves supersônicas existentes.

A agência medirá os sons usando sensores no solo enquanto coleta a reação do público por meio de uma série de pesquisas. Alguns moradores de Galveston postaram no Facebook sobre os estrondos sônicos na segunda-feira, o primeiro dia de testes.

Alexandra Loubeau, líder da equipe da NASA para pesquisa de resposta à comunidade que ouvirá o boom sonoro, disse em julho: “Nunca saberemos exatamente o que todos ouviram. Não teremos um monitor de ruído no ombro deles dentro de casa. Mas gostaríamos de pelo menos ter uma estimativa da faixa de níveis de ruído que eles realmente ouviram.”

O estudo faz parte também do programa chamado Sonic Booms in Atmospheric Turbulence, ou SonicBAT II.

O X-59, que a Nasa está desenvolvendo com a divisão de aeronáutica da Lockheed Martin, deverá fazer seu primeiro voo em 2022.

Originalmente chamado de Demonstrador de Voo de Baixo Voo pela NASA, a agência anunciou em junho que a aeronave seria chamada de X-59 QueSST.

O projeto X-59 tem como objetivo cortar os barulhentos estrondos sônicos que ecoaram acima das cidades na era do Concorde, enquanto este viajava a velocidades de Mach 1.4, ou 1.700 km/h.

O X-59 foi projetado para impedir que ondas de choque sejam acionadas pelo movimento de partículas de ar quando uma aeronave quebra a barreira do som – um fenômeno que emite o boom sonoro revelador de aeronaves supersônicas.

SEM COMENTÁRIOS