As maquetes das duas aeronaves propostas pela Novaer. (Foto: Mauro Lins de Barros / Cavok)

A Novaer Craft iniciou a fabricação do protótipo da aeronave T-Xc Pilgrim, treinador monomotor, concebido para ser uma alternativa competitiva de substituição do T-25 Universal, usado há mais de 40 anos no treinamento primário de cadetes da Academia da Força Aérea Brasileira (FAB), em Pirassununga (SP).

Desenvolvido na década de 60, o T-25 tem apresentado diversos problemas operacionais que limitam seus voos, além da falta de peças de reposição. A FAB tem 87 aeronaves T-25 em sua frota.

“A nossa expectativa é que quando houver um programa de substituição do T-25 na FAB, poderemos contar com os benefícios da Lei 12.598, que estabelece normas especiais para as compras de produtos e de sistemas de defesa, e cria regras de incentivo às empresas brasileiras na área da defesa”, disse o diretor-presidente da Novaer, Graciliano Campos.

O T-Xc que está sendo proposto pela Novaer para substituir os aviões de treinamento T-25 da FAB.

Segundo Campos, a Novaer planeja construir uma fábrica com capacidade para produzir 120 aviões por ano. A Embraer não atua nesse segmento de mercado e o único modelo da empresa com motor a pistão é o avião agrícola Ipanema.

O T-Xc foi construído com R$ 10 milhões em recursos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e uma contrapartida da empresa no valor de R$ 2,4 milhões. “Desenvolvemos também uma versão civil do T-Xc, o Stardream, o que coloca em prática uma estratégia do governo, que estimula o desenvolvimento de tecnologias de uso dual”, explicou o executivo da Novaer.

Enquanto as encomendas do T-Xc não chegam, a Novaer se dedica à produção do trem de pouso da aeronave militar Super Tucano, fabricada pela Embraer. “A FAB nos encomendou o desenvolvimento de uma versão mais moderna do trem de pouso do Super Tucano, com uma vida útil superior, de 10 mil pousos”, comentou. A versão anterior tinha uma vida útil de 6 mil pousos.

O equipamento já está sendo exportado para os países onde a Embraer vendeu o Super Tucano. Atualmente, nove países operam o Super Tucano, que acumula um total de 182 encomendas, das quais 158 já foram entregues. “Já vendemos entre 10 e 15 conjuntos desse novo trem de pouso”, revelou.

Com esse trem de pouso, a Novaer, comenta Campos, também efetuou o primeiro pagamento de royalties de produto militar na história da FAB, que contratou o desenvolvimento do equipamento. O investimento feito no projeto, segundo o diretor da Novaer, foi de R$ 3 milhões.

Fonte: Valor Econômico, via NOTIMP

Anúncios

14 COMENTÁRIOS

  1. Finalmente uma boa novidade da indústria aeronáutica nacional. Só de olhar já dá vontade de voar com eles. As duas versões podem servir à FAB. Uma para instrução dos cadetes na AFA e a outra para missões de ligação.

    Há também a necessidade de se modernizar a frota de aeronaves de instrução usadas nos aeroclubes nacionais e o stardream me parece uma ótima opção.

  2. Forevis-5 vs T-25: Quem permanecerá mais tempo em operação??? páreo duro…duro…

      • Os KC-137 também!! ahahahhahaha

        Briga dura essa, são muitas opções ahahahahahah

        Cara eu já vi uns T25 de quando ia na AFA pra auxiliar umas instruções pra Infantaria da fab. Cara a fuselagem estava muito destruida pelo tempo, é um milagre o que os mecânicos da fab fazem!!

  3. Que desenvolvam tambem uma alternativa aos paulistinhas e boeros dos aeroclubes, ja que o tal do guri da aeromot nao foi pra frente!

  4. Se alguém que postou comentário conhece o T-25 já percebeu que o "substituto" é cópia escarrada do venerando Universal. Vergonha.
    Apontem outro avião, da mesma categoria, com a mesma idade e que ainda esteja voando.
    Ninguém fala, nas a Neiva já fazia aviões para a FAB e exportação (Paulistinha, Regente, Universal, etc) operacionais até hoje, muito antes de pensarem em "chupar" seus projetos, modelos e empregados para criar a Embraer.
    Porque será que o Osires é coronel até hoje?

    • Nélio a semelhança NÃO É mero acaso ou cópia deslavada.

      O projetista do T-Xc Pilgrim é o MESMO do T-25 Universal, o húngaro-brasileiro Joseph Kovács e a aeronave é projetada para a exata mesma função do Neiva T-25 Universal, ou seja treinamento primário de pilotos. E uma EVOLUÇÃO.

      Quase meio século depois do projeto do T-25 Universal, que voou seu protótipo em 09/04/1966, o mesmo Joseph Kovács aproveitando TODA sua experiência posterior no Regente, Tucano fez o protótipo K-51 Peregrino que é o antecedente direto do Pilgrim e do Stardream da Novaer Craft.

      Veja o T-Xc Pilgrim com a pedra MASTER da carreira do mestre Kovács onde ele atualiza e moderniza sua mais longeva obra aeronáutica utilizando os recursos mais modernos, sua vasta experiência profissional e materiais e instrumentação de última geração.

      Pelo contrário é motivo de ORGULHO e muitas doses dele…

      E felicidade que PESSOAS,brasileiros , com os recursos necessários constituiram a Novaer Craft!

      A empresa foi formada pela joint-venture de três empresas BRASILEIRAS (apesar das suas denominações) a Geometra BTE, a Winnstal e a Flight Technologies, todas de São José dos Campos/SP e sabiamente se juntaram para viabilizar industrialmente o projeto do protótipo Peregrino do Kovács apresentado em protótipo voou pela primeira vez em 1998!

      Levou mais de uma década para se viabilizar a Novaer Craft que anunciada em 2008 e só agora em 2012 inicia FINALMENTE a produção do seu primeiro protótipo.
      Depois virá a certificação da aeronave, o início de sua produção comercial e aí sim faltará o MAIS IMPORTANTE E CRUCIAL a luz verde do governo brasileiro e da FAB para que a aeronave seja adotada na AFA em substituição aos venerandos T-25 Universal…

      Só esperamos que a FAB faça isso diretamente com a Novaer Craft avaliando a aeronave que custou muito esforço e investimento de brasileiros e da FINEP no seu desenvolvimento e que nenhum abobado da imprensa ou da política ACHE que seja "privilégio inadmissível" e exija licitação internacional ou coisa similar.
      http://www.youtube.com/watch?v=RDGc_q_U7mw
      http://www.youtube.com/watch?v=_dX9CX5pjq4
      http://www.youtube.com/watch?v=usY3Nzoq9MQ&fe

      OBS: observe que no último link (embora não tenha a entrevista completa) o repórter não se dá de conta que o avião protótipo K-51 que é um treinador primário NÃO É o último projeto do Kovács que ele cita…

      O protótipo K-55 é um full acrobático da categoria Unlimited…
      Só falta alguém para investir neste projeto para termos um avião brasileiro na Red Bull Air Race !!!

      O velhinho é PHODA !!!

  5. Porque não substituem os atuais T-25 pelos T-27? Seria um interessante vetor á ser utilizado, pois alem de serem adquirido á um preço relativamente baixo são bastantes eficientes no que se diz á treinamento primário.

    Uma aeronave simples e "limpa", que pode atender as necessidades básicas de aprendizado de um cadete da AFA, sem todos aquele recheio e capacidade do A-29. Essa é a minha opinião.

    • Costelinha,

      Fui cadete na AFA poucos anos após a entrada em serviço do Tucano, naquela época fizeram vários estudos para susbstituir o T-25 pelo Tucano, inclusive colocaram um cadete de cobaia para isto, essa "cobaia" hoje é Tenente-coronel (rsrsrs) e constataram que o Tucano é muito "requintado" para ser utilizado na instrução primaria, uma curiosidade, quase todos os T-25 já pousaram de barriga um dia, e com pouca manutenção depois já estavam voando novamente, fato impossível para um Tucano. Trocando em miúdos, ambos são excelentes aeronaves, mas cada uma para uma fase específica do treinamento.

  6. Gilberto, boa noite,
    Obrigado pelas informações.
    Eu conheci o eng. Kovacs, em Botucatu, na saudosa Neiva.
    Ele já havia feito um projeto da evolução do Universal. Teria um motor turbo-hélice (inglês ou francês similares aos que os "hermanos" argentinos colocaram no Pucará), teria os assentos mudados para a configuração "tanden" (um atrás do outro), e até nome registrado: Carajá. Seria exatamente o "Tucaninho" T-27, com a diferença que a entrada de ar para a refrigeração do radiador de óleo ficaria na parte superior do capô do motor. Com este brilhante projeto teríamos, nos anos 70, um avião no mesmo padrão e nível do Tucano com mais de uma década de antecedência.
    Só isto já mostra a genialidade do eng. Kovacs e sua visão de futuro.
    Então, para o azar e atraso da aeronáutica do Brasil, do eng. Kovacs e da Neiva, entra em cena o tal Cel. Ozíris, que boicota e estrangula a Neiva, até então com produtos superiores aos existentes na Europa, Asia ou Estados Unidos.
    Ele, o coronel, não fala em seus livros, artigos ou entrevistas, mas sua megalomania e egocentrismo o atrasou o Brasil em mais de 20 anos. Hoje não há como contestar o poder e inovação que a Embraer tem, mas na época (1978/80) a ferramenta utilizada para fazer a Embraer "vingar" foi exatamente o eng. Kovacs e seus projetos. Ou seja, o coronel sufocou o filho mais velho para privilegiar uma aposta no escuro. A sua (dele) sorte é que pessoas mais competentes, oriundas do CTA, conseguiram com verbas e encomendas do governo (militar na época) bancar e manter a Embraer em pé, com apenas um produto. O excelente Bandeirante. Nesta mesma época a Neiva tinha uma linha de produção com, no mínimo, 3 produtos (Universal, Regente, Paulistinha)e outros grandes projetos, o Carajá entre eles. Este fato permanece sem contestação até hoje.
    Se você tiver a oportunidade de encontrar o eng. Kovacs, de-lhe um forte abraço, em nome de um orgulhoso Botucatuense.
    ***Agora, para o sr. Costelinha: O T-27 não é mais fabricado. Somente o
    seu sucessor, o T-29, chamado de "Super-Tucano" o é.

Comments are closed.