O primeiro C-130 Hercules da FAB que chegou na OGMA em Alverca, Portugal, onde passará por uma completa revisão.

A primeira de doze aeronaves C-130 Hercules da Força Aérea Brasileira (FAB) para um Programa de Apoio Integral à Frota chegou na quinta-feira passada às instalações da OGMA, em Alverca, Portugal. Este é o primeiro passo de vários que serão dados durante os próximos cinco anos em relação à gestão de frota e suporte logístico para a frota C-130 da Força Aérea Brasileira.

Este contrato inclui gerenciamento de frota, suporte logístico, verificações de manutenção, reparo e substituição de equipamentos e fornecimento de componentes. O escopo deste acordo inclui as aeronaves operadas pela Força Aérea Brasileira, com sede no Rio de Janeiro: oito aeronaves C-130H, duas aeronaves C-130H2 (com equipamentos de combate a incêndios aéreos) e duas aeronaves KC-130H (aeronaves de reabastecimento aéreo).

A Força Aérea Brasileira escolheu a OGMA para a manutenção de sua frota de aeronaves C-130 Hercules. A empresa portuguesa superou a concorrência em concurso internacional promovido pela Comissão Aeronáutica Brasileira, com sede em Washington (EUA). O contrato está avaliado em cerca de 85 milhões de euros (98 milhões de dólares) para a OGMA e terá a duração de cinco anos.

O prêmio da OGMA pelo contrato de manutenção da Força Aérea Brasileira mostra o reconhecimento mundial do know-how da OGMA nesse tipo específico de aeronave, construído com mais de 40 anos de experiência, apoiado por técnicos altamente qualificados preparados para responder prontamente a uma ampla variedade de requisitos de manutenção.

A OGMA fornece serviços de manutenção para aeronaves C-130 para várias Forças Aéreas em todo o mundo, nomeadamente na Europa, África e Ásia.

Anúncios

8 COMENTÁRIOS

  1. Pergunta de leigo; se a FAB vai receber dentro de pouco tempo os KC-390 em subistituição aos C130, por que investir tanto dinheiro neles? Não seria mais racional manter apenas uns 3 ou 4 em condicões e vender ou canabilizar o restante?

    • Os KC-390, até estarem em número suficiente e totalmente operacionais, levam os 5 anos programados para esse contrato manutenção dos Hércules. Está certíssima a FAB.

    • Sei lá, pensei o mesmo também. Não tanto por fazer o serviço que, todos sabemos, os C-130HM ainda irão voar por alguns anos, até o recebimento total dos KC-390, mas daí tantas aeronaves assim (12 aparelhos)?! O bom foi que a OGMA é a contratada, então é bom manter o relacionamento industrial com Portugal e, por tabela, da própria Embraer.

      • Além disso, é bem provável que o Hércules sirva por mais que esses 5 anos, e quando finalmente substituídos, eles ainda terão valor de mercado.

  2. Bem interessante essa jogada da FAB. Pelo preço de 2 KC-390 irá revisar e operar por mais algum tempo 12 C-130 (exatamente o número que eu acreditava ainda estarem operacionais na FAB).
    Acredito que os 2 KC-130 ainda são de grande valor até a real entrada em operação do KC-390. Tanto que pela foto o 1º da lista foi o Barão 61, quem sabe o Barão 62 será o seguinte. Os Hércules ainda irão operar por uns anos ainda.

  3. Empresa da EMBRAER no país ganhou licitação internacional para manutenção da sua frota de velhos 12 C-130 na espera do KC-390. Como o 1ª só em julho vai demorar a ter todos para substituir os C-130. Varig que fazia isso aqui no RJ e agora tem que ser fora. O KC-390 não vai ter esse problema

  4. Boa noite.
    Impressionante a resistência deste equipamento.
    Acho, mero palmpite aliás, que os 12 são os Harcules que foram comprados novos lá na década de 60 e 70 e que os Italianos, recebidos em 2001 já viraram peças e monumentos.
    Seria bacana sabermos quais são os 12 (primeiro ou segundo lote), o que acham ?
    Um abraço

Comments are closed.