A Passaredo recebeu em Toulouse sua primeira aeronave ATR 72-600, e informou a compra de mais 10 aeronaves do modelo. (Foto: ATR)

A companhia aérea brasileira Passaredo Linhas Aéreas apresentou hoje o seu novo ATR 72-600 integrado a sua frota. A companhia aérea e a empresa norte-americana de leasing Air Lease Corporation (ALC) firmaram um acordo para a introdução de quatro aviões ATR 72-600s, e nessa terça-feira foi entregue o primeiro destes aviões nas instalações da ATR em Toulouse, França.

Por ocasião desta cerimônia de entrega, a ATR e a Passaredo informaram oficialmente também que eles assinaram um contrato para a compra de 10 ATR 72-600s, mais de dez opções, no valor de cerca de US$ 450 milhões. A companhia aérea vai introduzir os quatro ATRs alugados da ALC e as 10 novas aeronaves reservadas com a fabricante serão progressivamente introduzidas em 2012, 2013 e 2014, elevando para 14 sua frota total de ATR 72-600s. Além dessa frota de ATR 72-600s, a Passaredo também vai começar a operar este ano duas aeronaves arrendadas ATR 72-500s.

Com a chegada destes novos ATRs de 70 lugares, a Passaredo irá progressivamente aumentar a capacidade de passageiros e reduzir substancialmente os custos de assento em sua rede regional. A companhia aérea vai se beneficiar de seu Acordo de Cooperação com a companhia aérea GOL e continuará a desenvolver sua rede regional com a introdução de novas rotas em todo o país.

Comentando sobre a introdução destas aeronaves, Steven Udvar-Hazy, CEO da ALC, declarou: “Estamos satisfeitos de adicionar a Passaredo a nossa lista crescente de clientes. De um total de 12 ATR 72-600s encomendados da ATR desde julho de 2010, já realizamos 10 entregas com as operadoras brasileiras. Isto claramente destaca o dinamismo do mercado brasileiro e que os ATRs perfeitamente atendem aos requisitos dos operadores regionais no Brasil. Estamos convencidos de que, devido à sua capacidade de forte e crescente atrativo entre as transportadoras regionais em todo o mundo, os novos ATRs continuarão nos proporcionando oportunidades de negócios substanciais num futuro próximo”.

Luiz Felício, presidente da Passaredo Linhas Aéreas, declarou: “A aeronave ATR está se revelando como a ferramenta certa para operações regionais no Brasil, uma vez que combina um desempenho altamente confiável em aeródromos pequenos e pistas curtas com os mais elevados padrões de conforto dos passageiros e muito limitado impacto ambiental. Tanto de uma perspectiva de custo e modernidade, a aeronave ATR 72-600 é definitivamente o melhor avião adequado as operações regionais de curta distância no Brasil”.

Filippo Bagnato, CEO da ATR, declarou: “Nós estamos vendo um sucesso extraordinário no Brasil, onde temos reservado encomendas com companhias aéreas regionais para cerca de 50 ATRs nos últimos dois anos. Este crescimento das operações regionais no Brasil também está criando oportunidades de negócios para empresas de leasing que investiram no produto ATR. O interesse dos locadores em ATRs está aumentando dramaticamente. Em 2011, o melhor ano comercial da ATR, as empresas de leasing representaram mais de 20% das vendas de aeronaves no total”.

A ATR está bem estabelecida na América Latina e do Caribe, com mais de 130 aeronaves voando com as cores de 29 operadores, incluindo mais de 60 aeronaves atualmente em operação no Brasil. Dentro dos próximos três anos, o número de ATRs voando no Brasil vai crescer acima de 100 aeronaves.

Anúncios

11 COMENTÁRIOS

  1. É… já não era sem tempo. Aliás, a Passaredo cochilou e demorou para incorporar os ATRs. A matéria não diz a respeito, mas em breve ela deve deixar de operar os ERJ145, atualmente o custo não compensa, principalmente pela característica regional da Passaredo.

    Ela tem que aproveitar a parceria com a Gol e tentar aumentar sua capilaridade. Fico na torcida para que possa vir aqui para Ipatinga concorrer com Trip e Azul que ainda estão bem caras.

    • O ATR-72 é melhor pelos 70 pax ao invés de 50, mas o EMB-145 não deixa de ser um excelente avião para regional.

      O ERJ-145 não é um avião que de prejuízo as empresas. Claro que por não ser mais fabricado a concorrência fica entre o Bombardier Q.400, ATR-72 e MA-60.

      Com o ATR-72 mais barato e de menor custo de manutençao, apesar de menos robusto e de menor velocidade e alcance. Mas o que importa é o melhor retorno financeiro para a empresa.

      O E-170 já fica caro para esta operação regional entre pequenas distancias.

      • Sim… eu já voei nele e gostei. Mas com o aumento de combustíveis eles não estavam mais sendo um bom negócio para a Passaredo. Porém eu vi uma nota dizendo que ela irá manter o ERJ-145 para rotas de médio e longo alcance.

  2. Essa passaredo é muito carera.

    O trecho que sempre vou (IGU – OPS) sai na faixa de R$450,00. Pela passaredo, saindo de Cascavel (que é até mais perto que Foz) sai por R$750-R$900. É praticamente o dobro.

    Não sei de outros trechos, mas a Trip pra mim é a melhor empresa que já voei. Os Embraer 175 dela é muito legal, ganha de todos Boeings e Airbus que já voei.

    • Sou de Cascavel e prefiro pagar mais e voar no EMB-145 do que no ATR, aliás, se puder nunca mais entro em um novamente. Não sou um fã de aviões e passei apuros dentro do ATR, não volto mais, barulhento e uma trepidação assustadora, parecia que estava desmanchando.

      A AZUL vai começar a operar em Cascavel também, mas pelo visto virá também de ATR. Para ir a Curitiba vou preferir o bom e velho carro mesmo.

      • Vc deve ter voado em um ATR-72-200, os novos -600 são muito bons.

        Os primeiros ATR-72 da Azul são os -200 que foram comprados no Vietnam com mais de 17 anos de uso. Agora estão recebendo os -600 cuja diferença externa é a hélice quadripá para os -200 e hexapá para os -600.

  3. Pois é. Será que a maioria das companhias aéreas regionais estão erradas em operar os ATR'S? Acho que não.Se tu vai voar para perto pra que que tu vai usar um jato?E Realmente o ATR-72 200 é bem problemático,inclusive tenho colegas que trabalham com essa aeronave e disseram que tiveram muitos vôos atrasados por panes,porém o modelo 600 é muito melhor, tanto em segurança de vôo quanto em supressão de ruídos,pois os modelos mais novos tem um isolamento acústico mais reforçado.

  4. Agora que a Azul e Trip vão se fundir, a torcida é para que a Passaredo conquiste mercado, seja mais agressiva, abra novas rotas e consolide a parceria com a Gol. Pois caso contrário vamos ficar muito refém da Azul no interior. Aqui em Ipatinga por exemplo temos a Azul e Trip que se tornaram uma… Bem que a Passaredo podia olhar para a cidade que até então era a mais rentável entre as 86 da Trip.

  5. A Passaredo está de brincadeira com os seus clientes. Comprar aviões ATR é um verdadeiro retrocesso. Nada de conforto aos passageiros

Comments are closed.