Jato russo capturado pelo sensor de um avião dos EUA.

Sobre os céus da Síria, os pilotos militares dos EUA estão tendo de lidar com aviões russos que muitas vezes voam muito perto de seus aviões, arriscando uma colisão no ar.

Enquanto os americanos estão ocupados bombardeando alvos do Estado Islâmico, os russos estão bombardeando os inimigos do governo de Al-Assad. Muitas vezes no mesmo espaço aéreo.

Os pilotos norte-americanos queixaram-se de que os russos não estão ligando seus transponders e nem respondem aos canais, mesmo na freqüência de emergência.

Em outubro do ano passado, um avião E-3 Sentry da Força Aérea dos EUA quase colidiu com um avião de combate russo que aparentemente não tinha idéia de quão perto eles chegaram de um acidente no ar. Apesar das advertências de rádio em uma freqüência de emergência, de uso geral, o piloto russo não respondeu.

Quando o caça russo se afastou, uma onda de ar turbulento atingiu o E-3, tão forte que chegou a interromper brevemente a eletrônica sensível do avião radar. Os jatos russos também não cumprem o protocolo internacional na escolha de não equipar seus aviões com emissores de sinal.

Para os pilotos militares, os céus acima da Síria são um incidente internacional à espera de acontecer. É uma situação sem precedentes em que, durante meses, aviões dos EUA e da Rússia se aglomeraram no mesmo espaço aéreo lutando guerras paralelas, com bombardeiros americanos atacando o Estado Islâmico e preocupados em não colidir com pilotos russos que estão bombardeando rebeldes que estão tentando derrubar o presidente sírio Bashar Al-Assad. Aviões de guerra russos também atacam alvos do Estado islâmico, ainda voam diariamente pela Síria, apesar do recente cessar-fogo na campanha de Moscou contra as forças anti-Assad, segundo a Força Aérea dos EUA.

O General Charles Corcoran disse que os pilotos russos quase nunca se comunicam com eles e nem ajustam suas trajetórias de voo. “Nós saímos do caminho. Nós não sabemos o que eles podem ver ou não ver, e não queremos que eles cometam um erro para cima de nós“, disse ele. Um incidente russo com um avião americano no mesmo espaço aéreo poderia levar a um desastre.

Por agora, o destino dos Estados Unidos e da Rússia depende de um oficial dos EUA identificado como o Coronel Manning, que fala pelo menos três vezes por semana com sua “contraparte russa” para limpar o espaço aéreo para as operações militares das nações.

A Rússia anunciou uma “retirada” de suas forças na Síria, semelhante a uma declaração do ano passado que nunca chegou a se concretizar.


FONTE: Latest.com

 

12 COMENTÁRIOS

  1. bravatas, os americanos se comportaram como o cara folgado que vai a festa sem ser convidado e reclama da comida, da musica, das pessoas, da decoração….

  2. Os russos são convidados da Síria, tem todo o direito de estar lá. Agora os EUA são invasores deste espaço aéreo, não tem do que reclamar.

  3. Se os americanos com E-3 Sentry não pediram os seus caças pra fazer acompanhamento e escoltar o caça russo antes que ele chegasse perto, então que tipo de alerta antecipado é esse???

  4. Materia polemica…um está lá sem aval da ONU e acha que está certo.

    Depois dessa vazada da conversa do Kerry dizendo que o negocio era deixar o EL tomar conta para derrubar o Assad, fica comprovado que os meios justificam os fins. Vale tudo. Inclusive apoiar quem te ataca. Não aprenderam com Bin Laden.

  5. Me parece que os Eua (leia-se Democratas) estão numa franca tentativa de arrumarem confusão com os Russos a qualquer custa, me parece que para deixar a batata assar na mão de Trump.

    É bem verdade que essas questões de encontros arriscados nos céus e mares do mundo entre Rússia e EUA não são de hoje, mas o que é engraçado é a forma que os americanos revelam isso, sempre colocando eles como os bons guardiões da paz e segurança mundial e os russos sendo os bad guys. Me parece até meio infantil o comportamento americano.

    Espero que nenhuma das partes ultrapasse a linha do aceitável.

  6. Pessoal,

    A essa altura, não importa se os americanos foram convidados ou não… As operações estão acontecendo, e deve haver um padrão para comunicações e atitudes.

    E os russos não podem também ficar nessa "criancice" de se negarem a responder ou simplesmente cruzarem rotas com os americanos. O ato de desligar o transponder, por exemplo, é algo tremendamente estúpido ( um risco até pra eles ). Imagine se os americanos resolvem fazer o mesmo…?

    No mais, vale lembrar que as atitudes de Assad também não são dignas de elogios, e boa parte da culpa por essa situação lastimável recai sobre ele. E quanto aos russos, poderiam ter intervido muito antes. Ou seja, permitiram que a situação se degenerasse a atual ponto…

  7. Os americanos tem um ego do tamanho da Lua. Ainda vai dar mercadoria.

Comments are closed.