Tu-95 helices #0Amigos, temos recebidos muitas mensagens, seja pelo site, Facebook, Twitter ou e-mail. Volta e meia aparece essa pergunta, do porque o Tupolev Tu-95 Bear usa motores com hélices contra-rotativas.

Quando os soviéticos mostraram ao mundo o Bear, o que mais chamou a atenção do Ocidente, foram os seus motores. Os projetistas soviéticos optaram por motores dotados de hélices, e mais, dotados de hélices contra rotativas, não porque lhes faltavam motores a reação, mas sim, por que identificaram ali as suas vantagens.

Tu-95 helices #1

A vantagem do sistema:

  • A inversão do conjunto binário resulta num aumento na capacidade de manobra;
  • Quando uma hélice é movida, parte da energia é perdida na velocidade de rotação do fluido, sendo recuperada pela segunda hélice, que gira em sentido contrário;
  • Sistema contra rotativo permite diâmetros menores;
  • Melhora o desempenho na decolagem e o transporte de cargas especialmente pesadas (aqui reside o ‘pulo do gato’!);
  • No caso de pane, um dos conjuntos pode ser embandeirado e o outro continua a funcionar sem muita redução na eficiência.
A Tupolev dotou o Tu-95 Bear com o motor NK-12MV Kuznetsov gerando 14.795 shp de potência.
A Tupolev dotou o Tu-95 Bear com o motor NK-12MV Kuznetsov, cada um gerando 14.795 shp de potência.
Alekseyev A-90 Orlyonok #1
Alekseyev A-90 Orlyonok

Alekseyev A-90 Orlyonok #2

A desvantagem do sistema:

  • Causa aumento da instabilidade por efeito que acarreta diretamente a deriva. Para compensar, foi preciso aumentar a área do estabilizador vertical na aeronave;
  • Maior complexidade. Quanto mais partes móveis, mais problemas e maior e mais complexo a manutenção. Além disso, também o peso do sistema é maior do que no modo convencional;
  • Barulho. Esse tipo de sistema gera um nível de ruído muito alto. Em aeroportos civis seria inaceitável;
Fora da URSS o único país que operou aeronaves com hélices contra-rotativas foi a Grã Bretanha. Na imagem o Avro Shackleton.
Fora da URSS o único país que operou aeronaves com hélices contra-rotativas foi a Grã Bretanha. Na imagem o Avro Shackleton.
Fairey Gannet AEW3 sendo lançado do HMS Ark Royal.
Fairey Gannet AEW3 sendo lançado do HMS Ark Royal.
O Antonov An-70, produzido em 1994, também foi dotado deste sistema.
O Antonov An-70, produzido em 1994, também foi dotado deste sistema.

Os soviéticos eram pragmáticos. Eles jamais fariam um avião dotado de um sistema tão complexo só para efeitos visuais. A necessidade faz a ocasião.


Texto e Pesquisa: Giordani


IMAGENS: Não creditadas, Pinterest


Anúncios

30 COMENTÁRIOS

  1. A mão do mouse chega tremeu, quando vi o título corri pra apertar o link
    Interessante que é o mesmo princípio empregado nos Ka-50/52 e as vantagens são as mesmas praticamente, com o diferencial que num helicóptero este sistema permite manobras únicas quase como um "TVC" para asas rotativas.
    Matéria muito interessante, parabéns!

  2. Excelente matéria Gio
    O que impressiona nesse avião eh a velocidade de cruzeiro, proxima a do B-52. O barulho que o Bear faz eh realmente descomunal, mas ver uma máquina dessas mesmo parada num museu eh impressionante e intimidador ao mesmo tempo.

    • Grato. O fato é que os soviéticos só optaram por este arranjo por causa da carga. É claro que os soviéticos tinham totais condições de motores a reação, mas temos que lembrar que quando o Tu-95 foi projetado, os motores a jato eram beberrões, o que teria afetado o alcance do Bear. Puro pragmatismo soviético.

  3. Dizem que o ruido é tão grande que os submarinos americanos ouviam quando o Tu95 voava baixo.

  4. Essa matéria entra na lista de coisas que você não sabia que tinha dúvidas, até ler algo sobre e se perguntar por que nunca questionou.
    Em tempo, ótima matéria.

  5. Muito bom esse artigo, alem do Tu-95 muito legal. Adoro esse senhor dos ceus… a força sovietica no seu ápice.

  6. não sei se to falando bobagem, mas acho que outra vantagem desse sistema é a autonomia

  7. É importante entender que com hélices contra-rotativas é possível transferir mais potência a uma mesmo eixo sem exceder a capacidade de gerar empuxo de apenas uma hélice. Para fazer uma hélice transferir toda a potência do motor, no caso do Tu-95, elas teriam que ser muito maiores e/ou girassem mais rápido, o que faria com que suas pontas atingissem velocidade supersônica, o que é inviável na prática. Com essa combinação de hélices os soviéticos conseguiram ter no Tu-95 uma aeronave, turboélice, com uma velocidade máxima próxima ou até mesmo superior a de alguns jatos por terem conseguido transferir o empuxo do motor em um sistema, complexo, mas relativamente compacto, eficiente em consumo e velocidade final. O barulho não é um problema para essa aeronave, mas o foi para o Tu-114.

  8. Fico imaginando até que ponto o barulho do Bear pode atrapalhar em combate.. será que é muito? porque vejo vídeos dele, e da para saber de muito longe que é ele..

    • Eu não sei explicar muito bem , mas….esse barulho serve pra uma coisa , tipo: Tem uma guerra , ai o avião passa a uma baixa altura intimidando as tropas inimigas , eu não lembro quem me falou isso , mas emfim , serve pra alguma coisa!

  9. Parabenizo o site pelo post que nos traz mais conhecimento sobre uma forma diferente de pensar sobre a tecnologia aeronautica.

    Peço para me esclarecer ainda mais, e trazer um complemento das informações no que tange de como é a "mecânica" do fluxo de ar pelas hélices .

    Não sei explicar, mas mais qeu a mecanica do motor, a minha curiosidade é sobre sobre o fluxo de ar que gera esse desempenho

    • Gismarpj,
      A hélice nada mais é que um aerofólio, comportando-se como qualquer superfície capaz de gerar sustentação. Isso vale para tudo, até para as palhetas do compressor.

      • Giordani,

        Entendo isso, mas não sou engenheiro, e a minha curiosidade é como a primeira helice corta e desloca o ar num sentido e a hélice seguinte corta e desloca no sentido contrario.

        Logo, na minha forma simploria de pensar as helices deveriam rodar pro mesmo lado em momentos diferentes, como se uma fosse a continuação da outra.

        Entende?

          • Você "às vezes" é até bem intencionado, mas ao que parece não entendeu a dúvida do colega. Eu entendi, mas me falta o cabedal científico pra responder, e longe de mim dizer que você não possui tal conhecimento. Que alguém o consiga, pois essa inquietação agora é minha também.

            • Na real , se do jeito que eu entendi está errado , então não estou nem a seus pés , que pelo menos entendeu a pergunta!!!

        • O sentido que a hélice descola o ar depende da combinação entre a direção do giro e do formato da hélice, repara se as hélices são idênticas nos pares…

        • Agora eu te entendi , e não faço a minima ideia de como eles conseguem esse feito , quem sabe as laminas estejam projetadas pro outro lado , ao mesmo girando no sentido contrario , o efeito é o mesmo (?)

        • As hélices tem bordos de ataque e de fuga invertidos, podem cortar o ar de forma oposta mas ainda assim empurram na mesma direção.

          É mais ou menos "só virar a hélice" em um eixo de 180°, não sou engenheiro mas me parece bem simples.

          Não sei se ajudei, talvez a primeira atue como um compressor colhendo ar para a segunda ou as duas se somam evitando a necessidade de uma hélice muito grande.

  10. Sensacional a postagem, volta e meia a um tempo atrás eu pesquisava publicações sobre a diferença cinética entre a reação e a hélice, mas nunca tinha me dignificado a saber como funcionava as "turboprops" dos Ursões!!!
    Outro detalhe que é importante frisar, é que a velocidade não é só mérito das hélices contra-rotativas, mas também do enflechamento das asas, que caso fossem retas, causariam uma resistência ao ar muito grande, me corrijam se estiver errado.
    O som do Bear é provavelmente o mais bonito(e poderoso) Turbop?op de todos os tempos, morro de saudade das decolagens e pousos do Hércules, Brasília e Bandeirantes nos subúrbios de Marechal Hermes.
    (As hélices contra-rotativas também usam o princípio do KERS? Ou algo similar?)
    Muito obrigado Giordani e aos outros, parabéns pela postagem.

Comments are closed.