O porta-aviões Almirante Kuznetsov na doca de manutenção em foto de arquivo. (Foto: GETTY IMAGES / LEV FEDOSEYEV)

Na noite de segunda-feira (29), o único porta-aviões da Rússia, o Almirante Kuznetsov, sofreu danos graves quando o dique seco flutuante em que estava sendo consertado afundou. De acordo com relatos da Radio Free Europe, 71 trabalhadores de estaleiros foram evacuados quando o dique seco de repente começou a se encher de água. Quatro trabalhadores ficaram feridos, um seriamente e um quinto está desaparecido. O porta-aviões, ou o que sobrou dele, de qualquer maneira, foi posteriormente rebocado para fora do dique seco para um estaleiro próximo, a 35ª Fábrica de Reparos.

Quando o dique seco afundou, o envelhecido Kuznetsov – ou mais propriamente o Almirante Kuznetsov da frota da União Soviética – estava no meio de uma reforma muito necessária na dique seco PD-50, com 329 metros de comprimento e 66 metros de largura, localizado em Kola Bay perto de Murmansk. A instalação é uma das duas únicas na Rússia capazes de manter navios do tamanho de Kuznetsov e dos cruzadores de batalha da classe Kirov, em Moscou. Pode realizar manutenções em navios com deslocamento de até 80.000 toneladas.

De acordo com a Reuters, uma queda de energia na fábrica de reparos cancelou o evento. A interrupção fez com que os tanques de lastro do dique seco se enchessem rapidamente, afundando a coisa toda. Na época, o Kuznetsov estava no processo de deixar o dique seco, então foi capaz de se libertar da instalação.

O navio não escapou ileso. A Reuters informa que um guindaste de 70 toneladas caiu sobre o porta-aviões quando o dique seco afundou, perfurando um buraco de 16 metros de largura no casco e no convés de voo do navio. Pode ser o último pedaço de má sorte para o famoso veículo infeliz. Nas últimas décadas, o Kuznetsov já havia sido assolado por incêndios, cortes orçamentários e caldeiras a vapor destruídas. É tão pouco confiável que um rebocador era mantido sempre acompanhando ele em longas viagens, como uma sombra.

Primeiro porta-aviões da União Soviética, o Kuznetsov foi comissionado em 1990 e herdado pela Rússia após a dissolução da URSS. Nos anos imediatamente posteriores à Guerra Fria, raramente ia para o mar – conduzindo apenas seis patrulhas entre 1991 e 2015. Em 2009, um acidente elétrico matou um tripulante na costa da Turquia. Mas a Rússia repetidamente empurrou o navio para o serviço, e uma missão de 2016 na costa da Síria viu o navio perder dois jatos em apenas três semanas.

Antes de romper um buraco no casco, esperava-se originalmente que o reequipamento atual mantivesse o Kuznetsov a caminho de outro (talvez otimista?) período de 25 anos. O upgrade estava previsto para substituir quatro das oito caldeiras turbo pressurizadas do navio, reformar as outras quatro e fazer melhorias no convés de voo, hangar e guerra eletrônica, comunicação, inteligência, navegação e recursos de controle de combate. Mas apenas no ano passado, o orçamento de atualização foi reduzido pela metade, e um novo relatório da TASS diz que o navio receberá novas caldeiras, melhorias nos equipamentos de operações de voo e o sistema de defesa Pantsir-M.

Isto é, se não ficar sem gás, explodir em chamas, cair de um penhasco e afundar primeiro no fundo do oceano.


Fonte: Popular Mechanics

Anúncios

18 COMENTÁRIOS

  1. Conseguiram uma forma de se livrar dele. Daqui a pouco vão dizer que foi sabotagem dos iluminattis.

    A verdade é que o estaleiro construtor ficou com a Ucrânia. A conversão do Vikramaditya foi uma novela e a manutenção do Kuznetsov está aí.

  2. Que me perdoem os russófilos mas se essa coisa tivesse sido danificada ao ponto de ser irrecuperável, seria um favor ao mundo e quem sabe também à Rússia. Essa coisa é uma verdadeira 'maria fumaça' e o maior perigo que parece oferecer é o de poluir a atmosfera. Sem contar que precisa de um rebocador por onde vai. Pensa numa 'coisa' medonha. Deve assombrar mais a marinha da Rússia que qualquer outra força naval.

  3. O NAe russo é uma piada flutuante! Não bastasse a desastrada comissão na Síria quando 10% do grupo aéreo foi perdido em acidentes e os Su-33 foram forçados a operar de terra agora quando o navio foi fazer uma lanternagem do estaleiro acontece isso! Parece coisa do Didi Mocó dos trapalhões….rs!

  4. Parece até a manutenção da Marinha Brasileira que conseguiu "cagar" O 'Minas Gerais' e o 'São Paulo' de um jeito que os dois ficaram inutilizados! Um já virou sucata infelizmente e o outro se não for salvo já está praticamente virando!

  5. Não significa nada pois, segundo a Ignoranttsia Brasilis, essa belonave era uma sucata soviética inútil e dispendiosa, maria fumaça desdentada e poluidora. Ou seja, se o acidente o danificou seriamente isso não afetará em nada a marinha russa. Porque nada que seja russo, chinês ou europeu presta e todos aqueles que compram equipamentos desses lugares são sem noção e perdulários.
    Independentemente da opinião de quem quer que seja, torçamos para não haver mortos e feridos, apesar de que parece que já há, lamentável.

    • A única "ignorantssia " aqui é a sua porque ou não conhece ou birrentamente se recusa a aceitar fatos que vem sendo reportados a tempos pela imprensa mundial. No mais o mesmo mimimi de sempre, o mesmo blábláblá paranóico repetitivo que não acrescenta em nada os debates.

  6. Se Trump for esperto ele vai dar um jeito de ajudar a Rússia a botar esta lata velha de volta ao mar, este navio é muito mais útil aos Estado Unidos navegando pelos russos que qualquer obra de sabotagem que seus agentes possam fazer kkkk…

  7. Perderam a expertise para construir e agora não conseguem dar manutenção.

    Tem de voltar para a prancheta, começando por porta-helicópteros menores e por ai vai…

  8. O A-12 São Paulo deles, pior até, e a Rússia tem os mesmos militares tão incompetentes quanto da MB, que demora para perceber uma coisa tão obvia! Que isso precisa ser jogado no LIXO! Se eu fosse a Rússia usaria isso como alvo para os misseis, serviria como propaganda, talvez intimidaria os seus inimigos e de quebra viraria um recife artificial.

  9. Provavelmente, este navio pode ser considerado, na sua individualidade, o equipamento militar mais azarado ou zicado de nossa época.

    Tudo dá errado, nada nunca funciona a contento. O melhor a se fazer é realizar uma docagem definitiva e abandonar ao relento em um instalação isolada. Melhor que tentar um reaproveitamento ou reciclagem e espalhar a urucubaca por mais lugares.

  10. Realmente so obrigado a concordar que a restauração desse porta avioes é um desperdício de grana e muita grana e com esse acidente vai ficar mais caro ainda. O melhor a fazer é esquecer essa restauração e começar do zero um novo porta aviões e colocar o Kuznetsov como museu frutuante em Murmansk.

Comments are closed.