Concepção artística do KC-390 nas cores da Força Aérea Portuguesa.

O Governo de Portugal e a Embraer assinaram hoje, em cerimônia realizada nas instalações da Embraer, em Évora, o contrato para aquisição de cinco aviões de transporte multimissão KC-390, suporte e serviços e simulador de voo.

O contrato faz parte do processo de modernização das capacidades da Força Aérea Portuguesa para apoiar as operações das Forças Armadas de Portugal e aumentar a prontidão em missões de interesse público. As entregas estão programadas para começar em 2023.

O KC-390 foi desenvolvido para estabelecer novos padrões de eficiência e produtividade na sua categoria, apresentando ao mesmo tempo o menor custo do ciclo de vida do mercado. A aeronave cumpre os requisitos da Força Aérea Portuguesa sendo capaz de realizar diversas missões civis, incluindo apoio humanitário, evacuação médica, busca e salvamento e combate a incêndios florestais e acrescenta capacidades superiores de transporte e lançamento de carga e tropas, e reabastecimento em voo.

Legenda (esquerda para direita): Comandante da Força Aérea Portuguesa, General Joaquim Borrego; Primeiro-ministro de Portugal, António Costa; e Presidente da Embraer Defesa & Segurança, Jackson Schneider, durante cerimônia para assinatura de contrato para aquisição do KC-390, realizada nas instalações da Embraer, em Évora, Portugal, em 22 de agosto de 2019.

“Este é o coroamento de um criterioso processo de seleção que nos deixa orgulhosos, representando o ingresso do KC-390 no mercado internacional. O KC-390 atenderá às necessidades operacionais de Portugal, garantindo a capacidade de integração com as nações aliadas pelas próximas décadas”, afirmou Jackson Schneider, Presidente e CEO da Embraer Defesa & Segurança. “Este contrato reforça a parceria industrial entre Portugal e a Embraer, contribuindo para o desenvolvimento da engenharia e da indústria aeronáutica em Portugal”.

Portugal é o maior parceiro internacional do Programa KC-390 e a sua participação no desenvolvimento e na produção da aeronave é reconhecida como tendo tido um impacto económico positivo na geração de empregos, novos investimentos, aumento de exportações e avanços tecnológicos.

O KC-390 recebeu o Certificado de Tipo da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) do Brasil em 2018 e está em plena produção seriada. A entrada em serviço da aeronave está prevista para o terceiro trimestre de 2019 com a Força Aérea Brasileira (FAB) e mais entregas esperadas no decorrer do ano.

Anúncios

16 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns aos Portugas pelo risco de operar algo que não cumpre com todas exigências do projeto como por ex. pousar na Antártica (eu nunca vi foto), além claro do risco de voar um sistema que nem a fab ainda tem. Como os portuga fazem parte do projeto, é compreensível mas pra alguém que vai pagar de prateleira, é arriscado comprar tão cedo.

    • Sempre que eu vejo nas licitações das diversas forças eu sempre vejo os termos "testado e combate", "horas de voo", "numero x de usuários", o KC não está em nenhuma delas pois obviamente é novo, ninguém o usa. Eu como um chefe de uma força jamais usaria o dinheiro do contribuinte em algo que é uma incógnita, uma analogia, você vai comprar uma pickup, quem em sã consciência compraria a primeira da Volks, guardadas as devidas proporções. Como eu disse a fab tem motivo, ela foi a interessada e financiadora mas caso contrário, é risco.

      Sobre as exigências, tem power point da fab mostrando o projeto KC390 para os deputados, tem montagem lá que eu ainda nao vi o KC fazer, como pousar na Antártica e pista semi preparadas.
      Uma curiosidade, fui procurar o power point e postar aqui e so encontrei o mais recente e nele esta atualizado, sem essas exigências iniciais que estavam lá e que mostraram na camara inclusive.

      slide 16 (atualizado): https://www.camara.leg.br/internet/comissao/index

      • Quanta tolice. A emenda saiu pior que o soneto.
        Portugal também tem motivos porque é parceira do projeto. Eles sabem das capacidades desta aeronave, ao contrário de você que é totalmente leigo.

        Se os países e empresas aéreas fossem seguir seu raciocínio, todos os novos projetos seriam um fracasso de vendas.
        Quem compraria o F-35 além dos EUA? Quem compraria os E-Jets quando lançados já que ainda não tinham comprovado nada em operação?
        E mais centenas de exemplos.

        É impressionante este comportamentos de alguns leigos, pessoas que não sabem, que não conhecem nada além do básico e permitido que se divulga, ou nem isso porque não se informam, de buscarem depreciar o confiável ao mesmo tempo em que exaltam o duvidoso, como os projetos chinos que jamais mostram e comprovam nada do que alardeiam.

        • Você e os outros não sabem Interpretar um texto, apenas disse que o projeto tem riscos, é o primeiro vetor do segmento nessa companhia, quem faz parte do projeto assume o risco e quem não faz espera para comprovar suas reais capacidades, onde isso que eu disse está errado?

          No ultimo parágrafo você diz "depreciar o confiável", me fala quem pode afirmar o que a empresa afirma de forma imparcial, quem opera o KC para afirmar..

          Não sabem ler e saem criticando.

          • Galileu,

            Pra mim depois daquela sacolejada com um pacote de sabe-se lá quantas toneladas batendo solto no interior do bicho, ele dar umas cambalhotas e o piloto ainda conseguir controlar e pousar em segurança, ele já está mais que aprovado! kkkkkk

            É o primeiro do segmento sim, mas a Embraer já provou competência e capacidade várias outras vezes, ninguém em sã consciência duvida disso mais..

            Relaxa bro, o KC-390 é bruto mesmo, toda nossa torcida para o bichão.