Embraer KC-390 / © Bruno Batista, em caráter ilustrativo
Embraer KC-390 / © Bruno Batista, em caráter ilustrativo

O ministro português da Defesa, Azeredo Lopes, afirmou na última sexta-feira (1) que seu país mantém o interesse na compra de aviões KC-390 da Embraer para substituírem os atuais C-130 da Força Aérea Portuguesa, que têm uma vida útil até 10 anos.

“O Estado português mantém o interesse na compra dos aviões”, porque “aqueles que dispõe têm uma vida útil que começa a aproximar-se do fim, por muitas modernizações que possamos fazer”, declarou o governante.

Admitindo que “é uma decisão que vai ter de ser tomada mais tarde ou mais cedo”, Azeredo Lopes realçou que os C-130 “já têm algumas dezenas de anos” e que estão atualmente “num processo de modernização para poderem cumprir os ‘standards’ NATO”.

“Calcula-se que [os aviões Hércules C-130 da Força Aérea], com a modernização, independentemente do abate que vai ter que ser feito de um ou de outro, possam ser utilizáveis até um máximo de 10 anos”, referiu.

O ministro da Defesa Nacional falava à agência Lusa no final de uma visita às duas fábricas de Évora da construtora aeronáutica brasileira Embraer, nas quais são produzidas peças para o avião KC-390.

Questionado pela Lusa sobre se o possível negócio foi abordado na visita desta seta-feira, o governante frisou que “a Embraer teve a grande delicadeza de não perguntar se o Estado português ia comprar o KC-390” e que ele próprio teve “a grande delicadeza de não tocar diretamente no assunto”.

“Estamos a falar de compromissos que têm de ter um faseamento de bastantes anos”, frisou, defendendo que se devem “tomar decisões que não sejam instantâneas”.

Azeredo Lopes apontou o projeto da construtora aeronáutica brasileira Embraer em Évora como “um caso muito feliz”, porque “não dependeu de partidos nem deste ou daquele governo”, considerando que representou “um consenso nacional muito importante”.

Portugal está envolvido no projeto do KC-390, através do Centro de Excelência para a Inovação e Indústria (desenvolvimento e testes) e das unidades da Embraer no país: as OGMA, em Alverca, e as fábricas de Évora (construção de componentes).

Tal como outros 30 países, Portugal assinou uma carta de intenção de compra do KC-390, de até seis aeronaves.

O KC-390, segundo a Embraer, é um avião que poderá ser usado para o transporte e lançamento de cargas e tropas, reabastecimento aéreo, busca e resgate e combate a incêndios florestais.

KC-390 em voo no interior de São Paulo, Foto – Sgt Batista, Força Aérea Brasileira (2)
Embraer KC-390 / © Bruno Batista, em caráter ilustrativo

divider 1

FONTE: O Observador

EDIÇÃO: Cavok

Anúncios

3 COMENTÁRIOS

  1. Ótima notícia! Mas Infelizmente só acredito quando ver um Kc-390 taxiando em Portugual e com as cores de sua força aérea. O Mesmo vale para a Argentina.

  2. Que venham as encomendas, e que os patrícios sejam generosos com as quantidades, afinal houve contrapartida por parte da Embraer em investir naquelas terras.

    • Fiquei preocupado com a frase, A EMBRAER teve grande delicadeza de não tocar no assunto sobre se o Estado Português iria comprar. Tá certo que o avião ainda não é uma realidade, mas nos Empreendimentos estratégicos toda parceria tem que ser discutida, ainda mais uma parceria de bilhôes de dólares. Nossas parcerias ainda são muito frágeis.

Comments are closed.