Xi Jiping Boeing
O president chinês, Xi Jinping, e sua esposa, Peng Liyuan, em sua chegada, na última terça-feira, à fábrica da Boeing, em Everett, na Região Metropolitana de Seattle, na costa oeste dos EUA / Foto: Elaine Thompson

Durante sua primeira visita oficial aos EUA, o presidente chines, Xi Jinping, visitou a fábrica da Boeing, em Everett, onde foi anunciada uma encomenda histórica de 300 aeronaves avaliadas em aproximadamente US$ 38 bilhões, em preço de lista.

20150923-xi-arrives
O president chinês, Xi Jinping, e sua esposa, Peng Liyuan, em sua chegada, na última terça-feira, à fábrica da Boeing. O chefe de Estado passou os três primeiros dias de sua viagem oficial aos EUA em Seattle, onde teve uma série de encontros com empresários. Xi Jinping segue hoje para Washington, D.C., onde sera recebido pelo presidente americano Barack Obama / Foto: Carolyn Adolph

São 240 aviões para as companhias aéreas chinesas (Air China, China Southern Airlines, e China Eastern Airlines), incluindo 190 unidades de jatos 737 e 60 aviões de fuselagem larga.

As outras 60 aeronaves são do modelo 737 e serão vendidas para as companhias de leasing (arrendamento).  A colaboração inclui esforços no desenvolvimento de tecnologia para reduzir o impacto ambiental da aviação, treinamento de “líderes” na indústria de aviação na China, e contínua cooperação no suporte de segurança e eficiência do sistema de transporte aéreo chinês.

boeing-xi-jinping-rts
O president chinês, Xi Jinping, é recebido pelo responsável pela divisão de Aviação Civil da Boeing, Ray Conner, durante sua visita à fábrica da Boeing, em Everett / Foto: Reuters
_85716937_boeing.xi.r
O president chinês, Xi Jinping, durante sua visita à fábrica da Boeing, em Everett / Foto: Reuters

Entre essas medidas, a Boeing e a Commercial Aircraft Corporation of China (Comac) vão ser parceiras na abertura de uma fábrica na China para pintura e montagem do interior de aeronaves 737 fabricadas pela companhia aérea americana.

Maior mercado internacional da Boeing, desde o início do ano a China recebe um em cada quatro aviões entregues pelo fabricante americano.

Ainda assim, a Boeing perdeu terreno para seu concorrente europeu Airbus, que, desde 2008, tem uma fábrica na China para montar aviões da linha A320. A ofensiva da Airbus deu resultado e, hoje, a companhia divide o mercado chinês com os americanos.

1200x-1
O president chinês, Xi Jinping, durante sua visita à fábrica da Boeing, em Everett / Foto: Reuters

A Boeing estima que nos próximos 20 anos, a China precisará de mais 6.330 aviões de carreira, o que significa um valor acumulado de US$ 950 bilhões.

Apesar de a economia da China já não crescer como antes, o desenvolvimento de sua classe média deve impulsionar o aumento do número de passageiros, assim como das conexões regionais, afirmam especialistas.

Até 2034, a China responderá por 17% dos aviões comerciais vendidos no mundo, segundo a Boeing.

“Quem ganhar o mercado chinês, será o líder mundial do setor aeronáutico”, vaticinou o responsável pela divisão de Aviação Civil da Boeing, Ray Conner.

2015-09-23t212729z_1835701340_gf10000217701_rtrmadp_3_usa-china_read-only
O president chinês, Xi Jinping, cumprimenta o presidente e CEO da Boeing, Dennis Muilenburg. À esquerda da foto, Ray Conner, responsável pela divisão de Aviação Civil da fabricante americana / Foto: Reuters

divider 1FONTE: Valor Econômico, Reuters, Boeing – EDIÇÃO: Cavok

IMAGENS: Meramente ilustrativas

Anúncios

22 COMENTÁRIOS

  1. Que golpe para as aeronaves comerciais da sukhoi, mas a china pode surpreender aguardemos.

    • Tenho um pensamento formado já faz muito tempo de que a China é o pior inimigo da Russia, a China não quer uma Russia forte, enquanto a China precisar da Russia militarmente eles vão ter boas relações, daqui a uns 15-25 anos quando a China tiver se consolidado firmemente como potencia as relações vão azedar totalmente entre os dois e a China vai tentar fazer com a Russia o mesmo que os EUA fez com o México no sec XIX, não falo de invasão territorial, mas sim em colocar o vizinho bem parado na sua sombra, quem viver verá 😉

  2. Agora os Chineses vão poder melhorar sua engenharia reversa, com aval da Boing.

  3. O que mais me chamou a atenção foi o fato do presidente viajar em 747 da China Airlines.

  4. Acho que foi um chute nos bago sa Sukhoi e da Irkut, com o MC-21
    se bem que a Boeing estimou em muito mais a quantidade de aviões necessárias para a china nos proximos anos, vamos ver!

  5. A China é tão grande, que tem espaço pra todo mundo, incluindo russos e brasileiros.

    • Os E-jets são muito pequenos para o mercado doméstico chinês,que ao contrário do mercado dos EUA não é muito fragmentado. Ali o papo começa com A-320.

  6. Ao pessoal q pensa em ser piloto esta ai a oportunidade, agora é só aprender chinês.

  7. Interessante é observar a expressão de cada individuo na 5ª foto, revelador!!!!…rs….

Comments are closed.