O carissimo programa F-35 exigirá mais de meio bilhão adicional para finalizar.
O carissimo programa F-35 exigirá mais de meio bilhão adicional para finalizar.

O Pentágono precisará de mais US$ 530 milhões para concluir a fase de desenvolvimento do F-35 da Lockheed Martin, o sistema de armas mais caro dos EUA, disseram autoridades de defesa.

O escritório do programa F-35 fez o pedido de mais dinheiro para completar o desenvolvimento, que acredita-se estar em sua última etapa após 15 anos, durante uma revisão fechada no mês passado pelo Conselho de Aquisição de Defesa, de acordo com os funcionários.

First Flight of BF-21, USMC Tail VK-01, Yuma F-35, Pilot Billie Flynn, October 24, 2012 Carrol 2066236 Photographer Liz Kaszinksi Fort Worth, TX PR approved by JPO on 11-01-2012 under Document JSF12-1268

O Departamento de Defesa e os serviços militares que contam com as três versões do F-35 estão avaliando como pagar por um pedido que entraria na proposta orçamentária do orçamento fiscal de 2018. Aprovar os fundos adicionais seria provavelmente a primeira decisão do F-35 a chegar à mesa do próximo secretário de Defesa.

O pedido de mais dinheiro vem enquanto o principal testador de armas do Pentágono emitiu um novo aviso de que a aeronave, projetada para custar US$ 379 bilhões para uma frota de 2.443 aviões dos EUA, está longe de mostrar que tem plena capacidade de combate.

57030b23c361889a588b461eEm um memorando de oito páginas datado de 14 de outubro e obtido pela Bloomberg News, Michael Gilmore, o diretor de testes operacionais, recomendou “muito fortemente que o programa seja reestruturado agora e fornecido os recursos adicionais que claramente são exigidos para entregar sua longamente e intensamente planejada capacidade operacional”.

A maioria dos US$ 530 milhões “será usada para completar os testes de voo de desenvolvimento”, que devem ser concluídos até outubro de 2017 e os testes de combate operacional nos exercícios de 2018 e 2019, disse Joe DellaVedova, porta-voz do Pentágono sobre o F-35, em um email. Ele disse que US$ 265 milhões dos US$ 530 milhões são para pagar “atrasos imprevistos”, e nenhum dos fundos serão necessários no ano fiscal atual.

14p00550_017_cEnquanto os adicionais US$ 530 milhões seriam uma fração do que já é uma fase de desenvolvimento de US$ 55 bilhões, Frank Kendall, subsecretário de Defesa para aquisição, disse em um e-mail que ele estava “decepcionado ao ouvir que os fundos adicionais seriam necessários. Estamos trabalhando para minimizar o tamanho do déficit e oferecer opções para enfrentá-lo”.

O vice-presidente do Pentágono, Mike McCord, disse que “não ficou totalmente chocado” com o pedido de financiamento. Embora não seja um grande aumento considerando o tamanho do programa, McCord disse em uma entrevista: “Eu estava esperançoso, talvez, que não teríamos um problema como este porque” o programa “tem se movido em uma direção razoavelmente decente.”

17050091398_16aa81fc9f_k-e1459778906921-965x543DellaVedova disse que “a maior parte deste financiamento necessário virá de outras” fontes de financiamento “do F-35 para minimizar o impacto nos requisitos dos orçamentos globais dos Serviços dos EUA e do DoD. Nenhum financiamento adicional será exigido dos parceiros internacionais” que estão comprando o avião. O Reino Unido, a Itália e a Austrália estão entre os compradores.

O F-35 está sendo desenvolvido mesmo enquanto o avião está na fase de produção em taxa baixa, uma sobreposição que Kendall uma vez chamou de “imperícia de aquisição”. O pedido de mais financiamento está em desacordo com as garantias passadas de que o programa absorveria qualquer aumento de custos no desenvolvimento.

dfc84df6“No programa de desenvolvimento gostamos de dizer às pessoas que não temos mais dinheiro e não temos mais tempo”, disse o tenente-general da Força Aérea, Christopher Bogdan, diretor do escritório do F-35 no Pentágono, em uma conferência em 2014.

O programa tinha “os recursos para ser concluído” dentro do prazo e “no orçamento, e pretendemos fazê-lo”, disse ele. “Não planejamos voltar atrás e pedir mais dinheiro ou mais tempo para concretizar esse programa”.

A fase de desenvolvimento estava originalmente programada para terminar no ano fiscal de 2012. Isso foi estendido para o ano fiscal de 2016 durante uma grande reorganização do programa no início de 2010, e US$ 476 milhões em financiamento foram adicionados na época.

test_promo__mainGilmore, diretor de testes, disse em um e-mail que estima que os testes de voo necessários para concluir a fase de desenvolvimento não serão concluídos até novembro de 2018, pelo menos um ano depois do planejado, “a menos que o programa possa ignorar ou excluir etapas de avaliações”.

No memorando de Gilmore, ele citou questões incluindo um atraso de 10 meses para dezembro no lançamento dos testes de voo da última versão do software mais capaz do F-35; progressos insuficientes nos ensaios em voo dos sistemas de missões de combate; perguntas sobre deficiências de projeto com as armas do avião; muito poucos aviões disponíveis para voos; e até 1.179 relatórios de deficiência de software “significativos abertos”.

air_f-35a_landing_tom_reynolds_2013_lmco_lgGilmore disse que o programa fez apenas “um progresso limitado” desde que ele escreveu aos líderes do Pentágono no dia 9 de agosto expressando preocupações uma semana depois que a Força Aérea declarou sua versão do F-35 operacional.

A Secretária da Força Aérea Deborah James certificou ao Congresso em setembro que as aeronaves programadas para serem entregues no início de 2018 serão totalmente capazes de combater, mas Gilmore disse em um e-mail separado na terça-feira que ele considerou isso improvável.

f-35-close-upEm seu memorando, Gilmore escreveu que o F-35 não pode estar pronto para os testes de combate, e que antes precisa passar para fase de produção em taxa plena para que possa ser considerado pronto, senão será “imprudentemente constrangido a operar dentro do orçamento atualmente planejado e cronograma.”

O programa precisa de mais fundos, disse Gilmore, para “completar todos os testes” necessários “para corrigir um número substancial de deficiências críticas existentes, bem como as novas deficiências que inevitavelmente serão descobertas”.

Fonte: Bloomberg

Anúncios

38 COMENTÁRIOS

  1. E isso que essa revisão indicou que o valor necessário para finalizar o programa…baixou!

    Agora que o atual governo do Canadá usa de vez essa desculpa para pular fora!

  2. Troco de balinha pra eles, essa quantia é irrisória e deve ser liberada. Não dá pra perder todo o investimento feito até aqui, sem falar da responsabilidade com os países parceiros do projeto.

    Que barca furada, mas é o que tem pra hoje!

    Sds

  3. Que o F-35 é bom eu não tenho dúvidas.
    Mas tb não tenho dúvidas que a Lockheed tá esfoliando o contribuinte americano!

  4. Ou seja…. vai ter muito engenheiro de Software quebrando a cabeça para fazer a parte do Software conversar corretamente com o Hardware (e no tempo esperado e SEM entrar em Loop).

    Até o final do desenvolvimento do F-35 essa equipe fica doida, certeza!

  5. para um pais que tem uma divida de mais de 20 trilhoes de dolares , 500 milhoes é nada, este avião tera que ter uma vida util de mais de trinta anos para poder pagar o projeto, e que mais paises comprem este avião.

  6. Com o preço da unidade não sei se muitos outros países irão compra-lo. Tem gente querendo pular é fora…

  7. ai durante os testes finais, eles descobrem que precisam de mais correção e mais testes kkkkkkkkkkk

  8. Falei a um mes atras que software que com certeza estava lotado de bug's e o Ufric quase me bateu. 🙂
    Disse que eu nao participava do JSF para saber…nem precisa…eles mesmo estão dizendo que está todo bichado.

    • Eu quase bati em você? Ué, claro que não. 🙂

      Sobre bugs de software, as pessoas são muito inocentes. E se eu falar que o F-16 teve problemas de software resolvidos só esse ano? E se eu falar que o Gripen também só teve bugs corrigidos esse ano com o MS20? A lista é grande, mas é claro que ninguém fica sabendo pois o foco da mídia é o F-35, e ninguém cria conciencia que problemas de software acontecem com quase todos caças por aí. Ainda mais o F-35, com toda sua complexidade, e 3 variantes diferentes.

      • De fato vc tem razão.

        Fato é que não sabemos o quanto o Bug do Softtware do F-35 compromete ou não a missão e também o das outras aeronaves.

        Faço um paralelo com a Formula-1, aonde carros bilionários também dão bug durante a corrida e muitas vezes os telespectadores nem percebem isso. Antes quando os mecânicos podiam ajudar os pilotos não eram incomum conversas serem captadas do pelotão da frente (equipes de ponta) aonde os mecânicos ajudam o piloto a reiniciar o software com o carro em movimento durante o GP.

        Não acredito que em um avião de combate deva ser muito diferente!

        Mas já pelos F-1 podemos concluir algumas coisas: Há bugs e há BUGS, alguns não te prejudicam tanto, outros acabam com sua corrida, e outros ainda fazem uma uma Mercedez correr como uma Sauber!

        E mais uma vez eu acho que isso não deve ser tão diferente em um F-35 (por exemplo).

          • Sem duvidas o foco é pegar no pé do F-35. Acredito que o fato dos gastos serem exorbitantes faz com que tudo que aconteça com ele seja maior do que realmente é! Sei lá…acho que o excesso de tecnologia implementada também seja a questão. Esqueceram também da integração com os datalink's existentes. Isso é uma desgraça!

            • O atual software já se comunica através de data-link, basta você voltar no Cavok e ver a notícia que um F-35B, através de data-link, guiou um SSM-3 disparado de um destroyer.

              O data-link final chegara no final de 2018, com o software 3F, vai se comunicar com tudo que tenha data-link.

              E sobre custos, o programa do B-1 e do F-16 também foram muito caros e problemáticos. Converta o valor do programa do B-1 para os valores atuais, e levará um susto com o custo.

  9. Os EUA devem estar putos com os canadenses, que estão demonstrando serem uns traíras, vide o caso do financiamento da BONBARDIER por parte do governo gerando concorrência desleal com a Boeing e Embraer. O parceiro dos EUA nas Américas deveria ser o Brasil, e tudo aponta para isso no futuro.

  10. OFF TOPIC
    Se o Brasil futuramente adquirisse o F-35. Qual seria a quantidade mínima e quais tipos? CTOL, STOVL E CV. Desculpe se faço aqui uma pergunta de leigo sobre esse assunto.

    • Sobre quantidade, não posso te responder pois não sou da FAB, mas a resposta provavelmente seria: Quanto mais, melhor.

      Sobre os tipos, posso dar uns pitacos: Acredito que somente a versão convencional seria bem utilizada com nossa infraestrutura atual. Tanto a versão B quanto C tem em mente operar embarcado, e precisaria de um carrier mais moderno coisa que não dispomos. Se fosse o caso da MB ter uma embarcação desse porte, o C serie mais indicado, já que ele operaria como um F/A-18.

      A Variante B tem um role muito mais de ataque, e tem perna curta, acho que dificilmente teríamos uma missão em que ele fosse mais bem empregado do que a versão A ou C.

      🙂

    • Não sei, acho o Gripen mais adequado para a nossa realidade.

      Acho que o Gripen combina bem com a nossa estrutura e recursos. Não vejo necessidade de F-35 na América do Sul, talvez no futuro para formar um esquadrão de ataque ou outras missões mais difíceis.
      Seria o modelo A, pois o C tem pouca vantagem em alcance e perde muito em performance.

      Quase todos nós aqui somos leigos

      • A unica coisa que me incomoda no Gripen é que ele é um caça pensado para um país pequeno, para o Gripen realmente garantir a soberania de todo nosso espaço aéreo, teríamos de ter muito mais que 36 caças, e em bases em todas as regiões.

        Mas … é melhor do que nada.

        🙂

        • É, tem que ser os 108. Como os caças tem que ter rotatividade no ar 36 não dão conta do nosso território.
          E ainda vão precisar de tanques externos o tempo todo aumento os custos operacionais.

    • Claytonkgw não se preocupe a FAB já tem o modelo e a quantidade pronta pra fazer encomenda ela só esta esperando o término dos problemas do software do caça ser resolvido o que deve levar mais uns 10 anos, kkkkk, piadinhas a parte eu acho que seria muito interessante termos um caça como o F35 e acho que não precisaria muitos não, acho que de 36 à 50 caças no máximo junto com uns 150 gripens que poderíamos também acrescentar mais um caça nesta conta de 200 aviões poderíamos ter 3 modelos que poderia ser também alguns F15 SE o que os mais entendidos dizem desta configuração de caças?

      • O japão encomendou 42, mas eles estão participando do projeto e vão montar na mitsubishi de Nagoia. O Brasil por não participar não compraria mais barato? Pois em tese não há envolvimento no projeto e não ha repasse de tecnologia.

  11. Pergunta meio off, no caso do F-35 estar em uma missão aonde a furtividade não seja tão necessaria e puder levar o armamento externo, existe alguma previsão para usar a baias internas com algum tipo de tanque de combustivel adaptado?

    • não sei se é possivel, mas o F-35 possui um alcance com combustivel interno muito grande, bem maior do que o do F-22 por exemplo, então não acho necessário tanques extras pra ele em missão

      • Alguns analistas dizem que o ideal seria manter o porta-aviões a 1.500 milhas dos alvos no pacífico. Nem com tanques chegaria a tanto.

  12. Essa cláusula de pedir mais dinheiro lembra as cláusulas de empreiteiras brasileiras para terminar a obra. 🙂

    []'s

  13. olha eu sou meio cético à esse avião pra ser sincero…mas pelo dinheiro que já foi gasto nele é melhor ele ser isso tudo que promete e até mais…

    sds.

  14. Mesmo com tantos defeitos ele e sem duvidas um dos mais lindos caças sei la acho que as curvas dele faz ele ficar robusto e lindo <3

  15. Não achei nada demais, é um software complexo para 3 caças diferentes. Como o próprio artigo diz, é a última fase.

    • Além disso, dois deles pousarão automaticamente (de maneira diferente) em embarcações.

    • Ivan ,,, kkk agora que está nesse ponto não tem mais volta ,,, ainda vai alguns bilhõezinhos ,,,
      Isso se quando declararem que ele está totalmente operacional para o mundo e lá por trás estarão fazendo as gambiarras a vida toda deste caça.
      E só daqui 30 ou 40 anos quando eles estiverem com um outro pássaro mais moderno vier a tona toda a verdadeira história ,,, todos sabem demora mais vem.

  16. Acho que os americanos estão precisando de uma Lava Jato urgente neste programa do F-35.

  17. O problema é que sempre dizem que é a última vez.

    Como eles pretendem fazer um 6G bimotor, que escolte bombardeiros no pacífico, se para fazer um caça médio é esse drama todo?

    Eu defendo o F-35 porque sei que a tecnologia é altíssima, em materiais, processos de fabricação, engenharia e sistemas de armas, mas esse descontrole é absurdo. Vai ter valer por 6 F-16 como disseram uma vez…

    • talvez não sejam a lockheed, pode ser a boeing ou northrop, e quem sabe se valendo dum contrato menos irresponsavel quanto a gastos

Comments are closed.