A Qantas encomendou mais 6 aeronaves 787-9 Dreamliners.

A Qantas anunciou hoje a encomenda de seis Boeing 787-9 Dreamliners adicionais para voar em sua rede internacional, elevando sua frota de Dreamliners para 14 até o final de 2020.

Com a chegada de novos Dreamliners, a Qantas vai aposentar toda sua frota de jumbos 747.

A chegada das novas aeronaves permitirá que a companhia aérea acelere a aposentadoria dos seus últimos seis Boeing 747 – um tipo de aeronave que está em sua frota em várias versões desde 1971.

O CEO do grupo Qantas, Alan Joyce, disse que o anúncio foi um momento importante para a companhia aérea nacional.

“Este é realmente o fim de uma era e o começo de outra. O jumbo tem sido a espinha dorsal da Qantas International por mais de 40 anos e já voamos quase todos os tipos que a Boeing construiu. É apropriado que sua aposentadoria coincida com o nosso centenário em 2020”, disse Joyce.

Os Dreamliners estão abrindo novas rotas mais longas da Qantas.

“Ao longo dos anos, cada nova versão do 747 permitiu à Qantas voar mais e melhorar o que oferecíamos aos passageiros. Os Dreamliners estão fazendo a mesma coisa.

“O 787 tem melhor economia e maior alcance, e já abriu novas rotas como Perth para Londres. Com uma frota maior de Dreamliners, veremos destinos nas Américas, na Ásia, na África do Sul e na Europa.

“Até o final de 2020, faremos a despedida do 747, finalizaremos a atualização das cabines dos nossos A380 e saudaremos nosso décimo quarto 787. Essa é uma ótima proposta para nossos clientes e criamos oportunidades realmente interessantes para o nosso pessoal”, acrescentou Joyce.

Os 747 estão na Qantas há mais de 40 anos, e vários receberam pinturas especiais.

A Qantas espera investir em um simulador 787 adicional para auxiliar no treinamento de mais pilotos para operar a nova aeronave. Isso chegará com a abertura da Academia de Pilotos do Grupo Qantas em 2019.

Os interiores dos 787s adicionais terão a mesma configuração da aeronave existente. O Qantas Dreamliner transporta menos passageiros do que o maior 747 (236 assentos contra 364) e tem um foco maior nos assentos Business e Premium Economy.

No entanto, as necessidades de manutenção reduzidas do 787, padrões de aeronaves mais eficientes e redução das restrições de carga útil em rotas longas significam que o impacto real sobre a capacidade geral da Qantas International deverá ser insignificante. O Dreamliner queima aproximadamente 20% menos combustível.

A Qantas já tem 4 aeronaves 787 Dreamliners em serviço, um deles com uma pintura especial.

Até o momento, a Qantas recebeu quatro 787-9s, com mais quatro que devem chegar até o final de 2018. Os seis anunciados hoje chegarão entre o final de 2019 e o final de 2020.

Atualmente restam dez 747-400s na frota e estes serão retirados de forma constante entre julho deste ano e o final de 2020. A Qantas recebeu o último dos 747s novos da Boeing em 2003, que completará 17 anos na época da aposentadoria da frota.

Anúncios

6 COMENTÁRIOS

  1. Quanto à beleza, o 747 deixará muitas saudades, é uma das mais belas aeronaves comerciais já produzidas, foi superado pelo quesito eficiência, não há dúvidas, e isso é um processo natural. Essa encomenda faz lembrar da aposta acertada da Boeing quando optou em desenvolver o 787 enquanto a Airbus enveredou num caminho, de certa forma turbulento, desenvolvendo o A380.

  2. Existem empresas de transporte aéreo de carga que poderiam absorver os 747 que estão sendo retirados? Ou os custos de adaptar a plataforma e manutení-la serão muito altos?

  3. O Dreamliner é uma aeronave excepcional, com um conforto fora do comum.

Comments are closed.