Um F-22 Raptor em alerta do NORAD acompanha um bombardeiro Tu-95 russo no dia 20 de maio de 2019. (Foto: NORAD)

Dois pares de F-22 Raptor e uma aeronave E-3 AWACS do Comando Norte-Americano de Defesa Aeroespacial (NORAD) identificaram e interceptaram positivamente um total de quatro bombardeiros Tupolev Tu-95MS “Bear” e dois caças Su-35 “Flanker” entrando na Zona de Identificação de Defesa Aérea do Alasca (ADIZ), no dia 20 de maio.

Especificamente, dois dos bombardeiros russos foram interceptados por dois F-22, e um segundo grupo de bombardeiros com caças Su-35 foi interceptado mais tarde por dois F-22 adicionais, enquanto o E-3 forneceu vigilância geral nos dois encontros. Os bombardeiros e caças russos permaneceram no espaço aéreo internacional e em nenhum momento as aeronaves russas entraram no espaço aéreo soberano dos Estados Unidos ou do Canadá.

“A principal prioridade do NORAD é defender o Canadá e os Estados Unidos. Nossa capacidade de deter e derrotar as ameaças aos nossos cidadãos, infra-estrutura vital e instituições nacionais começa com a detecção, rastreamento e identificação positiva de aeronaves de interesse que se aproximam do espaço aéreo americano e canadense”, disse o General Terrence J. O’Shaughnessy, Comandante do NORAD. “O NORAD está em alerta 24 horas por dia, sete dias por semana, 365 dias por ano.”

“Os bombardeiros russos Tu-95MS fizeram um voo de observação no espaço aéreo sobre as águas neutras dos mares de Chukotsk, Bering e Okhotsk, e também ao longo da costa ocidental do Alasca e da costa norte das Ilhas Aleutas e foram acompanhados por caças F-22 da Força Aérea dos EUA em algumas seções de seu voo”, informou o Ministério da Defesa da Rússia na terça-feira (21/05).

Os bombardeiros estratégicos do Tu-95MS passaram mais de 12 horas no ar, o ministério russo especificou.

O NORAD emprega uma rede de defesa em camadas de radares, satélites e aviões de combate para identificar aeronaves e determinar a resposta apropriada. A identificação e o monitoramento de aeronaves que entram em uma ADIZ americana ou canadense demonstram como a NORAD executa suas missões de controle aeroespacial e de aviso aeroespacial nos Estados Unidos e no Canadá.

A Operação NOBLE EAGLE é o nome dado à resposta militar aos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 e aplica-se a todas as missões de soberania aérea e defesa aérea na América do Norte. O NORAD é um comando binacional focado na defesa dos EUA e do Canadá e se baseia em forças de ambos os países.

Anúncios

8 COMENTÁRIOS

  1. Com certeza os RUSSOS, mesmo com 2 SU-35 de escolta, quando viram os F-22s ficaram em mais alerta que nunca.

    • Tenho nem dúvida que os russos estavam ali aprimorando seus radares, na tentativa de melhorar a detecção do caça furtivo f22!!!!

  2. Imaginem a cara dos russos com a surpresa!
    Estão lá, voando tranquilamente, com os radares sem mostrar nenhuma aeronave americana nas proximidades, e de repente vem a chamada de rádio e o contato visual ao lado!! Já era!! O jeito é ficar quietinho e seguir de volta pra casa!

    • Provavelmente o F-22 estava com os tanques de combustíveis subalares (toda foto dele interceptando um Tu-95 eu vejo ele com esses tanques) então os Russos devem ter detectado ele bem antes.

    • Amigo… não tem surpresa nenhuma ali… os Russos já sabem que serão interceptados assim como os aviões americanos que voam perto da costa Russa tb sabem que terão companhia dos Russos. Eles fazem isso desde a época do Chacrinha então novidade mesmo não tem!

    • Com certeza amigo… mas com certeza essa decisão é muito mais política do técnica… então se precisar os F-22 poderiam até derrubar todo mundo ali, mas antes disso, muitas reuniões seriam necessárias para determinar as possíveis consequências disso a nível bilateral e mundial, econômico e político.. então á mais fácil os Bears continuarem a serem interceptados como sempre foram assim como os aviões americanos tb são!

  3. O Putin abriu a torneira, não lembro de em um dia ter tanta atividade assim.

Comments are closed.