As 55 aeronaves Eurofighter Typhoon Tranche 1 da RAF poderão deixar de operar devido a novos cortes no orçamento de defesa do Reino Unido. (Foto: RAF / MoD UK)

A Real Força Aérea britânica (RAF) deve passar por um processo de significativos cortes – de cerca de 1 bilhão de libras por ano – adicional aos cortes anunciados em outubro. Mesmo depois de efetuar diversos cortes no orçamento e retirar de operação diversas aeronaves, o Ministério de Defesa do Reino Unido está passando por mais um “pesadelo” e precisa efetuar mais um corte extra, disseram líderes de defesa. Nesse novo corte devem estar um lote de caças Eurofighter Typhoon Tranche 1.

Baseado nisso, surgiu a necessidade que a RAF retire de operação mais que 50 caças Eurofighter Typhoon do primeiro lote operacional que começaram a operar em 2007 num custo de mais de £4,5 bilhões simplesmente porque o Reino Unido não terá condições de modernizar esses caças.

A “revisão de defesa não foi suficiente”, disse Michael Clarke, diretor do Royal United Services Institute, durante uma conferência em Londres, com a presença de membros militares britânicos.

A diferença entre os comprometimentos e a verba disponível para as forças armadas nos próximos anos pode chegar a £ 2 bilhões, uma situação que Clarke descreve como insustentável.

Através da revisão de defesa feita em outubro, o orçamento anual de defesa de £38 bilhões deverá ter um corte de cerca de 7,5% nos próximos quatro anos. No entanto, a revisão também prevê uma redução para as forças armadas até 2020.

Fonte: The Guardian – Tradução e Adaptação do texto: Cavok

29 COMENTÁRIOS

  1. HMS, creio que pleito histórico prá lá de questionável pode
    ser usado se vc já tiver um partido tomado. Tenho amigos argentinos
    e já estive algumas vezes por lá e consigo dar total razão a eles.
    Historicamente falando. Concordo que a guerra foi um ato de
    desespero dos militares….Podiam ter esperado um pouco mais e
    teriam mantido a posse com mais facilidade. Mas note que o Brasil
    SEMPRE apoiou a reinvindicação argentina. Portanto tal defesa não
    vem de agora como já falei antes. É um dos pontos em que a
    diplomacia brasileira possui unidade independente do governo que
    ocupe o Planalto. Já a questão de autoderminação é outra falácia
    que só serve para aqueles que tomam partido antecipadamente. Ou
    essa autoderminação não valeria também para palestinos, curdos,
    chechenos, etc.? A população das Malvinas não chegam a 3500
    pessoas. Cabem num navio….Queria ver a mesma defesa sobre a
    autoderminação para TODOS os povos que são oprimidos ou ameaçados.
    As palavras chave são isenção e justiça. Não há justificativa para
    termos um enclave britânico no século XXI naquela região. Enclave
    diga-se de passagem que não foi descoberto por ingleses e que a
    Argentina reinvidica desde a década de 30 do século XIX, Se a
    inglaterra dividiu a posse das ilhas com franceses e também com
    argentinos no passado, pq não poderiam dividi-la agora também? Um
    barril de petróleo para quem entender os motivos de sua Majestade.
    E não misturemos com a situação da Guiana Francesa por exemplo,
    pois essa não é reinvindicada por nenhum outro país.

  2. O Typhoon Tranche 1 é um caça de superioridade aérea e
    interceptação puro,sendo um dos mais eficientes no mundo nessa
    tarefa,os primeiros entrarão em serviço em 2005 para substituir os
    obsoletos TORNADO F-3 ,que também eram caças de interceptação
    puros,esses aviões podem usar no máximo pode de foguetes não
    guiados e bombas burras para ataque ar-superfície,hoje a RAF opera
    60 TYPHOONS a maioria do padrão 1,sendo apenas 5 do padrão 2 com
    algumas capacidades ar-solo,até 2020 serão incorporados mais 100
    caças a grande maioria do tipo [ TRANCHE 3 e 4 ], com total
    capacidade multi-funcional ,sendo que quando os ultimos caças
    estiverem sendo incorporados,os F-35 da RAF já devem estar
    operacionais,cobrindo a lacuna deixada pela retirada de serviço
    desses aviões .

  3. Não há como misturar a questão das ilhas com a Guiana
    francesa. Como você bem disse são questões distintas. E mesmo tendo
    visitado a Argentina algumas vezes continuo entendendo o pleito
    como descabido, da mesma forma que o pleito boliviano dos
    territórios tomados pelo Chile no séc. XIX.

  4. Cruz credo!!!! Engraçado tem gente que desce a lenha no
    Rafale por ser caro de manter, é a favor de comprar Typhoon T1
    usados que é tão o mais caros de manter que o Rafale e ainda
    defasados, só serve para defesa aérea, realmente não entendo. Nem o
    Reino Unido está dando conta, quem diria nós, qualquer um que
    comprar será uma fria. Assim devemos fechar logo com o Rafale pois
    custos X custos, o Rafale vem novinho e muito mais
    avançado.

  5. HMS…só coloquei a Guiana para me antecipar aos
    comentários idiotas que poderiam vir dos anti-Rafale. Com relação
    as Malvinas considero totalmente legítima a pretensão argentina
    assim como o Itamaraty. Já a questão boliviana merecia uma saída
    diplomática….Não custava nada ao Chile a ao Peru permitirem uma
    saída para o mar para os bolivianos. Não afetaria em nada os dois e
    seria um instrumento fantástico de integração regional. Mas cada um
    deve fazer o que achar melhor. Só um conselho, quando for novamente
    a Buenos Aires sente-se num café e diga em alto e bom tom que acha
    a pretensão descabida…..rs. Terá que gastar seu portunhol ou
    então as solas dos seus sapatos…..rs

  6. Mauro: Estava em Buenos Aires no fatídico 02/072010. Não
    queira passar pelo que passei amigo. Após o final do jogo eu, minha
    esposa e os Brasileiros que lá estavam tiveram de ser retirados do
    Bar pela polícia tamanha a hostilidade dos locais. Por isso não
    irei me atrever a questionar a pretensão deles, até porque seria
    falta de respeito com os donos da casa. Mas voltando ao futebol, no
    dia seguinte tivemos nossa desforra…

Comments are closed.