O caça Dassault Rafale desponta como favorito para ser o novo caça da Força Aérea da Suíça. (Foto: Paul Marais-Hayer)

O Conselho Nacional aprovou na semana passada o crédito necessário para comprar 22 novos caças, o que relança o programa de compra. Segue aqui um pequeno resumo dos três concorrentes e das suas ofertas. As informações têm mais de um ano, e é claro que cada um dos fabricantes poderá atualizá-las, particularmente em termos da tecnologia oferecidos, e nós teremos a oportunidade de reavaliar. No entanto, a avaliação de 2008 permanece válida e podemos nos basear nela.

Para lembrar:

O processo de licitação em duas fases começou em janeiro de 2008 com o primeiro pedido de oferta enviado pela Armasuisse às quatro fabricantes de aeronaves: Boeing, Dassault, EADS e Saab. Em abril de 2008, a Boeing decidiu não apresentar propostas (incapaz de responder na transferência de tecnologia). Os ensaios dos três candidatos restantes, em vôo e no solo, começaram em julho de 2008.

Os testes incluíram em torno de trinta voos por candidato. Para este fim, cada fabricante disponibilizou à Armasuisse bipostos na configuração desejada. Estes aviões foram pilotados por pilotos de ensaio da Armasuisse e da Força Aérea, na presença de um piloto de ensaios do fabricante. Os aviões decolaram, em geral, da base aérea Emmen. Os aviões também pousaram nas bases de Meiringen, Sion e Payerne. Os cenários de teste foram idênticos para os três candidatos, com o objetivo de testar as aeronaves nos modos ar-ar, ar-terra e reconhecimento. A integração com a infraestrutura e na área da manutenção também foi testada.

Sobre o processo de contrapartidas (“offset”):

Durante a fase de avaliação das propostas dos concorrentes para a venda dos aviões de combate, cada fornecedor deve fazer ofertas concretas de offset. Essas carteiras de offset são então transmitidas para empresas suíças e ajustadas pela Armasuisse com relação aos requisitos de segurança e à política de aquisição.

Na fase de decisão, contratos e comerciais e contratos de offset são ajustados para permitir a análise do valor das diferentes ofertas. Isso afeta a avaliação global da aquisição. O fluxo de compensações diretas e indiretas é fixado durante esta fase.

Um programa de offsets de mais de US$ 2 bilhões gera trabalho para 2.500 pessoas por muitos anos. Quanto ao Rafale, os offsets somaram quase 6 bilhões; o Gripen E/F, 5,5 bilhões; e o Eurofighter, cerca de 8 bilhões. Em todos os três casos, será um retorno bem superior à fatura do contrato comercial do novo caça.

Resultados da avaliação:

De acordo com os relatórios oficiais apresentados pela Armasuisse, os resultados dos testes são os seguintes:

  1. Rafale
  2. Eurofighter
  3. Gripen C/D (Gripen NG foi proposto posteriormente, mas não pôde participar da avaliação).

O Rafale como favorito:

A parceria industrial:

O caça francês Dassault Rafale durante apresentação em Le Bourget. (Foto: Paul Marais-Hayer)

As empresas do consórcio Rafale International – composto por Dassault Aviation, Snecma (Grupo Safran) e Thales, MBDA e seus subcontratados são capazes de oferecer à Suíça uma cooperação industrial e científica para o benefício de todos os seus cantões. Esta oferta afeta toda a gama de fornecedores, ou seja: o setor militar, com o Rafale, mas também o setor civil, que inclui: programas de jatos executivos Falcon, motores civis do tipo CFM56, além de aviônicos para aviões e helicópteros. Alguns elementos do Rafale já são fabricados na Suíça (transparências do canopi, tanque de combustível externo e, mais recentemente, elementos do radar Thales RBE2).

A oferta prevê a terceirização de muitos componentes estruturais, montagem final e manutenção na Suíça para todo o programa Rafale, assim como pesquisa e desenvolvimento. A fabricação de armamento (mísseis MICA) também está proposta, assim como o desenvolvimento do visor de capacete (HMD) Gerfaut; e também são ofertados outros sistemas, como o sistema de autoproteção SPECTRA e a segunda geração do sistema optrônico frontal (OSF).

De acordo com a Dassault, o Rafale é o avião que melhor convém para o nosso país, porque a estreita colaboração com os militares e com a indústria são favorecidas. Além disso, a última versão (F3 +) testada na Suíça respondeu a 95% das especificações e oferece as seguintes possibilidades:

  • Capacidade de vôo em “supercruzeiro”.
  • Curta distância de decolagem.
  • Raio de ação e capacidade para voar missões de vigilância de longa duração.
  • Rápida preparação após voo pelos mecânicos.
  • Fácil integração à infraestrutura já disponível.

O sistema multisensor ofertado:

A versão proposta do Rafale ao nosso país é o mais recente disponível, o padrão 04T com a fiação para o míssil METEOR, o pod Damocles XF e a nova arquitetura IDM. A aeronave terá:

  • Radar Thales RBE-2AA AESA.
  • Sistema de autoproteção SPECTRA.
  • OSF (óptica do setor frontal) de nova geração.
  • Conexão de dados (Link16) de última geração (MIDS).
  • Sistema de fusão de dados para operação como sistema NCW (Net Centric Warfare).

Em matéria de propulsão, se possível, não está excluído que uma versão mais potente do SNECMA M-88 esteja disponível (a ser confirmado em relação ao contrato com os Emirados Árabes Unidos).

A oferta do Eurofighter:

Cooperação industrial

O caça Eurofighter Typhoon taxia antes da apresentação em Le Bourget. (Foto: Paul Marais-Hayer)

Cooperação industrial sustenta-se no grupo formado pelas empresas parceiras no grupo Eurofighter, tais como Alenia Aeronautica (Itália), BAE Systems (Inglaterra) e EADS (Alemanha e Espanha), responsáveis pelo desenvolvimento e produção do Eurofighter. A empresa responsável pelo desenvolvimento do motor da Eurofighter é a Eurojet GmbH, cujos acionistas são a Rolls-Royce (Inglaterra), MTU Aero Engines (Alemanha) Avio SpA (Itália) e ITP Industria de Turbo Propulsores SA (Espanha). Além disso, o consórcio Eurofighter é completado por mais de 400 fornecedores internacionais e suas empresas-mãe ou filiais.

De acordo com a EADS, o Eurofighter é uma aeronave adequada para missões nas montanhas e, especialmente, no espaço aéreo peculiar da Suíça, em resposta aos seguintes requisitos:

  • Grandes ângulos de aproximação para pouso e decolagem das bases em altitude.
  • Distância de decolagem extremamente curta, sem pós-combustão, incluindo plena carga.
  • Menor emissão de ruído e gases de escapamento.
  • Capacidade instalada de “supercruise” (capacidade de atingir velocidade supersônica sem ligar pós-combustão), incluindo a plena carga.
  • Longo tempo de vôo em missões de policiamento e vigilância aérea do espaço aéreo, o que reduz a frota necessária.
  • Chegada extremamente rápida à área da missão.

Equipamentos:

O sistema integrado de gestão da missão e do armamento do Eurofighter tem capacidade de fusão dos dados de todos os sensores, mesmo com a chegada do radar AESA “Captor-E.” A interface homem-máquina está otimizada para “Carefree Handling”, para diminuir o esforço na execução de certas tarefas. Além disso, displays multifuncionais, diferentes modos de piloto automático e um sistema de comando por voz permitem ao piloto se concentrar totalmente na sua missão.

Sistema multisensor proposto:

  • Radar AESA CAPTOR- E.
  • Sistema PIRATE (equipamento embarcado de rastreamento infravermelho passivo).
  • MIDS/Link 16 (Multifunction Information Distribution System).
  • DASS Chaff/Flares (Defensive Aids Sub-System).
  • Pod de contramedidas rebocado.

A oferta do Gripen:

Características técnicas:

Um caça Saab JAS39 Gripen D taxia na Base Aérea Emmen. (Foto: Hermann Keis)

Otimizado para a Suécia para permitir a sua operação pelos militares não especializados, o avião corresponde perfeitamente à situação Helvética. O Gripen é de concepção multifunção e permite execução de todas as tarefas previstas no caderno de encargos: policiamento aéreo, operações ar-ar, ar-solo e reconhecimento. A aeronave oferece um desenvolvimento contínuo, está qualificado para todos os tipos de mísseis ocidentais e permite, assim, instalar as mesmas armas que o F/A-18 e, atualmente, serve como uma plataforma para testes do míssil METEOR de próxima geração. O avião será desenvolvido e mantido no nível mais avançado, até 2040, em colaboração com a Suécia, e será proposta a adição de novas funções operacionais e de manutenção.

O sistema de armas do Gripen inclui armas de precisão “inteligentes”, tais como bombas guiadas a laser (LGB), e equipamentos de sistema de detecção frontal de infravermelho/laser, assim como os designadores/iluminadores associados (FLIR / LDP). Estes sensores de alvo avançados complementam os modos radar ar-ar e ar-terra e de enlace de dados táticos, dando ao Gripen uma capacidade de atque precisa e flexível.

O Gripen foi projetado e é constantemente atualizado, a fim de operar no ambiente de combate do século 21, a guerra centrada em redes (Net-Centric Warfare – NCW). O avião terá um novo sistema tático, como o radar de varredura eletrônica (AESA) “RAVEN ES-05?, um novo sistema de comunicação por satélite e um sistema eletroóptico para a detecção da aproximação de mísseis.

Comentários:

Até o presente, o Rafale parte como grande favorito não só graças aos seus excelentes resultados dos testes, mas também pelo que oferece na área industrial. O avião corresponde aos limites orçamentários e oferece excelentes perspectivas de modernização. O Eurofighter, por sua vez, melhora tecnicamente, mas sofre em termos de custo! Na verdade, é o mais caro para comprar e, obviamente, supera (de acordo com o preço de lista) o orçamento da Suíça, e sua manutenção é também a mais cara! O Gripen parecia bem colocado, mas a versão C/D testada é ultrapassada e os “NG” sofrem pelo atraso no seu desenvolvimento e pode, portanto, chegar tarde demais, e parece também que faltam garantias na oferta industrial.

Deve-se, no entanto, esperar a atualização das ofertas, mas é verdade que Dassault Aviation poderia ganhar a licitação e oferecer aos nossos dois países uma nova era na cooperação da aviação! A continuar…

Fonte: AviaNews, via Plano Brasil – Tradução e Sugestão: Justin Case

Nota do Editor: Depois que o Conselho Federal, que havia recomendado a aprovação de um orçamento especial para encomendar os 22 novos aviões de combate, o Conselho Nacional Suíço também votou na sexta-feira pela aquisição de novas aeronaves para substituir os antigos F-5 Tiger II.

Anúncios

89 COMENTÁRIOS

  1. Muito boa a matéria.
    O Rafaele é favorito ou acabaram-se as opções?
    O gripen é uma excelente aeronave(mesmo Eu acreditando que um Draken "M" seja superior), mas vem paulatinamente "perdendo" terreno, pois quando comparado técnicamente aos seus contemporâneos, ele não vinga…
    O Typhoon também é um excelente caça, osso duro de roer até para um Raptor, mas é de longe caríssimo…além de ser todo em Euro é produzido nos quatro países…a asa esquerda é produzida na Espanha, a asa direita, na Inglaterra e por aí vai…
    O F-18SH é ótimo e o F-16 nem se fala, mas são projetos já no limite, principalmente o F-16, que é o verdadeiro remendão!
    Se o Tufão é caro, o F-35 nem se fala…e ele tornará o cliente um fiel dependente dos EUA…
    Hão as opções chinesas, mas…

    • Vamos deixar claro uma coisa, por uma visão técnica da coisa(se voce é torcedor, não leia – desconsiderando gripen, NG, sea gripen e moon gripen):

      Rafaele = Projetado como Multimissão e Naval desde o início;

      Typhoon = Projetado como Caça puro, assim como o F-86 foi e o F-22 é! Não existe versão navalizada.

      Portanto:
      Rafaele = caríssimo de comprar, operar e manter
      Typhoon = caríssimo de comprar, operar e manter++

      Fui!
      E a toda Gaúchada espalhada por esta terra chamada "brasilis" um ótimo feriado e que nossas façanhas e ideiais continuem tão vivas quanto o foram há 176 Anos!

  2. Sério isso? A sorte da Dassault parece estar mudando…

    Concreto, fechado e certo ainda não há nada, mas… com tantas oportunidades (Brasil, Índia, EAU, Suíça, etc), diria que 'matematicamente' a chance de pelo menos um contrato vingar é bem grande.

    Vamos esperar… se o Rafale começar a vender, o homem do capacete e sua intrépida trupe vão morrer entalados de queijo Roquefort.

    • o rafale pode até receber algumas encomendas de algumas unidades, mas com os novos 5G entrando em operaçao ninguem vai ser louco de colocar caças de 4° geraçao para defender seu espaço aereo, com F-35, pak fa, J-20, F-15 SE e SU-35BM voando vai ser burrice apostar no rafale.

      • F15 e Su-35 sao de 4a geraçao tbm.
        Ainda vai demorar muito tempo pros de 5a estarem prontamente operativos e forças aéreas de médio porte continuaram com os de 4a como Rafale,Typhoon,Su35,F15,F16…

        • so que o SU-35BM e F-15SE sao aeronaves bem mais proximas da 5° geraçao, eles tem enormes radares e bem potentes, no caso do SU-35BM tem avionica de 5° geraçao e o F-15 SE vai ter um RCS baixissimo, e carregara armas internamente, de qualquer modo eles tem uma vantagem frente aos outros de 4° geraçao, e la pra 2015 ja começao a ser introduzidos os 5G, e lembre-se de que quando eles começarem a ser produzidos vao alcançar rapidamente um numero proximo as unidades do rafale, que so sao produzidos apenas 11 por ano.

          • O Rafale tem Rcs baixissimo, mais baixo que de um Su35BM e F15SE, sem dizer que sua suíte eletronica é próxima de um 5a geracao, tanto que é considerado um 4.5 geraçao. Seu cockpit dá um show no quesito de avançado com um moderno sidestick que dá ao piloto mais comodidade nas manobras agressivas de alto gs.
            O F15SE náo será fabricado e muito menos exportado, e com suas enormes entradas de ar, dificilmente terá um Rcs baixo.

            • Desculpe meu caro mas você está completamente equivocado. O RCS frontal do F-15SE é muito próximo do encontrado no F-35 e, por consequencia, menor que o do Rafale. Até o fanfarrão pró-rússia histérico Carlo Kopp reconhece isso. E sim, ele já possui compradores externos. Os 60 aparelhos recentemente adquiridos pela Arábia Saudita o serão na versão SE.

            • Hms..

              Prove que o Rcs do F15.sera baixo.!!!

              A Arabia estaria interessada no inicio, mas nao oficializou nenhuma

              compra de F15 SE…portanto nao trolle…

            • nao é trollagem, é informaçao, a arabia saudita nao so mostrou enteresse como tem uma grnade chance de adquirir o F-15 SE no futuro, e de acordo com a boeing o F-15 tera o RCS proximo do modelo de exportaçao do F-35, é so voce pesquisar que achara rapidinho.

      • Um F35 é absolutamente caro e inviável, qualquer força aérea séria de menor tamanho sabe disso. E ainda tem que arcar com manutençoes caríssimas pra reparar as camadas furtivas do jato periodicamente.

        Já se sabe que o F35 corre certos riscos de desgastes corrosivos na sua camada stealth qndo voa por um certo tempo.

        F35 só será bom pra Eua,Israel,Inglaterra daqui a 10 anos …as forças aéreas menores nao tem condiçoes pra sustenta-lo.

        E a furtividade já está com os dias contados no futuro, nao possuirá mais nenhuma vantagem só $$$ pra reparos.

        • "E a furtividade já está com os dias contados no futuro, nao possuirá mais nenhuma vantagem só $$$ pra reparos."

          Sem contrariar sua opinião, mas pq o mundo inteiro está investindo em aeronaves e plataformas furtivas?

          Até navios e blindados furtivos estão sendo desenvolvidos. Não me parece que eles acreditem que a furtividade esteja com os dias contados, nos anos no 90 até a frança demonstrou interesse pelo F-35.

          • Os radares e sensores tbm ficam melhores a cada ano que passa.
            Futuramente furtividade será motivo de piada pra quem investiu muito $$$ e ainda
            precisa ter orçamento pra manter os reparos que nao sao nem um pouquinho barato.

            • todos estao investindo muito $$$ em furtividade, e um dia daqui a muito tempo esta tecnologia ficara ultrapassada, como o rafale é hoje, mas os que vao se arrepender vao ser os que nao investiram nessa tecnologia, pois verao todos os seus sistemas de defesa, caças e bases serem destruidas, sem saber de onde veio o ataque, pois ainda esta longe de criar um sistema que combata a furtividade.

            • amigo, seu conhecimento me surpreende, me explique como a furtividade vai ser piada, espero ansiosamente uma resposta, mas sem essas piadinhas que so voce acha graça tá.

        • eu achava que o fato de praticamente todos os paises serios estarem investindo nos stealth teriam matado os boatos de que a tecnologia stealth estaria obsoleta, mas tem gente que ainda insiste nisso, seja como for, se a tecnologia stealth esta obsoleta, entao caças como rafale nao sevem pra absolutamente nada, pois é muito inferior a qualquer aeronave furtiva.

          • Aguarde e verá seu caça stealth sendo rastreado por qualquer caça no futuro.
            Rafale é o melhor caça europeu do momento. Pena q tu és um leigo cego..

            • Se os caças furtivos serão rastreados no futuro caças que de 4ª geração como o Rafale estão condenados à mais absoluta irrelevância. E cabe recordar que o F-35, além de furtivo, possui sistemas de rastreamento como o EOTS e o DAS com os quais o Rafale jamais poderá um dia sequer sonhar ou seja, em um hipotético confronto entre os dois o Rafale já estaria em gritante desvantagem.

            • kkkk, as vezes da vontade de rir da cara de uns, quando nao tem argumentos parte para a ignorancia, é nessa hora que voce vê com quem esta discutindo, a furtividade é um conceito, suas linhas, seu material RAM, qualquer caça detecta um stalth, mas a 20 Km de distancia, enquanto um rafale é detectado a mais de 200Km, nao existe tecnologia magica que faça o rafale detectar primeiro, querendo ou nao o RCS do rafale é 200 vezes maior que o do raptor.

            • "No geral, a equipe descobriu que ambos os programas F-35 e F-22 estão actualmente em risco de corrosão, mesmo que esse risco não é tão grande para o F-35", disse Dunmire. "Muito trabalho resta a ser feito, mas é certamente possível para o programa F-35 para identificar futuros riscos de corrosão através de um planejamento adequado e métodos de mitigação. No entanto, esta avaliação concluiu que as correções a ser utilizado pela Força Aérea sobre o F-22 carregam mais risco de corrosão. Cabe a Força Aérea de forma agressiva mitigar esses riscos adicionais, a fim de evitar danos maiores. "

              Pesadelo de Operar $$$$$…Haja Money jogado fora…rsrsrsrs

              Furtividade nao é só pintura RAM…a composiçao do material é o que importa

              mas corrói rápido depois de certas horas voadas e molhadas….kkkkkkk

            • Estados Unidos, Reino unido, Itália, Holanda, Canada, Turquia, Austrália, Noruega e Dinamarca, e os compradores so crescem, apesar dos “problemas´´ que muitos aqui apontam, que coisa nao.

  3. é…esses suiços não devem saber de nada mesmo…imagina só…colocando o Rafale acima do Gripen e nem considerando o SH….heresia!!!

      • aonde que deu errado para o SH, ele nao era o favorito na india, e sua saida nao foi surpresa, mas tem grandes chances aqui, e tem o triplo de unidades do rafale, se nao mais.

        • Super Tijolon foi exportado pra 1 pais somente, e pra servir de Gap.
          Nao virá pro Brasil, pq já é um caça que nao voa bem, limitado a voar em 7gs, e muita restriçao de tecnologia.

          Rafale é a melhor escolha pro Brasil !!

          • Rafale se vier pro brasil nao vai voar, porque custa 39000 euros a hora de voo, e quem dabe o que vai ser melhor para nosé nossa força aerea, e ela colocou o rafale em ultimo, e qualquer caça naval nao puxa muito mais que 7.5G, e sua unica exportaçao ja é maior que a do rafale, ops, esqueci que ele nao tem nenhuma.

            • 9.800 euros a hora voada pro brasil subsidiado por 10 anos….nao trolle…é feio!!

              o Super tijolon é limitado em 7 gs por software pra nao desmanchar no ar

              já se sabe que sofre de fadiga rápida com excessos de vibraçoes nas asas.

              a defesa de frota americana nao tem outro caça pra substituir os tijolos voadores

              portanto tem que engolir a força no estilo…zagalo…com seus defeitinhos de projeto irreparável !!…rsrs

            • E quem vai pagar o subsídios pelas horas de vôo? por favor meu caro, não insulte a nossa inteligência…

          • É dose…o SH não presta…o Almirantado não sabe nada mesmo né…deixaram a defesa da frota, a defesa dos porta-aviões a cabo de uma porcaria, né…

            • Giordani,

              se dependesse da vontade do almirantado dos EUA, o Super Hornet já estava aposentado faz tempo (ou seria apenas um coadjuvante nos NAe). Não se esqueça que ele só continua por aí porque o F-35 atrasou, atrasou, atrasou, atrasou….

              O Super Hornet foi criado como um "tapa-buraco" muito efetivo para o clima de fim de feira que foi o fim da Guerra Fria. Os EUA se sentiram (de certo modo corretamente) como sem rivais e tal, e o Super Bug tava de bom tamanho.

              Hoje a situação é muito diferente: os EUA estão nunca crise sem tamanho e sem fim, sua hegemonia (econômica, cultural ou militar) não é mais absoluta etc.

              No tempo do fim da guerra fria o Super Hornet não tinha muito rival, não. Dava pra proteger a frota de forma soberana.

              Hoje, se depender do Super Hornet (exceto para atacar esses países sem defesa militar, como Iraque, Afeganistão etc.), a frota dos EUA corre perigo sim, num confronto sério com um país minimamente bem armado e treinado. o Super Hornet não aguetaria o tranco, se a frota dos EUA sofresse um ataque de Rafales, Typhoons ou Su-35Bm. E daqui alguns (poucos) anos, o Super Hornet seria somente um grande alvo, para o PAk-Fa e caças que estão sendo desenvolvidos.

              O tempo do Super Hornet, como ponta de lança (se existiu algum dia, pois pra mim ele nunca foi melhor que o F-16 e nem muito menos que o F-15), já passou. Ele pode servir, como os EUA sempre fizeram com seus modelos que vão entrando para a segunda linha, pra equipar forças aéreas do segundo escalão, pode servir para a "série B" das forças mundiais…mas nada mais que isso.

              abraços

  4. Agora eu queria que alguém me explicasse porque so no Brasil o Gripen é o "favorito" da FAB, supostamente estando em 1° lugar? Na Suíça nem pode participar pelo visto e os C/D não convenceram, se a SAAB chegou na Suíça com esse papo de comprar um e levar dois, eles foram no lugar errado porque la eles não tem que separar uma parte da verba para o jaba, logo entre ser barato e ser melhor parece que sempre da a lógica.

    • Porque a Suíça é um pais SÉRIO e o papinho de Gripen NG não colou e tiveram que apresentar o Gripen Jas 39 D (biplace) pois a competição EXIGIA o teste com a aeronave a ser fornecida…

      No Brasil e na Índia permitiram que a SAAB se apresentasse com o Gripen DEMO e no Brasil ele não só participa mas entrou no short-list como favorito…

      CREDULIDADE brasileira…

      Na Suíça nem pro início e na Índia não passou da preliminar…

  5. Se a suíça não engavetar, acho que dá Typhoom, mas o melhor para a suíça sem dúvida que é o gripen ou o NG, na minha opinião.

    Quanto ao rafale, sempre fui e sempre serei contra, mas nunca disse que ele é ruim, pelo contrário ele assim como os EC725 cumprem a missão, mas são caríssimos, logo não vale a pena, se o rafale custasse o mesmo que um F16 eu seria a favor, como não custa, sou contra!!!

    • Galileu o Eurofhigter É MAIS CARO que o Rafale e não é um aeronave multi-missão, é caça puro de superioridade aérea (por mais que digam ao contrário e será esta a razão da futura derrota na Índia que no MMRCA pede um caça multi-missão).

      Você pode preferir o Gripen virtual por ser mais barato que o Rafale mas não pode preferir o Typhoon se seu argumento é o custo de aquisição ou manutenção…

      Como é que você sabe o melhor para Suíça moras lá ou tem parentes suíços???

      • creio que a india ja tem muitos caças multi-missao, o SU-30MKI, os mirages, o pak fa tambem pode cumprir essa funçao melhor do que qualquer 4G, a india precisa de um caça medio pra superioridade aerea mesmo, se voce tiver um pak ou um rafale pra atacar um lugar fortemente defendido por SAMs qual escolheria?

        • Cara, o Rafale faz tudo que um typhoon faz e ainda é um melhor caça de ataque ao solo! mais completo aliás!

        • E o Rafale ainda opera em Porta-avióes, o q nenhum Typhoon é capaz.

        • Viuvinha, sabia que o processo indiano conhecido pela sigla em inglês MMRCA significa MEDIUM_MULTI_ROLE_COMBAT_AIRCRAFT ???
          Traduzindo: aeronave de combate de médio porte e múltiplo emprego….

          Deixe a Euachologia de lado…

          PLEEESE !!!!

      • Se puxou o magrão!
        Torcedor é soda!
        O Tufão é produzido em quatro países, montado na alemanha e não é MR! E é mais barato que um caríssimo Rafaele????

        Bom mesmo é o "moon gripen"!

    • Mas o Thypoon não é o mais caro de todos? Inclusive que o Rafale?

      • sim! mais caro e menos capaz! mas a turma do contra french não descansa!

        • Typhoon é muito mais caro que o Rafale de 70 milhoes de euros.
          Custa acima de 100 milhoes de euros.

          • Revogaram a Lei da Oferta X Procura???

            Pois não há como um caça que tem mais de 300 unidades em serviço, em 6 forças aéreas,custar mais do que um outro que só tem 100.

            E é usado somente pelo país de origem.

            Ah, comparações c/ o F-22 são indevidas, inadequadas e descabidas, pois o ac da LM é 5ª geração e não um ac perdido em meio aos demais de 4ª geração.

    • Ta de sacanagem né? Querer que um caça bimotor multifunção tenha o mesmo preço que um F-16 que é monomotor da década de 70, nem o Gripen tem esse valor sendo bem mais caro, a Tailândia pagou uns $80 milhões por cada um

    • nossa Galileu! comparar custos de um caça birreator, de maior peso e capacidade com um mono não dá!…
      Eu te pergunto, pq pagar 100 milhões por um NG (estou sendo bonzinho, pois a thailandia pagou 80 milhas pela versão C/D) se tu pode comprar F-16B60 por 60!? se o Falcon faz tudo que o NG se propõe a fazer e nem AESA tem ainda…??

  6. E os indianos nem engoliram esse trolólóoo fantasioso de Gripen NG jpegfighter e Sea Gripen de Oz…kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk……esse projeto de jatinho sueco é rejeitado por todos…….e ainda inventam que é o predileto da Fab sem nunca ter sido revelado um relatório oficial como prova.

  7. Amigos:
    Vamos secar o FX suíço. Deixa o Rafale vender nos EAU. Se o FX suíço sair para onde você acham que vão os F-5 desativados?

    • Cruel mais a verdade e que vamos acabar comprando mais F-5. Esse e o Brasil potência. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk sonho muito com um pais melhor mais como vendo politoco ter casa de 25 milhões de reais um Castelo diga-se de passagem. No Brasil para a coisa acontecer tem que ser dando um reset / shotdown e iniciando do zero ai sim poderia ter uma chance. Bom para o suiços terem um caça como o RAFAELE.

    • Não sei, a FAB já reservou os F-5 de Taiwan…

      Ou então vamos formar a mais poderosa força de Tigers do MUNDO com mais de 150 F-5M ???

      57 do Brasil + 65 ativos de Taiwan + 54 da Suíça = 176 aeronaves

      E se quisermos arrebentar MESMO a boca do balão, Taiwan ainda tem 90 a 100 células de F-5 antigos em reserva com que a Embraer poderá manter a linha de modernização aberta até 2035!!!

      Poderemos doar F-5 para o Paraguai, Bolívia e nações africanas e utilizá-los como moeda em negociações diplomáticas…

      Um futuro brilhante pela frente… LOL

      • Maior medo de todo tenente da fab.Seria engraçado se não fosse TRÁGICO.

        • Ou ainda a fab poderia trabalhar como subcontratada para prover alvos aéreos,num curso de formação de pilotos de forças aéreas de verdade.

      • a FAB poderia oferecer os F-5 como treinador avançado para um pais e receber por iso, nos nao vamos fazer nada com eles mesmo.

  8. " Em abril de 2008, a Boeing decidiu não apresentar propostas (incapaz de responder na transferência de tecnologia). "

    Só não consigo entender que no mesmo período foi oferecido para o Brasil uma transferência tecnológica, de qual tipo eles devem estar falando?

    • Fácil entender… É uma realidade…
      Do tipo, os suíços não acreditam em estórias da carrochinha e os americanos sabem que não vai colar qualquer argumento pois os suíços entendem muito bem que o sistema legal/legislativo americano em relação a vendas de armamento e tecnologia militar e batem em retirada ANTES para não serem chutados como os suecos virtuais.
      Como os brasileiros acreditam na palavra de qualquer um, inclusive de americano e da Boeing, deixam-se ser enrolados por promessas IMPOSSÍVEIS de serem cumpridas e aceitam cláusula de contrato prevendo MULTA se a transferência de tecnologia ESSENCIAL não for cumprida"….
      O popular me engana que eu gosto Tio Sam…

      • Mas que tem algo errado, isso tem! E meio estranho para se dizer o minímo.

  9. Gilberto Rezende

    Você tá tirando suas próprias conclusões sobre o que eu disse, acho que dá typhoom não por ele ser melhor que o rafale, mas sim devido as conjunturas, lá a EADS, Bae e etc..tem mais força que a Dassault, e disse que o gripen é o melhor para a suíça devido ao país ser tão pequeno e ela não ter inimigos, nunca teve, nunca foi pedra no sapato de ninguem.

    Me referi ao preço no caso brasileiro mas nao no caso suíço, nunca citei preço no caso suíço.

    E não não moro na suíça, mas você não deve morar no brasil né, afinal você prefere o rafale na fab hahahahahah esse tá por fora da realidade da fab!!

    • "acho que dá typhoom não por ele ser melhor que o rafale, mas sim devido as conjunturas, lá a EADS, Bae e etc..tem mais força que a Dassault"
      Definitivamente acho que você não leu o artigo acima, não sei de onde você tirou base para dizer que a eads, bae tem mais força que a dassault na Suiça, muito pelo contrário meu caro a dassult já tem uma parceria muito antiga com a Ruag principal empresa da industria militar Suíça, ela inclusive já fabrica algumas partes do rafale, fora partes do dassault falcom, lembrando também que ela é uma das parceiras do neuron.

    • Primeiro leste a matéria, parte do Rafale JÁ É FEITA NA SUIÇA…
      Não sei que força maior da EADS é essa que falas???

      Mas a conjuntura, primeira escolha no relatório de lá e preço mais baixo que o Typhonn…

      Quanto ao Gripen ser melhor para a Suíça, aparentemente eles discordam ter sua defesa baseada em um produto de outro país pequeno…

  10. MarceloRJ/JF

    ” Em abril de 2008, a Boeing decidiu não apresentar propostas (incapaz de responder na transferência de tecnologia). ”

    Não nao, acho que algum funcionário bem pago da boeing informou que o brasil não é um país sério, decidiram falar com o dono dos porcos,ao invés de PERDER TEMPO com o defunto FX2.

    E depois os EUA não são confiáveis ahahahhahah, aposto minhas fichas neles do que na corja corrupta de brasilia!!

    retrato do cenário:

    Boeing = realista.

    Dassault = fala o que o ingênuo brasil quer ouvir.

    Saab = ingênua acredita no brasil.

    Podem não concordar aqui mas sabem que o que eu disse é verdade!

    • Galileu, o que estou dizendo e que a Boeing esta falando mentira para alguém. Se com essa afirmação de se retirar da concorrência na Suíça por não atender a TOT.
      Porque no Brasil ela se prontifica a fazer a TOT necessária? Tem alguma coisa errada nessa afirmação.
      E eu acho que é com o Brasil.
      Pois na Suíça se prometerem e não cumprirem, acho que eles se enrolaram um pouco.
      Agora com o Brasil, eles dão um bom f….para a gente e vai reclamar com o papa, mas com o JP II…
      Abs

    • Em 2008 o presidente americano ainda era o Bush Jr. e nem amarrado um republicano iria prometer transferir tecnologia americana (mesmo ultrapassada) para suíços ou brasileiros….

      As promessas de TOT americanas no FX-2 só vieram com a posse de Obama em 2009 e com a conhecida cláusula de multa se o congresso inviabilizar a promessa do executivo….

  11. FAB torcendo fortemente para que os suiços, fechem com qualquer para sobrar mais F-5 Es….

    No mais , a guerra de torcida nessa altura do campeonato, no caso do Brasil já se esgotou. O que vier é lucro, seja o Super Tijolão, Jaca Francesa ou o Caça Photohops.

    []'s

    • E eu nao entendi pq colocaram o Gripenzinho NG faz-de-conta que existo.

    • Na época do short-list, em novembro de 2008, tanto o SU-35 como o Gripen NG eram caças de papel, virtuais…

      Só que ORÇAMENTÁRIA E/OU POLITICAMENTE a FAB preferiu o "virtual" mais barato e/ou ocidental…

      Pena que hoje em 2011 o Su-35 é uma realidade e o Gripen NG continua uma miragem distante…

      A FAB apostou no cavalo ERRADO…
      http://www.fab.mil.br/portal/capa/index.php?mostr

      P.S. junto com o então "virtual" Su-35 a FAB esnobou TAMBÉM os caças REAIS F-16 e o Eurofhigter Typhoon é BOM LEMBRAR….

        • Não teria demorado se ela mesmo, a FAB, não tivesse feito o possível e o impossível para melar a decisão do governo Lula pelo Rafale…

          Agradeça a situação atual ao Comandante Juniti Saito e sua turma de adoradores Yankees…

          • Caro Gilberto Rezende,

            Permita-me discordar 🙂

            Quem melou a "decisão" pelo Rafale foi o ex-ministro fanfarrão Jobin. E ele mesmo disse isso, naquela roda-viva da Tv cultura. Ele disse claramente " Temos de reabrir as propostas para as outras concorrentes" porque senão ia "dar merda".

            O porque disso? O que Sarkozy fez foi um "BAFO" do BAFO, algo que as outras não tiveram chance. Depois disso Lula ficou de mimimi com o Sarkô por causa do Iran e resolveu "lavar as mãos".

            No final do seu mandato Lula já tinha tudo pronto, com todos os concorrentes posicionados. Não quis fazer mais nada, porque sabia que a Dilma ia mandar ver no ajustes orçamentários. O pior é que esta compra não afetaria o orçamento de 2011. Mas como vemos, nem em 2012 nem 2013. Com crise, Copa, Olimpíadas e a Defesa apenas como um assunto de entusiastas, fica difícil.

            []'s

          • Meu caro, desculpe mas fica a impressão que para você o poder do nosso ex-presidente era absoluto né? desculpe mas não é assim que a banda toca! mesmo as famigeradas decisões políticas precisam ser justificadas, e o presidente "antecipar"(na verdade se precipitou) sua decisão antes mesmo do processo técnico ser finalizado pela FAB é algo que não possui qualquer justificativa tanto que, lambança feita, rapidamente o ministro da defesa, que era fanfarrão mas também era jurista, teve de acudir para apagar o incêndio provocado.

            .

            Quanto à justificativa de que o atraso teria sido provocado pelo comandante da aeronáutica em conluio com outros oficiais, é tão falsa quanto à informação de que, caso fosse extraditado, o terrorista Cesare Battisti iria sofrer perseguição política na Itália.

            .

            E já que se falou em decisão política, bastou a França ter defendido os seus interesses e deixado o Brasil falando sozinho no CS da ONU contra as sanções sapecadas contra o regime iraniano para nosso ex-presidente desconversar acerca da compra do Rafale e ter jogado a batata quente no colo de sua sucessora.

            .

            Por fim, o papinho de "adoradores yankees" só cola em grêmio estudantil…

  12. Só relembrando..Rafale

    Favorito em vários países..

    Vendidos só ao Brasil no dia 07 de Setembro do Lula..

    Pq ninguém compra esse caça????

    • Será por causa da concorrência Americana e sua força politica/financeira?

      • Não creio nobre Marcelo! Na verdade foi uma senhora de uma lambança. Se não tivesse ocorrido aquela precipitação o processo decisório teria seguido seu curso, o vencedor(O Rafale ou outro dos concorrentes) já teria sido escolhido e o contrato já teria sido assinado

        • Ô incansável, presidente não se precipita, ele antecipa SUA DECISÃO…

          Se o FX-2 não saiu foi por causa dos líderes da FAB que obstaram COM SUCESSO uma decisão já tomada pela instância política superior…

          O resultado final é que ao invés de ser o primeiro comprador externo e prioritário do caça francês (e possivelmente estar para receber as primeiras unidades em 2013/2014) a FAB terá que esperar a decisão de UMA PRESIDENTE que não tem um quarto da disposição do Presidente Lula para assuntos militares…

          Só Deus sabe quando e SE o FX-2 vai desencalhar e o Rafale se realizar antes uma ou duas vendas das atuais QUATRO possibilidades (EAU, ÍNDIA, Suiça e Malásia) a opção pelo Rafale ficará muito mais difícil e demorada se a decisão de 2008 tivesse sido efetivada em 2009…

          • Meu caro Gilberto:

            O presidente se antecipou sim meu caro! ele poderia muito bem ter anunciado sua decisão após o término da avaliação posterior entrega do relatório afinal, embora presidente, ele está vinculado aos dispositivos legais. Sei que é difícil para você entender que um chefe de estado deva se submeter à legislação mas é assim que a coisa funciona em qualquer lugar salvo repúblicas bananeiras como Bolívia e arremedos de democracia como a Venezuela.

        • Quando a isso, realmente se não fosse as trapalhadas no amando, idolatrado, salve, salve. Talvez já estivesse acabado….ou não!!!!!!

          Rsrsrsrs

  13. A nova mania francesa, falar pelo provável ou pelo não tão provável, cliente, se expande.

    Fizeram isso dia desses, c/ os UAE.

    Em breve estarão falando pelo Brasil, aguarde é somente questão de tempo.

    Afinal a presidente Dilma terá, hoje lá na ONU em NY, uma reunião c/ o presidente francês.

    Podia tb ter uma resposta curta e grossa:

    "O Rafale, não nos interessa."

Comments are closed.