Um caça F-22 Raptor da Base Aérea de Elmendorf, Alasca, acompanha um Tu-95 Bear da Força Aérea Russa.

Os caças F-22 Raptor da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) acompanharam bombardeiros estratégicos Tupolev Tu-95MS Bear da Força Aérea Russa sobre as águas neutras ao largo da costa do Alasca, de acordo com o Ministério da Defesa da Rússia.

“Dois bombardeiros estratégicos de Tu-95MS da Base Aérea de Ucrinka, na região de Amur, concluíram uma saída de patrulha programada, cuja rota percorreu as águas neutras no Pacífico ao longo das Aleutianas”, afirmam os militares russos em comunicado à imprensa. “As aeronaves percorreram cerca de 5.000 km a uma velocidade de 850 km/h e a uma altitude de 10.000 m, e a duração do voo ultrapassou as 7 horas. Os aviões F-22 da USAF os seguiram durante 27 minutos sobre as águas internacionais nas imediações do Alasca”.

O Ministério da Defesa russo lembrou que os aviões da Frota de Aviação de Longa Distância da Força Aérea da Rússia voaram sobre as águas neutras no Ártico, Atlântico, Mar Negro e Pacífico em uma base regular sob um cronograma oficial.

A Força Aérea da Rússia destacou que sempre voou em conformidade com as regras internacionais e não entrou no espaço aéreo de outros países, conforme seus militares.

Falando com o Wall Street Journal, o Chefe de Relações com a Mídia do NORAD, John Cornelio observou o profissionalismo das tripulações russas após a passagem dos dois Tu-95MS bombardeiros estratégicos ao largo da costa do Alasca.

Anteriormente, o Pentágono disse que dois caças da quinta geração F-22 da USAF haviam sido acionados para interceptar dois bombardeiros russos perto do Alasca. Comentando a notícia, Cornelio disse: “Embora usemos o termo ‘interceptação’, é mais parecido com a identificação visual de aeronaves. Quando uma aeronave não identificada entra em nosso espaço aéreo, e nós vamos dar uma olhada”, disse ele.

De acordo com Cornelio, os pilotos dos caças dos EUA e dos bombardeiros russos não se comunicaram e não houve incidentes. O assessor de imprensa do NORAD disse que aviões russos retomaram os voos desse tipo em 2007.

“Eles voam muito profissionalmente, e nós também”, disse Cornelio.

Fonte: TASS Defense

9 COMENTÁRIOS

  1. O relações externas da NORAD foi bem simples, e não deu margem para polemicas…

  2. É impressionante a velocidade que esses velhos turboélices alcançam! Também gostei de ver os registros serenos do episódio por parte do Norad.

    • Exatamente..
      O Tu-95 é o avião a hélice mais rápido do mundo, acompanha tranquilamente qualquer avião a jato. (subsônico claro).
      E é bom lembrar que estamos falando de um avião desenvolvido no final dos anos 40!!! Um feito realmente incrível.

  3. Uma foto muito interessante, mostrando o que ficou de "legado" da antiga URSS.

  4. Impressionante foi este An-22 operando em pista de terra, ainda é o maior turbohélice do mundo, na época era o maior avião do mundo, depois perdeu o título para o C-5.
    Com estas imagens ficou claro o porque da Antonov Cargo ter revitalizado este único An-22 que estava parado a anos, a Força Aérea da Rússia ainda voa cinco unidades.
    Em 2016 o An-22 fez 7 voos da Europa para esta pista de terra em Mali.
    .
    . https://m.youtube.com/watch?v=6o8p1kFnjqU

Comments are closed.