O helicóptero russo de transporte pesado Mil Mi-26T2 Halo. (Foto: Grigory Sisso / RIA Novosti)

A exportadora de armas estatal da Rússia Rosoboronexport negou nessa quarta-feira as reportagens da imprensa mundial de que dizem que os russos teriam perdido as competições para entrega de helicópteros de transporte pesado e de reabastecedores aéreos para a Força Aérea indiana.

“A Rosoboronexport nega as especulações da imprensa sobre a derrota da Rússia em ambos os concursos já que estas reportagens são falsas”, disse a empresa num comunicado.

“Os resultados dessas propostas não foram anunciados, e qualquer prematura especulação sobre o assunto induz erradamente o público e profissionais, tanto na Rússia como na Índia”, disse o comunicado.

As reportagens divulgadas na Índia e na Rússia, inclusive aqui e aqui no Cavok indicam que o modernizado helicóptero de carga pesada da Rússia Mi-26T2 Halo teria perdido para o Boeing CH-47F Chinook, enquanto o avião-tanque Il-78MK-90 perdeu para o Airbus A330 MRTT.

Os meios de comunicação indianos citaram a eficácia do custo e do serviço pós-venda como principais fatores que inclinaram a balança a favor das aeronaves dos EUA e da Europa, respectivamente.

A Índia já possui aeronaves de reabastecimento aéreo Il-78. (Foto: IAF)

A Rosoboronexport insiste, porém, que as aeronaves russas merecem ganhar as propostas, já que “elas não apenas possuem características únicas, mas também satisfazem todas as exigências indianas, incluindo numa elevada eficácia de custo.”

A posição tradicionalmente forte da Rússia no mercado de armas indiano foi recentemente prejudicada por uma concorrência feroz com as empresas norte-americanas e europeias e em falhas para cumprir vários contratos.

No ano passado, os exportadores de armas russas sofreram duas derrotas dolorosas em propostas indianos. A Rússia não ganhou o contrato para fornecer 22 helicópteros de ataque para Índia, que preferiu o modelo norte americano AH-64D Apache ao invés do russo Mi-28N.

Durante o programa de Aviões de Combate Médio Multimissão (MMRCA) anunciado pela Força Aérea da Índia para substituir os antigos MiG-21, o russo MiG-35 não chegou sequer às finais, onde o caça Eurofighter Typhoon perdeu um contrato avaliado em pelo menos US$ 10 bilhões para o jato de combate francês Dassault Rafale.

Fonte: RIA Novosti – Tradução: Cavok

Solicito um minuto da atenção de você leitor do Cavok. Estamos tendo despesas elevadas com servidores devido ao alto tráfego gerado mensalmente, e precisamos da ajuda de todos para continuar mantendo o site estável e permanentemente no ar. Sem a ajuda de vocês, fica inviável manter o Cavok, já que infelizmente as empresas aeronáuticas brasileiras até o momento não anunciaram no nosso site, mesmo sendo o Cavok uma das maiores referências sobre notícias de aviação do país, reconhecido inclusive internacionalmente, e um dos sites de aviação mais visitados do país, senão o maior. Para contribuir, utilize as formas de pagamento online abaixo ou nos botões localizados na barra lateral.




Desde já meu muito obrigado.

Fernando Valduga

Enhanced by Zemanta
Anúncios

20 COMENTÁRIOS

  1. La Paz que é o aeroporto comercial mais alto do mundo, fica um pouco mais de 13.000 pés acima do nível do mar, uma decolagem lá é pra não esquecer.
    Os russos operavam esse Mi-26 no norte do Afeganistão, pousando e decolando nessa mesma altitude, só que transportando toneladas de mantimentos, armamentos e por vezes dezenas de cadáveres de soldados russos.
    É o tipo de helicóptero que faz qualquer coisa e vai em qualquer lugar.

    • Só espero que o Brasil não se empolgue e compre o Mi-26, porque é muiiiito caro operar, o Peru teve que compartilhar o uso com a empresa estatal de petróleo para pagar as revisões.

    • Maior Helicoptero do Mundo Soviet Made feito pra frente de batalha
      nao qualquer um Helis que com qualquer poerinha no motor cai ,
      seria muito bom ver ese gigante nas cores da FAB
      o desenho dese HALO e muito melhor do que a batedeira de ovos dos CH-47 Chinooks
      : )

    • Só uma correção:

      Aeroporto de altitude mais elevada no mundo é aberto na China

      ? O Aeroporto Daocheng Yading, na Província de Sichuan, sudoeste da China, o aeroporto civil de altitude mais elevada no mundo, entrará em operação em maio, após o êxito de um voo experimental nesta sexta-feira, de acordo com a fonte do aeroporto.

      ? Um avião de passageiro do modelo Airbus A319 da Air China, a maior companhia aérea da China, aterrissou com sucesso no distrito de Daocheng, na Sub-Região Autônoma Tibetana de Garzi. O avião partiu de Chengdu, capital provincial de Sichuan.

      ? A Air China vai lançar o voo de uma hora entre Yading e Chengdu em maio, disse Tan Heng, um funcionário do aeroporto.

      ? A construção do aeroporto localizado a 4.411 metros (14.472 pés) acima do nível do mar foi concluída em agosto deste ano. Antes dele, o Aeroporto Bangda de Qamdo no Tibet, localizado a 4.344 metros (14.252 pés) acima do nível do mar, era o mais elevado no mundo.

      ? …

      • Relativisando, o aeroporto de Yanding atende a uma reserva natural montanhosa (sem população) e o Aeroporto de Qamdo embora distante duas hora e meia de viagem por uma estrada de montanha atende uma cidade de cerca de 12.000 habitantes.

        La Paz, embora a capital oficial ainda seja Sucre, é para efeito prático o aeroporto de entrada para a Bolívia como país portanto é um aeropórto que atende o país e uma população local de 2 milhões de habitantes.

        Assim sendo LA PAZ é o Aeroporto DE VERDADE mais alto do mundo, os acima citados estão mais para campo de pouso ou aeroporto regional ou citadino.

  2. Olá Roberto.
    Por favor, sobre a questão da altitude nos aeroportos, por acaso vc saberia dizer as influências que as aeronaves sofrem ao operar (decolar e pousar) no aeroporto de La Paz ?
    Ouvi dizer que os k-8 bolivianos estão "tentando se adaptar" a altitude de La Paz, e que o ideal para aquela área, seria a operação de um jato biturbina (na linha do YAK-130). Fico imaginando como os T-33 operam por lá sem problemas (ou se os mesmos sofreram "adaptação/calibração").

    Obrigado.

    • Prezado Andre Bacha,

      Em altitude, o desempenho da aeronave se altera, tais como, a corrida de decolagem terá que ser maior, razão de subida menor e o motor não dará a mesma potencia que no nível do mar, velocidade* de pouso maior.
      Tudo isso muda porque a densidade do ar fica menor, conforme se sobe, menos denso.
      No caso de La Paz, é extremo, é muito alto, nem mesmo o sistema de emergência para pressurização da aeronave suporta, na maior parte dos aviões o sistema tem que ser sobrepujado pelo piloto ou colocado no manual, antes mesmo de pousar no local.Geralmente os sistemas começam uma série de alarmas automaticamente em altitudes de 10.000 ft.
      Note que não só a altitude influência na densidade do ar, a temperatura é importante, quando mais quente menor a densidade, sendo assim, para dada altitude o desempenho da decolagem da aeronave é melhor em baixas temperaturas.Entretanto, no caso de La Paz, mesmo o inverno e o frio, não são suficientes para neutralizarem o efeito da altitude.

    • No caso do Yak-130 ou do T-33, o fato de serem mono ou bi-turbina, não tem importância, o que importa é a potência dos motores, nada adianta uma aeronave com dois motores fracos.Não conheço a potência dos motores desse YAK-130, e no caso dos T-33, estes voaram, ou voam, por lá, é porque,como dizia um colega meu, era só o que existia na época.
      Enfim, num lugar daqueles, nada irá satisfazer.

  3. A Russia deveria fazer uma parceria com a italia para melhorar os designs de seus helis..

    Muito feios esses helis russos.

  4. *E o pior, você não percebe isso, porque a grosso modo sua velocidade no velocimetro não ira aumentar muito, mas sua velocidade verdadeira(VA) será muito maior, no caso da decolagem então, você terá que ficar muito mais tempo correndo na pista até que você alcance a velocidade real que você precisa para sair do chão.

  5. Um exemplo interessante do efeito da densidade do ar em aeronaves, eram os caças da Segunda Guerra Mundial, por exemplo, o Ta-152 (Focke-Wulf), tinha asas grandes, porque era interceptador para altas altitudes, precisava de muita sustentação em tais ambientes, já as versões de asas cortadas do Spitfire, só operavam em baixas altitudes onde o ar é denso e se tem boa sustenção, logo qualquer excesso de asa era eliminado.

  6. Isso também pode responder o relativo sucesso do T-33 lá, ele era leve e tinha boa area de asa, um Super Tucano tem uns quase vinte metros quadrados de asa, excelente motor e hélice, por outro lado um PC-21 que tem o mesmo motor e hélice, tem bem menos área de asa, então já não seria tão bom quanto o Super-Tucano num lugar desses, mais veloz, sempre, mas bem menos manobrável.

    Resumindo, a altitude do aéroporto influência na performace da aeronave, devido a densidade do ar.

  7. Sobre helicópteros/altitude.

    Há alguns anos, teve aqui no Brasil, um acidente de helicóptero no Monte Roraima, acho que os passageiros eram artitas de televisão.
    Parece que do nada, a aeronave quando próxima do topo do monte, veio para o chão.
    Simples, pouquíssimos helicópteros no mundo são capazes de operarem em altas montanhas, a causa, é claro, densidade do ar.

    • era o Danton Melo, fariam reportagem para a Globo (tipo Globo Rural ou Globo Reporter), foram socorridos.

  8. E prezado Bacha,
    Já que falei em Afeganistão, note que interessante.
    Quando os russos iniciaram suas operações naquele país, era planejado o emprego do MiG-21 SMT, aquele MiG com uma enorme "corcunda" cheia de combustível, o lugar, cheio de desertos e montanhas, seria melhor o emprego de aeronaves com boa autonomia.entretando esse modelo era detestado pelos pilotos russos, que preferiam o modelo "bis", MiG-21bis, que era mais leve e tinha um comportamento muito melhor nos aérodromos da região, que eram altos e terrivelmente quentes no verão.

  9. Dom Robert sempre nos brindando com seu vasto conhecimento! 🙂
    Sobre a densidade do ar, lembro de um velho professor meu, lá da VARIG, que contava uma história sobre um jumbo, que fez um pouso de emergência no Salgado Filho, em pleno verão, lá pelo início dos Anos 80. Pois bem, como todos sabem a pista do salgado filho é "curta" e diziam os mais antigos, "Jumbo pra decolar daqui, só com tanque vazio"!
    Como era o pico do verão, os especialistas da época juntamente com os metereologistas chegaram a conclusão de que o melhor horário para decolar seria as 3 da matina, aonde a densidade do ar seria a maior possível…se isso realmente aconteceu? Não sei…já vi tantos jumbos decolarem do Salgado Filho…mas vale pela história…ou será estória?
    Abs!

Comments are closed.