O mais recente bombardeiro russo, o Tupolev Tu-160, será substituído pelo PAK DA, mas a Rússia já pensa um passo adiante.

A Rússia poderia colocar em operação uma “sexta geração” de bombardeiro estratégico não tripulado ao redor de 2040, disse nessa quinta-feira o Comandante da Aviação de Longo Alcance, Tenente General Anatoly Zhikharev.

“Isso poderia ocorrer em torno de 2040-2050”, disse Zhikharev.

O Tupolev Design Bureau da Rússia está atualmente desenvolvendo uma nova geração de aeronaves de bombardeiro estratégico, o PAK DA, que deve ficar pronto por volta de 2025. A nova aeronave irá substituir a atual frota de bombardeiros Tu-160, Tu-95MS e Tu-22M3.

O desenvolvimento da futura aviação russa de longo alcance na Rússia tem sido objeto de algum debate nos últimos meses.

O Vice-primeiro-ministro da Rússia Dmitry Rogozin disse em junho que ele era a favor do desenvolvimento do projeto do bombardeiro PAK DA para a força aérea, e poucas horas depois disse que o projeto era desnecessário, em aparente oposição a uma chamada do Presidente Putin, uma semana antes, para a indústria aeroespacial nacional para desenvolver apenas uma aeronave.

Rogozin, que tem uma responsabilidade especial com o complexo militar-industrial, já havia insistido que a Rússia não tinha necessidade de desenvolver um novo bombardeiro de longo alcance para substituir sua frota existente.

“Estes aviões não vão chegar a lugar nenhum”, disse Rogozin numa entrevista com o site Izvestia, em junho.

“Eu estou pronto para insistir no meu ponto de vista”, disse Rogozin depois, em junho, no seu Twitter. “Com os modernos sistemas de defesa aérea, estes alvos serão destruídos no caminho”, disse ele.

Em maio, Rogozin foi chamado na indústria de defesa da Rússia para desenvolver armas de velocidades hipersônicas como um futuro sistema de ataque. Ele citou o trabalho de desenvolvimento norte-americano feito nos programas X-51, Falcon, HiFire e HyFly como exemplos do que ele descreveu como a ameaça representada pela perspectiva dos EUA no trabalho de desenvolvimento hipersônico.

Atualmente, apenas a Rússia e os Estados Unidos operam bombardeiros com alcance intercontinental. A maioria dos outros países com capacidade nuclear dependem exclusivamente dos mísseis balísticos intercontinentais com base em submarinos ou em silos terrestres, ou de mísseis de cruzeiro.

As forças aéreas estratégicas russas operam um total de 63 bombardeiros Tu-95MS e 13 do modelo Tu-160.

Fonte: RIA Novosti – Tradução: Cavok

Anúncios

3 COMENTÁRIOS

  1. Na verdade são 16 Tu 160, se não me falha a memória, a não ser que estejam ja descontando dois que foram para modernização.

    Não lembro direito, ´é uma coisa assim.

    Acho que ate encomendaram mais um, não ?

    Bom, que seja, a reportagem prova aquilo que eu sempre digo, apesar da opisição de algums americanofilos anti-russos republicanos xiitas radicais fanáticos : A VVS e a Rússia estão em recuperação.

    Claro não é aqueeeela escala soviética de 1000 caças por dia, óbvio, mas já estão melhorando bastante.

    E claro alguem vai chegar aqui e xingar a VVS de tudo quanto é nome.

    Mas, como o Ilya muito bem disse uma vez : ( objeto: VVS em recuperação)

    " Durmam com isso" …

  2. Esse vice- ministro tá um pouco perdido. Uma hora diz uma coisa outra hora fala outra. Mas que os russos ainda se preocupam muito com o que acontece na terra do "tio Sam" isso tá na cara.

  3. Eu ja estou dormindo e sonhando com a Russia daqui a 35 anos;se continuar com a atual taxa de crescimento demografico de Russos eslavos, a Russia tera´daqui a uns 40 anos sua populaçao constituida apenas por 30% de eslavos(cristaos)o restante sera constituida por amarelos e afins,os eslavos serao minoria dentro do proprio pais,ai vai ser pedreira manter a mesma ideologia , a derrota via crescimento demografico,a arma mais letal !

Comments are closed.