Protótipo do caça Gripen E “39-8”, durante voo de testes em outubro de 2018, armado com mísseis Meteor. (Foto: Saab)

Com o apoio da Suécia, a Saab apresentou na sexta-feira (25/01) a sua proposta para a aquisição de novos aviões de combate para armasuisse, a agência suíça de aquisição de defesa, que serão operados pela Força Aérea da Suíça. A Saab oferece o Gripen E e um abrangente programa de participação industrial para a indústria suíça, que corresponde a 100% do valor do contrato.

A proposta que consiste de opções para 30 e 40 aeronaves de caça Gripen E de nova construção é uma resposta à Solicitação de Proposta (RFP), que a agência Suíça emitiu em 6 de julho de 2018. A Suíça tem a necessidade de substituir sua frota de caças F/A-18 Hornet e F-5 E/F Tiger.

“A solução proposta do Gripen E apresenta a mais recente tecnologia disponível e baixos custos de aquisição, operação e suporte que darão à Suíça um tamanho ideal de frota, com o melhor efeito operacional total nas próximas décadas”, disse Jonas Hjelm, diretor da área de negócios da Saab Aeronautics.

Como parte da proposta para a Suíça, a Saab oferece participação industrial suíça no valor de 100% do valor do contrato. A cooperação com a indústria suíça, em todas as regiões do país, em manufatura, manutenção e tecnologia, melhorará a competência e as capacidades destinadas à sustentação e ao desenvolvimento do sistema Gripen E na Suíça. A Saab tem uma base histórica, forte e ampla de fornecedores na Suíça, que este programa irá expandir ainda mais para assegurar uma cooperação eficiente ao longo da vida.

O programa Gripen E está progredindo conforme o planejado, com a produção em andamento e as entregas aos clientes a partir deste ano. As mais recentes tecnologias estão sendo incorporadas para fornecer às forças aéreas capacidades operacionais projetadas para derrotar as ameaças atuais, mas também futuras. Os principais marcos alcançados durante os últimos seis meses incluem voos com mísseis IRIS-T e METEOR, bem como a segunda aeronave do Gripen E em voo.

Cinco nações operam atualmente o Gripen: Suécia, África do Sul, República Checa, Hungria e Tailândia. A Suécia e o Brasil encomendaram o Gripen E. Além disso, a Escola de Pilotos de Teste do Império do Reino Unido (ETPS) usa o Gripen como plataforma de treinamento para pilotos de testes.

2 COMENTÁRIOS

  1. Quanto mais países (sérios, com continuismo político) entrarem nesse programa, menor será o custo de produção (em larga escala) para "sonhados" novos lotes para a FAB, e para concorrer no mercado mundial. Torcendo muito para que, sabendo da busca pelos suiços em gastar menos possível com armamentos, o Gripen E/F seja, novamente, o escolhido.

Comments are closed.