A Saab desenvolveu e está comercializando uma família de aeronaves de missão que combinam seus eletrônicos e um jato executivo da Bombardier. O Swordfish é a aeronave de patrulha marítima (MPA) que está sendo oferecida à Coreia do Sul. (Foto: Saab)

A empresa de defesa sueca Saab argumentou na quarta-feira (21/03) que sua aeronave de patrulha marítima (MPA)Swordfish é um modelo ideal para uso da Marinha da Coreia do Sul, que busca reforçar sua capacidade de combate aos submarinos da Coreia do Norte, alguns dos quais equipados com mísseis balísticos.

A Marinha Sul Coreana está ansiosa para introduzir avançados MPAs para adicionar à frota de 16 aeronaves Orion P-3C e P-3CKs atualmente em serviço cobrindo as águas ao redor da península.

A Administração do Programa de Aquisição de Defesa (Defense Acquisition Program Administration – DAPA), a agência estatal de aquisição de armamentos, lançará em breve um longo processo de aquisição com a necessidade de compra de MPAs de uma fabricante estrangeira. O programa supostamente está avaliado em 1,94 trilhão de won (US$ 1,81 bilhão).

A DAPA está revisando informações básicas sobre aeronaves candidatas antes de emitir uma solicitação formal de propostas para possíveis licitantes.

Inicialmente, o P-8 Poseidon da Boeing era considerado o favorito para ganhar o contrato.

Mas a Saab tornou público seu interesse na licitação em meio a relatos de que a Airbus e algumas outras empresas estrangeiras também podem participar da corrida.

A Saab oferece o Swordfish, que ainda está em desenvolvimento, uma desvantagem aparente contra o Poseidon, que é conhecido como o melhor MPA existente no mundo.

Autoridades da Saab descreveram o Swordfish como um avião “real”, não “imaginário”, já que ele é baseado no avião de controle e alerta antecipado GlobalEye da Saab, que voou recentemente, e é desenvolvido sobre a estrutura do jato executivo Bombardier Global 6000.

Tem “70 por cento de comunalidade” de sistemas com vários outros produtos da Saab, com experiência de décadas e de longo alcance. Os 30% restantes dizem respeito à integração de armas e outros sistemas, disseram eles.

“Levará cerca de 36 meses do pedido até a entrega”, disse o vice-presidente Robert Hewson, chefe de comunicações da empresa para a Ásia-Pacífico, em coletiva de imprensa em Seul, embora o cronograma exato dependa dos requisitos específicos do cliente.

Ele alegou que o Swordfish é mais barato para ser adquirido e manter.

Comparado ao Poseidon, tem “aproximadamente dois terços do custo de aquisição e 50% do custo operacional ao longo da vida”, disse ele. “Você poderá comprar mais aeronaves por uma quantia fixa de dinheiro. E o custo de manter é muito mais importante do que o custo para comprar.”

O preço de um avião P-8 é conhecido como de cerca de 250-280 bilhões de won (234 a 260 milhões de dólares). Isso significa que a Coréia do Sul poderá comprar cinco a seis P-8, se escolher a aeronave. No caso do Swordfish, o número aumenta para cerca de 10.

A Saab também está disposta a transferir algumas tecnologias para a Coreia do Sul.

Hewson, no entanto, evitou uma resposta clara quando perguntado se a tecnologia de radar de varredura eletrônica ativa (AESA) seria incluída. O Swordfish será equipado com o radar AESA que possui capacidade de detecção de 360 ??graus.

A Boeing disse que o avião sueco, que ainda não foi testado, não é páreo para o Poseidon em operação em muitas partes do mundo.

“O P-8 é comprovado e confiável. Tem o melhor desempenho para apoiar a guerra anti-submarino da República da Coreia”, disse uma autoridade da Boeing. “O preço é uma questão de negociação depois que o programa ter uma negociação mais finalizada.”

O peso máximo de decolagem do Poseidon é quase o dobro do peso do Swordfish, capaz de carregar mais sonobóias, sistemas de armas e tripulantes.

Oficiais da Marinha da Coreia do Sul disseram abertamente que esperam por MPAs com a classe, pelo menos, do P-8. Eles também apontam a interoperabilidade com outros ativos norte-americanos usados ??pelos militares sul-coreanos.

O oficial da Saab disse que Swordfish é menor, mas não tão pequeno.

“É grande o suficiente para fazer o que você precisa para transportar armas, transportar sistemas, enormes cargas úteis. Supera aeronaves maiores”, disse Hewson. Os produtos da Saab não têm nenhum problema na interoperabilidade com os sistemas de armas da OTAN”, acrescentou.


Fonte: Yonhap

Anúncios

1 COMENTÁRIO

  1. Mais uma vez Saab tentando vender o que nunca produziu! Acredito que não ganhará essa concorrência também. Seria a mesma coisa que nos tentarmos vender o KC-390 sem a Embraer jamais ter montado um! Por isso que os pedidos internos são tão importantes! Se vender o KC-390 já está difícil imagina o Sea Gripen e o Swordfish! Fortes candidatos a serem otimos conceitos e nada mais!

Comments are closed.