O caça sueco Gripen foi o escolhido da Força Aérea Suíça para substituir os caças F-5, mas pode estar abaixo da capacidade mínima exigida. (Foto: Keystone)

O novo jato escolhido pelo Conselho Federal Suíço tem graves lacunas. Prova de que a Força Aérea Suíça tinha avaliado ele impróprio. Mesmo para tarefas simples. O Gripen, que o Conselho Federal quer comprar por 3,1 bilhões de francos nunca atingiu os “requisitos mínimos”, de acordo com o relatório confidencial da Força Aérea Suíça. Para substituir os antigos caças Tiger, foram também oferecidos o Rafale ou o Eurofighter. Para baixar o relatório final, clique aqui.

O Gripen não atende as expectativas mínimas de policiamento aéreo. Esta é a conclusão a que chega dois relatórios confidenciais da Força Aérea Suíça publicados em diversos sites. Eles estão em contradição com as declarações feitas pelo Ministro da Defesa Ueli Maurer que garante que a aeronave sueca “atendeu os requisitos militares suíços”. No dia 30 de novembro, na coletiva de imprensa de apresentação da escolha do Conselho Federal, Ueli Maurer mesmo repetiu isso seis vezes.

Sua justificativa foi baseada na idéia de que o Gripen, sem ser uma Ferrari, era pelo menos um bom VW Golf que é largamente suficiente para as necessidades da Suíça. Mas isso não é verdade. Porque o julgamento das forças aéreas nos documentos obtidos pelo “Le Matin Dimanche” não tem apelação: o Gripen, mesmo sendo levado em conta 98 elementos que serão melhorados (motor, radar, tanque, etc.), “é incapaz de alcançar a capacidade mínima para todos os tipos de missões discutidas.”

Esses relatórios de avaliação são datados de novembro de 2009. O primeiro é baseado em testes de vôo; o segundo dá notas das melhorias anunciadas pelos fabricantes. Ambos são assinados pelo chefe da força aérea Markus Gygax e foram escritos em inglês (“A única maneira de ter certeza que será bem entendido nas língua francesas, alemãs e em ticino”, observa um oficial de alto escalão.). Sua autenticidade não é contestada pela força aérea Suíça.

Impróprias para a missão de policiamento aéreo

As lacunas que eles destacam são particularmente graves ao policiamento aéreo. Graves, porque se a Suíça pode dotar um jato capaz de liberar uma bomba grande num local remoto a 5.000 quilômetros, ele deve ser capaz de garantir a soberania do seu espaço aéreo. É a única missão que algumas das forças aéreas da região terão de assumir nos próximos anos, por exemplo, para garantir a zona de exclusão aérea no fórum de Davos.

Contra todas as probabilidades, é precisamente por esta missão de policiamento aéreo que a pontuação do Gripen MS21 é a pior. MS21, é o nome técnico do Gripen E/F que o Conselho Federal tem a intenção de comprar, como foi confirmado pelo porta-voz da força aérea Jürg Nussbaum. Ele atingiu 5,33 pontos de 10 possíveis, e está bem abaixo do limite mínimo de 6,0 decidido no início do processo de avaliação. O Eurofighter atingiu 6,48 e o Rafale 6,98. A nota do Gripen pode ser explicada por uma lenta reação para decolagem de emergência (“Quick Reaction Alert”: pontuação de 4,7), inadequada desenpenho de voo (5,5) e largamente insuficiente resistência (3,8).

Para todos estes requisitos, a pontuação mínima de 6,0 foi fixada se baseando nos recursos dos F/A-18 Hornet suíço atualmente em operação. Mais claramente: as novas aeronaves devem entrar em operação na Suíça a partir de 2016 por 3,1 bilhões de francos e permanecer em serviço até, pelo menos, 2035, e serão menos eficientes do que os F/A-18, que entraram em serviço em 1997 e atualizado regularmente.

Nos documentos divulgados, a força aérea Suíça explica que o Gripen MS21 ainda deve ser selecionado, “deve pelo menos fazer sua avaliação em vôo na Suíça [antes de decidir comprá-lo], para testar sua eficácia nesta missão crítica”. Porque durante os ensaios de Emmen em 2008, apenas o antigo modelo da aeronave pode ser testado em condições reais. E o último (o Gripen C/D) tinha um motor menos potente e muito menos equipamentos.

Os recursos do futuro Gripen nas missões ofensivas aéreas, exclusão do espaço aéreo ou ataque direto também são considerados “médios” por via de forças aéreas (5,62). O raio de ação, a sobrevivência ou detecção, permanecem “baixas”. “A eficácia estimada do Gripen MS21 continua a ser insuficiente [para realizar estas missões] com uma boa probabilidade de sucesso”, afirma o relatório. O Eurofighter teve um notável 6,54 e o Rafale 7,41.

Para as missões de defesa contra aeronaves (DCA) e nos recursos de ataque terrestre do Gripen escolhido pelo Conselho Federal, foram também considerados inadequados, com pontuações de 5,68 e 5,62. “A probabilidade de que o Gripen MS21 se revele incapaz de realizar a missões do DCA é significativa, indica os avaliadores da força aérea Suíça. E a eficácia global restante do Gripen MS21 é insuficiente para ganhar a superioridade aérea das ameaças futuras além de 2015.”

Mentira por omissão?

Em novembro, os trechos do relatório foram revelados pelo Basler Zeitung, que não pôde, no entanto, publicar os documentos inteiros. Ueli Maurer então disse que os dados eram apenas partes, explicando que os outros relatórios que incluiam, por exemplo aqueles que avaliaram as outras áreas, como interesses industriais ou cooperação militar. “Circulam relatórios”, adicionou o Ministro da defesa, “mas não são realmente as partes que interessam”.

Ueli Maurer simplesmente não disse que esses relatórios de avaliação do desempenho aéreo, e divulgados agora, contam apenas 60% da pontuação total da avaliação, tal como confirmado pela porta-voz do departamento de defesa, Silvia Steidle. Ueli Maurer também esqueceu de dizer que para outros módulos de avaliação, dois outros fabricantes de aeronaves na corrida haviam sido considerados equivalentes ou superiores ao Saab Gripen, como podemos confirmar nas diversas fontes que tiveram acesso ao relatório final.

Acima de tudo, o risco financeiro e técnico relacionado com a modernização da aeronave é caracterizado como “alta” pela força aérea. Aqui mais uma vez, esta avaliação contradiz as afirmações do DDPS, que sempre assegurou que esse risco é “controlável”.

Base enojada

Na Armasuisse e nas equipes de avaliação da força aérea, o desgosto é sensível desde a escolha do Conselho Federal, com base em apenas critérios financeiros. Alguns comentam até mesmo uma possível “demissão”. E esperam ser convidados por parlamentares para se explicar. “Se eles me fizerem perguntas, vou responder-lhes, obviamente, muito precisamente”, promete uma dessas pessoas, que deseja permanecer anônimo. A maneira na qual o caça Gripen foi elaborado para obter, no final, o valor que “satisfez os requisitos da trupe” e a contagem total de 6,0 é um mistério. “No momento da sua libertação para o Ministro da defesa, a pontuação da parte militar do Gripen foi insuficiente, confirma um membro líder da avaliação, também sob o anonimato”. Somente a parte financeira permitiu o Gripen atingir o menor mínima.” Também estão ansiosos para explicar aos parlamentares.

O democrata-cristão Jean-René Fournier está chocado com a leitura destes documentos: “Isto é grave”. Se não houver nenhum elemento novo, não vejo como poderemos comprar o Gripen.” O Valais proporá à Comissão sobre a política de segurança do Conselho dos Estados, com o qual ele deve se encontrar nessa segunda-feira, em vez de se juntar a Subcomissão Nacional para investigar a forma como foi conduzida a avaliação.

O ecologista Vaudois Luc Recordon ficou ainda mais chocado quando leu os relatórios da força aérea: “Temos a impressão de que Ueli Maurer quer brincar conosco.” Ele oferece para comprar um 2 CV ao preço de um Porsche.” Neste caso, conclui, prefiro ficar com o F/A-18.

Confrontado com estas alegações, a DDPS recusa-se a comentar essas observações sobre as conclusões da avaliação. “O Conselho Federal, ele diz na resposta por escrito, foi informado sobre os resultados da avaliação de 30 de novembro de 2011, inclusive sobre as notas e os custos. Ele afirma que “o Gripen atende requisitos militares”.

Fonte: Le Matin – Tradução: Cavok

Dica do amigo Wolfpack. Obrigado 😉

Nota do Editor: Pessoal, traduzir do francês não foi fácil. Portanto, se tiver algum brasileiro-francês que queira contribuir ou dar uma revisada, por favor.

Anúncios

79 COMENTÁRIOS

  1. Caramba!
    O texto postado é muito ácido.
    Uma verdadeira pancada…

  2. Curioso!!!!!!!!!!!!
    Quando o relatório do FX-2 vazou pela folha,dizeram que ele não existia que tinha sido inventado pela Cantanhede e bla bla bla,agora tem negrinho jurando de pé junto que esse “relatório Dassaultniano” existe e é suíço.

    • Ihhhh sera' que rolou o jabacule COPAC ?? Fizeram uma opcao FX argentária ( la plata) ou voaram na escolha do caça TOSTINES ?

      Será que tavam cantando aquela marchinha: ei voce ai, me da' um ….. ai, me da um …. ai

      Sim, sim, tempo de folioes (35.000 paginas) !!

    • Bom, esse vazou par ao GRANDE PÚBLICO e tem ali as assinaturas dos responsáveis. Que se confirme ou negue agora a veracidade ou não deste documento. E se for material sensível, que não se faça como no Brasil e não fique sem investigação.

      Aqui no Brasil houve aparentemente um "vazamento" que ninguém sabe, ninguém viu (só a Cantanhede). Eu sou um dos que gostaria de dar uma olhada no que a FAB disse deste ou daquele, mas infelizmente só quem sabe é uma jornalista da não tão confiável Folha de S. Paulo.

  3. O suíços descobriram a roda com essa avaliação! Se os suíços quiserem algo barato mesmo e que quebra um galho era melhor irem de J-10.

  4. Mas convenhamos, é sacanagem com o F-20 sueco, digo, com o gripen, querer que ele se iguale e opere como o Rafale ou o Typhoon! Só mesmo na suíça e no brasil…

    • Mas onde a Suíça quer que o gripen opere como o rafale ou typhon?

      Talvez na terra do queijo podre?

      • HA HA! agora se entregou! rsrsrs VIU? mesmo sem querer tua alma já admite que o Gripen não pode ser comparado com os demais… é menos! e ponto final! aceite isso e será mais feliz! rsrsrsrs

        • Chicão o NG é um caça médio ligeiro e o rafale e o typhon são caças médios pesados.
          Os EUA e Israel usam o F-16 e o F-15 numa doutrina HI-LOW,o Brasil devia fazer uso dessa mesma doutrina com o NG e o SH.
          Agora se você observou a Suíça eles já empregam um caça bi-turbina(o Hornet) e precisam substituir o F-5 que é um caça leve,portanto,o melhor candidato para eles é o NG.

          • Jacks, até entendo esta posição, mas não é disso que se fala e sim de que vcs comparavam o Gripen ao Rafale… e isso não existe! se a SUiça quer o Gripen, certo, mas que ele vale apenas o que pesa, a isso é verdade!

        • Estão sem pra onde correr…hehehehehe…que cumpra-se a Profêcia Maia! O Ano já está ganho! Hahahaha…

  5. A Força Aerea da Hungria e Rep. Tcheka deve estar confusa. Nos Meets e treinamentos o Gripen sempre alcançam o primeiro lugar.

    Numa outra noticia falaram que o Gripen não atinge os objetivos futuros sendo estes objetivos futuros não bem explicados.

    Mas, se for verdadeira as alegações e conclusões sinal de que o FX-2 não soube avaliar os caças para o importante concurso. Será!!!

    Esta noticia vai fazer com que se abram as caixas pretas das avaliações de outros paises. Tomara. Por certo iriam aparecer coisas da arca de noé.

    • "Mas, se for verdadeira as alegações e conclusões sinal de que o FX-2 não soube avaliar os caças para o importante concurso. Será!!!"

      ainda duvida?

  6. A Suiça está fazendo aquela continha onde o barato pode sair bem caro. O Sr. Ministro da Defesa Ueli Maurer terá muito o que explicar. Afinal, a SAAB Aero é alvo de investigação de corrupção na República Tcheca, África do Sul, Coréia e Tailândia. Acredito que eles não mudaram os métodos na Suiça. Agora, alguém deseja esta porcaria na FAB? Nunca voará este LIFT na FAB. No PB o Justin pblicou o seguinte link do doc. vazado a imprensa desta avaliação do Gripen.

    Se um país minúsculo como a Suiça coloca em sérias dúvidas a capacidade do LIFT, oque vou dizer aqui no Brasil?

    "“Temos a impressão de que Ueli Maurer quer brincar conosco.” Ele oferece para comprar um 2 CV ao preço de um Porsche.” Neste caso, conclui, prefiro ficar com o F/A-18."

    Sempre afirmei que ninguém questionava o valor da proposta da SAAB ao Brasil no FX2. Diziam que era barato, mais em conta que o Super Hornet e Rafale (segundo algúns a rainha do hangar), mas esquecem que estão comprando um Citröen 2CV pelo preço de um Porsche 911.

    Um absurdo! Só pode ser o lobby Suéco em ação dentro dos jornais, blogs, COPAC, etc.

    [ ]s

    • Que documento revelador.!

      O little Gripen jamais estara no nivel de um jato de combate de verdade.

      Inferior em todos os quesitos tecnicos diante do Typhoon e Rafale.

      Tinha que ser sueco mesmo.!

      • Você com esta tirada "tinha que ser sueco mesmo" da a entender que não conhece patavinas da Suécia. Quisera que tivessemos a metade da competência deles. O Pais tem 8 milhões de habitantes, mesma população do |Uruguai e fazem de tudo, aviões, submarinos, fragtas, foguetes e etc. Até o Motor do avião mesmo que sendo cópia não apresenta panes como os franceses. França 80 milhões de habitantes…

      • Não entendi a frase, "tinha que ser sueco mesmo"…Pra substituir o F-5 tanto no Brasil quanto na Suíça o Gripen NG dá e sobra, ou alguém tem dúvida disso? O problema é que o FX-2 não é necessariamente um processo para substituir os F-5 aqui no Brasil. Primeiro se busca substituir os Mirage 2000. Outra coisa é nego querendo comparar Rafale com Gripen. Falar mal da Suécia? O Gripen foi projetado para atender exatamente as especificações da Força Aérea Sueca. O Gripen NG é um upgrade para viabilizar comercialmente o caça principalmente em países maiores que a Suécia. Não vejo nada de anormal nisso. Que infantilidade danada, nego torcendo pra Dassault, pra Saab, pra Boeing…eu hein! Os 3 caças são formidáveis, apresentam desempenhos distintos, mas tenho certeza que cumprem a função a qual foram projetados. Oxalá a FAB escolha o caça que mais se adeque a sua estrutura e ao papel que irá desempenhar as aeronaves. E se o Gripen no final das contas for melhor para o nosso país em termos de ToT e custo/benefício que venha o Gripen. Se for o Rafale, que venha o Rafale. Só não acredito muito nos americanos, mas tb não podemos deixar de vislumbrar a possibilidade deles transferirem tecnologia pois a tecnologia nem é tão sensível assim, tendo em vista que eles já estão em outro estágio, caças de 5a geração.

        • isso pode ser visto nas versões anteriores da SAAB, o Viggen e o Draken…Eram aviões ótimos para época, mas como o Gripen, foram feitos para atender as necessidades da força aerea sueca, se alguem estivesse interessado em comprar algum, que se vire com os próprios riscos.

  7. O Gripen NG não poderia estar ao lado do Rafale e Super Hornet no short list do FX2. É um contra-senso eliminar F16Blk60/Su35 e deixar este cara na disputa.

    [ ]s

    • Concordo! Há algo de muito podre! Como pode o F-16, O F-16, ser elimindo em prol de algo quem nem existe????

  8. Eu comecei a ler surpreso, mas no meio do texto vi que a fonte é francesa, ai eu me tranquilizei.

    Dassault, não vai ser assim que vai conseguir o seu avião. FAIL!!!

    • Diego, o jornal é Suiço – http://www.lematin.ch/
      .ch = Confederatio Helvetica / Confoederatio Helvetica
      a fonte é Suiça/Helvética. Assim como o relatório do link acima.
      [ ]s

  9. Deus meu… o referido jornal é Suíço ok? não há nada de Dassault na matéria… nada mesmo. O que há é a verdade nua e crua: o Gripen é um caça limitado… o Gripen NG, caso se torne realidade, será mais capaz que as versões mais antigas mas ainda sim, encontrará limitações de operação… principalmente em um país continental como o nosso.
    Parem de criar factóides… por favor… E Jack: você gostaria de uma bolsa de estudos na França? se você quiser, até me comprometo em agilizar isso para você… só que até lá, que tal você mudar esse seu discurso anti-Francês? isso é feio e só demonstra uma certa limitação que, caso você realmente queira, pode ser sanada com a viagem.

    Segue o link do jornal :http://www.lematin.ch/

  10. Contra fatos, não há argumentos 😀
    Até a Eliane Catanhede já se curvou, a FAB necessita de uma aeronave capaz e possa desempenhar todas as missões do inventário da Força Aérea e as que virão no futuro. Não podemos nos dar ao luxo de apostar em uma aeronave cujo desempenho fraco foi discutido na Índia e agora na Suiça. Afinal é isso que o Celso Amorin foi buscar na IAF, dados de sua avaliação. com esta média acima, o Gripen não passa 😛 Pode se utilizar de todo lobby e artimanhas, mas não passa.
    Se o LIFT for o escolhido, eu vou começar a rezar para que nunca tenhamos que testar suas reais habilidades em combate real. Mais do que nunca o Itamaraty terá que formar na primeira fila da disputa. Já nossos prováveis inimigos e ameaças não terão dúvida quanto a seu desempenho.
    [ ]s

    • Wolfie:

      Seu post se revela intrigante, e então fica a pergunta; Quais e quem seriam nossos futuros inimigos e ameaças?

      • Boa pergunta HMS. Eu não sei para quais ameaças devemos nos proteger e nem quais os objetivos devemos listar nossas defesas.
        Se não sabemos contra quem devemos nos proteger, fica difícil.
        O END coloca o foco na Amazônia Legal e Amazônia Azul.
        Felizmente, somos um país sem ameaças claras hoje, mas isso pode mudar rapidamente.
        Você tem razão, devemos ter claro contra quais ameaças devemos nos proteger.
        [ ]s

        • Wolf,

          Não é só voce que não sabe de quais ameaças devemos nos proteger. O povo não sabe, o GF não sabe e por fim nem os militares sabem, os únicos que sabem ou imaginamos saber somos nós ahahahahha

          Ninguém sabe porque não tem, o que as forças estão aprendendo a passos de tartaruga é que tem que criar um argumento ou inimigo convincente pra fazer valer a atenção $$$$ do GF, no caso o petróleo. Quanto a amazônia não vejo risco ST dá conta de guerrilha e cocaleiro, pois diferente dos 90% de malucos daqui eu não acho que o tio-san passeia por lá, joga veneno lá, taca o foda-se lá ahahahah enfim eu nunca vi os marines trocando tiro e matando soldado do EB na amazônia.

        • Exatamente. E em cima delas projetar nossa política de defesa e os meio a serem adquiridos.Essa é minha principal crítica à END pois ela apresenta-se algo como "desconectada" da realidade.

          Abraços!

      • podemos citar algumas: ìndios cocaleiros nacionalistas, chavito ao norte e o caso dos "brasiguaios". A America do Sul não é uma Europa!

        • O problema é que nosso governo quer ser amiguinho até demais do Chavito, inclusive aceitando as joelhadas do mesmo. Se a Venefavela realmente fosse visualizada como ela é ou seja, uma ameaça em potencial aos interesses Brasileiros na AL, você poderia facilmente justificar a aquisição de vetores da classe do Rafale ou do Super Hornet ou até superiores.

  11. O relatório se baseia na Avaliação de 2008, com alguma atualização em 2009. O Gripen C perdeu, e é até lógico que perca para o F-18C, Rafale e Typhoon. O Gripen E/F, segundo o relatório ficou abaixo do "6" mas bem mais próximo(quem quiser entender o que é o "6", só baixar o .pdf)

    Rafale e Typhoon ficaram acima, mas não muito.

    Como já debati com o Chicão sobre isso em outros tópicos, a parte técnica é um dos componentes que compõe os parâmetros de decisão da aeronave a ser escolhida. Existem os fatores como Custos(Aquisição/Operação), Offsets, ToTs, Logística etc.

    Se for para revelar apenas a parte que interessa(aos franceses :)) que se revele tudo afinal 😉

    []'s

      • Caro Chicão,

        Seria interessante saber, quanto é o custo de hora-vôo prometido pelos franceses e ingleses,comparado ao suecos. 🙂

        Para o entusiasta é fácil escolher o mais "fuderoso", e talz, mas na real uma série de itens precisam ser pesados. A Suiça entendeu que o Gripen atende melhor as necessidades deles. A Índia entendeu que o Rafale seria o mais adequado. A FAB entendeu que seria o Gripen NG ou F-18E. Porque não aceitam isso ?? 🙂

        []'s

        • Nick, não estou falando de aceitar, pois se tem um cara aqui, eclético em termos de avião vs nacionalidade, este sou eu… tudo que venho falando está atrelado a falácia de que o Gripen NG (QUE NÃO EXISTE, É BOM LEMBRAR) faz tudo que o Rafale faz e custa a metade do valor! 2 mentiras deslavadas!
          1 – pelo andar dos fatos, não terá a mesma capacidade em nada!
          2 – Não custa a metade coisa nenhuma, diria até que seu custo benefício em relação ao Rafale é bem inferior.

          "É o que transferiria mais tecnologia, pois o pais aprenderia fazendo!" – outra conversa fiada, pois as tecnologias do Gripen não são suecas!

          • Caro Chicão,

            Podemos ficar discutindo essas questões ad eternum, mas sem umas "brejas" não dá 🙂

            []'s

    • Nick, o que o Ministro da Defesa da Suiça Ueli Maurer deve explicar a seu Congresso, porque escolheu o concorrente que teve notas de desempenho abaixo da média aceitável pela Armasuissa?
      Isso sim cheira muito ruim.
      Não existe milagre, o Gripen NG deveria gastar muitas horas de desenvolvimento mais para chegar ao nível de Rafales e Typhoons, sem contar que mesmo o C/D não se compara ao F/A18 naquele momento, o que é grave para uma aeronave de geração superior ao F/A18.
      [ ]s

      • Caro Wolf,

        Se existe algo ilícito, que seja investigado. Aliás tem de investigar esse vazamento também. Lá eles tem uma prova física desse vazamento. O que era confindencial deixou de ser.

        No mais o governo Suiço é soberano para escolher o que eles entendem que seja melhor para eles. Do mesmo modo que, se o Brasil escolher qualquer um dos 3 do FX-2. Pode até contrariar a FAB e escolher o Rafale, mas esta terá de acatar e rezar para que o mesmo GF que escolhe o vetor mais caro de operar, também aumente na mesma proporção o orçamento operacional da Força.

        Sobre o Gripen NG estar no mesmo nível que o Rafale e Typhoon: Em certos parâmetros isso nunca vai acontecer, como carga paga e alcance. Mas o que não entra na cabeça de alguns é que o Gripen NG foi feita para ser um caça de baixo custo operacional, mas ao mesmo tempo trazendo tudo o que um caça de 4.5ª geração tem, como radar AESA, IRST, sistemas de EW modernos, etc. Ou seja, é uma OPÇÃO para países que não tem um Orçamento de DEFESA grandioso.

        Com a vitória do Rafale na Índia, o lobby a favor deste será maior ainda, e é possível que seja o vencedor por aqui.

        SE FOR, o GF mudará sua mentabilidade de contigenciar verbas da FAB, ou diminuirá drasticamente o tamanho da tesourada costumeira? Se alguém garantir que sim, que venham as Ferraris, digo Rafales 🙂

        Caso contrário o risco é o óbvio: diminuir ainda mais a operacionalidade da Força.

        []'s

        • Nick,

          então concordamos, o Gripen é um LIFT de luxo! Para treinar e "air policing" é uma beleza, se o bixo pegar estamos ferrados!

          • Nada se o bicho pegar temos M2000 e Forevis-5, aí sim estaremos ferrados!!

          • Caro Marcelo,

            O Gripen NG(E/F) vai muito além de um LIFT: radar AESA, IRST, EW modernos, MFD único, HMD, etc..

            E um raio de ação do que razoável : 1300km(+30min) com 4BVRs+2WVRs+1 tanque central.

            Para Ataque dispõe também de uma boa capacidade 6tons(máximo).

            Agora lógico que o Rafale com capacidade de 9 tons e SH com 8 tons, são melhores para ataque.

            Se o bixo pegar à nível de América do Sul, qualquer um dos 3 atende, e quem está afirmando isso é a FAB. Agora querer parar uma força de coalisão com 36, 72 ou 120 caças, mesmo que as Ferraris, digo Rafale 🙂 , é sonhar mesmo. Agora se for para um conflito, não é melhor ir com os pilotos com 60 horas de voo/ano ou 180? Essa é a questão que muitos não entendem.

            []'s

  12. Cheguei a uma conclusao, depois de acompanhar muito o blog.

    Gripen ruim demais pro Brasil.!!

    Que fique bem longe esse jatinho vergonhoso que vive sendo reprovado.!

    • O Gripen já vendeu mais do que o Rafale! Porque! E só agora descobriram que é limitado. Essa não cola.

      • só a venda para a India já é mais que tudo o que o Gripen já vendeu, aliás muitos dos contratos são de leasing, e não de aronaves novas…

  13. Amigos,

    Atendendo ao pedido, tentei revisar e sugiro uma nova versão da tradução:

    "
    O novo jato escolhido pelo Conselho Federal Suíço tem graves lacunas. Os documentos provam que a Força Aérea Suíça o tinha avaliado como inadequado. Mesmo para tarefas mais simples. O Gripen que o Conselho Federal quer comprar por 3,1 bilhões de francos nunca alcançou os “requisitos mínimos”, de acordo com o relatório confidencial da Força Aérea Suíça. Para substituir os antigos caças Tiger, as Forças Armadas indicaram o Rafale ou o Eurofighter. Para baixar o relatório final, clique aqui.
    O Gripen não atende aos requisitos mínimos para policiamento do espaço aéreo. Esta é a conclusão a que chegam dois relatórios confidenciais da Força Aérea Suíça, dos quais publicamos amplo extrato no nosso site internet. Eles contradizem as declarações feitas pelo Ministro da Defesa Ueli Maurer que garante que a aeronave sueca “satisfaz os requisitos militares suíços”. No dia 30 de novembro passado, na coletiva de imprensa de apresentação da escolha do Conselho Federal, o próprio Ueli Maurer repetiu isso seis vezes.
    Toda sua justificativa foi baseada na idéia de que o Gripen, sem ser uma Ferrari, era pelo menos um bom VW Golf, que seria amplamente suficiente para as necessidades da Suíça. Mas isso não é verdade. Isto porque o julgamento da Força Aérea, nos documentos obtidos pelo “Le Matin Dimanche”, é definitivo: o Gripen, mesmo considerando os 98 elementos que serão melhorados (motor, radar, tanque de combustível, etc.), “permanece incapaz de alcançar a capacidade mínima para todos os tipos de missões examinadas.”
    Esses relatórios de avaliação são datados de novembro de 2009. O primeiro baseia-se em ensaios em vôo; o segundo estabelece notas a partir das melhorias anunciadas pelos fabricantes. Ambos são assinados pelo Chefe da Força Aérea Markus Gygax e foram escritos em inglês (“A única maneira de ter certeza que será bem entendido nas (outras) línguas: alemão, italiano e em romanche”, observa um oficial de alto escalão). Sua autenticidade não é contestada pela força aérea Suíça.
    Impróprias para a missão de policiamento do espaço aéreo
    As lacunas que eles destacam são particularmente graves no que concerne ao policiamento do espaço aéreo. Graves, porque se a Suíça pode renunciar a adotar um jato capaz de lançar uma bomba pesada num local remoto, a 5.000 quilômetros, ela deve ser capaz de garantir a soberania sobre seu espaço aéreo. Esta é a única missão que algumas das forças aéreas da região terão de assumir nos próximos anos, por exemplo, para garantir a zona de exclusão aérea durante o fórum de Davos.
    Contra todas as probabilidades, é precisamente por esta missão de policiamento aéreo que a pontuação do Gripen MS21 é a pior. MS21 é o nome técnico do Gripen E/F que o Conselho Federal tem a intenção de comprar, como foi confirmado pelo porta-voz da Força Aérea Jürg Nussbaum. O Gripen alcançou apenas 5,33 pontos de 10 possíveis, e está bem abaixo do limite mínimo de 6,0 estabelecido no início do processo de avaliação. O Eurofighter atingiu 6,48 e o Rafale 6,98. A nota do Gripen pode ser explicada por uma lenta reação para decolagem a partir de alerta (“Quick Reaction Alert”: pontuação de 4,7), insuficiente desempenho de voo (5,5) e largamente insuficiente autonomia (3,8).
    Para todos estes requisitos, a pontuação mínima de 6,0 foi fixada em função das capacidades dos F/A-18 Hornet suíços atualmente em operação. Mais claramente: as novas aeronaves que devem entrar em operação na Suíça a partir de 2016 por 3,1 bilhões de francos e permanecer em serviço até, pelo menos, 2035, têm desempenho inferior aos F/A-18, que entraram em serviço em 1997 e vêm sendo atualizados regularmente.
    Nos documentos em nosso poder, a Força Aérea Suíça explica que, se o Gripen MS21 for selecionado apesar de tudo, “deve pelo menos fazer sua avaliação em vôo na Suíça [antes da decisão pela sua aquisição], para testar sua real eficácia nesta missão crítica”. Isto porque, durante os ensaios a partir de Emmen, em 2008, apenas o antigo modelo da aeronave pôde ser testado em condições reais. E este último (o Gripen C/D) tem um motor menos potente e muito menos equipamentos.
    As capacidades do futuro Gripen nas missões ofensivas de defesa aérea, exclusão do espaço aéreo ou ataque direto também são considerados “médias” pela Força Aérea (5,62). Deve-se notar o raio de ação, a capacidade de sobrevivência ou de detecção, que permanecem “baixos”. “A eficácia estimada do Gripen MS21 continua a ser insuficiente [para realizar estas missões] com uma boa probabilidade de sucesso”, afirma o relatório. O Eurofighter teve obteve nota 6,54 e o Rafale 7,41.
    Para as missões de defesa contra aeronaves (DCA) e também para as de ataque ao solo, as capacidades do Gripen escolhido pelo Conselho Federal, foram também lá considerados inadequados, com pontuações de 5,68 e 5,62. “A probabilidade de que o Gripen MS21 se revele incapaz de realizar a missões DCA é significativa, indicam os avaliadores da Força Aérea Suíça. E a eficácia global do Gripen MS21 permanece insuficiente para proporcionar a superioridade aérea em face das ameaças futuras, além de 2015.”
    Mentira por omissão?
    Em novembro, fragmentos do relatório que nós citamos foram revelados pelo Basler Zeitung, que, no entanto, não os publicou. Ueli Maurer disse então que minimizou a importância dessas informações, explicando que eram os outros relatórios os que mais importavam, por exemplo, aqueles que avaliaram as outras áreas, como interesses industriais ou cooperação militar. “Fizemos circular os relatórios”, adicionou o Ministro da Defesa, “mas estas não são realmente as partes que interessam”.
    Ueli Maurer simplesmente não disse que esses relatórios de avaliação do desempenho aéreo, e divulgados agora, representam sozinhos 60% da pontuação total da avaliação, tal como nos foi confirmado pela porta-voz do Departamento de Defesa, Silvia Steidle. Ueli Maurer também se esqueceu de dizer que, em todos os outros módulos de avaliação, as duas outras aeronaves na competição haviam sido consideradas equivalentes ou superiores ao Saab Gripen, como nos confirmaram as diversas fontes que tiveram acesso ao relatório final.
    Acima de tudo, os riscos financeiro e técnico relacionados à modernização da aeronave são caracterizados como “altos” pela Força Aérea. Aqui, mais uma vez, esta avaliação contradiz as afirmações do DDPS, que sempre assegurou que esse risco é “controlável”.
    Base enojada
    Na Armasuisse e nas equipes de avaliação da força aérea, o desgosto se pode sentir desde a escolha do Conselho Federal, feita com base em apenas critérios financeiros. Alguns comentam até mesmo uma possível “demissão”. E estes esperam ser convidados por parlamentares para poderem se explicar. “Se eles me fizerem perguntas, vou responder-lhes, obviamente, muito precisamente”, promete uma dessas pessoas, que deseja permanecer anônimo. A maneira na qual o caça Gripen foi “repescado” para obter, no final, o valor que “satisfaz os requisitos militares” e a nota global de 6,0 é um mistério. “No momento do envio para o Ministro da defesa, a pontuação da parte militar do Gripen foi insuficiente, confirma um dos responsáveis pela avaliação, também sob anonimato”. Somente a parte financeira permitiu ao Gripen atingir a nota mínima.” Eles também estão ansiosos para poder se explicar aos parlamentares.
    O democrata-cristão Jean-René Fournier está chocado com a leitura destes documentos: “Isto é grave”. Se não houver nenhum elemento novo, não vejo como poderemos comprar o Gripen.” O Cantão de Valais proporá à Comissão de política de segurança do Conselho dos Estados, com o qual ele deve se encontrar nessa segunda-feira às dez horas, de se juntar a Subcomissão Nacional para investigar a forma como foi conduzida a avaliação.
    O ecologista do cantão de Vaud, Luc Recordon, ficou ainda mais chocado quando leu os relatórios da Força Aérea: “Temos a impressão de que Ueli Maurer quer brincar conosco.” Ele oferece para comprar um Citroën 2 CV ao preço de um Porsche.” Neste caso, conclui, prefiro ficar com o F/A-18.
    Confrontado com estas alegações, o DDPS recusa-se a comentar essas observações sobre as conclusões da avaliação. “O Conselho Federal, diz na resposta por escrito, foi informado sobre os resultados da avaliação em 30 de novembro de 2011, inclusive sobre as notas e os custos. Afirma (DDPS?) que “o Gripen atende aos requisitos militares”.

    Boa semana,

    Justin

    • valeu Justin, mas já deu para entender o conteúdo… se este relatório é verdadeiro mesmo, que a Suiça fique com este caça e depois não chore! e que os colegas aqui defensores deste avião caiam na real que ele é um F-5 moderno e nada mais! parem de querer comparar com Rafale, dizer que custa metade, que faz a mesma coisa… isso que faz torrar o saco! olha o valor do contrato!!! 3,1 bi por 22 caças?!

  14. A Dassault já fez todas m….as possíveis de serem feita no episódio MIIIES, eu estive lá noa no passado e tive oportunidade convesar com um Cel Av da FAS, e eles não querem ver nem de longe o pessoal da Dassault. Se este negócio tem a mão da dita, bom acabaram de fazer um grande favor a SAAB.

    grande abraço

    • Os Mirage 2000C foram escolhidos porque então para tampax até o FX2? Se a reputação é tão ruim assim na FAB, porque continuaram a adquirir esta aeronave?
      Você leu o texto sobre a experiência da IAF com os Mirage 2000?
      Vale a pena.
      [ ]s

    • Mas esqueceram de dizer isso para o oficial que fez essa (aparentemente) honesta avaliação publicada em anexo…

  15. Opa, esse texto tem mutreta! Depreende-se da documentaçao acostada que essas pseudo autoridades Suiças, com esse proto relatorio tavam querendo comparar o DEMO Engripado, um mono turbo, com o Hornet, um biturbo?

    E' claro que o desempenho vai ser muito pior. Precisava fazer teste pra chegar a essa conclusao?

    Vemos, pois, um classico caso do insanavel vicio de injuridicidade !

    Duas questoes pra meditar:

    – a turma da F.Aerea de la' tambem nao aceita decisao politica e fica lamuriando nos bastidores (e' claro que com a polaridade invertida pois os politicos de la' querem comprar banana podre). Vejo que o problema nao e so' aqui no nosso butiquim;

    – a EMBRAER e seus parceiros bem que podiam aproveitar essa xepa pra oferecer uns Mike retrofitados aos guardas do Ratzinger. Se eles tao querendo preco baixo, a gente leva essa!!

    Com tudo isso, penso que a Suiça deveria ficar mais e' nas areas `as quais esta mais vocacionada, a saber: queijo, chocolate e dinheiro de origem nebulosa! Escolher aviao parece nao ser o forte deles !

    Eita, e por falar em escolher aviao, so' agora percebi que a FAB pode aproveitar essa experiencia Suiça. Sabe como? Vai manadar comprar 120 F-18 (e' melhor que o DEMO E MAIS BARATO)e ainda de quebra manda uns 20 passaros pro OPALAO !!

    Note-se que, apos a compra pela Nestle', efeito Tostines acabou sendo exportado pra la' !!!

  16. É o fim, é oficial a SAAB com o todo poderoso Gripen, estão realmente humilhados.

    Dessa vez não são comentarias do blog que estão falando, são pessoas realmente conhecedoras do assunto afirmando o que eu e outros colegas a muito dizíamos.

    Eu diria que o Gripen para o Brasil ficou politicamente inviável.

    sds

    • Na verdade eu ainda acho que a solução pro Brasil era o Super Flanker, deixado no esquecimento ainda no finado e anterior FX.

      86 Super Flankers com todos os mísseis fabricados nacionalmente pela avibrás (que era a proposta da Sukhoi) seria suficiente para a defesa do Brasil. Fora a aproximação com a democrática industria de defesa russa e a natural substituição desses vetores pelos futuros PAK-FA.

      • "Democrática indústria de defesa Russa"…Nunca vi tanta imbecilidade! Somente o fanatismo ideológico para justificar tanta asneira!

    • Carl,

      politicamente nunca foi viável, tanto que o GF nunca cogitou essa possibilidade (aliás, o que, ou quem, fez o NG entrar na short list? A Catanhede? O Galante? As "fontes" do Galante? Os "especialistas todos" que afirmaram categoricamente que o Gripen era o melhor caça já feito pela humanidade? Aquele oficial da FAB, ex-Copac, que deu entrevista pra todo jornal na época? A Embraer? O prefeito Marinho? vai saber, né?…)…

      O Gripen só se tornou viável "marketingamente" falando…hehehe

      Mas a gente não pode esquecer de um detalhe: a Suiça deixou claro, no dia do anuncio da decisão, que estava comprando o Gripen devido ao preço. Só isso.

      E esse é o discurso dos devotos da Catanhede (antes dela ter uma iluminação profana e mudar de idéia) aqui no Brasil: como a FAB (dizem) não tem dinheiro nem pra empinar pipa, então o Gripen é melhor.(melhor que a pipa, é claro!…hehe)

      Sempre houve duas posições nas discussões em torno do FX2: a dos que defendiam que a FAB deveria começar a ser um força aérea de fato (coisa que o HMS, na sua neurose, chama de "Brasil Putência", pois ele vive sonhando com o Lula, toda noite)…e aqueles que defendiam a permanência do atual estado de coisa…

      Comodismo e conservadorismo é isso: vamos mudar tudo pra não mudar nada. Já que temos F-5 e não vamos abrir mão das pensões, da atual estrutura da FAB etc., então vamos trocar os F-5 por um novo F-5, o Gripen. É mais ou menos assim que parte da FAB pensa, inclusive. Defesa aérea fica pra quando der, se der…até porque, pra quem pensa assim, tanto faz ter FAB ou USAF voando por aqui…dá na mesma.

      abração

  17. Se é verdade a Força aérea da Suécia tá adorando, vão ganhar um novo projeto. Mas não se surpreendam quando vier o contra ataque! Vão ficar estarrecidos.

  18. "A nota do Gripen pode ser explicada por uma lenta reação para decolagem de emergência (“Quick Reaction Alert”: pontuação de 4,7), inadequada desenpenho de voo (5,5) e largamente insuficiente resistência (3,8)."

    …lenta reação para decolagem e emergência?? Não entendi, caças suecos com lenta reação para decolagem…..ahahahahahha muita viagem!! http://www.youtube.com/watch?v=6N9To90e-7s

    • Nada a ver o vídeo com o comentário, decolagem de emergência seria a prontidão e disponibilidade do vetor, e não ficar pousando e decolando em pista semi-preparada, coisa alias que praticamente qualquer avião faz, ate C-130.

      F-16B Block 20, Mirage 2000-5, and IDF F-CK-1B, decolando e pousando em estrada – http://www.youtube.com/watch?v=pNk-ljy-diA

      • Não entendi ainda…

        Prontidão, cabe a força escolher a quantia dos que ficarão de prontidão, a aeronave não tem IA.

        Disponibilidade do vetor, se o gripen não tem a manutenção mais fácil de todos eurocanards e Su/Migs então eu sou o mussum!! ahahahhaha

        Só por esse relatório ter falado besteira nesse quesito, já não o levarei em consideração.

  19. Esses países Europeus e seus estranhos líderes…se armam até os dentes de F-5, com a desculpa pronta da eterna falta de grana, mas quando o Czar pisar em seu solo vão correndo pedir ajuda ao Tio Sam, vão correndo e gritando: F-22…F-35…salve-nos…

      • não, agora a política é: quem pisar em solo francês receberá fogo nuclear. Eles aprenderam com os erros, se você não sabe vai pesquisar, vai.

  20. migos, bom dia.

    Sobre o nosso F-X2…

    Realmente, o Brasil tem características únicas. Notícias de hoje:

    http://veja.abril.com.br/noticia/economia/brasil-

    Brasil "muito provavelmente" escolherá caça Rafale–fontes

    SÃO PAULO, 13 Fev (Reuters) – O Brasil "muito provavelmente" escolherá o caça militar francês Rafale para modernizar a Força Aérea, disseram fontes do governo, uma decisão que garantiria um dos contratos de defesa mais cobiçados dos mercados emergentes para um avião cujo futuro estava em dúvida apenas duas semanas atrás.

    A presidente Dilma Rousseff e os conselheiros dela acreditam que a proposta da Dassault Aviation para vender pelo menos 36 Rafales tem os melhores termos entre as três ofertas finalistas, disseram à Reuters fontes sob condição de anonimato.

    As outras duas fabricantes são a Boeing com o F-18 e a Saab com o Gripen. </i)

    A notícia da Reuters é mais longa:

    ttp://fr.reuters.com/article/businessNews/idFRPAE81C02P20120213

    Le Brésil va "très probablement" choisir le Rafale

    lundi 13 février 2012 08h47

    SAO PAULO (Reuters) – Le Brésil va "très probablement" choisir le Rafale pour équiper son armée de l'air en avions de chasse, a-t-on appris de sources gouvernementales, ce qui, après l'Inde, constituerait un deuxième succès de taille à l'exportation pour un appareil qui, auparavant, n'avait jamais trouvé preneur à l'étranger.

    La présidente brésilienne Dilma Rousseff, dont les réticences ont été levées par la décision de l'Inde d'entrer en négociations exclusives avec l'avionneur français Dassault Aviation pour acheter des Rafale, ne devrait pas annoncer sa décision avant l'élection présidentielle du 22 avril et du 6 mai en France afin de ne pas laisser cette question être détournée à des fins politiques.

    Dilma Rousseff et ses principaux conseillers sont convaincus que l'offre de Dassault Aviation de vendre au moins 36 Rafale est meilleure que celles de ses deux concurrents, Boeing avec son F-18 et Saab avec le Gripen, ont déclaré ces sources à Reuters sous le sceau de l'anonymat.

    Boeing a cependant déclaré être toujours dans la course.

    "Je pense qu'il y a un peu des va-et-vient en ce moment mais les négociations sont toujours d'actualité", a déclaré Jeff Koher, vice-président de la division business développement de Boeing, en marge du salon aéronautique à Singapour.

    "Nous donnons le meilleur de nous même et je suis sûr que les autres compagnies font la même chose."

    Dilma Rousseff considère ce contrat comme un grand tournant qui va façonner les alliances stratégiques et militaires du Brésil pour les prochaines décennies dans un contexte où son pays est entrain de prendre une place parmi les leaders de l'économie mondiale.

    AU MOINS TROIS MILLIARDS D'EUROS

    La valeur initiale du contrat est estimée à quatre milliards de dollars (environ trois milliards d'euros) mais elle devrait être largement supérieure dès lors qu'auront été notamment inclus les frais de maintenance.

    Dilma Rousseff manifestait auparavant des réticences à l'égard du Rafale car l'appareil n'a pas trouvé preneur en dehors de la France. Ces inquiétudes ont été levées fin janvier lorsque l'Inde a annoncé qu'elle entrait en négociations exclusives avec Dassault Aviation pour acquérir 126 Rafale.

    Le ministre brésilien de la Défense, Celso Amorim, s'est rendu à New Delhi la semaine dernière pour discuter de la teneur de cet accord avec des responsables indiens et examiner des documents.

    "L'accord avec l'Inde a tout changé", a dit l'une de ces sources brésiliennes. "Avec la décision de l'Inde, le Rafale sera très probablement le vainqueur ici."

    Selon ces sources, Dassault propose la meilleure combinaison avec un appareil de grande qualité et un transfert de technologie jugé essentiel par Celso Amorim. Le Brésil espère utiliser cette technologie pour développer sa propre industrie de défense emmenée par l'avionneur Embraer.

    Dassault commercialise l'avion Rafale comme un avion agile, de taille moyenne, avec de faibles coûts d'utilisation et qui peut être déployé plus rapidement que ses plus volumineux concurrents.

    Ces caractéristiques pourraient plaire au Brésil qui ne connaît pas de problèmes particuliers avec ses voisins et qui envisage d'utiliser cet avion principalement dans un but défensif, notamment pour patrouiller au-dessus de ses champs de pétrole off-shore récemment découverts.

    L'offre de Boeing serait déjà finalisée mais selon des sources le constructeur américain ne devrait pas être en mesure de faire concurrence à Dassault car les Etats-Unis ont traditionnellement pratiqué des restrictions sur les ventes de technologies militaires à l'étranger.

    Si cet achat est confirmé il permettra à la France de mettre en valeur ses deux partenariats avec l'Inde et le Brésil, deux pays qui compteront parmi les puissances économiques de demain.

    Selon ces mêmes sources, des événements imprévus peuvent encore infléchir la position de Dilma Rousseff, notamment un échec des négociations entre Dassault et l'Inde.

    Le prédécesseur de Dilma Rousseff à la présidence, Luis Inacio Lula da Silva, avait déclaré en 2009 que le Brésil choisirait le Rafale mais il avait quitté le pouvoir sans entériner cette décision.

    Brian Winter, Bertrand Boucey et Marion Douet pour le service français, édité par Benoît Van Overstraeten

    Abraços e boa semana,

    Justin

  21. Enquanto continuarem a comparar aviões de classes e capacidades completamente diferentes nao se vai chegar a conclusão alguma. Hoje em dia o dinheiro manda nas forcas armadas e a decisão suica sempre foi baseada no factor financeiro, se o avião nao cumpre os requisitos mínimos simplesmente comprem um bimotor mais caro de adquirir, mais caro de manter e mais caro de voar. A Suécia como um dos países tecnologicamente mais avançados da Europa simplesmente tem um mau avião de combate na sua Forca Aérea, faz sentido nao faz?

  22. Começou a choradeira da Dassault, HEHEHEHE!!!!

    "O Gripen, que o Conselho Federal quer comprar por 3,1 bilhões de francos nunca atingiu os “requisitos mínimos”, de acordo com o relatório confidencial da Força Aérea Suíça." Relatório secreto, QUA QUA QUA!!!!

    Será que aprenderam essa choradeira com o consorcio EURO, ou foi o consorcio EURO que aprendeu com a Dassault, rsss…

    Como sempre posto, deve ter só otários na Suécia, Africa do Sul, Tailândia, Rep. Tcheca e Hungria e nós Brasileiros é que somos muito espertos.

  23. O grande problema da SAAB e do Gripen é querer se meterem em briga de cachorro grande! Ela tem que aprender que so deve entrar em concorrência de for países como Somália e República Centro Africana =)

  24. Engraçado Juarez,vc coloca as coisas de uma forma que nos leva a escolher entre vc e os especialistas da Força Áerea Indiana,os profissionais da Força Aerea Indiana destacaram o profissionalismo da Dassualt,em todos os campos,realmente entre vc e eles,fico com a Força Aerea Indiana,eu já vi um blog renomado dizer que ouviu de um jornalista que o Rafale não tinha como operar no Brasil devido ao fato dele não se adaptar aos ventos ou condições climaticas,mais um dos absurdos,engraçado que ninguém da Fab quer o Rafale,e isso é sempre dito pelo metodo fofocomentro:
    Eu conheço um fulano,que disse isso,eu conheço outro que diz aquilo,mas a Fab sempre operou caças franceses,e colocou o mais modernos deles no seu Short List.
    Ficamos nesse conflito de versões que por sinal,se mostram cada vez mais mediocres,quando sai uma informação Oficial,vem um que diz,que tem um amigo na Fab que não quer nem ver o rafale de perto,acho que todo mundo nos blogs de defesa tem um amigo na FAB….SRRS

    OBS: VAMOS CRIAR UM PERSONAGEM,O AMIGO DA FAB.

    • Salve, salve grande Barca! Seja bem vindo! As discussões vão ficar mais interessantes. Em tempo: parabéns pelo MMRCA!

      Abração!

  25. Analizando os dados "segundo o relatório", independente de torcida, de Gripen, Rafale e Eurofighter, foi possível ver como os o Hornet (antigo) e seus rivais não estão tão distantes em eficiência.

    O Gripen C pouco abaixo e Eurofighter e Rafale respectivamente um pouco superiores "segundo o relatório", agora como será essa eficiência em relação ao Hornet e o Super-Hornet ??!!

    Teoricamente o SH tem que ser bem superior que seu antecessor, projeto mais atual com motores mais potentes e eletrônica atual.

    O Hornet com nota seis de media ainda dá um bom caldo, bem que alguns poderiam cair de paraquedas no Opalão

  26. Rodrigo o Gripen não ficou um pouco a baixo e sim muito abaixo.

    O gripen tirou nota 4, enquanto que a nota mínima era de 6 se baseando no F-18, agora o Rafale e o eurofighter tiram quase 7, sendo a nota do Rafale superior ao Eurofighter.

Comments are closed.