Proposta de eVTOL Skai da Alaka’i Technologies.

A nova companhia Alaka’i Technologies apresentou sua nova aeronave elétrica de táxi aéreo com decolagem e pouso vertical (VTOL) que usa um motor com célula de combustível de hidrogênio que claramente evita a questão da densidade de energia que está atrasando o desenvolvimento de aeronaves movidas a bateria. A nova aeronave chamada de Skai tem um alcance de até quatro horas ou 640 km e capacidade para cinco passageiros.

O hidrogênio é um combustível difícil de lidar em um contexto automotivo, mas pode ser a solução que a indústria de aviação elétrica precisa para colocar os táxis aéreos VTOL multicópteros em operação. A tecnologia atual de baterias de lítio oferece baixa densidade de energia, o que limita severamente os números de alcance dos atuais projetos de e-VTOL. Mas o hidrogênio oferece até 10 vezes a densidade de energia, bem como o reabastecimento rápido do combustível, se você puder lidar com as ineficiências de produção, transporte e armazenamento. E essas dificuldades podem ser melhor gerenciadas em um modelo de aviação centralizado que não precisa ser implantado em toda a rede rodoviária.

Veja um vídeo abaixo para ver mais de perto o veículo eVTOL da Alaka’i Technologies.

Assim, a Alaka’i Technologies, com sede em Massachusetts, passou os últimos quatro anos trabalhando na construção de um táxi aéreo movido a hidrogênio, que foi lançado na semana passada na Califórnia. De acordo com uma entrevista com a SoCalTech, a empresa está operando sob o financiamento de um único investidor, que o conduziu por meio de design, desenvolvimento, prototipagem e agora está adquirindo a certificação da FAA, que Steve Hanvey, CEO da Alaka’i, diz acreditar ser possível antes do final de 2020 devido à simplicidade da estrutura da aeronave.

A aeronave em si parece simples; é um multicóptero de seis rotores com estruturas de carbono, co-projetado pela Designworks (o estúdio de inovação de design da BMW). Não há rotores coaxiais, fans canalizados, elementos basculantes, asas ou propulsores – o Skai funcionará como um drone, exigindo que o empuxo permaneça sempre presente, sugerindo que os futuros modelos que têm capacidade de girar as asas para o voo horizontal terá números de alcance ainda mais impressionantes.

Ela tem capacidade para cinco pessoas, incluindo um piloto – e, na verdade, será pilotada em vez de autônoma no lançamento, mas a Alaka’i diz que certamente está procurando tornar o veículo de forma autônoma no futuro.

Em termos de segurança, o Skai tem alguma redundância embutida com seus seis rotores e provavelmente pode voar se alguns deles caírem. No caso de falha total, ele carrega um pára-quedas balístico na fuselagem que pode trazer ele para o solo de forma suave. É claro que mesmo os pára-quedas balísticos mais rápidos levam algum tempo para abrir e desacelerar uma queda, o que significa que eles são basicamente inúteis abaixo de uma certa altitude – e a Alaka’i ainda não informou como está lidando com a “zona da morte” abaixo disso.

A empresa diz que está planejando e projetando “todos os pontos de contato, digital, físico e de serviços” para o conceito de táxi aéreo, então parece que está interessada em possuir toda a operação em vez de se conectar a um serviço (puramente teórico) como o Uber Elevate.

O protótipo parece impressionante, o sistema motor parece ter uma oportunidade genuína para bater as aeronaves com baterias, e um alcance de 4 horas/640 km tornará a aeronave imediatamente útil e potencialmente lucrativa, assim que for certificado e pronto.

Anúncios