Aeronave Roc realizou seu primeiro e talvez único voo em abril.

A empresa aeroespacial Stratolaunch, fundada por Paul Allen, está fechando as operações de acordo com uma reportagem da Reuters que cita fontes anônimas. A empresa cessará seus esforços para desafiar as empresas aeroespaciais tradicionais em uma nova “corrida espacial”, disseram quatro pessoas familiarizadas com o assunto. Aeronave “Roc” pode ter realizado somente um voo.

Uma porta-voz da empresa com sede em Seattle respondeu: “Não temos informações ou anúncios para compartilhar neste momento. A Stratolaunch continua operacional”.

Perguntas sobre o futuro da Stratolaunch surgiram quase imediatamente depois que Allen, co-fundador da Microsoft, morreu em outubro de 2018, aos 65 anos. Segundo a Reuters, a decisão de estabelecer uma estratégia de abandono foi tomada no ano passado pela irmã de Allen, Jody Allen. Em janeiro, a Stratolaunch abandonou os esforços para construir uma série de foguetes a serem lançados de seu grande avião – um sinal do que estava por vir.

Isso lançou dúvidas sobre o projeto antes do primeiro voo do avião chamado de “Roc”. Com uma envergadura de 117 metros, esta maior aeronave do mundo levantou voo em abril, após oito anos de desenvolvimento. “Todos vocês foram muito pacientes e muito tolerantes ao longo dos anos, esperando que decolássemos essa grande aeronave e finalmente conseguimos”, disse o diretor-executivo da Stratolaunch, Jean Floyd, a repórteres na época do primeiro voo. A empresa informou que o avião atingiu velocidades de 189 mph e alturas de 17.000 pés durante seu voo de teste de 150 minutos antes de pousar com segurança no Mojave Air and Space Port. Mas desde então não voou mais.

Durante todo o desenvolvimento do grande avião Stratolaunch – Allen fundou a empresa em 2011, estimulado por sonhos de infância de voos espaciais e um desejo de reduzir o custo de acesso ao espaço – não ficou claro por que uma aeronave tão grande era necessária para lançar foguetes. A Stratolaunch foi contratada para lançar o foguete Pegasus, desenvolvido pela Northrop Grumman, que pesa 450 kg e que tem capacidade de chegar na órbita baixa da Terra.

Um concorrente, a Virgin Orbit, está muito mais próxima do mercado com o seu sistema de lançamento aéreo. A companhia usa uma aeronave modificada 747 chamada Cosmic Girl, e espera-se que inicie o serviço comercial com seu foguete LauncherOne no final deste ano. Este foguete de 500 kg também pode chegar na órbita baixa da Terra.

Agora parece que a aeronave Stratolaunch pode realmente se transformar em uma segunda aeronave Spruce Goose, construída em 1947 com envergadura de 97,5 metros, que na época foi um projeto de vaidade do excêntrico magnata dos negócios Howard Hughes, e que voou apenas uma vez durante quase 2 km a uma altitude de menos de 30 metros. Atualmente o Spruce Goose está em exibição no Evergreen Aviation & Space Museum em Oregon.

4 COMENTÁRIOS

  1. Não acredito que o projeto será esquecido. Logo encontram outra utilidade para a aeronave, alguma startup vai acabar comorando-a. De qualquer jeito, melhor acabar como o Spruce Goose do que como o Caproni Ca. 60, que não sobreviveu ao segundo vôo de teste.