A Colômbia é uma das nações que está interessada em caças Gripen, e vem negociando a compra com a fabricante Saab.

O ministro sueco das Empresas e da Inovação, Mikael Damberg, assinou um acordo de cooperação em defesa com a Colômbia – um marco importante para a Saab, que quer exportar jatos Gripen para a nação sul-americana.

Damberg assinou o acordo na terça-feira, durante sua visita à Colômbia, que recentemente aprovou um acordo de paz após vários anos de duras negociações com o grupo guerrilheiro das Farc. A Suécia tem sido um dos principais apoiadores do processo de paz da Colômbia.

“Os militares são um dos componentes mais importantes nesta transição para a paz”, disse Damberg à Rádio Sueca. “Eles têm grande responsabilidade no manejo do acordo de paz, mas também estão enfrentando grandes investimentos no futuro próximo”.

A empresa aeroespacial sueca Saab, que fornece a maior parte da Força Aérea da Suécia, espera exportar seus caças Gripen para a Colômbia, e tem trabalhado na construção de laços, por exemplo, enviando pilotos para realizar seminários para a Força Aérea Colombiana.

Mas o senador colombiano e ativista de direitos humanos Iván Cepeda disse que contribuir para aumentar o arsenal de armas da Colômbia é a pior coisa que a Suécia poderia fazer.

“Os militares precisam ser reeducados para operar em uma Colômbia em paz, e a comunidade internacional deve ajudar com isso, em vez de tentar vender armas”, disse o senador Cepeda, do Partido Social Democrata PDA. Ele também destacou que os militares colombianos foram acusados ??de graves crimes de guerra graves.

Damberg disse que a Suécia está treinando os militares colombianos em conscientização de gênero e direitos humanos e que cabe à Inspectorate of Strategic Products, uma agência estatal sueca, decidir se a Saab pode exportar aviões para a Colômbia.

“Pelo que eu entendo, a agência deu uma preliminar permissão para as exportações deste tipo de produtos”, disse Damberg.

Fonte: Radio Sweden

13 COMENTÁRIOS

  1. Como assim "vender seus caças Gripen para a Colômbia?" Vender o C/D? O E/F não é responsabilidade do braZil nesta região do planeta?
    Duvido que os colombianos comprem o C/D, visto que eles tiveram o F-16 (Guarda Aérea Nacional do Texas) praticamente na mão e não tiveram doletas para concluir o negócio, vão ter para o indisponível C/D?

    E esse senador, é só mais do Partido Socialista do Leblon, que acreditam que violência se combate com poste de luz, pomba branca e cruz na beira da praia…

    • E tu achas que, se a SAAB puder repassar os C/D da Flygvapnet, eles vai deixar o Brasil ter alguma participação no negócio?! Mesmo que sejam E/F novos eles iriam deixar?! Nem à Índia, na qual eles estão ofertando justamente a versão E/F, em que o Brasil tem participação direta no financiamento deste projeto, o país foi convidado.

      Mais um exemplo de que neste mercado não há amizades, mas interesses e as vezes eles são conflitantes. Ainda mais com a qualidade da nossa política de promoção externa nos últimos anos. Nem assento no conselho de segurança dá ONU vamos ter direito a pleitear até 2022.

  2. Bom dia Giordani e aos demais colegas foristas!

    Sou de duas opiniões para este momento: 1) – Muito cedo ainda para sacar qualquer tipo de conclusão quanto a esta cooperação, até porquê por estas bandas das Américas acordos bilaterais ou multilaterais na área de defesa demoram quase uma eternidade para dar frutos… 2) – A tradução de textos por vezes reflete uma interpretação errônea do que realmente foi dito. Exemplo é o questionamento que o colega fez quanto a que modelo do Gripen está sendo oferecido.

    Aliás o próprio governo Sueco não deixa claro em suas negociações que modelo está oferecendo a seus potenciais clientes. Ora dizem ser modelo C/D de estoques ( que eles não tem ), ora dizem ser modelo C/D de sua força que vão vender ou alugar, ou dizem ser modelos C/D com kits de modernização….

    Sendo assim temos que ver no que vai dar…e torcer para o E/F não se um novo A-1 na FAB!

    CM

  3. Pobre Colômbia . Com estas declarações deste ´´senador´´ logo vai ter um governo igual a da Venezuela . Na Venezuela, os militares também foram ´´ reeducados ´´ inclusive mudando o nome das forças armadas . Espero que pelo bem da Colômbia , os militares de lá não caiam no papinho esquerdista bolivariano .

  4. Leio os comentários e fico pasmo. Ainda tem gente que acredita que essa compra com TOT vai fazer com que o Brasil se transforme num produtor de caças de 4.5 Geração da noite pro dia??? Muita ingenuidade. NINGUÉM VENDE A SUA TECNOLOGIA PRA CRIAR UM CONCORRENTE. Esse papo de TOT é uma furada. Até o que realmente é desenvolvido aqui está caindo sob controle estrangeiro, vide o caso dos A29.

  5. A Embraer vai exportar "muitos" Gripen, tantos quanto a Helibrás vai exportar o EC-725.
    Ou seja, nada ou muito pouco.

  6. Esses políticos "pacifistas" são os primeiros a querer "governos revolucionários" armados até os dentes — para defender o status quo da quadrilha mandatária no poder… É a paz seletiva dos vermes mais baixos.

  7. Vocês querem ver que o Gripinho vai aparecer primeiro na Colômbia. Ai é pra acabar.

    • Pensei nisso. Capaz do C/D voar primeiro com as cores colombianas do que o E/F com as brasileiras.

    • Qualquer país que compre o C/D usado vai receber em poucos meses, e como a SAAB ainda está oferecendo a opção de fabricar o C/D zero para interessados na Ásia, que ja tem a linha de produção pronta, bastando reativar, não surpreende que quem comprar ou arrendar os C/D receba antes.
      O NG ainda tem que voar o protótipo, depois certificar e se aprovar sem necessidades de correções ainda vai ter que ativar a linha de produção definitiva.
      Por isso, se escolherem o NG, fica difícil receber antes, ainda mais com o cockpit em display único, a besteira que o Brasil foi escolher que vai encarecer e complicar o projeto.

      • Concordo com as tuas considerações, prezado WRStrobel. E começo também a concordar com as considerações otimistas do prezado Bardini sobre o "nosso" Gripen.

        Tenho ainda alguma convicção de que a SAAB está envidando os seus melhores esforços para viabilizar o Gripen E/F brasileiro, até porque este contrato é uma grande vitrine global para o futuro deste caça.

        Porém, ainda sou bastante cético e pessimista quanto a esta tal de ToT. Para o bem da indústria aeroespacial brasileira, tomara que eu esteja equivocado…

Comments are closed.