JAS 39C Gripen - Suécia
JAS 39C Gripen / Foto: Flygvapnet, em caráter ilustrativo

O governo da Suécia negou a petição feita por quatro partidos de oposição, que formam uma coalizão no parlamento sueco conhecida como Aliança, para que o país contribuísse na ofensiva internacional contra os Estado Islâmico enviando para o Oriente Médio alguns caças Gripen C/D.

Essa foi a primeira vez que se cogitou o envio de aeronaves de combate da Força Aérea Sueça (Flygvapnet) à região desde 2011, quando alguns caças Gripen participaram da coalizão internacional na Líbia.

Segundo a Ministra das Relações Exteriores da Suécia, Margot Wallström, a decisão de não enviar os caças deve-se ao fato de ainda não existir um posicionamento formal das Nações Unidas refente ao conflito, o que, do ponto de vista do direito internacional, é necessário para que as ações militares possam ser consideradas legais. A postura da Suécia pode vir a mudar caso haja um posicionamento claro da ONU no sentido de legitimar uma ação internacional.

Margot Wallström, entretanto, afirmou que o seu país ofereceu à França o uso de suas aeronaves para transporte logístico, inclusive de pessoal, entendendo que isso já compõe uma contribuição substancial.

SwAF JAS 39C Gripen (Foto - Milan Nykodym)
Caças JAS 39C Gripen em REVO com um KC-130 da Flygvapnet / Foto: Milan Nykodym, em caráter ilustrativo

A França também teria solicitado à Suécia o fornecimento de armamentos para serem empregados contra o EI. No início de 2016, o parlamento sueco ficou de avaliar se a petição atende a legislação local para exportação de armas.

O Primeiro-ministro da Suécia, Stefan Löfven, confirmou, logo na sequência dos atentados ocorridos em Paris no dia 13 de novembro, que o seu país contribuiria com a ofensiva francesa contra o EI.

Logo após o atentado em Paris, a Suécia elevou o alerta de terror na região para o nível mais alto.

Também na sequência dos atentados, o Ministro da Defesa sueco, Peter Hultqvist, foi contactado pelo governo dos EUA, que solicitou apoio na luta contra o extremismo.

Com o objetivo de confrontar o EI, a Suécia, não faz parte da OTAN, já enviou cerca de 35 militares para treinar forças curdas no Iraque. Em novembro, Hultqvist disse que a participação sueca poderia ser estendida  até dezembro de 2016.

SwAF JAS 39C Gripen (Foto - Jan Jorgensen)
JAS 39C Gripen / Foto: Jan Jorgensen, em caráter ilustrativo

divider 1

FONTE: The Local

EDIÇÃO: Cavok

Anúncios

12 COMENTÁRIOS

  1. Mancada não enviar! A Síria é a pista de testes de todos os novos e velhos brinquedos do momento. Bora levar o F-5 ops Gripen pra ver como ele se comporta!

  2. Achei interessante a coalizão árabe criada pra acabar com os terroristas, mas deixaram de fora Síria e Irã, vai entender os árabes, todos rezam pra Alá, declamam Maomé, se dizem irmãos contra Israel mas na hora de se abraçarem como um só estado na luta contra o terror, aí separam árabe bom de árabe ruim, acho que a paz só virá mesmo quando secar o petróleo naquelas bandas mesmo.

    • Difícil, pois já se matavam antes do petróleo jorrar por aquelas terras…

  3. Seria uma oportunidade interessante pra ver os Gripen em ação, curioso pra saber o real poderio de nosso futuro caça!

  4. Os barbudos respiraram aliviados agora, não vai ter o superpowerful Gripen no encalço deles!

  5. Bom, lendo nas entrelinhas… ora, quem participa, mesmo que com apoio logístico, e, principalmente, oferecendo armas, tem a mesma responsabilidade… Interessante que o primeiro ministro afirmou que iria participar ativamente dos combates contra o EI, depois dos atentados à França, mas, pelo que se pode entender, ele teria consultado a Força Aérea do seu país e descoberto que o Gripen, que tem autonomia pífia, e restrições de vôo já denunciadas pela imprensa Sueca, seria um fiasco no cenário Sirio… a não ser que eles operem das bases russas… rsrsrs… Isso serve par os defensores que dizem que autonomia não importa muito… na verdade um Gripen C/D, operando de bases longínquas como os franceses estão operando, teriam um custo absurdo para levar pouca carga… dependeriam de 2 ou 3x mais reabastecidas… é como fazer uma mudança de uma casa com uma saveiro ao invés de um caminhão…

Comments are closed.