A SwAF pode manter caças Gripen C/D voando além do planejado. (Foto: Saab Group)

A Força Aérea Sueca (SwAF) pode continuar a operar seus caças Saab JAS 39 Gripen C além de sua data de aposentadoria planejada para 2026, já que o serviço procura compensar uma queda antecipada nos números do Gripen E, disse um alto funcionário.

Falando em Estocolmo, em 8 de maio, o Coronel Magnus Liljegren, da sede da SwAF, disse que, com o serviço atualmente programado para receber apenas 60 de 80 caças Gripen E, entre 2022 e 2026, pode procurar manter em serviço um número de seus 73 caças Gripen C além desta data final de entrega para resolver esta lacuna de números.

Vamos receber 60 caças Gripen E, embora isso possa subir para 70 unidades. Ainda não foi decidido o que vamos fazer com o Gripen C. A SwAF não especificamente disse que gostaria de voar além de 2026, mas se não podemos ter 80 caças Gripen E então pode considerar manter alguns C/D“, disse o Coronel Liljegren.

Embora manter um número de caças Gripen C seja apenas uma opção, o Coronel Liljegren observou que, sob o atual planejamento há dinheiro adicional para financiar tal plano. “Custa um monte de dinheiro e não há dinheiro para ele depois de 2026, mas também não há decisão política para parar de voar depois desta data“, disse ele.

O Gripen E deverá fazer seu primeiro voo ainda nesse trimestre, com a primeira entrega planejadas para 2019. (Foto: Saab)

Enquanto o Coronel Liljegren não revelou possíveis números de caças Gripen C que poderiam ser mantidos depois de 2026, seria provavelmente mais do que os 20 necessários para compensar a diferença entre os 80 caças Gripen E que a SwAF quer e os 60 que está recebendo (ou 10 se o número de Gripen E aumentar para 70), devido à sua capacidade reduzida.


FONTE: IHS Jane’s

Anúncios

17 COMENTÁRIOS

  1. 2026 já está logo aí, são apenas mais 9 anos.. Como os C/D são relativamente novos isso é bem possível..

  2. Impossivel nao observar que os gastos da Suecia na area social sobem rapidamente , eles nao suportarao a pressao por muito tempo , ha planos de cortes de custos nas areas militares , ainda manteem um minimo apenas por um receio da Russia , a enxurrada de imigrantes e suas altas taxas de natalidade farao a economia sueca mergulhar em dificuldades , acredito que o numero de Gripen E nao passara de 60 unidades !

    • Suécia já era. Enquanto se preocupam com os russos, já foram invadidos.

  3. Não se espantem se a SwAF não resolver diminuir o número de Gripens E/F, pra manter por mais tempo os C/D. É capaz, inclusive, que resolvam modernizá-los com a mesma suite eletrônica dos NGs. Mas sabem o porque disso? Custos, meus amigos, custos e advinham onde a corda deve arrebentar?! Não se espantem se os pedidos de Gripens E/F não passarem das 100 unidades (são 96 até aqui), nos primeiros 10 ou 20 anos depois de entrarem em operação em 2019.

    Quando a Flygvapnet quis um Gripen E/F usando as mesmas células e motores RM-12 melhorados, era justamente para manter os custos acessíveis. Está ai o que eu tenho dito a um tempão. E ainda tem "iluminado" que acha que sabe me questionar, ou que me chama de "viúva".

    Ah tá, os suecos ainda vão modernizar os seus vestutos C-130H, ao invés de comprarem os nossos KCs e não se espantem, também, se resolverem engrossar o coro com os seus vizinhos, indo de C-130J, afinal não há nenhum compromisso de mão dupla com os Gripens que compramos deles.

    É, meus amigos, a realidade bate à porta!

  4. O RM12 não é o 404 ? Não vi NG com o 404, nem o Demo voou com ele.

    Tem alguma documentação sobre os suecos usarem o 404 nos seus Gripens E ?

    • O RM-12 é o GE F404. Todos os Gripen E/F usaram o GE F414, incluindo os dos suecos.

    • A Volvo queria aproveitar a licença que ela tem do F404 para empurrar uma versão mais potente do RM12 existente para o Gripen E e lucrar o seu… Não rolou.

      Basicamente, o RM12 existente é uma versão modificada do motor dos Hornets, onde a Volvo fabrica boa parte do que foi modificado. A F414-GE-39E é uma versão modificada dos motores do Super Hornet. Só que a Volvo só fornecerá sobressalentes e manutenções para os Suecos no caso do Gripen E.

      • E quem disse que a Flygvapnet, SAAB e Volvo não vão querer o RM-12+?! Três informações para vê se tu consegue racionar sobre:
        1- A SAAB manter a linha do montagem dos C/De ativa, exemplo mais recente é a Bulgária;
        2- A Flygvapnet, como diz a notícia, deve manter unidades dos C/De operacionais;
        3- A Flygvapnet, SAAB e Volvo, acabaram de testar o uso de biocombustível no Gripen D (que usa o RM-12 e não o F-414).

        Então, é só somar dois mais dois, além de outros questões de mercado, pra entender a minha argumentação.

        Ah tá, em nenhum momento eu afirmei que o RM-12 seria utilizado, ou queiram utilizar, nestes E/F hora sendo desenvolvidos, mas sim na proposta anterior, que usaria as mesmas células dos Gripens anteriores.

        No frigir dos ovos o que vai ocorrer é – a SAAB vai continuar ofertando os Gripens com as mesmas células dos C/D, com as melhorias no RM-12 e os mesmos aviônicos do E/F. Advinha quem terá maiores chances de novos contratos, os E/F ou os C/D com estas melhorias?! E advinha quem será o prejudicado?!

        Até mais!!!

        • Cara, isso é coisa que você está inventando da sua cabeça.

          O Gripen C/D vai ser mantido como está para tentar emplacar algumas vendas. O projeto está pronto, o que vender é lucro para os Suecos.

          Qual a vantagem/ lógica de colocar os sensores do Gripen E/F no C/D e colocar uma motorização mais potente que sequer existe, tudo isso sem alterar em muito a capacidade de carga, mantendo o tanque interno do jeito que está no C/D????

          Pq a SAAB faria isso se ela simplesmente tem o Gripen E/F para oferecer se o cliente quiser algo mais performante?

          E a diferença de preço nem é tão brutal…

          • Diga isto à Flygvapnet, pois era isto que ela queria para poder manter, pelo menos, uma centena de caças mas suas fileiras. Eles só embarcaram neste Gripen E/F, porque era a SAAB que estava tentando empurrar em algumas concorrências, mas não era isto que a SwAF queria. Ela queria manter custos baixos e as aeronaves Gripen, do A até o D, são assim, já os E/F, como os que está sendo desenvolvidos, não.

            Pela última vez, entenda, a Flygvapnet queria um Gripen E/F, mas mantendo as mesmas células dos Gripens anteriores, apenas com modificações na aviônica (novos sensores e radar AESA) e melhorias no motor RM-12 (no caso o RM-12+). Isto possibilitaria a modernização dos Gripens mais velhos, para o mesmo padrão.

            Era este o projeto que a FAB deveria ter aceitado, os erros e problemas de desenvolvimento seriam mínimos e a possibilidade de mercado seria exponencialmente maior. Resolveram criar um AMX 2.

            E não, não estou inventando, isto foi assunto de muita discussão nos fóruns.

            Até mais!!!

            • Engraçado como estes "erros" que você cita servem muito bem para favorecer sua linha de raciocínio.

              E de acordo com seu raciocínio, a FAB teria sido entubada com Rafale e teria de comprar esse tal Gripen da sua imaginação pra poder voar e operar… Pq né, Rafale e Força aérea sem dinheiro não combinam muito bem..

              No final, é a velha história da viúva que perdeu o marido na lua de mel. Tudo seria muito lindo, na imaginação…

      • Rsrsrs

        E dá, é só trocar as entradas de ar, mas como tu tens limitação de entendimento, fala besteira. Já colocar um F-414 num Gripen A/B, ou C/D, sem mudar o charuto do avião, é impossível. No caso do F-16, é só as entradas de ar, pois o charuto tem as mesmas dimensões. Zé Ruela! Rsrsrs

    • E quem falou em RM-12 em Gripen E/F?! Acho que tu ainda não entendeu o está acontecendo.

  5. Foi o que eu tinha visto, mas como sempre ele vai morrer insistindo..

Comments are closed.