Saab

fiqueemcasa

Inicio Tags Avibrás

Tag: Avibrás

BRASIL: FAB e Avibras assinam Contrato de Transferência de Tecnologia do Foguete Espacial VSB-30

1

O Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), localizado em São José dos Campos (SP), e a Avibras Indústria Aeroespacial S/A assinaram, n segunda-feira (27/01), o Contrato de Transferência de Tecnologia do Foguete Espacial VSB-30.

Anúncios

IMAGEM: Caça F-5EM flagrado com míssil cruzeiro de longo alcance (MICLA) durante voo de testes

29
O F-5EM sobrevoa Canoas com o MICLA-BR. (Foto: Rafael Luiz Canossa / Cavok Brasil)

Foi flagrado hoje (30/09) nas proximidades da Ala 3 (Base Aérea de Canoas) um caça F-5EM instrumento e equipado com o MICLA-BR (Míssil de Cruzeiro de Longo Alcance).

FAB e Avibras assinam memorando de cooperação estratégica

7
Iniciativa busca o desenvolvimento e a execução conjunta de ações, programas e projetos tecnológicos, bem como incrementar atividades de pesquisa.

O Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) e a Avibras Indústria Aeroespacial, localizados em São José dos Campos (SP), assinaram, na quinta-feira (11), um Memorando de Entendimento com o objetivo de buscar maior cooperação estratégica para o desenvolvimento e a execução conjunta de ações, programas e projetos tecnológicos.

Centro de Lançamento Barreira do Inferno sedia Operação Astros do Exército Brasileiro

2
1
Um dos objetivos é testar e desenvolver as tecnologias de interesse da Defesa Nacional

O Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), localizado em Parnamirim (RN), sediou a segunda fase da Operação ASTROS 2020/2016, no período de 25 a 28 de abril. A operação está prevista no cronograma de desenvolvimento de sistemas e equipamentos em desenvolvimento da empresa brasileira AVIBRAS, dentro do Projeto Estratégico do Exército Brasileiro ASTROS 2020 (PEE ASTROS 2020).

O Centro Tecnológico do Exército Brasileiro (CTEX), responsável por buscar o domínio e o desenvolvimento de tecnologias de interesse da Defesa Nacional, acompanhou os ensaios e testes que permitem avaliar elevação de performance e desempenho do conjunto de equipamentos e sistemas que compõem os produtos de defesa sob execução da empresa contratada AVIBRAS. “O apoio e a capacidade operacional do CLBI são fatores importantes para que a empresa integradora do projeto possa, com segurança, dar prosseguimento às pesquisas e ao desenvolvimento tecnológico que possibilitará à Força Terrestre contribuir com a dissuasão extrarregional para a defesa do Brasil”, declarou o Gerente do Projeto Estratégico pelo Exército Brasileiro, General de Brigada José Júlio Dias Barreto.

Essa fase da operação contou com a participação da Marinha do Brasil, por meio do 3° Distrito Naval, que levou os Navios Patrulha Goiana e Graúna, além do Rebocador de Alto Mar Triunfo, lotados na Base Naval de Natal. Eles auxiliaram na vigilância e remoção das embarcações nas proximidades dos possíveis impactos dos artefatos lançados, o que promoveu um desempenho diferenciado na cadência de lançamentos.

De acordo com o Vice-Presidente da AVIBRAS, Flávio Cunha, o CLBI é o cenário ideal para o exercício das equipagens do PEE ASTROS 2020. “O incondicional profissionalismo, amparado pela capacidade técnica dos servidores do CLBI, aliado às condições de segurança, facilidade logística e disponibilidade de meios operacionais são elementos balizadores para o sucesso da parceria bem como das operações”, avaliou.

A primeira fase foi realizada no período de 22 a 26 de fevereiro e há a previsão de mais duas fases ainda este ano. O Diretor do CLBI, Coronel Aviador Paulo Junzo Hirasawa, destacou a importância da parceria com a AVIBRAS. “Inserida no calendário operacional do CLBI, a Operação ASTROS 2020, que se encontra na décima terceira fase e com planejamento de operações até, no mínimo, dezembro de 2018, faz com que a cadência de atividades operacionais se torne mais elevada, proporcionando uma contínua e adequada capacitação de recursos humanos e materiais para campanhas de veículos espaciais, atividade-fim da unidade, pois são envolvidos todos os meios de preparação, lançamento e rastreio, similar a uma operação de lançamento de foguetes suborbitais”, afirmou.


AVIBRAS
– Fundada em 1961 por um grupo de engenheiros do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), a Avibras é uma empresa privada de engenharia, genuinamente brasileira, com mais de 50 anos de atuação. Detentora de know-how consagrado, a empresa desenvolve tecnologia trazendo soluções inovadoras para as áreas de Defesa e Civil.

A organização ocupa um lugar de destaque na história do setor aeroespacial, como uma das pioneiras no Brasil em construção de aeronaves, desenvolvimento e fabricação de veículos espaciais para fins civis e militares. Também se destaca no desenvolvimento e na industrialização de diferentes motores foguetes para a Marinha do Brasil e para a Força Aérea Brasileira (FAB); sistemas fixos ou móveis de C4ISTAR (Comando, Controle, Comunicação, Computação, Inteligência, Vigilância, Aquisição de Alvo e Reconhecimento) e Aeronave Remotamente Pilotada (ARP).

divider 1

FONTE: Força Aérea Brasileira

EDIÇÃO: Cavok

INDONÉSIA: caças Su-27 farão escolta de aeronave transportando prisioneiros sentenciados à morte

106
Indonesia TNI-AU Sukhoi Su-27SKM
Sukhoi Su-27SKM / Força Aérea Indonésia (TNI-AU)

Os caças serão utilizados para escoltar um C-130 que irá transportar dois prisioneiros australianos, Myuran Sukumaran e Andrew Chan, condenados à morte pelo tráfico de drogas, até a ilha de Nusa Kambangan, no Oceano Índico.

Indonésia está reconsiderando a aquisição de aeronaves Super Tucano

98

Super-Tucano-EMB-314 Indonesia

Decisão foi tomada em retaliação pelo fato da presidente Dilma Rousseff não ter recebido as credenciais do embaixador da Indonésia no Brasil, Toto Riyanto, que foi, em seguida, chamado de volta pelo governo de seu país.

Avibras e Harpia Sistemas se unem para desenvolver mercado de aeronaves remotamente pilotadas no Brasil

18
O veículo aéreo não tripulado Falcão da empresa Avibrás. (Foto: Avibrás)
O veículo aéreo não tripulado Falcão da empresa Avibrás. (Foto: Avibrás)

A Embraer Defesa e Segurança e sua associada AEL Sistemas S.A., subsidiária da empresa israelense Elbit Systems Ltd., anunciam a entrada da Avibras Divisão Aérea e Naval S.A. no capital social da Harpia Sistemas S.A., a fim de desenvolver de forma conjunta o mercado de aeronaves remotamente pilotadas (ARP) no Brasil. Deste modo, a Avibras passará a deter uma participação de 9% das ações da empresa enquanto a AEL Sistemas responde por 40% da composição acionária. A Embraer Defesa e Segurança permanece como acionista majoritária, com 51% das ações.

Pelo acordo firmado entre as três empresas, a Harpia também passará a contar com o projeto Falcão em sua linha de produtos, o que reforça o conteúdo nacional da parceria. O Falcão está sendo desenvolvido pela Avibras para uso das Forças Armadas brasileiras e será capaz de realizar missões de reconhecimento, aquisição de alvos, apoio à direção de tiro, avaliação de danos, vigilância terrestre e marítima.

“A entrada da Avibras aumenta a participação nacional na Harpia Sistemas, que passa a cumprir todos os requisitos de uma Empresa Estratégica de Defesa, de acordo com a lei 12.598”, disse Luiz Carlos Aguiar, presidente da Embraer Defesa e Segurança e Presidente do Conselho de Administração da Harpia. “Além disso, a Harpia contará com a competência técnica da Avibras”.

“A sinergia das competências técnicas e industriais das três associadas da Harpia, somada ao legado de alto conteúdo tecnológico nacional do Projeto Falcão, resultarão em uma solução de ARP de alta competitividade no Brasil e no Exterior”, disse Sami Hassuani, presidente da Avibras.

“A Avibras traz para a empresa o melhor do know-how que foi desenvolvido de forma autônoma no Brasil em aeronaves não tripuladas fazendo da Harpia, que já contava com as extensas capacidades da Embraer e da AEL, uma empresa que agrega todos os elementos necessários para o desenvolvimento no Brasil, com sucesso, de ARPs de última geração que atenderão às necessidades do nosso País”, disse Shlomo Erez, Presidente da AEL Sistemas S.A.

Solicitamos mais uma vez a ajuda de todos com contribuições espontâneas para o site, que ajudam muito nas despesas de hospedagem. Para contribuir, utilize as formas de pagamento online abaixo ou nos botões localizados na barra lateral. Se você gosta de ver notícias atualizadas aqui, colabore para manter o site no ar. Quem quiser também poderá doar através de depósito na conta corrente: Banco do Brasil – Agência: 0181-3 – C/C: 12.742-6 – Favorecido: Fernando Valduga. Desde já, muito obrigado!




Enhanced by Zemanta

Marinha do Brasil realiza com sucesso o lançamento de um MM40 Exocet com motor nacional

123
O míssil MM40 Exocet produzido pela MBDA em parceria com a Avibrás, que desenvolveu nacionalmente o motor do míssil. (Foto: MBDA)

O Cavok Brasil esteve presente num evento realizado no Rio de Janeiro para apresentar o reforço na parceria entre a Avibrás e a MBDA relacionado ao míssil MM40 Exocet com motor desenvolvido no Brasil. No dia 18 de maio passado, a corveta V-34 Barroso realizou o primeiro lançamento de um míssil MM40 Exocet equipado com um motor desenvolvido, fabricado e certificado pela Avibrás em parceria com o grupo europeu MBDA. Com isso, o Brasil passa a participar do seleto grupo de países capazes de produzir motores de mísseis navais superfície-superfície. Apesar da notícia estar relacionada ao assunto de poder naval, uma versão do míssil será testada em breve num helicóptero EC725 da Marinha, e estaremos acompanhando o desenvolvimento.

O evento tem uma impotância extraordinária para o país. Mísseis tem uma vida limitada em estoque. Sua parte mais perecível é o motor-foguete. Passado o tempo de validade, é preciso trocá-lo. É neste ponto que o país pode se tornar vulnerável. Vários cenários desfavoráveis podem se concretizar. O produtor já não tem mais interesse em dar suporte àquele modelo. Ou o país pode sofrer um embargo. Qualquer que seja o caso, o míssil efetivamente deixa de existir.

Assim, a Marinha do Brasil lançou um programa em 2008 para produzir no país o motor de seus mísseis MM40 Exocet. O produtor francês foi contatado e, após negociações, decidiu-se que formaria uma parceria com a Avibrás, não para fazer aqui o mesmo motor original, mas para dar apoio ao desenvolvimento de um motor inteiramente novo no estado da arte da tecnologia. Além disso, a Mectron também foi envolvida no projeto para desenvolver o indispensável sistema de telemetria para controlar os testes.

Até o final de 2013, todo o lote de novos motores terá sido entregue. A próxima etapa deverá repetir o processo com os mísseis MM39 Exocet lançados pelos novos helicópteros EC725.

Texto: Mauro Lins de Barros / Cavok Brasil

Cavok nas redes sociais

62,534FãsCurtir
340Inscritos+1
6,534SeguidoresSeguir
2,505SeguidoresSeguir
10,510SeguidoresSeguir
2,780InscritosInscrever
Anúncios