Saab

fiqueemcasa

Inicio Tags Cassidian

Tag: Cassidian

Força Aérea Italiana recebe o seu primeiro Tornado ECR modernizado

3
A Alenia Aermacchi entregou para Força Aérea Italiana o primeiro Tornado ECR modernizado. (Foto: Alenia)
A Alenia Aermacchi entregou para Força Aérea Italiana o primeiro Tornado ECR modernizado. (Foto: Alenia)

A Alenia Aermacchi, em colaboração com a BAE Systems e a Cassidian, seus parceiros no consórcio Panavia, entregou o primeiro atualizado Tornado ECR (Electronic Combat / Reconnaissance) para a Força Aérea Italiana. A Alenia Aermacchi, como líder técnica e do programa, está em processo de atualização dos aviônicos e sistemas de 15 jatos Tornado ECR.

Anúncios

Cassidian produz o mais avançado Eurofighter do mundo

2
A aeronave de testes Eurofighter IPA 8 durante a fase de montagem final da Cassidian em Manching, na Alemanha. (Foto: Cassidian)
A aeronave de testes Eurofighter IPA 8 durante a fase de montagem final da Cassidian em Manching, na Alemanha. (Foto: Cassidian)

A aeronave de testes Eurofighter IPA 8 (Instrumented Production Aircraft 8) atingiu um marco importante na unidade de produção da Cassidian em Manching: finalizando a montagem da asa direita, a conexão entre o cockpit, a unidade de cauda vertical e asas com a fuselagem.

“O Eurofighter IPA 8 é baseado no mais recente padrão de fabricação Eurofighter Tranche 3 e está ainda equipado com uma instrumentação de ensaios de voo estado-da-arte, que torna a aeronave o Eurofighter mais avançado do mundo”, disse Berndt Wuensche, Gestor do Programa Eurofighter na Cassidian. “O IPA 8 pode dar contribuições essenciais para promover o desenvolvimento das capacidades do Eurofighter nas próximas décadas – por exemplo, o feixe de varredura eletrônica do radar, melhor integração de armas, e melhorias nos equipamentos de missão”, continuou ele.

Depois de montar os principais componentes estruturais individuais, a aeronave foi transferida para a seguinte estação de produção na linha de montagem final em Manching, onde os sistemas hidráulicos, de ajudas defensivas e eléctricos, além da complexa cablagem especial estão sendo instalados na aeronave de teste. Os especialistas da Cassidian equiparam o moderno Eurofighter com mais de 110 km de cabos nos últimos meses e, adicionalmente, instalaram os sensores de dados de pressão, fluxo e elétricos e a instrumentação de vôo de teste e os computadores para a aeronave. Equipado dessa forma, todos os parâmetros relevantes de aeronaves podem se comunicar em tempo real a partir do ar para os engenheiros de testes de vôo no solo.

Todos as quatro nações parceiras do programa Eurofighter têm aeronave de testes disponíveis, que eles estão usando para testar novas capacidades com base nos seus focos de desenvolvimento. A Cassidian é responsável principalmente pelo sistema de controle de vôo do Eurofighter, seu comportamento em vôo, radares e sistemas de controle de fogo e sensores infravermelho.

Atualmente, sete países (Áustria, Alemanha, Itália, Omã, Arábia Saudita, Espanha e Reino Unido) adquiriram o Eurofighter. Até à data, a frota Eurofighter completou mais de 170.000 horas de vôo em todo o mundo, tornando a aeronave a mais segura e um dos aviões de combate mais confiáveis em operação. Com 719 aeronaves contratadas, 571 encomendas e mais de 355 entregas, o Eurofighter é atualmente o maior programa de aquisição de material militar na Europa e, graças à sua tecnologia avançada, fortalece a posição da indústria europeia de aviação no mercado internacional.

 

Enhanced by Zemanta

IMAGENS: Força Aérea da Alemanha recebe seu 100° caça Eurofighter

10
O 100° caça Eurofighter Typhoon entregue para a Força Aérea Alemã. (Foto: Cassidian)
O 100° caça Eurofighter Typhoon entregue para a Força Aérea Alemã. (Foto: Cassidian)

A Cassidian entregou nessa quinta-feira, dia 28 de fevereiro, o 100° caça Eurofighter para a Força Aérea Alemã (Luftwaffe), durante uma cerimônia no Centro Militar de Sistemas Aéreos em Manching. A aeronave de número 100, com o identificador 31+00 decolou à tarde para seu voo de entrega rumo a Ala de Caças Bombardeiros Boelke 31, em Noervenich.

Falando a autoridades convidadas, que incluíam políticos, representantes dos poderes públicos, das forças armadas alemãs e da indústria, Bernhard Gerwert, CEO da Cassidian, destacou a importância deste marco para a empresa:

Bernhard Gerwert, CEO da Cassidian, entrega o caça para o Tenente General Karl Muellner, Chefe do Estado Maior da Força Aérea Alemã. (Foto: Cassidian)
Bernhard Gerwert, CEO da Cassidian, entrega o caça para o Tenente General Karl Muellner, Chefe do Estado Maior da Força Aérea Alemã. (Foto: Cassidian)

“O programa Eurofighter é e continua sendo um dos pilares essenciais do negócio da Cassidian. O Eurofighter é o maior programa de alta tecnologia europeia e é o avião de combate multirole mais moderno no mercado hoje. Junto com a Força Aérea alemã, estamos orgulhosos de que este programa está sendo executado profundamente e com sucesso.”

O tenente-general Karl Muellner, Chefe do Estado Maior da Força Aérea Alemã, disse: “Devido à sua interoperabilidade, modularidade e potencial de crescimento, o sistema de armas multi-função Eurofighter, é hoje, e continuará a ser no futuro, a espinha dorsal da frota de aviões de combate da Força Aérea alemã, particularmente à luz da nova orientação de nossas forças armadas”.

O caça Eurofighter 31+00 da Força Aérea Alemã parte para Ala de Caças Bombardeiros Boelke 31, em Noervenich. (Foto: Cassidian)
O caça Eurofighter 31+00 da Força Aérea Alemã parte para Ala de Caças Bombardeiros Boelke 31, em Noervenich. (Foto: Cassidian)

A Força Aérea alemã recebeu seu primeiro Eurofighter da Cassidian no início de 2003. O avião de combate voou na Alemanha em 2004 e, desde então, já voou mais de 30.000 horas de voo sem acidentes. O Eurofighter está atualmente operacional na Ala de Caças ‘Steinhoff’ 73, em Laage, na Ala de Caça 74, em Neuburg, e na Ala de Caças Bombardeiros ‘Boelke’ 31, em Noervenich.

Com 719 aeronaves sob contrato, 571 pedidos e 355 entregas, o Eurofighter é atualmente o maior programa de aquisição de material militar na Europa e, graças à sua alta tecnologia, aumenta a posição da indústria europeia de aviação na competição internacional. O programa significa trabalho para mais de 100.000 pessoas em 400 empresas. O Eurofighter GmbH Jagdflugzeug gerencia o programa em nome das empresas parceiras do Eurofighter, a Alenia Aermacchi / Finmeccanica, a BAE Systems e a Cassidian na Alemanha e na Espanha.

Enhanced by Zemanta

Voa pela primeira vez o UAV ATLANTE da Cassidian

7
O sistema aéreo não tripulado ATLANTE da Cassidian, após seu primeiro voo na Espanha. (Foto: Cassidian)
O sistema aéreo não tripulado ATLANTE da Cassidian, após seu primeiro voo na Espanha. (Foto: Cassidian)

A Cassidian realizou hoje com sucesso o primeiro voo do Sistema Aéreo Não Tripulado (UAS) ATLANTE. O voo ocorreu no aeródromo Rozas, em Castro de Rey, Lugo, na Espanha.

Depois de ter determinado o interesse da indústria espanhola no UAS, o programa ATLANTE foi lançado pelo Centro Espanhol de Desenvolvimento Tecnológico Industrial (Centro para el Desarrollo Tecnológico Industrial – CDTI), que atuou como gerente de programa da indústria de aviação, com o objetivo de promover o desenvolvimento deste tipo de tecnologia por meio de um projeto realizado inteiramente na Espanha.

O ATLANTE é agora a mais importante iniciativa industrial e tecnológica na Espanha no setor de UAS. A Cassidian está participando do programa como uma força motriz por trás do modelo industrial, com três parceiros de alta tecnologia fornecendo capital de risco (Indra, GMV e Aries). Mais de 140 subcontratados e fornecedores espanhóis também estão cooperando no programa, gerando mais de 500 postos de trabalho qualificados.

A UAS ATLANTE está equipado com uma tecnologia de última geração (automação, sensores, sistemas de proteção, etc) desenvolvidos pela indústria espanhola, e foi concebido de acordo com os padrões utilizados para aviões tripulados. Isto lhe oferece características únicas em termos de aeronavegabilidade e de certificação, que lhe permitam operar no espaço aéreo civil, ao contrário dos sistemas atuais que estão limitados a operações em cenários de conflito (por exemplo, o Afeganistão). Esta capacidade, juntamente com a sua flexibilidade operacional – de acordo com as necessidades do cliente espanhol – fazem do ATLANTE o primeiro UAS tático capaz de realizar ambas as missões civis e militares, bem como a vigilância urbana e rural, busca e salvamento, ajuda em desastres naturais, incêndios florestais, acompanhamento de eventos esportivos, etc, e podendo operar a partir de pistas preparadas ou sendo lançado de catapultas.

Pilar Albiac Murillo, diretor de operações da Cassidian e CEO da Cassidian Espanha, disse: “Hoje é um dia muito especial para Cassidian e para indústria espanhola. O primeiro voo do ATLANTE é um marco que demonstra a nossa capacidade tecnológica e humana no desenvolvimento do programa. Nós temos a melhor equipe necessária para assegurar que o ATLANTE será um sucesso no mercado de exportação nos próximos anos.”

Enhanced by Zemanta

Cassidian celebra os 10 anos do primeiro voo do Eurofighter de série

1
O primeiro Eurofighter Typhoon de série durante o primeiro voo sobre Manching, Alemanha. (Foto: Cassidian)
O primeiro Eurofighter Typhoon de série durante o primeiro voo sobre Manching, Alemanha. (Foto: Cassidian)

Há dez anos o primeiro Eurofighter Typhoon produzido em série realizou o primeiro voo a partir do Centro de Sistemas Aéreos Militares da Cassidian de Manching, na Alemanha. Poucos dias depois, a aeronave com a designação GT001 (GT – German Trainer), foi transladada para a Escola Técnica 1 da Força Aérea Alemã (Luftwaffe), localizada em Kaufbeuren, onde se encontra até hoje, atualmente sendo usada para treinar o pessoal de apoio no solo.

O piloto de provas da CASSIDIAN, Heinz Spoelgen e seu companheiro o Tenente-Coronel Robert Hierl, pertenecente ao Centro Técnico de Defesa 61, das Forças Armadas Alemãs, localizado em Manching, descreveram que aquele voo “foi o ponto culminante de suas carreiras como pilotos”.

“Mesmo depois de adquirir uma grande experiência graças aos ensaios efetuados nos protótipos do Eurofighter, assim como em aviões de série equipados com instrumentos de testes, o fato de trabalhar com o primeiro aparelho destinado à Luftwaffe foi um grande desafio para nós”, enfatizou H. Spoelgen. “O voo de 41 minutos de duração na aeronave biplace atingiu totalmente nossas expectativas e transcorreu sem nenhum problema”, complementou o Tenente-Coronel Robert Hierl.

Um dia mais tarde, em 14 de fevereiro de 2003, ocorreram os voos do primeiro Eurofighter de série britânico e do italiano, realizados junto a BAE Systems, em Warton, e na Alenia Aermacchi, em Turin, respectivamente. Depois vieram o primeiro voo do Typhoon espanhol (ST001), que realizou o voo inaugural no dia 17 de fevereiro, na sede da CASSIDIAN, em Getafe.

Neste período, foram produzidas cerca de 350 aeronaves do caça Eurofighter. Foram contratados 719 e 571 encomendados por sete países (Reino Unido, Alemanha, Itália, Espanha, Áustria, Arábia Saudita e o Sultanato de Omã).

Os operadores do Eurofighter alcançaram a marca de 160.000 horas de voo nas aeronaves em janeiro de 2013, incluindo em condições de combate.

Solicitamos mais uma vez a ajuda de todos com contribuições espontâneas para o site, que ajudam muito nas despesas de hospedagem. Para contribuir, utilize as formas de pagamento online abaixo ou nos botões localizados na barra lateral. Se você gosta de ver notícias atualizadas aqui, colabore para manter o site no ar. Quem quiser também poderá doar através de depósito na conta corrente: Banco do Brasil – Agência: 0181-3 – C/C: 12.742-6 – Favorecido: Fernando Valduga. Desde já, muito obrigado!




Enhanced by Zemanta

IMAGEM: Piloto da Força Aérea da Espanha atinge a marca de 1.000 horas de voo no caça Eurofighter

1
O comandante Roqué e sua equipe de voo após atingir a marca de 1.000 horas de voo no Eurofighter. (Foto: Base Aérea de Moron / Eurofighter)
O comandante Roqué e sua equipe de voo após atingir a marca de 1.000 horas de voo no Eurofighter. (Foto: Base Aérea de Morón / Eurofighter)

O Comandante D. Miguel Ángel Roque de Santiago tornou-se o primeiro piloto da Força Aérea Espanhola a voar 1.000 horas na aeronave Eurofighter. A marca foi atingida durante uma surtida de treinamento de defesa aérea sobre o Mar de Alborán.

O Comandante Roque, natural de Calahorra (La Rioja), chegou na Ala 11 da Base Aérea de Morón (Sevilha) em janeiro de 2006 e atuou em ambos os esquadrões 111 e 113 por mais de quatro anos como instrutor de voo para a conversão de pilotos para o Eurofighter.

Pilar Albiac, COO da Cassidian e CEO da Cassidian Espanha, disse: “Parabéns sinceros em meu nome e de toda a equipe da Cassidian para a Força Aérea Espanhola por ter alcançado este novo marco, o que demonstra o nível de maturidade e operacional que foi atingido com o Eurofighter. Estamos orgulhosos de contribuir para a defesa nacional com o programa Eurofighter, que envolve o reforço da indústria europeia no competitivo mercado mundial.”

Iniciamos o ano de 2013, e eu gostaria de desejar um maravilhoso ano para nossos leitores e amigos. Aproveito para solicitar mais uma vez a ajuda de todos com as contribuições para o site, que ajudam muito nas despesas de hospedagem. Para contribuir, utilize as formas de pagamento online abaixo ou nos botões localizados na barra lateral. Quem quiser também poderá doar através de depósito na conta corrente: Banco do Brasil – Agência: 0181-3 – C/C: 12.742-6 – Favorecido: Fernando Valduga. Desde já meu muito obrigado!




Enhanced by Zemanta

Euro Hawk realiza na Alemanha o primeiro voo com a carga completa de sensores SIGINT

0
O Euro Hawk decola da Base Aérea de Manching, na Alemanha, para seu primeiro voo com uma carga completa de sensores SIGINT. (Foto: Northrop Grumman)
O Euro Hawk decola da Base Aérea de Manching, na Alemanha, para seu primeiro voo com uma carga completa de sensores SIGINT. (Foto: Northrop Grumman)

A Cassidian, a divisão de defesa e segurança da EADS, e a Northrop Grumman Corporation, em conjunto alcançaram um marco importante hoje, com o primeiro vôo de teste completo do sistema do sistema aéreo não tripulado (UAS) EURO HAWK equipado com sensores avançados de inteligência de sinais (SIGINT) para detecção de emissores de radar e de comunicação. Assista a seguir a decolagem do Euro Hawk na Alemanha, no dia 11 de janeiro.

O EURO HAWK decolou às 10:36 (hora da Europa Central) da Base Aérea de Manching e subiu para o teto de mais de 15.000 metros no espaço aéreo controlado militar, muito acima e numa distância segura do tráfego aéreo civil. Depois de 6 horas no ar, o avião pousou de volta em segurança na Base Aérea de Manching, às 16:38.

“Este vôo bem sucedido demonstra as capacidades de integração de sistemas e tecnologia de ponta do programa EURO HAWK. O conjunto de sensores SIGINT desenvolvidos pela Cassidian em conformidade com os requisitos da Bundeswehr (Forças Armadas) alemã, apresentaram um excelente desempenho dentro da interação perfeita de todo o sistema”, disse Bernhard Gerwert, diretor executivo da Cassidian. “Por isso, estamos orgulhosos de provar com esses vôos de teste a capacidade do novo EURO HAWK para missões de inteligência SIGINT, estratégicas para a proteção e segurança das forças armadas alemãs.”

O sistema EURO HAWK previamente concluiu os extensos testes no solo na Base Aérea de Manching, recebendo a aprovação final para os testes de vôo das funcionalidades da carga de sensores SIGINT integrados com a Autoridade de Aeronavegabilidade alemã.

“O vôo de hoje dos sensores de SIGINT marca o início da fase crítica de vôo de teste da carga de sensores do EURO HAWK para a Bundeswehr alemãa”, disse Tom Vice presidente corporativo e vice-presidente de Sistemas da Northrop Grumman Aerospace. “O EURO HAWK representa muitas estreias significativas para a Northrop Grumman. Não é apenas a nossa primeira cooperação transatlântica com a Alemanha e a Cassidian, mas é também a primeira versão internacional do RQ-4 Global Hawk produzida pela empresa e o primeiro veículo aéreo não tripulado HALE (High Altitute Long Endurance) SIGINT na Europa.”

Baseado no HALE RQ-4B Global Hawk, o sistema EURO HAWK inclui uma estação de controle terrestre que consiste num controle de missão e de lançamento e recuperação de elementos fornecidos pela Northrop Grumman. É equipado com um novo sistema de missão SIGINT desenvolvido pela Cassidian, oferecendo capacidade para detectar emissores eletrônicos e de comunicações. A estação de terra SIGINT, que recebe e analisa os dados do EURO HAWK é parte de uma solução de sistema integrado, e é também fornecido pela Cassidian.

“A história de sucesso do EURO HAWK continua a se desdobrar e permitirá que a Alemanha possa conduzir independentemente missões persistentes de vigilância e reconhecimento”, disse Neset Tükenmez, CEO para a EuroHawk GmbH. “Com este primeiro voo do sensor, o EURO HAWK efetivamente demonstrou a sua capacidade para a operação segura do sistema dentro do espaço aéreo alemão.”

Com uma envergadura maior do quea maiorias dos aviões comerciais, podendo permanecer em voo por mais de 30 horas e numa altitude máxima de cerca de 60.000 pés, o EURO HAWK é um substituto interoperável, modular e de baixo custo para a frota de aeronaves tripuladas Breguet Atlantic que estava em serviço desde 1972 e se aposentou em 2010.

Iniciamos o ano de 2013, e eu gostaria de desejar um maravilhoso ano para nossos leitores e amigos. Aproveito para solicitar mais uma vez a ajuda de todos com as contribuições para o site, que ajudam muito nas despesas de hospedagem. Para contribuir, utilize as formas de pagamento online abaixo ou nos botões localizados na barra lateral. Quem quiser também poderá doar através de depósito na conta corrente: Banco do Brasil – Agência: 0181-3 – C/C: 12.742-6 – Favorecido: Fernando Valduga. Desde já meu muito obrigado!




Enhanced by Zemanta

Cassidian e ATECH juntam forças no fornecimento de Sistema Aviônico Avançado de Missão para os helicópteros EC725 da Marinha do Brasil

3
O helicóptero EC725 da Marinha Brasileira. (Foto: Helibras)

A brasileira ATECH, empresa do Grupo EMBRAER, e a CASSIDIAN, empresa da divisão de defesa e segurança da EADS, uniram-se para formar o consórcio internacional que será responsável pelo fornecimento do Sistema de Gestão Tática de Dados para os oito helicópteros EC725 da Marinha Brasileira. As aeronaves fazem parte do Programa H-XBR conduzido pelo consórcio Helibras/Eurocopter e que envolve a produção de um total de 50 helicópteros para uso das Forças Armadas (Marinha, Exército e Aeronáutica), no Brasil. O contrato, no valor de mais de 40 milhões de euros será concluído em 2017.

O Programa H-XBR é uma iniciativa de contratação conjunta para as Forças Armadas e guarda relação com a Estratégia Nacional de Defesa (END) – documento de Estado “focado em ações de médio e longo prazo com o objetivo de modernizar a estrutura nacional de defesa”. Esse programa – que está sendo desenvolvido para criar uma base industrial nacional capaz de também conceber e produzir aeronaves de Asas Rotativas no país – compreende um processo de nacionalização e domínio da tecnologia para a produção dos helicópteros, em linha com uma política de utilização do poder de compra para internalizar toda a capacidade produtiva no país.

“Participar desse consórcio, atuando nesse programa do Ministério da Defesa do Brasil, coordenado pela Força Aérea Brasileira, é uma grande honra e responsabilidade para uma empresa que tem se dedicado ao domínio da chamada tecnologia crítica”, afirma Tarcísio Takashi Muta, presidente da ATECH. “Nossa presença como integrante do consórcio é o reconhecimento da nossa capacidade e experiência na absorção de tecnologia de defesa, sistemas embarcados em aeronaves e comunicações táticas de alto desempenho. Trata-se de uma continuidade no avanço da autonomia tecnológica brasileira, um dos pilares da consagrada Estratégia Nacional de Defesa”.

“Nossas empresas têm uma reconhecida trajetória no campo dos sistemas de gerenciamento de missão”, afirma Dr. Rolf Wirtz, CEO da Cassidian Mission Avionics. “Juntos nós iremos prover a Marinha do Brasil com um sistema confiável e versátil que irá capacitá-la para desempenhar suas missões de vigilância marítima”.

O TDMS é baseado no SAMSARA – Sistema de Gerenciamento de Missão da CASSIDIAN– o qual processa dados de sensores de diversas fontes, que permitem uma consciência situacional e também o controle de armas e sistemas de autoproteção. Portanto, o TDMS aprimora a detecção em tempo real de movimentos na superfície, permitindo às forças de segurança tempo suficiente de reação.

Esse sistema de missão será desenvolvido no Brasil pela ATECH, que também será responsável, sob a supervisão do novo Centro de Engenharia da Helibras, pela integração de sistemas e suportará os testes em solo e em voos na fábrica da empresa, em Itajubá, MG. Igualmente, os serviços de suporte para a Marinha do Brasil serão providos pela ATECH.

“A exemplo do que já faz em relação a outros helicópteros de uso militar, como o Esquilo e o Pantera, a Helibras já possui expertise no acompanhamento de processos de integração de sistemas, tendo investido pesadamente no desenvolvimento dessa especialidade, em função do programa de fabricação dos EC725, para o qual multiplicou o número de engenheiros dedicados, além de contratar fornecedores de softwares específicos”, explica Eduardo Marson, presidente da Helibras.

O sistema de gerenciamento de missão SAMSARA, base para o TDMS, encontra-se em operação na aduana francesa. A CASSIDIAN possui larga experiência em missões aviônicas, sendo responsável pelo sistema de missões de aeronaves de transporte e por sistemas aviônicos para diversas plataformas operadas pela OTAN (Organização do Tratado Atlântico Norte).

Solicito um minuto da atenção de você leitor do Cavok. Estamos tendo despesas elevadas com servidores devido ao alto tráfego gerado mensalmente, e precisamos da ajuda de todos para continuar mantendo o site estável e permanentemente no ar. Sem a ajuda de vocês, fica inviável manter o Cavok, já que infelizmente as empresas aeronáuticas brasileiras até o momento não anunciaram no nosso site, mesmo sendo o Cavok uma das maiores referências sobre notícias de aviação do país, reconhecido inclusive internacionalmente, e um dos sites de aviação mais visitados do país, senão o maior. Para contribuir, utilize as formas de pagamento online abaixo ou nos botões localizados na barra lateral.




Desde já meu muito obrigado.

Fernando Valduga

Enhanced by Zemanta

Cassidian apresenta seu novo UAV tático VTOL Tanan 300

3
O novo Sistema Aéreo Não Tripulado Tático Tanan 300 da Cassidian. (Foto: Cassidian)

A Cassidian apresentou o Tanan 300, uma nova geração de compactos UAS táticos VTOL (Vertical Take-Off and Landing Tactical Unmanned Aerial System) para as missões marítimas e terrestres. Concebido em colaboração estreita com os potenciais clientes, a fim de corresponder às suas necessidades específicas, o Tanan 300 é um real “olho no céu” graças a uma cadeia completa de imagens HD e sua carga útil principal, que permite uma fácil mudança entre câmeras de alta definição EO/IR (Eletro-ópticas e Infravermelha).

Sendo um sistema muito versátil, o Tanan 300 é projetado para ser flexível e também inclui uma alta capacidade com várias cargas úteis, como um AIS (Automatic Identification System), um sistema IFF (identificação amigo ou inimigo), um radar marítimo, um sistema de vigilância eletrônica e um direcionador, para atender todas as necessidades.

O Tanan 300 é planejado para realizar missões de Inteligência, Vigilância, Aquisição de Alvos, e Reconhecimento (ISTAR) dos exércitos e marinhas, bem como nas atribuições civis. Ele pode apoiar missões de longa duração de oito horas, enquanto fornece vídeos coloridos full HD em tempo real com o alcance máximo.

Desenvolvido de forma confiável e consistente, o Tanan 300 cumpre as exigências operacionais e é um UAS tático de alto desempenho, integrando um poderoso, seguro e altamente confiável motor a diesel. Com uma arquitetura aberta e modular e com a última geração de equipamentos comprovados, o Tanan 300 é capaz de completar as missões com um alcance de até 180 km e com uma carga útil de 50 kg.

Utilizado a partir de abrigos ou embarcado num navio, o sistema geral do Tanan 300 é controlável por um operador e pode ser implantado em áreas despreparadas e/ou no mar. O Tanan 300 é especificamente equipado para o funcionamento em temperaturas compreendidas entre -20°C e +50°C e em condições de tempo dasafiadoras.

O sistema de controle terrestre está configurado para reduzir a carga de trabalho do operador ao mínimo graças a uma interface amigável homem-máquina que exibe todas as informações necessárias numa simples tela dupla. Além disso, as informações podem ser exportados através de transmissão de vídeo a um comando remoto e estação de controle.

O primeiro vôo do demonstração ocorreu em 2010, e está atualmente numa fase de desenvolvimento contínuo de acordo com o cronograma.

Enhanced by Zemanta

Atech e Cassidian entram em projeto da Helibras

1
O primeiro helicóptero EC725 da Marinha Brasileira. (Foto: Anthony Pecchi / Eurocopter)

consórcio formado pela Atech, do grupo Embraer, e a europeia Cassidian, braço da EADS, foram selecionadas pela Helibras para fornecer o sistema tático de missão naval de oito helicópteros EC-725, comprados pela Marinha brasileira.

O Valor apurou que, somente a parte da Atech, está avaliada em R$ 30 milhões. A participação da empresa no projeto foi possível por sua experiência e conhecimento adquiridos nos programas Sivam/Sipam (Sistema de Vigilância e Proteção da Amazônia) e P-3BR, aeronave de patrulha marítima da Força Aérea Brasileira (FAB).

O P-3BR, que teve início em 2005, é um programa de modernização que envolve nove aeronaves e está estimado em US$ 500 milhões. A FAB já recebeu três aeronaves modernizadas. No acordo que previa absorção de tecnologia, feito com a EADS Casa, da Espanha, a Atech participou do desenvolvimento do sistema de missão do P-3.

Com esse novo contrato com a Atech/Cassidian, sobe para 15 o número de brasileiras que participam do desenvolvimento de algumas partes dos helicópteros que estão sendo fornecidos para as Forças Armadas Brasileiras, no programa batizado de H-XBR. Cada Força Armada receberá 16 helicópteros.

Além da Atech, participam do H-XBR a Toyo Matic (usinagem), Inbra Aerospace (peças estruturais em material composto), Turbomeca (motores), ATE, Sagem /TM do Brasil (piloto automático); Aernnova do Brasil (cone de cauda metálico), Rhode & Schwartz (rádios), Akaer (projetos de engenharia); SDV Brasil (logística); AEL Sistemas (cockpits) e Microturbo (unidades de potência auxiliar).

As empresas brasileiras capacitadas no programa EC-725, segundo a Helibras, poderão fazer parte da cadeia global de fornecimento da Eurocopter, grupo francês que controla a Helibras, exportando seus produtos para outros helicópteros fabricados pela companhia no mundo.

A fábrica da Helibras em Itajubá (MG) foi ampliada para abrigar a produção do modelo EC725 e atender ao projeto de nacionalização dos helicópteros, que até 2020 terão 50% de conteúdo nacional. O governo brasileiro comprou 50 unidades do EC-725, em 2008, para serem utilizados em missões de transporte e proteção civil.

O contrato de aquisição dos helicópteros, no valor de € 1,8 bilhão, prevê contrapartida comercial, industrial e tecnológica, conhecida no jargão militar como acordos de “offset”. A Helibras investiu R$ 420 milhões na construção de um hangar e de algumas instalações auxiliares, como uma fábrica de cabos elétricos e uma unidade de montagem das caixas de transmissão dos helicópteros.

A nova fábrica da Helibras, que está sendo inaugurada oficialmente hoje, também atenderá a outros projetos na área de defesa, como a modernização de 34 helicópteros Pantera, da Aviação do Exército (AvEx). O contrato com o Exército, de R$ 375,8 milhões, prevê a troca de motores, aviônicos (aparelhos embarcados) de navegação e rádios das aeronaves.

A ampliação da fábrica de Itajubá também foi acompanhada do crescimento do número de funcionários. Segundo a Helibras, desde quando foi assinado o contrato com o governo brasileiro, em 2008, foram contratados cerca de 400 empregados. A empresa tinha 300 funcionários e prevê chegar a mil nos próximos cinco anos.

Fonte: Valor Econômico / Virginia Silveira

Enhanced by Zemanta

Força Aérea Francesa escolhe aeronaves Cirrus SR20 e SR22 para treinamento básico

7
A Força Aérea Francesa selecionou o avião Cirrus SR20 para treinamento de pilotos. (Foto: Cirrus Aircraft)

A Cirrus Aircraft anunciou nessa quinta-feira, dia 23 de agosto, que as aeronaves Cirrus SR20s e SR22s foram selecionadas pela Cassidian Aviation Training Services (CATS) no concurso público para a Força Aérea e a Marinha Francesa.

Uma frota de 13 aeronaves Cirrus SR20s será dedicada para treinamento dos pilotos na base da Força Aérea Francesa de Salon de Provence. Uma frota adicional de sete aviões Cirrus SR22s será dedicada a voos de treinamento de sistema de navegação dos oficiais da armada (NOSA) e para voos de ligação, em particular para acompanhar a equipe francesa de acrobacia da Força Aérea, a Patrouille de France.

Através do acordo com a CATS, uma outra frota de três aviões Cirrus SR20s será dedicada aos estudantes da École Navale na estação aérea naval de Lanveoc Poulmic. A CATS será responsável pela manutenção e aeronavegabilidade de todas as frotas. A transação foi feita pela Cirrus França.

O primeiro Cirrus SR22 já chegou na Base Aérea de Salon de Provence no dia 9 de agosto. (Foto: JM Lazare / Armée de L’Air)

O vice-presidente da Cirrus para Frota Global e de Vendas de Aeronaves de Missão Especial, Jon Dauplaise disse, “A Força Aérea Francesa e a CATS estão comprometidas com a mais alta qualidade de treinamento de vôo ao utilizar nossos aviões SR20s e SR22s – que estabelecem o padrão para a formação e desempenho avançado que eles estão definindo – para melhorar a qualidade de voo da força aérea”.

“Para responder à proposta do Salon de Provence, estudamos as melhores soluções para atender as necessidades da Força Aérea Francesa. Com relação ao desempenho, os aviões Cirrus SR20 e SR22 são os aviões mais adequados para atender às necessidades atuais da Força Aérea Francesa e também os mais versáteis para o futuro”, acrescentou Laurent Blattner, CEO da CATS.

Cada aeronave entregue à Força Aérea Francesa será equipada com o Sistema de Paraquedas da Fuselagem da Cirrus (CAPS), cintos de segurança com airbags, aviônicos Cirrus Perspective da Garmin e todos os sistemas de segurança ativos e passivos e as características que são padrão em todas as aeronaves Cirrus. Opções específicas, como UHF e G-Meter também serão equipados em toda a frota.

O aviões Cirrus SR20s e SR22s serão adicionados a uma frota de 18 aviões Grob 120 já pertencentes a CATS num contrato de terceirização com a escola de vôo da Força Aérea Francesa, além de 35 aviões Epsilon TB30 geridos pela CATS para a Força Aérea Francesa e a os turboélices Xingús gerido pela CATS para a AVORD, a Escola de Voo de Transporte da Força Aérea Francesa.

O primeiro SR20 foi entregue em Salon de Provence no dia 09 de agosto e o primeiro SR22 será entregue em setembro. A entrega continuará até o final de 2012.

Enhanced by Zemanta

Cassidian realiza novos voos de testes com a plataforma de tecnologia não tripulada Barracuda

2
O demonstrador de tecnologia UAS Barracuda da EADS realizou novos testes no Canadá, juntamente com um Learjet que simulava um segundo UAS voando em formação. (Foto: EADS)

A Cassidian realizou com sucesso uma nova série de vôos de teste com o seu demonstrador de tecnologia de Sistema Aéreo Não Tripulado (UAS) Barracuda, no aeródromo militar em Goose Bay, no Canadá, utilizando uma aeronave a jato Learjet como um segundo UAS simulado voando em conjunto.

Este ano, a plataforma de sistema aéreo não tripulado completou cinco vôos de teste em junho e julho de 2012, no âmbito do programa de pesquisa e desenvolvimento “Ágil UAV num ambiente centrado em rede” (Agile UAV NCE). Os testes envolveram o demonstrador de tecnologia Barracuda voando em combinação com outro veículo aéreo não tripulado, que foi simulado por um Learjet convertido. As duas aeronaves voaram missões onde cada um tinha perfis de tarefas diferentes que foram autonomamente coordenadas e sincronizadas uma com a outra.

“Com esses últimos vôos bem sucedidos de nosso demonstrador de tecnologia UAS, fizemos um outro grande salto em frente nos nossos desenvolvimentos para um dos mais promissores mercados futuros da nossa indústria mundial”, disse o CEO da Cassidian Stefan Zoller após a plataforma de testes de vôo pousar em segurança na Base da Força Aérea canadense de Goose Bay.

O demonstrador UAS Barracuda decola da Base da Força Aérea Canadense de Goose Bay acompanhado do jato Learjet. (Foto: EADS)

Realizada pela equipe do projeto Barracuda da Cassidian, os vôos de teste passaram informações vitais sobre o voo com vários UAS em rede e na distribuição autônoma de papéis entre os veículos aéreos não tripulados em complexos cenários de missão. A distribuição de tarefas foi pré-definida em cada caso. A coordenação entre os dois UAS foi em grande parte automatizada. No entanto, as missões podem ser adaptadas ao carregar novos dados de missão, enquanto a aeronave voa na área de missão. Isto foi conseguido através do novo link de dados centrado em rede. Os engenheiros de teste de vôo transmitiram não apenas novos waypoints individuais, mas também segmentos de toda a missão a partir da estação de terra para o UAS em vôo, que respondeu imediatamente às suas novas instruções.

Durante a campanha de ensaios em 2012 sobre a região de Goose Bay, na província canadense de Newfoundland e Labrador, o demonstrador não tripulado a jato Barracuda voou de forma completamente autônoma ao longo de perfis pré-programadas de vôo, incluindo processos de táxi automático. O Barracuda e o Learjet simulando um segundo UAS foram monitorados a partir da estação de terra no que diz respeito apenas à segurança de vôo.

O demonstrador Barracuda é concebido como uma plataforma de testes da tecnologia com uma estrutura modular e uma configuração flexível, permitindo uma ampla variedade de sistemas e perfis de voo a serem testados, e uma ampla gama de requisitos de missão a serem demonstradas. O sistema de aviônicos foi desenvolvido como uma estrutura aberta e modular que permite que um grande número de sensores e soluções de link de dados possa ser integrado com o demonstrador. Os sensores eletro-ópticos e infravermelhos, designadores de alvos a laser, um sistema emissor de localização (ELS) composto de detectores que captam rádio-sinais magnéticos, e um sistema de Radar Avançado de Abertura Sintética (SAR) que opera com o princípio multisensor podem ser acomodados no compartimento de carga do Barracuda.

Novo radar passivo da Cassidian é capaz de detectar aviões invisíveis

47
O novo radar passivo em desenvolvimento pela Cassidian, poderia detectar aeronaves furtivas em voo como o F-35. (Foto: Lockheed Martin)

A Cassidian, a divisão de defesa e segurança da EADS, desenvolveu o que é conhecido como “radar passivo” que pode localizar até mesmo difícil de detectar objetos voadores, tais como aviões furtivoss, os quais são praticamente indetectáveis.

Em contraste com um radar convencional, o radar passivo não emite nenhum tipo de radiação, mas sim analisa as reflexões de outros emissores de radiação, tais como estações de rádio e televisão, para detectar objetos.

“O princípio do radar passivo é conhecido há muito tempo”, diz Elmar Compans, Chefe de Sensores e Guerra Eletrônica na Cassidian. “No entanto, temos agora integrado as últimas capacidades do receptor digital e uma tecnologia de processamento de sinal para melhorar significativamente a precisão, alcance e detecção através do monitoramento de vários emissores ao mesmo tempo.”

O novo radar passivo da Cassidian pode ser instalado numa pequena van. (Foto: Cassidian)

Com seu radar passivo, a Cassidian está centrando-se nos requisitos de controle do espaço aéreo civil e militar que até agora não podiam ou não são suficientemente atendidos por meio de um radar emissor ativo. Na aplicação civil, o radar passivo torna rentável o possível controle de tráfego aéreo, sem quaisquer emissões adicionais e sem fazer exigências sobre freqüências de transmissão em falta. Em aplicações militares, o sistema permite uma grande área de vigilância utilizando receptores em rede, oferecendo a vantagem decisiva operacional já que um radar passivo não pode ser localizado por forças hostis.

As características particulares dos sinais de rádio onipresentes utilizados para operação permitem a detecção de objetos mesmo que sejam difíceis de detectar, como aviões stealth ou navios stealth. Uma outra vantagem da nova tecnologia é a sua capacidade de aumento de detecção em áreas de sombra radar, tais como regiões montanhosas e da sua capacidade para localizar objetos voadores extremamente lentos e em voo baixo.

Um sistema de demonstração já foi entregue ao Escritório Federal de Tecnologia de Defesa e Aquisições da Alemanha (BWB). O radar passivo Cassidian pode ser usado como implantação móvel num veículo do tamanho de uma van comercial e, portanto, pode ser movido rapidamente e com pouco esforço logístico. Depois de testes bem-sucedidos, incluindo no Aeroporto de Stuttgart, o plano é a criação de um protótipo de sistema de produção e realizar os programas de avaliação tanto pela Cassidian como pelo cliente até o final do ano.

Cassidian entrega os dois primeiros Tornado ASSTA 3.0 para Força Aérea da Alemanha

4
A Cassidian entregou os dpois primeiros Tornados com a atualização ASSTA 3.0 para Força Aérea da Alemanha.

No final de junho, a Cassidian entregou para a Força Aérea da Alemanha os dois primeiros aviões Tornado atualizados para o novo padrão de capacidade ASSTA 3.0 (Avionics Software System Tornado Ada).

Após vários meses de certificação da adaptação e aceitação pela Cassidian e pelo Centro Técnico da Bundeswehr 61, em Manching, as aeronaves já estão sendo devolvidas para a Ala de Caças Bombardeiros 33 em Büchel.

“Hoje é um grande salto no desenvolvimento do sistema de armas Tornado”, disse Erik Jensen, chefe da linha de negócios da Cassidian Air Services, numa cerimônia de entrega com a presença de representantes da indústria e da Força Aérea alemã. “Com o ASSTA 3.0, a frota alamã de Tornados está sendo adaptado para cumprir as atuais exigência das Forças Armadas para operar em todos os climas, com alta precisão e com recursos centrados em rede.”

Todos os 85 Tornados em serviço com a frota da Força Aérea Alemã estão programados para no futuro serem atualizados para este padrão até 2018. Além da integração da rede-centrado de dados do sistema de comunicação MIDS (Sistema de Distribuição Multifuncional de Informação / Link 16), o padrão ASSTA 3.0 inclui um dispositivo de rádio estado-da-arte, um gravador digital de dados e vídeo (DVDR), e o integrado Laser Joint Direct Attack Munition (LJDAM) que pode ser guiado ao seu alvo por meio de navegação por satélite ou por laser.

Embora as atividades do ASSTA 3.0 estarem em andamento, o desenvolvimento do ASSTA 3.1 já começou. Trata-se da substituição dos monitores monocromáticos CRT no cockpit traseiro com telas coloridas e expandindo a funcionalidade do MIDS.

Em nome da Panavia GmbH, a Cassidian é responsável pelo gerenciamento de projetos, desenvolvimento, fabricação e instalação das melhorias de eficiência de combate para os Tornados alemães, em colaboração estreita com a Alenia Aermacchi na Itália e a BAE Systems no Reino Unido. Como uma parceira industrial no programa Tornado trinacional, a Cassidian está responsável pelo desenvolvimento e fabricação de todas as seções da fuselagem central, e foi também responsável pelos aviônicos, sistema de comunicação, o sistema de controle de vôo e do completo sistema de computador da aeronave.

Alemanha aumenta a capacidade multirole da frota de Tornado

18
Um caça Tornado da Força Aérea Alemã. (Foto: Olli J.)

A Força Aérea Alemã tem desenvolvido esforços significativos para a modernização dos seus Panavia Tornados havendo um plano para o aumento da rapidez de modernização para metade da sua frota.

A companhia responsável pelo programa a Cassidian, empresa subsidiária de defesa e segurança da EADS, informou que o primeiro avião de produção com a nova capacidade standard ASSTA 3.0 (Avionis System Software Tornado Ada) efetuou o seu primeiro voo em Manching, no passado mês de Fevereiro.

Se os testes seguirem o programado, a entrega do primeiro Tornado modernizado está planejada para meio de 2012, afirmou um representante da Cassidian. A Força Aérea conta com a modernização de toda a sua frota terminada em 2015.

Este importante teste vem de encontro com um significativo esforço de restruturação militar do país, que inclui uma redução no número de Tornados operacionais de 185 para 85 aeronaves. Este processo foi acelerado estando previsto ser terminado até ao fim do ano.

Os restantes aparelhos receberão a modernização que os tornará com capacidade operacional multirole até 2025.

A Cassidian deve entregar o primeiro Tornado com o pacote ASSTA 3.0 para Força Aérea da Alemanha em meados de 2012, e eles devem permanecer em operação até 2025. (Foto: Cassidian)

O ASSTA 3.0 inclui a integração do Sistema de Distribuição de Informação Multifuncional da OTAN (MIDS), pacote de comunicações standard Link 16, bem como a introdução de um novo gravador digital de rádio e vídeo.

Apesar da modernização dos sistemas de comunicações nas aeronaves e as instalações OTAN, os Tornados modernizados serão capazes de lançar as munições Laser Joint Direct Attack Munitions (LJDAM), que podem ser guiadas até aos seus alvos por navegação de satélite ou designadores laser. Atualmente, os Tornados alemães são apenas capazes de lançar munições guiadas a laser GBU-24 Paveway II, e no futuro GBU-54 LJDAM guiadas a laser ou por GPS.

Segundo a Forca Aérea Alemã, o desenvolvimento e instalação da modernização ASSTA 3.0 custará um valor aproximado de 760 milhões de euros (US$ 997 milhões)

As duas partes envolvidas já assinaram um contrato de desenvolvimento para uma possível modernização ASSTA 3.1. Esta modernização inclui a substituição dos monitores monocromáticos por monitores a cores.

Também será instalado um pacote básico completo MIDS com monitor de controle/situacional com a integração de imagens vídeo do pod designador laser e do pod RecceLite

De acordo com a Forca Aérea Alemã, existe um valor de 339 milhões de euros incluídos no orçamento para este programa, e as restantes 85 aeronaves começarão a receber o pacote ASSTA 3.1 standard a partir de 2018.

Apesar da introdução da capacidade digital para missões de apoio aéreo aproximado (CAS), a Força Aérea Alemã reconhece que esta modernização permite um aumento na flexibilidade da cada vez mais reduzida frota de Tornados.

Desde o inicio das operações com o Tornado a Força Aérea Alemã utiliza duas versões desta aeronave: o caca bombardeiro IDS (Interdiction Strike), utilizado também para missões de reconhecimento, e a versão de guerra electrónica ECR (Electronic Combat and Reconnaissance).

De acordo com a Luftwaffe, a modernização permitirá a ambas as versões efetuarem qualquer missão.

Apesar de tudo, alguns componentes básicos, não utilizados no passado em algumas versões específicas, como por exemplo o canhão a bordo do Tornado ECR, não farão parte deste processo de modernização.

“Resumindo, a frota de Tornados ficará significativamente mais flexível para um conjunto de missões,” afirmou a Força Aérea Alemã no seu site da internet.

“Com o ASSTA 3, a Cassidian contribui significativamente para a extensão das capacidades da frota de Tornados alemã,” segundo Erik Jensen, executivo do departamento de serviços aeronáuticos da Cassidian. “Com este pacote a Força Aérea poderá operar a aeronave após 2025.”

Segundo a Cassidian, no desenvolvimento desta modernização do Tornado, também foram utilizadas diversas lições aprendidas com o desenvolvimento do novo Eurofighter Typhoon.

Fonte: Defense News – Tradução: Cavok

Voa o primeiro Tornado de produção ASSTA 3.0 destinado para Força Aérea Alemã

17
A Cassidian deve entregar o primeiro Tornado com o pacote ASSTA 3.0 para Força Aérea da Alemanha em meados de 2012, e eles devem permanecer em operação até 2025. (Foto: Cassidian)

A Cassidian atingiu um marco importante na entrega do mais recente padrão de capacidade ASSTA 3.0 (Avionics System Software Tornado Ada) para a frota de aviões de combate Tornado da Força Aérea alemã.

A primeira aeronave de produção Tornado ASSTA 3.0 realizou seu vôo inaugural funcional na unidade da Cassidian de Manching, no dia 8 de fevereiro. Ao longo dos próximos meses, um esforço concentrado será feito para finalizar e certificar o software ASSTA 3.0. Os primeiros Tornados atualizados serão então entregues à Força Aérea Alemã, em meados de 2012, conforme planejado.

Além da instalação do MIDS (Sistema Multifuncional de Distribuição de Informação / Link 16), o padrão ASSTA 3.0 inclui um dispositivo de rádio estado-da-arte, um gravador de vídeo e de voz digital (DVDR), e do sistema integrado Laser Joint Direct Attack Munition (LJDAM) que pode ser guiado ao seu alvo por meio de navegação por satélite ou por laser.

Embora as atividades do ASSTA 3.0 estejam em andamento, o desenvolvimento da versão 3.1 já começou. Trata-se de substituir as velhas telas de TV monocromáticas por telas coloridas (L/RNHDD) e integrar o pacote básico MIDS com o completo display de Controle de Missão/Situação e as imagens de vídeo a partir do pod designator Lite e do pod RecceLite.

Em nome da Panavia GmbH, a Cassidian é a responsável pelo gerenciamento de projetos, desenvolvimento, fabricação e instalação das melhorias de eficiência de combate para as aeronaves Tornado da Alemanha, em colaboração estreita com Alenia Aeronautica da Itália e da BAE Systems no Reino Unido.

Como um parceiro industrial no programa trinacional Tornado, a Cassidian foi responsável pelo desenvolvimento e fabricação de todas as seções da fuselagem central do Tornado, e foi também responsável pelos aviônicos, sistema de comunicação, o computador de controle de vôo e do completo sistema de computadores da aeronave.

Cassidian modernizará mais cinco aeronaves F-5B da Força Aérea da Espanha

14
Uma aeronave F-5BM Freedom Fighter da Ala 23 da Força Aérea da Espanha, na Base Aérea de Dijon. (Foto: Jerry Gunner)

A Cassidian Espanha assinou recentemente um contrato com a Força Aérea espanhola para cinco modificações estruturais nas aeronaves F-5. Com este contrato, continuação dos anteriores, a Cassidian continua o seu trabalho no apoio a modernização dos F-5 da Força Aérea da Espanha. O objetivo é assegurar, no menor tempo possível, a aplicação das melhorias estruturais nas aeronaves, projetada e validadas para garantir a operação segura dos caças.

Os trabalhos de modernização das aeronaves F-5 da Força Aérea da Espanha estão sendo feitas pela EADS Espanha. (Foto: Cassidian)

Todas as mudanças serão feitas nas instalações da Cassidian no subúrbio de Getafe.

Enrique Barrientos, CEO da Cassidian Espanha, disse que está “orgulhoso” que a Força Aérea Espanhola novamente contou com o expertise da empresa para realização deste contrato. “Nosso compromisso é fornecer suporte contínuo para garantir a satisfação dos nossos clientes”, acrescentou.

A Força Aérea da Espanha possui no seu inventário 20 aeronaves F-5BM, todas elas utilizadas na tarefa primária de treinamento, mas com capacidade de combate. Na Força Aérea da Espanha eles são designados AE.9, e operam na Ala 23, na Base Aérea de Dijon.

Eurofighter de número 300 vai para a Espanha

3
O Eurofighter Typhoon de número 300, entregue pela Cassidian para a Força Aérea da Espanha. (Foto: Cassidian)

O 300º Eurofighter Typhoon produzido pelas quatro empresas parceiras do consórcio europeu, foi entregue hoje pela Cassidian para a Força Aérea Espanhola, o Ejercito del Aire. Este marco faz do Eurofighter Typhoon a única nova geração de aeronaves multi-função que alcançou a impressionante cifra de 300 exemplares em serviço.

O Eurofighter Typhoon – desenvolvido e fabricado pela Cassidian na Alemanha e na Espanha, pela BAE Systems no Reino Unido e Alenia Aeronautica da Itália – agora estão em serviço também em todo o globo em 16 unidades em seis forças aéreas, substituindo 11 tipos de aeronaves. Isto confirma o Eurofighter não só como o melhor desempenho de avião multimissão disponível no mercado mundial, mas também a mais efetiva e melhor solução de valor para atender às exigências de defesa aérea das forças aéreas e nações em todo o mundo.

Até à data, a frota havia completado mais de 130.000 horas de vôo com disponibilidade operacional bem acima da média e desempenho operacional incomparável, que foi demonstrado recentemente durante as operações sobre a Líbia.

Northrop Grumman e Cassidian apresentam na Alemanha o UAS Euro Hawk

0
Numa cerimônia em Manching, Alemanha, foi apresentado o primeiro Euro Hawk UAS para a Força Aérea da Alemanha. (Foto: Cassidian)

O Euro Hawk, o primeiro e principal Sistema de Aeronaves Não-Tripuladas (UAS) de Inteligência de Sinais (SIGINT) para as forças armadas da Alemanha, foi apresentado na quinta-feira aos funcionários do governo e para imprensa durante uma cerimônia de lançamento realizada em Manching, na Alemanha.

O Euro Hawk UAS chegou na Alemanha no dia 21 de julho de 2011, depois de um vôo sem escalas de translado desde a Base Aérea de Edwards, na Califórnia, até Manching. Após o pouso, foi equipado com o Sistema Integrado de Inteligência de Sinais (ISIS), desenvolvido pela Cassidian, o qual será submetido a testes de vôo em 2012.

O Euro HAwk é uma versão de exportação do Global Hawk UAS, desenvolvido em parceria entre a Northrop Grumman e a Cassidian.

O Euro Hawk é a primeira configuração internacional do UAS RQ-4 Global Hawk para operar em Grande Altitudes e por Longos Períodos (HALE). A entrega do primeiro sistema Euro Hawk para a Força Aérea Alemã e o Comando de Inteligência Estratégica (KSA) está prevista para 2012, com a entrega dos quatro sistemas seguintes previstos entre 2015 e 2016.

O Ministério da Defesa da Alemanha assinou um contrato em janeiro de 2007 com a EuroHawk GmbH para o desenvolvimento, teste e suporte do Demonstrador em Total Escala do Euro Hawk. Nos termos deste contrato, a EuroHawk GmbH irá fornecer os veículos aéreos SIGINT, a aeronave completa e os segmentos terrestres de missão ISIS, bem como as modificações das aeronaves solicitadas para as necessidades alemãs, teste de vôo e apoio logístico.

Com uma envergadura maior do que um avião comercial, e uma capacidade de permanência em voo por até 30 horas numa altitude máxima de mais de 60 mil pés, o Euro Hawk é um substituto interoperável, modular e de baixo custo para a frota de aeronaves tripuladas Breguet Atlantic que estava em operação desde 1972 e se aposentou oficialmente em 2010. A EuroHawk GmbH, uma joint venture de 50-50 entre a Northrop Grumman e a Cassidian, é responsável pelo desenvolvimento e fabricação dos sistemas Euro Hawk e atua como contratante principal para o Ministério de Defesa da Alemanha durante o ciclo de vida do sistema.

Cassidian recebe contrato para manutenção e treinamento de operações de simuladores Eurofighter na Luftwaffe

1
Um dos simuladores de voo do caça Eurofighter na Força Aérea da Alemanha. (Foto: Eurofighter)

A Cassidian recebeu um contrato do Departamento Federal de Defesa, Tecnologia e Aquisições da Alemanha (Bundesamt für Wehrtechnik und Beschaffung – BWB), em Koblenz, para operar, manter e reparar seis simuladores completos de vôo de três unidades operacionais de caças Eurofighters da Força Aérea Alemã, em Rostock-Laage, Neuburg an der Donau e Nörvenich.

Centro de treinamento com simuladores Eurofighter na base de Neuburg an der Donau, na Alemanha. (Foto: Eurofighter)

O contrato vai até agosto de 2015, e inclui também o desempenho das operações de formação de instrutores de vôo civis nos centros de simulação Eurofighter. Graças aos seus muitos anos de experiência com ex-pilotos de jato dentro da Luftwaffe, os instrutores da Cassidian vão ensinar os jovens pilotos com o conhecimento básico de como operar o Eurofighter, em colaboração com os instrutores de vôo da Força Aérea Alemã que também vai treinar seus experientes pilotos na implantação do sistema tático de complexas armas.

A Cassidian construiu as capacidades de formação necessárias para este sistema ao longo dos anos através do recrutamento de 25 experientes instrutores de vôo do caça da Luftwaffe. O contrato será executado em conjunto com outras duas empresas, a CAE Elektronik GmbH e a Rheinmetall Defence Electronics GmbH.

Cavok nas redes sociais

62,555FãsCurtir
340Inscritos+1
6,557SeguidoresSeguir
2,505SeguidoresSeguir
10,510SeguidoresSeguir
2,780InscritosInscrever
Anúncios