Saab

fiqueemcasa

Inicio Tags Eads

Tag: eads

Alenia e Airbus Military disputam venda de novas aeronaves de transporte tático para Índia

0
A Alenia participa da competição na Índia com o avião de transporte tático C-27J Spartan. (Foto: Finmeccanica)

Durante o ano de 2012, a Forca Aérea Indiana poderá emitir um pedido de propostas (RFP) para a aquisição de 56 aeronaves de transporte tático para a substituição dos HS748s construídos localmente pela Hindustan Aeronautics (HAL). Os dois principais concorrentes serão o C-295 da Airbus Military e o C-27J Spartan da Alenia.

Fontes do setor afirmaram durante a Defexpo India 2012, em Nova Delhi, que a RFP devera ser emitida em 2012, após um pedido de informações (RFI) emitido em 2010.

O programa prevê a aquisição de 16 aeronaves diretamente do construtor, e 40 unidades produzidas localmente na Índia. Segundo a mesma fonte, este programa será bastante importante visto que prevê que pela primeira vez uma aeronave seja produzida localmente por uma empresa privada do setor, e não pela Hindustan Aeronautics (HAL).

Atualmente ainda não existe uma importante companhia privada indiana, mas existe um significativo número de conglomerados industriais com capacidade para a produção local de uma aeronave, como a Larsen & Toubro, Mahindra & Mahindra, e a Tata, que durante os últimos anos têm investido significativamente nas suas unidades aerospaciais.

A primeira aeronave poderá ser entregue num prazo de dois anos a contar da assinatura do contrato, com as restantes 15 a serem entregues nos 24 meses seguintes. Um ano depois está prevista a primeira entrega das 40 aeronaves a serem produzidas localmente sendo entregues oito aeronaves por ano.

Na DefExpo, a Airbus Military colocou em exposição um C-295 e a Alenia um C-27J.

Durante o evento, a Airbus Military destacou que o C-295 tornou-se o principal avião de transporte de diversas forcas aéreas.

Por sua vez, a Alenia ressalvou o elevado índice de comunalidade que o C-27J tem com o Lockheed-Martin C-130J, incluindo os mesmos motores. A Índia atualmente opera seis C-130J e esta em negociações para a aquisição de mais seis unidades a serem igualmente adquiridas via Foreign Military Sales (FMS).

A Forca Aerea Indiana tem feito um progresso significativo nas suas capacidades de transporte aéreo. Somando à aquisição dos C-130J, e confirmando em 2011 a compra de 10 aeronaves de transporte estratégico Boeing C-17 Globemaster III, que se tornará o segundo maior operador mundial desta aeronave depois da Forca Aérea dos Estados Unidos.

Atualmente 105 aeronaves Antonov An-32 indianas também estão sendo modernizadas com uma significativa melhoria nos seus aviônicos.

O HAL 748 é a versão indiana do Hawker Siddeley HS748 inglês construído nos anos sessenta.

Fonte: Flightglobal – Tradução: Cavok

Anúncios

Força Aérea do Cazaquistão adquire duas aeronaves de transporte C-295 da Airbus com opção para seis aviões adicionais

0
O Minsitério de Defesa do Cazaquistão fez um pedido firme para duas aeronaves de transporte militar C-295, com opções para mais seis aviões. (Foto: Airbus Military)

A Airbus Militar assinou um contrato firme com a Kazspetsexport, uma empresa estatal pertencente ao Ministério da Defesa do Cazaquistão, para fornecer dois aviões de transporte militar C295 mais o pacote de apoio relacionado com serviço, de peças sobressalentes e equipamentos de apoio em terra. As aeronaves serão operadas pela Força Aérea do Cazaquistão em apoio as suas missões de transporte em todo o vasto território da nação.

Além disso, um Memorando de Entendimento (MOU) foi assinado para mais seis aeronaves C295, para que contratos firmes separados sejam assinados progressivamente ao longo dos próximos anos. As duas primeiras aeronaves serão entregues até abril de 2013 e para as seis aeronave restantes um cronograma de entrega será definido ao longo dos anos seguintes.

Sob os termos do Memorando de Entendimento, a Airbus Military apoiará o Ministério da Defesa durante o período de entrega para transferir a tecnologia e o know-how necessário para apoiar a aeronave com o objetivo que a equipe do Ministério possa assumir autonomamente o apoio de manutenção dos C295.

EADS North America entrega a segunda aeronave CN235 de patrulha marítima para a Marinha do México

0
A Marinha Mexicana recebeu a segunda aeronave EADS CN235-300 MPA através de um contrato FMS com os Estados Unidos.

A EADS North America entregou a segunda de quatro aeronaves Airbus Military CN235-300 MPA (Maritime Patrol Aircraft), a ser fornecidas para a Marinha mexicana. O contrato de Venda Militar Estrangeira (FMS) assinado entre os governos para as aeronaves é gerido pela Guarda Costeira dos EUA, que usa o CN235-300 na configuração HC-144A Ocean Sentry para missões que vão de busca e salvamento até interdição de drogas. A primeira aeronave foi entregue em novembro de 2011.

Em janeiro desse ano, a EADS North America entregou o seu 13º HC-144A Ocean Sentry para a Guarda Costeira dos EUA, dois meses antes do previsto. O serviço pretende adquirir um total de 36 dos bimotores turboélices.

O México é o primeiro cliente de vendas militares externas dos EUA para a família de aeronaves de transporte aéreo tático CN235, sendo que mais de 250 dos quais já estão em operação por 27 países. A EADS North America também está fornecendo peças sobressalentes, equipamentos de treinamento no solo relacionados à aeronave da Marinha mexicana.

“O HC-144A está desempenhando um papel vital na proteção de nossa nação com a Guarda Costeira dos EUA, e estamos orgulhosos de servir os interesses nacionais do nosso país através do apoio à Marinha do México com uma capacidade igualmente importante”, disse Sean O’Keefe , Presidente e CEO da EADS North America.

Os CN235-300 MPAs melhoram a capacidade do México para apoiar a Iniciativa Mérida, um acordo de segurança cooperativa entre os EUA, México e países da América Central. As missões da nova aeronave incluem segurança interna, busca e salvamento, prontidão militar, transporte de pessoal e carga, interdição de drogas e proteção do meio ambiente marítimo.

Resultado Cavok Foto Quiz 25-2 – EADS CASA C-295

17
A aeronave EADS CASA C-295 (C-105A) Amazonas da Força Aérea Brasileira. (Foto: Newman Homrich / Cavok))

Parabéns aos acertadores que descobriram que a aeronave deste final de semana era o EADS CASA C-295, conhecido no Brasil como C-105 Amazonas. A aeronave de transporte militar, com dois motores turboélices PW127G, foi desenvolvida a partir do avião C-235 também da fabricante espanhola CASA, do grupo europeu EADS. Com 50% a mais de capacidade de carga numa fuselagem esticada, o C-295 fez seu primeiro voo em 1998, e recebeu de imediato um pedido da Força Aérea da Espanha, onde foi integrado em 2001. Até setembro de 2011, 78 aeronaves já haviam sido fabricadas na unidade da EADS localizada no Aeroporto de San Pablo, em Sevilha, Espanha, com mais de 90 unidades já encomendadas. Duas versões adicionais foram criadas, a C-295MPA (Persuader) de patrulha marítima e guerra anti-submarina e a nova versão C-295 AEW&C, com a antena localizada num radome sobre a fuselagem. No Brasil, a Força Aérea Brasileira recebeu 12 unidades do C-295 (designado C-105A Amazonas), visando substituir as antigas aeronaves C-115 Buffalo. Até o próximo final de semana.

FAB recebe terceira aeronave P-3AM Orion

29
A FAB recebeu a terceira aeronave P-3AM Orion para as missões de patrulha marítima. (Foto: EADS CASA / FAB)

A equipe do Grupo de Acompanhamento e Controle na Empresa EADS-CASA (GAC-CASA) recebeu, em Sevilha, Espanha, a terceira aeronave P-3AM do contrato de modernização assinado pelo Comando da Aeronáutica por meio da Comissão Coordenadora para o Programa da Aeronave de Combate (COPAC). O FAB 7200 (P-3A – Orion Modernizado) foi trasladado ao Brasil pela tripulação do 1º Esquadrão do 7º Grupo de Aviação (1º/7º GAv – Esquadrão Orungan), que irá operá-lo na proteção do litoral brasileiro, da Amazônia Azul e de seus recursos naturais. A aeronave chegou a Salvador (BA), sede do esquadrão, no dia 11 de fevereiro.

O P-3AM Orion devolve à Força Aérea Brasileira a capacidade de detectar, localizar, identificar e, se necessário, afundar submarinos. É o que o jargão militar chama de guerra antissubmarina (ASW, na sigla em inglês). A Aviação de Patrulha não realizava missões ASW desde a desativação do P-16 Tracker, em1996. Os atuais P-95 “Bandeirulha”, aeronaves menores e com diferenças operacionais, não oferecem essa possibilidade.

Além da capacidade ASW, o P-3AM também carrega armamentos como os mísseis Harpoon, capazes de afundar navios de guerra além do alcance visual. Com quatro motores, a aeronave tem grande autonomia, podendo permanecer em voo durante 16 horas – isso equivale a uma viagem de Recife a Madri sem escalas. Os sensores eletrônicos embarcados na aeronave são os mais modernos que existem. Tudo isso confere ao P-3AM a capacidade estratégica de vigilância marítima de longo alcance.

O P-3AM assumirá um papel determinante nas missões de busca e salvamento. Por força da Convenção de Chicago, assinada com a Organização de Aviação Civil Internacional (OACI), o Brasil é responsável pela busca e salvamento de aeronaves e navios numa área de mais de 6 milhões de km² (praticamente todo o Atlântico Sul).

A nova aeronave também ajudará na defesa do meio ambiente, identificando responsáveis por derramamento de óleo, tanto acidentais quanto provocados. Os sensores do P-3AM conseguem identificar os rastros na superfície do mar e, desta forma, rastrear a embarcação, mesmo muitas horas depois da abertura dos tanques. Outra atividade ilegal que a aeronave certamente poderá combater é a pesca na Zona Econômica Exclusiva do Brasil, uma faixa de 370 quilômetros a partir da costa brasileira. As embarcações estrangeiras que praticarem a pesca nessa área também poderão receber multas.

Fonte: COPAC/ Agência Força Aérea

MMRCA: Rafale muito mais barato que o Typhoon e governo indiano descarta voltar atrás

30
O Typhoon foi descartado na competição MMRCA da Índia por ter um custo mais alto que do Rafale. (Foto: BAE Systems)

Era o “custo substancialmente superior” de aquisição e operação do Eurofighter Typhoon que levou à sua expulsão do projeto avaliado em US$ 20 bilhões MMRCA (aviões de combate médio multi-função) que vai fornecer 126 caças para a Força Aérea da Índia.

“O jato francês Rafale, o eventual vencedor, venceu o Typhoon, tanto em termos de custos de ciclo de vida como nos custos de aquisição direta. O custo do projeto inteiro MMRCA teria aumentado cerca de 25.000 coroas de rúpias (cerca de US$ 5 bilhões) caso o Typhoon tivesse sido selecionado ao invés do Rafale”, disse uma fonte importante do ministério de defesa da Índia nessa quinta-feira.

Perante tudo isto, o ministério descartou qualquer possibilidade de “voltar atrás” pelo Typhoon, apesar da pressão dos quatro países (Reino Unido, Alemanha, Espanha e Itália) que apoiam o consórcio Eurofighter, e vai agora começar as “negociações exclusivas e extensas” com a Dassault Aviation, a fabricante do Rafale, na próxima semana. “O contrato atual para o projeto complexo deve estar pronto para ser assinado em setembro-outubro”, disse uma fonte.

O Primeiro Ministro britânico David Cameron pode se comprometer a “encorajar” a Índia a reconsiderar a sua decisão de seguir pelo Rafale, em vez do Typhoon fabricado pela EADS, no maior negócio de “competição aberta” da aviação militar do mundo. Mas isso é altamente improvável que aconteça.

“O fato é que o custo diferente entre o Typhoon e o Rafale era muito alto… e que custaria a Índia em torno de 22% a 25% a mais que o caça anterior selecionado. Nenhum governo pode concordar com muito mais”, disse a fonte.

Tanto o Rafale como o Typhoon haviam sido definidos “compatíveis” em todos os 643-660 parâmetros técnicos estabelecidos para atender os requisitos operacionais específicos da Índia, depois de extenuantes ensaios em campo por pilotos de teste da Força Aérea da Índia ao longo de dois anos.

Os outros quatro jatos – os norte americanos F/A-18 Super Hornet e F-16 Super Viper, o sueco Gripen e o russo MiG-35 – foram eliminados da acirrada competição no ano passado, uma vez que não cumpriram todos os “pontos de teste”.

“Nós seguimos a cartilha, em primeiro lugar na extensa avaliação técnica e, agora, na meticulosa avaliação meticulosa comercial, sem quaisquer fatores externos que entraram em jogo”, disse a fonte.

O vencedor, com a melhor proposta na Índia, foi o caça francês Dassault Rafale. (Foto: Armée de L'Air)

Por um lado, o “custo do ciclo de vida” de operar o Typhoon ao longo de um período de 40 anos, com 6.000 horas de vôo, foi visto que era “superior” ao Rafale depois de extensos cálculos sobre os custos de vôo, peças de reposição, manutenção e afins. “Os custos do ciclo de vida eram, na verdade a ferramenta para determinar quem era o L-1 (lance menor)”, disse ele.

Por outro lado, a diferença entre o “custo de aquisição direta”, que será usado realmente para assinar o contrato, foi ainda maior. “A oferta comercial do Typhoon era muito mais alta. O Rafale foi claramente o L-1 em ambos, tanto no ciclo de vida, bem como nos custos de aquisição direta”, acrescentou.

Dassault terá agora de apresentar um relatório detalhado do projeto sobre a transferência de tecnologia (ToT) para a Hindustan Aeronautics Ltd (HAL). Enquanto os primeiros 18 jatos virão prontos após serem fabricados na França, a partir de meados de 2015, os 108 caças restantes serão posteriormente fabricados sob licença pela HAL em seis anos.

“Vamos negociar cada elemento no complexo projeto com os franceses. Os pagamentos, como também os 50% de offsets previstos no contrato, serão distribuídos pelos próximos 11 a 13 anos”, disse ele.

O primeiro jato construído pela HAL deve ser entregue em 2017-2018. Depois disso, a HAL vai entregar seis jatos por ano, que deve durar pelos próximos 20 anos ou mais. “A HAL vai conseguir absorver cerca de 85% da tecnologia até o final. Aliás, o custo de ToT do Typhoon também foi muito alta”, disse ele.

Esta “mãe” de todos os negócios de defesa, mais tarde, se tornará a “vovó”, como relatado mais cedo, já que a Índia deve seguir quase certo com a compra de mais 63 caças adicionais aos 126 agora pretendidos.

A Força Aérea da Índia está visando esses 126 novos jatos, além da introdução atual progressiva de 272 caças Sukhoi Su-30MKIs contratados da Rússia por cerca de US$ 12 bilhões, para conter rápida perda da vantagem de combate contra o Paquistão e a China. A Força Aérea da Índia já identificou as bases aéreas de Ambala e Jodhpur, no sector ocidental, seguido por Hashimara no setor oriental, para abrigar os primeiros esquadrões de jatos do MMRCA.

A Índia está agora finalizando os detalhes do desenvolvimento de caça stealth indo-russo FGFA (quinta geração de aeronaves de caça), a ser construído nas próximas décadas. A Força Aérea da Índia espera começar a introduzir o primeiro lote do FGFA de 250-300 aeronaves a partir de 2020, o qual segundo cálculos aproximados mostram que deverá custar para Índia cerca de US$ 35 bilhões.

Fonte: The Times od India – Tradução: Cavok

Airbus entrega o 13° HC-144A Ocean Sentry para a Guarda Costeira dos EUA

0
A Airbus Military entregou a 13ª aeronave HC-144A Ocean Sentry para a Guarda Costeira dos EUA. (Foto: Airbus Military)

A Airbus Militar, através da subsidiária EADS North America, entregou o 13º avião de patrulha marítima HC-144A Ocean Sentry para a Guarda Costeira dos EUA, a partir de sua linha de montagem final em Sevilha, Espanha, dois meses antes da data de entrega contratual.

O Ocean Sentry é a substituição da frota de antigos jatos HU-25 Guardian da Guarda Costeira e alguns mais velhos aviões HC-130H, e tem estado em serviço numa grande variedade de missões desde que atingiram a capacidade operacional inicial com a Guarda Costeira em 2008. No início deste mês, um HC-144 Ocean Setnry localizou os tripulantes de um avião privado que tinha caído em águas fora da costa de Andros, nas Bahamas, e prestou apoio para um resgate bem sucedido dos dois passageiros por helicóptero da Guarda Costeira.

O HC-144A pode permanecer no ar por mais de nove horas, em comparação com as apenas quatro horas do jato HU-25 que está substituindo. A Airbus Military oferece o Ocean Sentry equipado com um radar de busca, câmeras eletro-ópticas e infravermelhas, um sistema de identificação automática para a coleta de dados a partir de embarcações no mar, e uma suite de comunicações.

Esta é a segunda entrega de Ocean Sentry através de um contrato assinado em 2010, que ainda deve entregar um 14° exemplar em meados de 2012 e inclui opções restantes para até cinco aeronaves. A Guarda Costeira exerceu uma opção para a 15ª aeronave em agosto de 2011. Os planos da Guarda Costeira são para a aquisição de um total de 36 aeronaves HC-144A Ocean Sentry.

O HC-144A é baseado no avião de transporte aéreo militar tático Airbus Military CN235, com mais de 250 dos quais já estando operacionais em 27 países.

Alenia Aermacchi entrega a 1.000ª fuselagem de uma aeronave ATR

1
A 1.000ª fuselagem de uma aeronave ATR na fábrica da Alenia Aermacchi em Pomigliano d'Arco. (Foto: Alenia)

A Alenia Aermacchi entregou hoje uma fuselagem ao consórcio ATR, para ser montado em Toulouse, para construir o avião de número 1000. A cerimônia contou com a participação da alta gerência da empresa e os funcionários que estão envolvidos no programa de ATR por muitos anos.

Nos próximos dias a fuselagem ATR 1000 vai deixar a linha de produção da Alenia Aermacchi Pomigliano d’Arco, onde foi feita e foi equipado com o trem de pouso antes de ser enviado para Toulouse, sede do Consórcio ATR ítalo-francês. Na França, ela será montada em conjunto com estabilizadores, asas, motores e outros componentes antes de ser entregue ao cliente final.

Giuseppe Giordo, Diretor Executivo e Responsável pelo setor da Finmeccanica Aeronáutica na Alenia Aermacchi declarou: “Os resultados só alcançados são prova tangível de quanto a Alenia Aermacchi acredita no mercado de aeronaves regionais, em que estamos presentes, não só com a ATR – uma joint venture entre Alenia Aermacchi (50%) e a EADS (50%) – mas também através da colaboração com a Sukhoi para o Superjet 100; as parcerias com outros players importantes do setor na área de aeroestruturas, a participação no programa “Clean Sky”, um projeto promovido pela Comissão Europeia, cujo objetivo é estudar a configuração de aeronaves comerciais do futuro, focando eco-compatibilidade, na melhoria da eficiência de combustível e na redução do impacto acústico. Esta importante conquista – Giordo sublinhou – prova mais uma vez a excelência, em termos de recursos humanos e tecnológicos, do setor civil da Alenia Aermacchi, que está concentrada em nossos locais de produção no Sul da Itália”.

Com 1.000 fuselagens e estabilizadores construídos, mais de 1.190 pedidos, e 970 aeronaves entregues, a ATR está no ‘Top Ten’ do ranking mundial de aviões de maior sucesso comercial na história da aviação civil. Operados por 186 companhias aéreas em 90 países, a cada 20 segundos um ATR decola no mundo: mais de 800 milhões de passageiros voaram com esta aeronave desde o início do programa. Em 2011, ganhou 157 pedidos e, com uma carteira de pedidos de 224 aeronaves continua a liderar o segmento aéreo para o transporte regional turboélice de até 90 assentos, com 80% de participação de mercado.

A fuselagem do ATR de número 1.000 seguiu para a fábrica em Toulouse. (Foto: Alenia Aermacchi)

O padrão de produção atual é representado pela série -600 com novos aviônicos digitais, lançado em 2007 e primeiro vôo em 2009, certificada em 30 de maio de 2011 e entregue a partir de julho de 2011. É caracterizado pela sua maior resistência, melhor desempenho, baixa manutenção e consumo de combustível, a suíte de aviônicos de última geração, cabine interior mais confortável ??e redução das emissões de CO2 por passageiro. O novo conjunto interno é feita com a múltipla-premiada cabine “Armonia”, projetada por Giugiaro.

A Alenia Aermacchi faz toda a fuselagem para todos os ATRs, completamente equipadas, e os estabilizadores vertical e horizontal, estas últimas partes feitas em material compósito.

A fuselagem é construída e montada na fábrica de Pomigliano D’Arco’s, perto de Nápoles, enquanto os estabilizadores são construídos e montados na fábrica de Foggia. Além disso, a Alenia Aermacchi é responsável pela modificação de apoio, logística e manufatura de peças de reposição para os componentes produzidos nas instalações italianas.

Terceira aeronave CN-235 MPA para a Guarda Costeira de Coreia é entregue pela PTDI

2
A Guarda Costeira da Coreia recebeu a terceira de quatro aeronaves CN-235 encomendadas da fabricante PTDI da Indonésia.

A PT Dirgantara Indonésia (PTDI) produziu o terceiro de quatro aeronaves de patrulha CN-235 que haviam sido encomndadas pela Guarda Costeira Sul Coreana (KCG), através de um contrato avaliado em cerca de US$ 94 milhões.

As duas primeiras aeronaves foram entregues em maio de 2011, enquanto a quarta será entregue durante o primeiro trimestre de 2012. A venda de aeronaves para a KCG e o contrato de compra foi assinado em dezembro de 2008.

A aeronave CN-235 MPA (Maritime Patrol Aircraft) para a KCG está equipada com um radar de busca, FLIR, ESM, interrogador IFF, navegação tática, sistema de computador tático, câmera e janela bolha. A aeronave tem dois motores turboélices CT7-9C com cerca de 1.750 SHP cada.

O Diretor de Integração de Aeronaves Budiman Saleh disse que antes do avião CN-235 voar para a Coréia ele havia passado por uma série de procedimentos de ensaios adequados e testes de aceitação.

A entrega de outra aeronave ao Governo da Coréia do Sul mais uma vez mostra que a confiança de outras nações na PTDI ainda está forte. Esta confiança será mantida de forma contínua, para permitir que a PTDI possa obter contratos subsequentes não só do governo sul-coreano, mas também de clientes que necessitam de uma aeronave do tamanho do CN-235.

As entregas de aeronaves também estão provando ao mundo que os trabalhadores indonésios são capazes de fornecer a sua contribuição para a nação e para o estado, usando seu trabalho para atender aos requisitos de outras nações em todo o mundo.

EADS recebe pedido para mais 39 helicópteros Lakotas para o Exército dos EUA

1
O Exército dos EUA encomendou mais 39 helicópteros LUH UH-72A Lakota. (Foto: EADS NA)

O Exército dos EUA concedeu a EADS North America um novo contrato de US$ 212,7 milhões para o fornecimento de 39 helicópteros utilitários leves (LUH) UH-72A Lakota como parte de seu plano de aquisição total. Trinta e dois destes Lakotas serão produzidos na configuração do Exército Security and Support (S&S) Battalion. A EADS North America já entregou 198 helicópteros UH-72A Lakotas para o Exército dos EUA, dentro do prazo e no orçamento, juntamente com cinco helicópteros H-72A para a Marinha dos EUA que utiliza-os para treinamento de pilotos de teste.

“Estamos extremamente orgulhosos da nossa trajetória de entregas dentro do prazo e no orçamento para os UH-72A Lakota do Exército, Marinha e Guarda Nacional do Exército dos EUA”, disse Sean O’Keefe, CEO da EADS North America. “A execução deste crítico programa de sucesso é um resultado da forte parceria que construímos com o Departamento de Defesa ao longo dos últimos sete anos. Os Lakotas equipados com o S&S Battalion demonstram ainda mais a flexibilidade desta moderna plataforma no crescimento ao apoio de uma gama ainda mais ampla de exigentes missões.”

Os Lakotas equipados com o pacote de equipamentos de missão (MEP) Security and Support (S&S) Battalion serão operados pelas unidades da Guarda Nacional do Exército em todo o país. O MEP S&S Battalion, integrado pela American Eurocopter, vai expandir as capacidades dos UH-72A Lakota LUH do Exército dos EUA, e reflete a capacidade de adaptação da plataforma para um número crescente de missões.

O programa atual pretende entregar 345 helicópteros UH-72A Lakotas para o Exército e Guarda Nacional do Exército até 2015, juntamente com os cinco já entregues à Marinha dos EUA.

Os helicópteros Lakotas na configuração Security and Support (S&S) Battalion permitem que as unidades da Guarda Nacional do Exército apoiem de forma transparente a aplicação de lei estatal e local e das agências federais de segurança da pátria na resposta a desastres naturais, na aplicação da lei e nas operações de segurança das fronteiras.

O UH-72A Lakota é fabricado nas instalações American Eurocopter da EADS North America em Columbus, no Mississippi. O MEP Security and Support (S&S) Battalion foi integrado e testado na American Eurocopter em Grand Prairie, no Texas.

Força Aérea Francesa recebe seus dois primeiros novos aviões CN235s

7
As duas novas aeronaves CN235-300 durante chegada na Base Aérea de Creil-Senlis, na França. (Foto: Armée de L'Air)

A entrega dos primeiros dois aviões de transporte Airbus Military CN235-300 para a Armée de l’Air (Força Aérea Francesa) ocorreu na tarde de 06 de janeiro, quando chegaram a Base Aérea 110 Creil-Senlis, França, depois de terem decolado da fábrica no Aeroporto San Pablo, Sevilha, Espanha. Eles haviam sido entreues no dia anterior, no entanto, o mau tempo atrasou a sua partida.

Uma das duas novas aeronaves CN235-300s, de um lote de oito encomendadas, taxia na Base Aérea de Creil-Senlis, na França, no dia 6 de janeiro, após ser transladada desde Sevilha, Espanha. (Foto: Armée de l'Air)

Eles vão ser integrados no Escadron de Transport 3/62 “Ventoux”, cujos pilotos realizaram o vôo de translado de Sevilha para Creil. A Armée de l’Air já tem uma frota de modelos mais antigos CN-235-200, dos quais 20 foram entregues desde fevereiro de 1991, e com uma dessas aeronaves perdida em acidente no dia 17 de dezembro de 2003.

D

No total, a França encomendou 8 aeronaves CN235-300 até a chegada dos novos A400M. (Foto: Armée de L'Air)

evido aos atrasos nas entregas do A400M, a França anunciou no dia 12 de abril de 2010, que tinha encomendado oito novos aviões CN235-300 para agir como tapa-buracos. A primeira aeronave foi oficialmente entregue a agência francesa de compras militares, a Direction Générale de l’Armement (DGA), no dia 17 de novembro de 2011. Todas as oito aeronaves estão programadas para entrar de serviço até o final de abril de 2013.

EADS CASA vai realizar revisão em três aeronaves de caça F-18 Hornet da Força Aérea da Espanha

25
Um caça EF-18A Hornet (C-15) da Força Aérea da Espanha. (Foto: Pablo Blanco)

A companhia aeroespacial EADS-CASA recebeu um contrato de manutenção (Lote 4) avaliado em 3,9 milhões de euros para três caças EF-18 Hornet, designados C-15 na Força Aérea espanhola.

O contrato, negociado sem publicidade, está definido dentro de dois anos. Para 2011, a quantidade é de 3,7 milhões de euros e para 2012 de 200 mil euros.

O Comando de Apoio Logístico da Força Aérea da Espanha aceitou o trabalho no dia 02 de dezembro e definiu que o contrato deve ser encerrado no dia 30 de novembro de 2012.

O programa salienta que os técnicos da EADS-CASA terão que apontar um relatório de defeitos nas três aeronaves e proceder à sua correção.

Fabricado pela McDonnell Douglas nos EUA, depois Boeing, o F-18 entrou em serviço na Força Aérea Espanhola em novembro de 1996 e estão servindo nas alas 46, 12 e 15, bem como no Centro de Logística de Armamento e Experimentação. A última missão internacional em que participaram foi na zona de exclusão aérea sobre a Líbia.

Fonte: Infodefensa – Tradução: Cavok

AEROTEC entrega a 400ª seção central da fuselagem para um caça Eurofighter Typhoon

2
O pessoal da AEROTEC junto a fuselagem central do 400º caça Eurofighter. (Foto: Aerotec)

A entrega da 400ª seção central da fuselagem para um Eurofighter confirma a forte posição da AEROTEC Premium na construção de aviões militares. A seção central da fuselagem fabricada pela AEROTEC Premium é o ‘núcleo’ estrutural do Eurofighter Typhoon, o avião de combate europeu multi-função.

Com base na sua participação de longa data e bem sucedida no programa Eurofighter, a Premium AEROTEC também foi capaz de estabelecer-se no desenvolvimento e produção da aeronave de transporte militar A400M. Responsável por cerca de 60 por cento da fuselagem da aeronave, incluindo a porta de carga superior, que é feita de materiais compostos de fibra de carbono, a Premium AEROTEC garante uma das principais posições na construção de aviões militares.

Os componentes produzidos em várias instalações da empresa estão sendo integrados em Augsburg, para formar a seção central da fuselagem, que é então entregue inicialmente para Cassidian em Manching. De lá, as peças são fornecidas para as linhas de montagem final na Alemanha, Itália, Espanha e Reino Unido.

Fuselagem frontal do primeiro Airbus A350 XWB começa a tomar forma

1
A primeira fuselagem frontal do Airbus A350 XWB começa a tomar forma, e será usada para testes estáticos. (Foto: Airbus)

A Airbus começou a juntar os primeiros 21 metros de comprimento da fuselagem frontal do primeiro A350 XWB, a primeira seção principal do A350 XWB que vai entrar na Linha de Montagem Final.

A fuselagem dianteira é composta da fuselagem dianteira, fabricada pela Premium AEROTEC na Alemanha, e da seção do nariz, já montada na Airbus, em Saint-Nazaire, a partir de componentes produzidos pela Aerolia na França.

Vista interna da primeira fuselagem do Airbus A350 XWB. (Foto: Airbus)

Esta fuselagem frontal será destinada para a célula do A350 XWB da Airbus que será usada para ensaios estático. Ela será montada juntamente com a primeira estrutura para o MSN1, um dos cinco aviões de vôo de teste que a Airbus irá construir. O primeiro vôo está previsto para o primeiro semestre de 2013.

Airbus acredita na venda das aeronaves A330 MRTT para Força Aérea da Índia

0
A Airbus tem confiança que sua aeronave A330 MRTT seja a vencedora da competição na Índia. (Foto: EADS)

A gigante aeroespacial europeia Airbus está na esperança de chegar a um acordo para vender sua aeronave de reabastecimento aéreo A330 MRTT para a Índia, disse hoje um dos executivos da Airbus.

“A Índia enviou um pedido respondendo a solicitação de propostas no final do ano passado. Respondemos até o final de janeiro. Esperamos ganhar o contrato”, disse Pablo Quesada, chefe de desenvolvimento de mercado para a aeronaves da Airbus.

Falando durante a exposição LIMA 2001 na Malásia, Quesada não quis dar mais detalhes.

Fontes da indústria disseram que a Índia está planejando adquirir seis aeronaves, mas que sua necessidades de longo prazo são de números muito mais elevados.

Um lance bem sucedido da Airbus faria da Índia a quinta compradora da aeronave de reabastecimento e multi-tarefa.

Uma aeronave A330 MRTT da Royal Australian Air Force (RAAF), a primeira força aérea a operar o novo avião, realizou seu primeiro vôo internacional desde Brisbane até Langkawi para o show.

A empresa russa Ilyushin é a outra única candidata para o contrato, com o modelo Ilyushin Il-78, similar ao modelo que atualmente voa na Força Aérea da Índia.

A Boeing, que em fevereiro venceu a Airbus para licitação para fornecer 179 aviões de reabastecimento aéreo para a Força Aérea dos EUA (USAF), não fez uma oferta para a Índia, disseram as fontes.

A aeronave A330 MRTT, que pode abastecer dois aviões ao mesmo tempo, foi encomendada por quatro clientes: Austrália, Arábia Saudita, Reino Unido e os Emirados Árabes Unidos.

A França está sendo esperada para adquirir o avião em 2013, mas as autoridades francesas continuam dizendo que a decisão ainda não foi tomada.

Fonte: Economic Times – Tradução e Adaptação do texto: Cavok

Ministério de Defesa da Espanha paga parte da dívida com a Eurofighter, mas dívida continua

4
A Espanha luta para pagar a dívida com o consórcio Eurofighter. (Foto: Geoffrey Lee / Eurofighter)

Fontes do governo espanhol disseram que a Espanha vai pagar ao consórcio Eurofighter um montante de 309 milhões de euros nas próximas semanas, apesar do país apertar ainda mais o orçamento. O pagamento será reduzir a dívida de 400 milhões de euros que a Espanha tem com a fabricante de avião de caça, que será totalmente paga no próximo ano.

O Ministério da Defesa da Espanha tem lutado para financiar o programa de modernização de 31,6 bilhões de euros, e o consórcio Eurofighter, que foi contratado para a fabricação de 87 aviões de caça, representa o maior gasto do programa, num custo de cerca de 12 bilhões de euros.

Louis Gallois, diretor da empresa aeronáutica europeia EADS, estimou a dívida atual da Defesa da Espanha em 600 milhões de euros, um valor que segundo ele poderá crescer um bilhão de euros até o final do ano devido a juros de mora, que rapidamente aumentam a dívida. O maior pagamento da Espanha feito com a Eurofighter – cerca de 200 milhões de euros – foi feito no ano passado.

A Defesa da Espanha tentou gerir os seus problemas financeiros através da renegociação de um cronograma de reembolso de 25-30 anos. Também cancelou algumas de suas encomendas, incluindo a encomenda original de 45 helicópteros de transporte NH-90 que já foi reduzido para 35.

Fonte: El Pais – Tradução: Cavok

MMRCA poderá ter uma decisão na metade de dezembro

34
Caças Dassault Rafale da Força Aérea Francesa. (Foto: Katsuhiko Tokunaga / Dassault Aviation)

A Força Aérea da Índia tornará público em quatro semanas o vencedor do maior contrato militar da Índia, avaliado em quase US$ 20 bilhões, para adquirir 126 aviões de combate médio multi-função (MMRCA), disse o General do Ar NAK Browne.

“Estamos trabalhando duro para calcular. Espero que em quatro semanas, devemos ser capazes de ter um resultado”, disse Browne aos jornalistas em meio a intensas notícias entre os dois finalistas da competição, o Eurofighter Typhoon e o Rafale da Dassault. “Em meados de dezembro devemos ter um dado mais preciso sobre quem foi selecionado”, disse ele.

O caça Typhoon, do consórcio europeu Eurofighter. (Foto: EADS)

Questionado se ele espera aumento de custos após revisar o contrato, o General disse: “Eu não posso te dizer nada até o momento em que terminar esse trabalho”. O Ministério da Defesa havia escolhido em abril como finalistas o caça francês Rafale da Dassault e o Eurofighter Typhoon da EADS.

As propostas comerciais dos dois fornecedores finalistas foram abertas no dia 4 de novembro, marcando os dez anos de duração da busca de uma nova plataforma de caça para Força Aérea da Índia.

Fonte: Times of India – Tradução: Cavok

Cassidian modernizará mais cinco aeronaves F-5B da Força Aérea da Espanha

14
Uma aeronave F-5BM Freedom Fighter da Ala 23 da Força Aérea da Espanha, na Base Aérea de Dijon. (Foto: Jerry Gunner)

A Cassidian Espanha assinou recentemente um contrato com a Força Aérea espanhola para cinco modificações estruturais nas aeronaves F-5. Com este contrato, continuação dos anteriores, a Cassidian continua o seu trabalho no apoio a modernização dos F-5 da Força Aérea da Espanha. O objetivo é assegurar, no menor tempo possível, a aplicação das melhorias estruturais nas aeronaves, projetada e validadas para garantir a operação segura dos caças.

Os trabalhos de modernização das aeronaves F-5 da Força Aérea da Espanha estão sendo feitas pela EADS Espanha. (Foto: Cassidian)

Todas as mudanças serão feitas nas instalações da Cassidian no subúrbio de Getafe.

Enrique Barrientos, CEO da Cassidian Espanha, disse que está “orgulhoso” que a Força Aérea Espanhola novamente contou com o expertise da empresa para realização deste contrato. “Nosso compromisso é fornecer suporte contínuo para garantir a satisfação dos nossos clientes”, acrescentou.

A Força Aérea da Espanha possui no seu inventário 20 aeronaves F-5BM, todas elas utilizadas na tarefa primária de treinamento, mas com capacidade de combate. Na Força Aérea da Espanha eles são designados AE.9, e operam na Ala 23, na Base Aérea de Dijon.

Marinha do México recebe sua primeira aeronave CN235 MPA

0
A primeira aeronave de patrulha marítima CN235 MPA entregue para a Marinha do México. (Foto: Airbus Military)

A Marinha do México recebeu a primeira de quatro aeronaves de patrulha marítima CN235 (MPA) encomendadas à Airbus Military através de um contrato com a EADS North America no âmbito da Iniciativa Mérida, um programa conjunto entre o Governo dos Estados Unidos da América e o Governo da México. As três restantes aeronaves serão entregues no primeiro semestre de 2012.

Este CN235 na configuração MPA incorpora a mais recente tecnologia desenvolvida para a vigilância marítima. A combinação do sistema de Visão Frontal Infra-Vermelha (FLIR) e um radar de busca permite que esta aeronave possa localizar e rastrear navios conduzindo completas patrulhas de uma área litorânea. O sistema de identificação automática (AIS) e o Sistema Tático Totalmente Integrado (FITS) ajudam a tornar esta aeronave a ferramenta ideal para executar as missões de vigilância militar para a Marinha Mexicana. O FITS foi inteiramente desenvolvido pela Airbus Military e garante que os dados recolhidos pelos diversos sensores a bordo da aeronave possam ser facilmente usados pela tripulação para executar sua missão.

Incluindo esta última entrega, a Marinha mexicana já opera com três turboélices CN235, que serão adicionados aos dois CN235 operados pela polícia federal mexicana. A Força Aérea e a Marinha do México também operam nove C295 e seis aeronaves C212. Até o momento, a Airbus já vendeu 211 aeronaves militares CN235 para 32 diferentes operadores em 20 países em todo o mundo.

Resultado Cavok Foto Quiz 11-2 – EADS (CASA) C-212 Aviocar

15
A aeronave CASA C-212-200 da Força Aérea Uruguaia (FAU), nas cores das Nações Unidas, durante visita ao Aeroporto Salgado Filho em Porto Alegre. (Foto: Fábio Fonseca / Aeroentusiasta)

Aos participantes que acertaram meus parabéns, e foram muitos. A aeronave dessa semana é o CASA C-212, que era conhecido como Aviocar, mas a EADS não usa mais essa designação. O turboélice STOL de transporte médio, amplamente utilizado no mundo todo, é utilizado nas versões de transporte civil e militar, e também nas tarefas de patrulha marítima e SAR. O C-212 realizou seu primeiro voo no dia 26 de março de 1971, e foi introduzido em operação em 1974 na Força Aérea da Espanha. A CASA fabricou 478 aeronaves C-212 nas quatro versões, e sob licença, a IPTN da Indonésia fabricou mais de 100 do dos modelos -100 e -200, esse último atualmente em produção. A EADS prevê que ainda serão entregues mais 85 aeronaves C-212-400 até 2016. A foto acima, feita pelo amigo Fábio Fonseca, do site Aeroentusiasta, é de um CASA C-212-200 da Força Aérea do Uruguai (FAU), que recebeu cinco aeronaves entre 1981-82 e atualmente opera com duas, sendo a da imagem acima pintada toda de branco em missão das Nações Unidas (ONU). As aeronaves C-212 da FAU operam junto a Brigada Aérea I, no Esquadrão nº 3, junto ao Aeroporto Internacional de Carrasco, em Montevidéu. Boa semana a todos e até o próximo foto quiz.

Cavok nas redes sociais

62,515FãsCurtir
340Inscritos+1
6,523SeguidoresSeguir
2,505SeguidoresSeguir
10,510SeguidoresSeguir
2,780InscritosInscrever
Anúncios