Saab

fiqueemcasa

Inicio Tags GTE

Tag: GTE

BRASIL: Governo muda regras para uso de aviões da FAB

2
Aeronave VC-1 (A319CJ) do Grupo de Transporte Especial (GTE). (Foto: Força Aérea Sueca)

O presidente Jair Bolsonaro editou um decreto que altera as regras de uso de aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) por parte de autoridades. Uma das mudanças é que ministros interinos ou substitutos não terão esses direito.

Anúncios

Brasil enviará duas aeronaves da FAB para buscar brasileiros na China

8
Embraer 190 (VC-2) do Grupo de Transporte Especial (GTE) da FAB. (Foto: Ten. Enílton / Agência Força Aérea)

Dois aviões Embraer 190 (VC-2) da Força Aérea Brasileira (FAB) serão destacados para buscar brasileiros na China que estão expostos ao coronavírus.

BRASIL: Ministério da Defesa autoriza Bolsonaro a usar aviões da FAB

12
Presidente eleito terá pelo menos quatro modelos de avião da Força Aérea à sua disposição, com diferentes configurações e capacidade. (Foto: Alex Pelicer)

O Ministério da Defesa já encaminhou ao Comando da Aeronáutica autorização para que o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), possa utilizar aeronaves da FAB (Força Aérea Brasileira) para deslocamentos no País e no exterior.

FAB deu o equivalente a cem voltas ao mundo transportando autoridades em 2017

15
Aeronave VC-2 (Embraer 190) do GTE.

Quatro mil trezentas e noventa horas – foi esse o tempo que as autoridades brasileiras passaram voando de graça nos aviões da Força Aérea no ano passado. Horas de voo suficientes para fazer mais de 100 viagens ao redor do mundo. Levantamento exclusivo feito pela CBN indica que ao longo de 2017 foram 2.330 voos – isso sem contar as viagens presidenciais, que não são divulgadas no relatório da FAB. Uma média de seis viagens por dia para transportar ministros e os chefes do Legislativo e do Judiciário. Mas, em alguns dias do ano, foram quase 20 decolagens.

Aeronave VC-2 da FAB resgata 14 pessoas na ilha de St. Maarten após passagem do furacão Irma

8
Aeronave VC-2 do Grupo de Transporte Especial (GTE) foi usada para trazer ao Brasil oito pessoas que aguardavam transporte na ilha caribenha de St. Maarten. (Foto: FAB)

Uma aeronave VC-2 (Embraer 190) da FAB, pertencente ao Grupo de Transporte Especial (GTE), resgatou hoje (12) na ilha da St. Maarten, no Caribe, 14 pessoas que aguardavam para deixar o local afetado pelo furacão Irma.

Primeira piloto da FAB a fazer voo solo em caça passa a conduzir avião presidencial

5
A Capitã Carla Borges a bordo do A319 presidencial. (Foto: Agência Força Aérea)

A partir desta quinta-feira (22/12), a Capitão Aviadora da Força Aérea Brasileira (FAB) Carla Borges escreve mais um capítulo em uma história profissional marcada pelo pioneirismo. Integrante da primeira turma de mulheres no curso de formação de oficiais aviadores da Academia da Força Aérea (AFA) em 2003, a militar passa a ser a primeira mulher a comandar a aeronave presidencial brasileira.

BRASIL: Sistema de transplantes sofre com falta de transporte aéreo

33
Jones Cesar Dalazen
Gates Learjet 35A (VU-35A) – FAB2714 / © Jones Cesar Dalazen, em caráter ilustrativo

Entre 2013 e 2015, 153 órgãos saudáveis, prontos para transplante, tiveram sua solicitação de transporte recusada pela FAB. Nos mesmos dias dessas recusas, a Aeronáutica atendeu a 716 requisições de transporte de ministros e autoridades.

Dilma pretende usar avião da FAB enquanto estiver afastada

13
6644225035_dbc4d1eacf_b
O Embraer 190 (VC2) é uma das aeronaves da FAB usadas no transporte presidencial / © Jones Cesar Dalazen, em caráter ilustrativo

Como Dilma Rousseff manterá algumas prerrogativas de presidente, como a residência oficial e seguranças, ela planeja fazer as viagens pelo Brasil em aviões da FAB.

Se Michel Temer não autorizar o uso das aeronaves, petistas veem mais um argumento para o enredo publicitário do golpe.

Incidente em avião de Dilma causa apreensão na equipe presidencial

38
FAB 2101 - Airbus A319-133XCJ (VC-1A), Foto - Lance C Broad
FAB 2101 – Airbus A319-133XCJ (VC-1A) / Foto: Lance C Broad, em caráter ilustrativo

No retorno ao Brasil, proveniente do Equador, quando sobrevoava a região na divisa entre o Amazonas e o Acre, o avião presidencial de Dilma perdeu sustentação e despencou cerca de cem metros.

Conheça as aeronaves executivas da FAB

10
7703771440_4d7f9a8c5a_b
O Grupo de Transporte Especial da FAB possui dois VC-2, versão executiva do Embraer E190 (Foto: Jones Cesar Dalazen)

No momento em que o corte de gastos é uma obsessão no discurso do governo, o mau uso de aeronaves oficiais da Força Aérea Brasileira (FAB) apareceu nas manchetes revelando excessos de parlamentares, ministros e membros do alto escalão político nacional.

FAB: GTE, farra ministerial com uso dos jatinhos continua

16
Embraer VC-99B (EMB-135BJ) / FAB2582 (Foto: Alex Sandro Barbosa)

Não resistiu um dia a medida anunciada semana passada pela presidente Dilma Rousseff para cortar gastos e conter a farra no uso de jatinhos da FAB por ministros.

FAB: GTE, o Táxi Aéreo da Esplanada dos Ministérios

45
FAB2526-Fora-Area-Brasileira-Brazilian-Air-Force-Embraer-ERJ-145
Embraer C-99A (EMB-145ER) / FAB2526 (Foto: Alex Sandro Barbosa)

Ministros voam sozinhos em jatinhos do Grupo de Transporte Especial (GTE) da Força Aérea Brasileira.

Segundo informações divulgadas pela Veja, viagens só com um ministro a bordo – e apenas para voltar para casa – podem ter custo até 44 vezes maior que a média da passagem em voo comercial.

GTE recebe moderno helicóptero EC725 para transporte da Presidência da República

35
O Brigadeiro Juniti Saito e o Ministro da Defesa Celso Amorim participaram da cerimônia de entrega do helicóptero EC725 para o Grupo de Transporte Especial (GTE). (Foto: Helibras)

A presidenta Dilma Rousseff passou a dispor de um novo helicóptero com capacidade de transportar 10 passageiros e três tripulantes, autonomia de quatro horas e trinta minutos de voo e alcance de 630 milhas náuticas. O VH-36 Caracal foi entregue, nesta quarta-feira, ao Grupo de Transporte Especial (GTE), em cerimônia na Base Aérea de Brasília.

O cockpit da nova aeronave H-36 (EC725) do GTE. (Foto: SO José Carlos da Silva)

O moderno equipamento, conhecido internacionalmente como EC-725, faz parte do contrato de R$ 5,2 bilhões para a construção de 50 unidades para as frotas da Presidência da República (2 unidades) e Forças Armadas (48 unidades, 16 para cada Força).

Até então, o fabricante tinha entregado três aparelhos, um para a Marinha, outro para o Exército e outro para a Força Aérea, todos com caracterização militar. A versão entregue hoje à Presidência da República tem configuração civil e será destinada ao transporte de autoridades.

O ministro da Defesa, Celso Amorim, destacou em discurso a importância do governo federal em fortalecer a indústria de defesa. Segundo Amorim, a expectativa é de a fabricante aumentar o percentual de componente nacional na aeronave “se possível, para além daquilo que foi estabelecido no contrato”. O Brasil passa por etapa de incentivo à indústria. De acordo com o Plano Plurianual (PPA), entre 2012 e 2015 estão previstos investimentos de R$ 69,5 bilhões, volume de recursos que desperta diversos segmentos do país.

“Sempre continuaremos acompanhando, não só o processo produtivo, mas a necessidade de que progressivamente haja uma maior nacionalização da produção, quem sabe até para além dos limites contratuais”, disse o ministro Amorim.

Ainda no discurso, o ministro assegurou que há “uma preocupação fortíssima do Brasil, fortíssima da presidenta da República, de que nós precisamos impulsionar a indústria nacional, em particular a indústria de defesa nacional pelo que ela representa pelo país diretamente ou pelo que ela representa como possibilidade de alavancar vários setores da indústria na área de tecnologia de ponta”.

Numa conversa com o ministro, o presidente da Helibras, Eduardo Marson Ferreira, informou que a expectativa é de o índice de nacionalização dos helicópteros chegue a 50% até o ano de 2014. Ferreira contou também que a fábrica deve entregar um novo equipamento totalmente montado na fábrica em Itajubá. As peças e componentes vieram da França, sede da Eurocopter – sócia da Helibras – para serem finalizadas na unidade mineira que o entregará em março de 2014.

Em outubro deste ano, as três forças receberão mais um helicóptero cada e, dentro de 12 meses, sairá o segundo aparelho para a Presidência da República. O executivo demonstrou expectativa de firmar novos contratos, inclusive com o setor privado, o que ampliaria os negócios da companhia.

Novo helicóptero

O novo helicóptero EC725 que fará o transporte da Presidência da República. (Foto: SO José Carlos da Silva)

Batizado de VH-36 Caracal, o novo helicóptero homenageia o felino encontrado na África e Ásia Menor. Semelhante a um lince, mas de maior porte, o Caracal é capaz de saltos verticais de até três metros de altura. Já o VH-36 tem teto de operação de 20.000 FT, capacidade de transportar – na versão VIP – 10 passageiros e três tripulantes, autonomia de quatro horas e trinta minutos e alcance de 630 milhas náuticas. O modelo é a versão mais recente da renomada família Super Cougar/Puma.

Ao integrar a frota do GTE, o aparelho recebeu a denominação de FAB (Força Aérea Brasileira) 8505. O novo helicóptero entra para a história do GTE que ao longo de 71 anos de existência utiliza helicópteros com a finalidade principal de apoio às operações de transporte do presidente da República. Eles são empregados para deslocamento em pontos de difícil acesso ou a locais onde aeronaves convencionais não podem operar.

Em mais de sete décadas, o GTE operou com helicópteros H-13D Bell 47D1, H-13J – Bell 47J1, UH-4 Bell 206 Jet Tanger, VH-55 Esquilo bimotor, VH-34 Super Puma e VH-35 EC 135. De acordo com o histórico do GTE apresentado na cerimônia, até o ano de 2005, os helicópteros faziam parte do acervo do 1º Esquadrão do GTE, juntamente com as aeronaves presidenciais.

Em função das especificidades da operação e a necessidade de se aprimorar a doutrina e o emprego dos helicópteros fizeram com que fosse criado, há sete anos, o 3º Esquadrão do GTE.

Durante a cerimônia, o comandante do 3º Esquadrão, major-aviador Marcelo Filgueiras de Sena, apresentou para as autoridades o contingente de pilotos que vai operar o novo equipamento. Em seguida, Amorim, junto com o comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, e o presidente da fabricante fizeram o batismo do helicóptero.

Participaram a solenidade o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general José Elito, e o chefe do Estado-Maior da Aeronáutica, tenente-brigadeiro Aprígio Eduardo de Moura Azevedo, além de militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica.

Projeto Helibras

O Ministro Celso Amorim recebeu uma maquete do EC725 das mãos do Presidente da Helibras Eduardo Marson. (Foto: SO José Carlos da Silva)

O projeto que resultará na expansão da Helibras teve início em 2008, com a assinatura do contrato com o Comando da Aeronáutica para fornecimento de 50 helicópteros EC-725 para as Forças Armadas. Pelo contrato, no valor total de R$ 5,2 bilhões, as primeiras três unidades serão produzidas pela Eurocopter na França e serão entregues para o governo brasileiro no final de 2010. As obras da nova fábrica em Itajubá estarão concluídas em 2012 e os primeiros helicópteros produzidos no Brasil serão entregues pela Helibras em 2013. O cronograma de entregas vai obedecer a uma escala gradativa de nacionalização que chegará a um mínimo de 50% até a entrega dos últimos helicópteros.

O modelo EC-725 é um biturbina médio da categoria de 11 toneladas, equipado com rotor de cinco pás e tanque de combustível de grande capacidade, resultando em maior autonomia de voo. Foi concebido para desempenhar múltiplas missões, como SAR (busca e resgate) de combate, transporte tático de longa distância, transporte aeromédico, apoio logístico e missões navais.

A transferência de tecnologia permitirá que a Helibras tenha condições de fabricar também o modelo EC225, versão civil do EC725 que vem sendo utilizada nos trabalhos de exploração de petróleo das camadas pré-sal na Bacia de Santos pelas empresas que atendem a Petrobrás.

VÍDEO: Avião presidencial VC-96 chega no Museu Aeroespacial

4
A aeronave que serviu durante 34 anos a FAB no transporte de autoridades, chegou no dia 7 de novembro no Campo dos Afonsos, onde ficará exposto no Museu Aeroespacial (MUSAL), (Foto: FAB)

Depois de 34 anos de serviço ao país, a aeronave VC-96 (Boeing 737) realizou na segunda-feira  (7/11) sua última missão. O avião da Força Aérea Brasileira (FAB) que apoiou o transporte de sete Presidentes da República, no período de 1976 a 2010, foi levado de Brasília para o Rio de Janeiro e incorporado ao acervo do Museu Aeroespacial (MUSAL). O pouso ocorreu às 11 horas no Campo dos Afonsos. Veja a seguir a matéria da Globo sobre a aeronave histórica.

Em 1976, a FAB adquiriu dois aviões Boeing 737, batizados de VC-96, matrículas 2115 e 2116, para a substituição do antigo VC-92 (BAC-111), o primeiro jato do Grupo de Transporte Especial (GTE) e que estava em operação desde 1968 para o transporte presidencial. “A aeronave foi utilizada por 34 anos, transportou sete presidentes e permitiu que o Brasil se fizesse presente no exterior e nos quatro cantos do país”, afirma o Tenente Coronel Aviador Emilio Carlos Ambrogi, Comandante do GTE.

A cabine de comando do Boeing 737 (VC-96) da FAB. (Foto: Agência da Força Aérea)

Da chegada desses aviões ao Brasil, em agosto de 1976, até a sua desativação, em 16 de abril do ano passado, os Boeing 737 da Força Aérea totalizaram mais de 50 mil horas de voo – o equivalente a mais de cinco anos ininterruptos de voo. Ao longo do período de operação, a aeronave passou por processos de modernização, como em 1989, quando teve a parte interna reconfigurada para um melhor cumprimento da missão.

A cabine reservada para a comitiva durante as missões governamentais. (Foto: Agência da Força Aérea)

Durante quase 10 anos, os VC-96 dividiram espaço nos hangares do GTE, em Brasília, e a honra de transportar presidentes com outra aeronave que já faz parte do acervo do MUSAL: o Vickers Viscount 789D (VC-90), que foi desativado na gestão do presidente João Figueiredo. O avião recebido pelo MUSAL, matrícula 2115, realizou mais de 20 mil pousos em missões de transporte presidencial.

Em 1980, o Boeing 737 da FAB realizou uma de suas missões mais lembradas: o VC-96 prefixo FAB 2116 percorreu 11 Estados transportando o Papa João Paulo II.

As duas aeronaves VC-96 que operavam no GTE foram substituídas por novos jatos da Embraer. (Foto: Agência da Força Aérea)

Os dois VC-96 (Boeing 737) foram substituídos no ano passado por modernas aeronaves VC-2 EMBRAER 190.

Ficha Técnica:
Comprimento – 30,48 m
Envergadura: 28,35 m
Altura: 11,28 m
Velocidade Máxima: 747 km/h

SAIBA MAIS – Museu Aeroespacial ( www.musal.aer.mil.br ) 

Fonte: Agência Força Aérea

 

IMAGEM: O Embraer Lineage 1000 emprestado para Força Aérea Brasileira

9
O jato executivo Lineage 1000 (cn 19000177) cedido temporariamente pela Embraer para a Força Aérea Brasileira. (Foto: Ricardo Hebmuller / Aeroentusiasta)

Conforme divulgado anteriormente aqui no Cavok, o GTE (Grupo de Transportes Especiais) da Força Aérea Brasileira recebeu da Embraer um jato executivo Lineage 1000, que será utilizado para o transporte VIP do governo brasileiro enquanto as duas aeronaves EMB-190 (VC-2) estiverem passando por manutenção programada nos próximos meses. O jato Lineage já recebeu a pintura temporária e a única diferença em relação as duas aeronaves padrão EMB-190 é que não possui nome de batismo. Os dois VC-2 possuem matrículas 2590 e 2591, e o Lineage recebeu a matrícula 2592, bem como a mesma designação na FAB, VC-2. A imagem acima, feito pelo fotógrafo Ricardo Hebmuller, foi cedida pelo amigo Fábio Fonseca, editor do ótimo site AeroEntusiasta.

Cavok nas redes sociais

62,536FãsCurtir
340Inscritos+1
6,534SeguidoresSeguir
2,505SeguidoresSeguir
10,510SeguidoresSeguir
2,780InscritosInscrever
Anúncios