Tags Post com a tag "Hornet"

Tag: Hornet

VÍDEO: Câmera onboard em um F/A-18 Hornet suíço durante o AXALP 2017

3
Visão da cabine do caça Hornet durante o AXALP 2017.

No dia 12 de outubro foi realizado mais uma vez o anual exercício de disparo da Força Aérea Suíça AXALP, onde caças e helicópteros realizam disparos com canhões e missões de resgate junto aos Alpes Suíços. A equipe de demonstração Swiss Hornet Display Team divulgou um vídeo bem interessante, que mostra a visão do piloto a bordo do caça F/A-18 Hornet durante uma passagem no exercício realizado anualmente em Bernese Oberland.

VÍDEOS E IMAGENS: Operações de Hornets e Gripens em rodovias na Finlândia no Baana 16

19
Caças Hornets da Força Aérea da Finlândia realizaram o exercício BAANA 2016, a partir de uma rodovia na Finlândia.
Caças Hornets da Força Aérea da Finlândia realizaram o exercício Baana 2016, a partir de uma rodovia na Finlândia.

A Força Aérea Finlandesa organizou o exercício Baana 16, que ocorreu entre os dias 23 de setembro e 1º de outubro de 2016, onde puderam ser realizadas operações de pousos e decolagens a partir da Base de Lusi, localizada ao lado de uma rodovia, e da Base Aérea de Rissala. Nesse exercício participaram aeronaves de caça Gripen da Força Aérea da Suécia.

VÍDEO: F/A-18 Hornets e Super Hornets em ação!

36

Esse vídeo espetacular vai fazer você se sentir à bordo dos F/A-18 Hornet e Super Hornet operados desde o porta-aviões USS Enterprise (CVN 65).

Lockheed Martin recebe contrato para integrar JASSM nos caças F/A-18 Hornet da Força Aérea da Finlândia

2
Um caça F/A-18 Hornet durante teste de integração do JASSM. (Foto: NAVAIR)

A Lockheed Martin recebeu um contrato de US$ 5,1 milhões da Força Aérea dos EUA, através do canal de Vendas Militares Estrangeiras (FMS), para apoiar a integração do JASSM (Joint Air-to-Surface Standoff Missile) para as aeronaves F-18C/D Hornets da Força Aérea da Finlândia.

O contrato é para a primeira fase de um esforço de seis anos de desenvolvimento de software e suporte à integração nas aeronaves. Assinaturas de contratos adicionais são esperadas para as fases restantes de apoio à integração, aquisição de mísseis e de apoio pós-produção. A Finlândia é o segundo cliente internacional para o JASSM, seguindo o governo australiano, que se tornou o primeiro cliente de exportação em fevereiro de 2006.

“O JASSM desempenha um papel fundamental ao oferecer para os aliados militares a flexibilidade operacional, confiabilidade e eficácia necessárias para completar as suas missões”, disse Alan Jackson, diretor da divisão de sistemas de mísseis de ataque e de controle de armas da Lockheed Martin. “A equipe tem trabalhado duro para ser capaz de entregar essa capacidade vital e acessível aos nossos parceiros aliados.”

A integração JASSM vai coincidir com o programa de atualização MLU 2 (Mid-Life Update) das aeronaves F-18 da Força Aérea da Finlândia. A Marinha dos EUA vai liderar o esforço de integração em coordenação com a Força Aérea dos EUA, Lockheed Martin e da Força Aérea da Finlândia. As atividades de integração vão ocorrer na Divisão de Armas do Centro de Guerra Aérea Naval em China Lake, na Califórnia

O contrato está alinhado com o recente contrato de produção do Lote 10 de JASSM usando economias de escala, redução de custos, tanto para o Governo dos EUA como da Finlândia. O JASSM integrado nos jatos
F-18C/D permite que a Finlândia possa cumprir o seu papel de defesa regional, bem como com a comunidade europeia e na parceria com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) nas missões de responsabilidade de paz.

A assinatura do contrato ocorre após vários últimos feitos do programa JASSM, incluindo a assinatura do contrato do Lote 10, a certificação do JASSM com os F/A-18F Super Hornet da Real Força Aérea Australiana (RAAF) e integração bem sucedida nos F-15E Strike Eagle da Força Aérea dos EUA.

O JASSM está integrado nas aeronaves B-1, B-2, B-52, F-16 e F-15E da USAF e nos Super Hornets australianos. Esforços futuros de integração incidirão sobre as versões americanas e internacionais do Lockheed Martin F-35 Lightning II e outras plataformas internacionais.

Solicito um minuto da atenção de você leitor do Cavok. Estamos tendo despesas elevadas com servidores devido ao alto tráfego gerado mensalmente, e precisamos da ajuda de todos para continuar mantendo o site estável e permanentemente no ar. Sem a ajuda de vocês, fica inviável manter o Cavok, já que infelizmente as empresas aeronáuticas brasileiras até o momento não anunciaram no nosso site, mesmo sendo o Cavok uma das maiores referências sobre notícias de aviação do país, reconhecido inclusive internacionalmente, e um dos sites de aviação mais visitados do país, senão o maior. Para contribuir, utilize as formas de pagamento online abaixo ou nos botões localizados na barra lateral.




Desde já meu muito obrigado.

Fernando Valduga

Enhanced by Zemanta

IMAGENS: Equipe de demonstração CF-18 do Canadá realiza dois shows aéreos em duas nações durante um único voo

2
A equipe de demonstração CF-18 Hornet do Canadá realizou dois shows aéreos completos no dia 31 de agosto, com a aeronave realizando apenas um voo, iniciando pelo Canadá, em Toronto. (Foto: DND)

O Capitão Patrick “Paco” Gobeil, piloto em 2012 da equipe de demonstração CF-18 Hornet da Força Aérea Canadense, acrescentou mais um feito à sua lista de realizações durante o final de semana do Dia do Trabalhador no Canadá (dia 31 de agosto), quando ele voou demonstrações aéreas em dois shows aéreos separados em duas nações num único vôo.

O caça CF-18 Hornet, com o Capitão Patrick “Paco” Gobeil realizou duas apresentações completas em duas cidades durante um único voo, num deles sobrevoando as Cataratas do Niágara. (Foto: Attila Papp / RCAF)

“Este foi um feito inédito para nós, por isso era muito importante fazer tudo funcionar direito”, disse o capitão Bruce Ehmann, coordenador de eventos especiais junto a Divisão Aérea Canadense 1, em Winnipeg.

A aeronave sobrevoou diversos pontos conhecidos de Toronto, como o Rogers Centre e a CN Tower.

Operando dentro de uma janela de apenas duas horas, e com a ajuda de um avião tanque CC-130H Hercules do Esquadrão de Resgate e Transporte 435, da Ala 17 de Winnipeg. O Capitão Gobeil representou as forças canadenses em Toronto e em Cleveland, Ohio, durante um único vôo. E ele fez isso três dias em sequência.

O CF-18 Hornet de demonstração da Real Força Aérea do Canadá durante o voo entre Toronto e Cleveland no dia 31 de agosto. (Foto: Attila Papp / RCAF)

A equipe começou o planejamento para o vôo único ainda em dezembro de 2011.

“Havia uma grande quantidade de peças em movimento no plano, como iríamos equilibrar as apresentações com os requisitos operacionais”, explicou o capitão Ehmann. “Mesmo com todo o nosso planejamento minucioso e coordenação, no final o tempo e a manutenção das aeronaves são os dois principais fatores que afetam a nossa capacidade de realizar tantos shows aéreos ao mesmo tempo.”

A aeronave fez uma demonstração de reabastecimento aéreo em Toronto.

Para a alegria de todos, funcionou perfeitamente.

O Capitão Gobeil realizou duas apresentações em cada local: a normal, a demonstração tática com o CF-18 e uma demonstração simulada de reabastecimento ar-ar. Entusiastas de Toronto e Cleveland entraram na página do Facebook da equipe para compartilhar fotos das apresentações do fim de semana, com ambas as demonstrações táticas e de reabastecimento com muitos elogios.

A aeronave CF-18 partiu então de Toronto e seguiu para Cleveland, mas antes precisou reabastecer em voo.

Após o Capitão Gobeil deixar o Canadian International Air Show, em Toronto, seu CF-18 foi reabastecido sobre o Lago Ontario para dar-lhe as 17.800 libras de combustível que precisava para voar para o Cleveland National Air Show e executar as duas demos tudo de novo. Em seguida, ele reabasteceu novamente durante o vôo de volta a Toronto.

A aeronave Hornet recebeu combustível em voo de um CC-130H da Força Aérea Canadense.

Realizando apenas uma demonstração tática do CF-18, até uma vez por dia, é uma tarefa muito exigente, que desafia o Capitão Gobeil, tanto física como mentalmente.

Após receber combustível em rota, “Paco” partiu com o Hornet para a demonstração em Cleveland.

“Voando a demo é muito intenso em Gs, no entanto, nesta fase da temporada eu construí a minha tolerância ao ponto em que eu poderia fazer ambos os shows”, disse ele. “Eu estava muito cansado depois, mas ao mesmo tempo eu estava realmente animado sobre o vôo nos dois shows,” ele continuou. “O esforço valeu a pena, porque era uma oportunidade muito especial para aumentar a visibilidade da equipe de demonstração CF-18 e da RCAF com nossos amigos ao sul da fronteira.”

O Capitão “Paco” Gobeil, fotografado com uma câmera montada no painel, durante sobrevoo do Estádio do Cleveland Browns.

A equipe de demonstração CF-18 personifica a excelência necessária para manter a Real Força Aérea Canadense entre as melhores organizações de aviação do mundo. A perícia e dedicação necessária pela equipe, do piloto, até das equipes de manutenção e dos coordenadores, reflete o profissionalismo de todos os aviadores e militares do Canadá.

Enhanced by Zemanta

VÍDEO: Dois pilotos australianos de corrida participam de um combate aéreo simulado com caças Hornets da RAAF

2

A Real Força Aérea Australiana (RAAF) convidou dois pilotos australianos de corrida para participarem de uma simulação de um dogfight com caças F/A-18B Hornets. Os dois pilotos da categoria “V8 Supercar“, Garth Tander e Shane Van Gisbergen, tiveram a oportunidade de participar desse interessante voo durante o evento Supercheap Auto Bathurst 1000 que ocorre esta semana na Austrália.

O piloto de corrida Garth Tander em frente ao caça F/A-18B Hornet da RAAF.

Tander e Van Gisbergen experimentaram forças Gs extremas nos caças F/A-18 que foram pilotados pelo Squadron Leader Jason ‘Easty’ Easthope e pelo Flight Lieutenant Jason ‘Crossy’ Cross, decolando da base da RAAF de Williantown (30 km ao norte de Newcastle).

Enhanced by Zemanta

Força Aérea Australiana poderá ter que manter voando seus caças F/A-18 Hornets além de 2020

5
Os caças F/A-18 Hornets da Real Força Aérea Australiana (RAAF) poderão ter que permanecer na ativa além de 2020. (Foto: RAAF)

Os envelhecidos caças F/A-18 Hornet da Real Força Aérea Australiana poderão ter que ficar no serviço além de 2020, devido a atrasos na chegada do novo Joint Strike Fighter (JSF), conforme detectou um relatório de auditoria.

O Escritório de Auditoria Nacional da Austrália (ANAO) disse que há um limite para o quanto a defesa poderia estender a vida útil dos F/A-18 Hornet para cobrir os atrasos ainda maiores do JSF.

Isso seria caro e pode resultar numa capacidade reduzida, informou o escritório.

Ainda este ano, a defesa apresentará opções na gestão da transição, incluindo uma extensão limitada da data de retirada planejada de 2020 dos Hornets mais antigos, que entraram em serviço em meados de 1980.

Comprar mais Super Hornets, além dos 24 agora em serviço, também é passível de ser considerado, para garantir que não haja diferença de capacidade entre a aposentadoria dos mais velhos Hornets e da introdução do JSF.

O escritório de auditoria disse que a vida operacional do F/A-18 era susceptível de ser prorrogada.

Mas seria um desafio coordenar a altamente complexa e cara aquisição e introdução ao serviço do JSF, com a manutenção dos avião mais antigos, para garantir que não exista diferença de capacidade, ele disse.

A Austrália está visando comprar até 100 caças Lockheed Martin F-35 Lightning II (JSF) como principais aviões de combate da RAAF, num negócio avaliado em cerca de US$ 13 bilhões.

Até agora, ela está firmemente empenhada em receber apenas dois, que serão entregues em 2014.

O escritório de auditoria, disse que o desenvolvimento do JSF tinha procedido mais lento e com maior custo do que a primeira estimativa, e a sua avançada tecnologia fez com que o Departamento de Defesa dos EUA tivesse dificuldades em avaliar o prazo e o custo de desenvolvimento e operação das aeronaves JSF.

“Embora as estimativas atuais de desempenho do F-35 sejam semelhantes as exigidas, o desempenho não será plenamente demonstrado até a conclusão do teste operacional inicial e avaliação, atualmente esperado para fevereiro de 2019,” disse ele.

Ele citou as últimas estimativas de custos, com cada JSF custando US$ 131,4 milhões em 2012, caindo ligeiramente para US$ 127,3 milhões no próximo ano e chegando a US$ 83,4 milhões em 2019, como o aumento da taxa de produção.

Fonte: The Australian News – Tradução: Cavok

Enhanced by Zemanta

Cavok nas redes sociais

47,156FãsCurtir
340Inscritos+1
1,211SeguidoresSeguir
8,397SeguidoresSeguir
549InscritosInscrever
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.