Tags Post com a tag "porta-aviões"

Tag: porta-aviões

Medida do Reino Unido poderá ver aeronaves Rafale da França nos porta-aviões britânicos

17
A França estuda operar seus caças Rafale M nos novos porta-aviões britânicos.

A decisão do Governo do Reino Unido de equipad com catapultas seus dois novos porta-aviões abriu a possibilidade dos caças franceses Dassault Rafale operarem a bordo das embarcações britânicas, com a reciprocidade das aeronaves inglesas utilizarem o convés de voo do porta-aviões francês, disse o Ministro de Defesa da França Hervé Morin, durante uma entrevista na exibição Euronaval, nesse dia 26 de outubro, na França.

Morin solicitou a sua equipe de militares franceses para verificar se a instalação das catapultas poderia permitir que as aeronaves francesas, como o Rafale, poderiam operar a bordo da embarcação da Royal Navy, e a resposta foi: “Sim, isso é tecnicamente viável,” disse ele aos jornalistas.

Isso abriu uma potencial oportunidade de uma interoperabilidade e de interdependência mútua entre as frotas britânicas e francesas, disse ele. Com tal cruzamento de operações embarcadas veio a possibilidade de uma “permanente presença no mar,” disse ele. “Nós temos uma complementaridade de executar isso.”

Morin, no entanto, disse que a decisão francesa, se fabricará um segundo porta-aviões, chamado de porte-avions 2 ou PA2, será tomada no final de 2012 ou começo de 2013. Até o momento, o Presidente Nicolas Sarkozy apenas disse que tal decisão poderia ser tomada em 2011 ou 2012.

Mas o dinheiro está curto, e as eleições presidenciais serão realizadas em 2012, existindo a probabilidade de que Morin tenha redefinido o nova data, disse um membro da defesa.

Privativamente, os membros da Marinha Francesa estão encantados com a possibilidade de os britânicos operarem porta-aviões convencionais, ao invés de um convés de voo projetado para aeronaves de decolagem vertical como o Sea Harrier.

Um oficial disse que leva algo como 25 anos para se aprender como operar um porta-aviões de verdade. “Eu ficarei feliz se isso for acelerado para 10 a 15 anos” disse o oficial. A Marinha da França, a qual opera com o porta-aviões Charles de Gaulle, poderia ajudar com o treinamento das tripulações britânicas.

A Marinha Francesa tinha estado sem utilizar o Charles de Gaulle por três anos após uma programada revisão do reator nuclear e um trabalho de revisão. Durante este tempo, os pilotos da Frota Aérea da Marinha da França voava nos EUA para manter-se com as horas de voo em dia.

As expectativas são altas de que os anúncios de uma cooperação militar sejam feitos durante o encontro Anglo-Francês no dia 2 de novembro, quando Sarkozy e o Primeiro Ministro Britânico David Cameron se encontrarão em Portsmout, na Bretânha.

Fonte: Defense News – Tradução: Cavok

Anúncios

Porta-aviões francês Charles de Gaulle cancela deslocamento para missão no Afeganistão um dia após partir

6
Os caças Rafale e Super Etendart a bordo do porta-aviões francês Charles de Gaulle partirão para o Afeganistão onde apoiarão as missões da OTAN.

A principal embarcação da Marinha Francesa e único porta-aviões da frota havia partido nessa quarta-feira para uma missão de quatro meses onde combateria a pirataria no Oceano Índico e apoiaria as tropas da OTAN no Afeganistão, mas uma falha técnica forçou a embarcação francesa a retornar para o porto de origem menos de um dia após ter partido, informou a marinha nesse dia 14 de outubro.

O porta-aviões nuclear Charles de Gaulle e seu grupo de escolta – duas fragatas, um submarino de ataque e um navio de reabastecimento –  partiram e retornaram do porto de Toulon, após o Charles de Gaulle ter passado uma grande reforma que durou vários meses. Segundo o porta-voz da marinha Capt. Hugues d’Argentre, o porta-aviões agora deverá permanecer mais alguns dias para consertar o problema detectado.

“Uma falha foi encontrada no isolamento de um painel elétrico no sistema de propulsão,” informou o oficial.

No total, o grupo de bataçha levará 3.000 marinheiros e 27 aeronaves: 10 caças Rafale F-3, 12 jatos de ataque Super Etendard, duas aeronaves AEW Hawkeye e três helicópteros.

O Contra Almirante Jean-Louis Kerignard, comandante do grupo, disse que a força ajudará os navios aliados a combater os piratas na costa da Somália e enviará jatos para apoiar as missões aéreas da OTAN no Afeganistão.

As embarcações depois de partirem também treinarão juntamente com as forças aliadas da Arábia Saudita, Índia, Itália, Grécia e Emirados Árabes Unidos e farão duas escalas na base francesa no Djibouti antes de retornarem para França em fevereiro de 2011.

Helicópteros Apache do Exército Real Britânico pousam a bordo do HMS Ark Royal durante exercício

0
Os helicóteros de ataque Apache do Army Air Corps a bordo do porta-aviões da Royal Navy HMS Ark Royal. (Foto: POA(Phot) Ray Jones, Crown / MoD UK)

Um destacamento do Exército Real Britãnico de helicópteros de ataque Apache pousaram a bordo do navio de guerra da Royal Navy HMS Ark Royal para participar do Exercício Joint Warrior no mês de outubro.

Sendo uma incomum visão – os Apaches são utilizados intensivamente pelo Corpo Aéreo do Exército em operações de pouso mas nas últimas poucas semanas eles treinarão para expandir sua experiência no mar e com as capacidades de operar em conjunto com a Royal Navy.

Assim como está sendo relativamente uma nova experiência para as três aeronaves e dez pilotos, também tem um apoio aos tripulantes de 120 engenheiros e mantenedores do Regimento 4 do Army Air Corps a bordo do porta-aviões baseado em Portsmouth. Trabalhando contra o tempo para garantir a segurança das aeronaves, essa será a primeira vez no mar para a maioria dos soldados.

O formidável poder de fogo e a capacidade de rastrear alvos do Apache já foram demonstradas com impressionante efeito nos combates no Afegansitão, e enquanto a bordo do HMS Ark Royal, este destacamento do Exército Britânico explorará como essas capacidades podem ser ainda mais extendidas através da operação a partir de uma plataforma naval.

Durante o Exercício Joint Warrior, o qual está sendo realizado na costa oeste da Escócia, os pilotos irão inicialmente gastar seu tempo se aclimatando as dificuldades únicas as quais surgem quando operando no mar, efetuando pousos no convés de voo numa variedade de condições.

Uma vez que esse processo esteja completo, os Apaches irão participar de uma guerra simulada de pequena escala, atacando alvos terrestres numa série de assaltos planejados, lançados e direcionados pelo HMS Ark Royal.

O Comandante Rocky Salmon, Comandante de Operações Aéreas do HMS Ark Royal, disse: “Ser capacitado a operar uma ampla gama de aeronaves a partir do porta-aviões destaca nossa flexibilidade no ambiente de operação conjunta e os Apaches nos oferecem essa incrível capacidade. O foco desse período será de garantir a integridade do Esquadrão 656 no HMS Ark Royal, oferecendo a seus tripulantes uma experiência no convés de voo e desenvolvendo procedimentos táticos para o futuro.”

Fonte: Army Air Corps – Tradução: Cavok

VÍDEO: Operação dos caças russos Su-33 a bordo do Kuznetsov

3

Vídeo bem interessante mostrando as operações dos caças Su-33 da Marinha Russa a bordo do porta-aviões Admiral Kuznetsov. O tamanho dos caças perto do porta-aviões passa a impressão que não tem muito espaço no convés de voo. O porta-aviões Kuznetsov recentemente voltou a ativa após passar por uma completa revisão. O único porta-aviões em operação com a Marinha Russa começou a operar em 1991, e pode levar entre 41 e 52 aeronaves de combate, entre caças e helicópteros, sendo 12 unidades do Sukhoi Su-33.

Porta-aviões Admiral Kuznetsov da Rússia preparado para operar novamente após revisão

0
O porta-aviões russo Admiral Kuznetsov, com suas aeronaves de caça Su-33 Flanker e helicópteros anti-submarino, volta a operar nesse mês de setembro, após um período em revisão na Rússia. (Foto: Oleg Lastochkin / RIA Novosti)

O único porta-aviões russo, o Admiral Kuznetsov, deixou a sua doca seca após os reparos programados e está pronto para uma missão de treinamento no Mar de Barents, informou a Frota do Norte num comunicado.

“O porta-aviões Admiral Kuznetsov nevagará para o Mar de Barents no final de setembro numa missão de treinamento relevante para sua tarefa principal,” disse o comunicado.

O navio de guerra foi atribuído a Frota do Norte da Marinha Russa em janeiro de 1991. Ele é capaz de transportar 26 caças embarcados Su-33 Flanker-D e MiG-29K Fulcrum-D, e 24 helicópteros anti-submarino.

A próxima missão deverá provavelmente envolver um programa compreensivo de treinamento de pilotos navais para adicional desenvolvimento das técnicas adquiridas pelos pilotos no Centro de Treinamento de Pilotos Navais de Nitka, na Ucrânia.

O Admiral Kuznetsov deve entrar novamente nas docas do estaleiro de Sevmash em 2012 para uma completa modernização, a qual irá durar pelo menos cinco anos.

A Rússia está visando terminar os projetos para um novo porta-aviões nuclear para sua Marinha até 2012 e fabricar pelo menos três desses navios para suas frotas do Norte e do Pacífico.

Fonte: RIA Novosti – Tradução: Cavok

Reino Unido estuda aquisição de porta-aviões com sistema de catapultas para aeronaves

0
O modelo do F-35 a bordo do porta-aviões HMS Illustrious da Royal Navy.

Os pilotos da Royal Navy (Marinha Real do Reino Unido) foram enviados para os EUA para treinar em caças à jato lançados em catapultas – aumentando as especulações de que aeronaves de menor custo serão adquiridas para os novos porta-aviões baseados em Portsmouth. Dois porta-aviões da classe Queen Elizabeth estão sendo preparados para possuir 150 caças F-35 Joint Strike Fighter (JSF) a bordo.

Os caças da Lockheed Martin usarão uma técnica similar a dos caças Harrier, de decolagem curta e pouso vertical. Mas o custo estimado tem crescido drásticamente nos últimos nove anos chegando a £262 bilhões.

O Ministério da Defesa do Reino Unido (MoD UK) confirmou um grupo de 12 pilotos da Royal Navy que estão passando por um treinamento com o U.S. Marine Corps num período de oito anos – incluindo treinamento de decolagem lançada por catapultas em caças a jato F/A-18 Hornet.

Supõe-se que isso seja parte de uma revisão do governo para os gastos de defesa, que o Ministério de Defesa esteja avaliando outras opções e que pretende adquirir uma versão mais barata, o modelo do F-35 lançado através de catapultas. O Reino Unido negou estar excluindo a compra de algum tipo de caça.

Mas a especialista em conversão depotência, Converteam, disse que recebeu um contrato de £650.000 do MoD UK para desenvolver um sistema de catapulta eletromagnética adequada para os novos porta-aviões.

O parlamentar de Portsmouth South, Mike Hancock, que faz parte do comitê de defesa, disse: ‘Faz um longo tempo desde que os navios britânicos tinham caças lançados por catapultas então os pilotos poderão precisar de treinamento se esta direção for a que tomaremos. Existem muitas perguntas ainda sem respostas.

‘Ainda não está certo se os Joint Strike Fighters serão a escolha para nossas operações e eles são extremamentes caros e no momento o MoD está a procura de redução de custos.

A decisão contratual de qual modelo de F-35 a ser adquirido não deve ser tomada antes de 2011.

A fabricantes dos porta-aviões BAE disse que os navios não necessitarão significativas modificações pois eles são projetados para serem plataformas flexíveis.

Mas um porta-voz do MoD disse que “seria errado supor” que ele tinha uma preferência por uma versão do F-35 lançado por catapulta.

Os novos porta-aviões devem entrar em operação entre 2016 e 2018.

Fonte: Portsmouth News – Tradução e Adaptação do texto: Cavok

Força Aérea da Rússia receberá dezenas de helicópteros se for fechada a aquisição do Mistral

4
A Rússia pretende adquirir dezenas de helicópteros da Kamov, como o Ka-52 Alligator (foto acima) se o negócio de compra dos navios franceses da classe Mistral for concretizado.

A Força Aérea Russa receberá dezenas de helicópteros classe Ka se a Rússia adquirir o navio porta-helicópteros da Classe Mistral da França, disse um vice-diretor de uma empresa do setor de aviação da Rússia nessa segunda-feira.

A Rússia está negociando a compra de pelo menos um navio de assalto amfíbio da classe Mistral, fabricado na França e planeja fabricar mais três navios da mesma classe em parceria com a fabricantes de navios DCNS da França.

“Durante uma visita de um navio Mistral a St. Petersburg [em novembro], nós testamos o pouso de nossos helicópteros Ka-27 Helix e Ka-52 Alligator na embarcação. Atualmente , o programa estatal de armamentos estipula a compra de várias dezenas de helicópteros para este negócio,” disse Vyacheslav Kovalyov, o principal diretor da Kumertau Aviation Production Enterprise.

Ele adicionou que a Força Aérea da Rússia estava planejando adquirir os helicópteros Ka-52 Alligator, Ka-226 Hoodlum e uma nova modificação do Ka-27 Helix, o Ka-27M, o qual o desenvolvimento está agora no estágio final.

Um alto membro da United Industrial Corporation (OPK) da Rússia confirmou que a Força Aérea do país estava prestes a adquirir até 100 helicópteros da Classe Ka, incluindo cerca de 70 unidades do Ka-27M, para equipar os naviso da classe Mistral.

Um navio da classe Mistral é capaz de transportar e deslocar 16 helicópteros, -class ship is capable of transporting and deploying 16 helicopters, quatro barcaças de desembarque, até 70 veículos blindados, incluindo 13 tanques de batalha, e 450 soldados.

Os militares da Rússia disseram que planejam utilizar os navios da classe Mistral na suas frotas do Pacífico e do Extremo Norte.

Muitos analistas da indústria e militares da Rússia vem questionando o sentido financeiro e militar da aquisição, e alguns acreditam que a Rússia simplesmente pretende ganhar acesso a avançada tecnologia naval que poderia ser utilizada no futuro em potenciais conflitos com a OTAN e seus aliados.

Em abril, o chefe do Serviço Federal para Cooperação Militar e Técnica, Mikhail Dmitriev, disse que o negócio do Mistral estaria concluido no final desse ano.

Fonte: RIA Novosti – Tradução: Cavok

Cavok nas redes sociais

61,070FãsCurtir
340Inscritos+1
6,125SeguidoresSeguir
10,510SeguidoresSeguir
2,150InscritosInscrever
Anúncios