Caça F-16 da Força Aérea da Taiwan.

A Força Aérea de Taiwan (Força Aérea da República da China) voltou a se esforçar para impedir a aproximação de aeronaves chineses, no mais recente aumento da tensão militar entre Pequim e a ilha que a China afirma ser sua.

No segundo incidente desse tipo em dois meses, a Força Aérea de Taiwan enviou seus caças F-16 Fighting Falcon para interceptar aeronaves de combate da Força Aérea do Exército de Libertação Popular da China (PLAAF).

Os jatos foram supostamente enviados para acompanhar aeronaves de alerta aéreo antecipado KJ-500 escoltadas por caças de superioridade aérea ??J-11, que haviam voado perto das águas a sudoeste de Taiwan para exercícios noturnos.

Aeronave de alerta aéreo antecipado KJ-500 da PLAAF.

O Ministério da Defesa de Taiwan declarou sobre o incidente: “Depois que nossas aeronaves de patrulha e reconhecimento aéreo responderam adequadamente e transmitiram (uma ordem) para afastá-las, as aeronaves comunistas voaram para longe da nossa Zona de Identificação de Defesa Aérea”.

Taiwan se queixou repetidamente de que a China intensificou seus exercícios perto da ilha, quando deveria concentrar seus esforços no combate à disseminação do coronavírus.

A China disse que esses exercícios devem proteger sua soberania e enviar um aviso de que não tolerará nenhum movimento em direção à independência formal de Taiwan.

Hoje em dia, Taiwan enfrenta um equilíbrio cada vez mais desfavorável de poder aéreo, de uma quase paridade com a PLAAF nos anos 80, agora enfrentando uma grande desvantagem quantitativa e qualitativa.

Os caças J-11B chineses possuem capacidades superiores ao F-16 em todo o espectro, incluindo mísseis ar-ar de longo alcance, um radar mais forte, maior carga útil e alcance de armas e melhor velocidade, altitude e manobrabilidade.

Jato J-11 da PLAAF. (Foto: Staff Sgt. D. Myles Cullen / DoD)

Os motores do J-11B produzem o dobro do empuxo que o F110 do F-16, e os caças deixam os jatos de Taiwan em uma grande desvantagem.

No passado, a PLAAF empregou caças mais capazes perto de Taiwan, como o Su-35 e o J-20, que representam uma ameaça ainda maior que o J-11B e deixam os jatos de Taiwan em desvantagem ainda maior.

Taiwan, por sua vez, tem apenas um plano muito conservador para modernizar suas capacidades de guerra aérea, que inclui a integração de novos radares e aviônicos em seus F-16, a compra de novos F-16 construídos com o padrão atualizado e o desenvolvimento do caça leve nacional Brave Eagle.

Anúncios

3 COMENTÁRIOS

  1. Pois é ou Taiwan faz o dever de casa ou vai tomar chute no popozão, como dizemos pras crianças, enfim a vida mostra em vários lugares os ensinamentos que todos podem adquirir mas poucos dão o devido valor a elas, estamos seguindo para um futuro onde as riquezas de um país se torna sua natureza como, água potável, ventos, minérios, etc. Esta mais do que na hora do Brasil acordar e começar a ter uma poder de dissuasão maior e com meios tecnológicos mais avançados, temos os meios, a grandeza e principalmente a capacidade mas o que não temos é a vontade de fazer acontecer e isso é que pode ser a nossa derrocada.