Um caça Ching-kuo IDF da Força Aérea Taiwan. (Foto: AIDC)

Segundo fontes bem informadas a Força Aérea de Taiwan vai receber o primeiro lote de 70 caças F-CK-1G Ching-kuo IDF (Indigenous Defense Fighters) no final deste mês.

O avião, também conhecido como caça Ching-kuo, terá maior poder de ataque ar-superfície e estão sendo atualizados na Aerospace Industrial Development Corp (AIDC), em Shalu. O primeiro lote será entregue para a Ala 443 da Base Aérea de Tainan, no sul de Taiwan.

Anúncios

17 COMENTÁRIOS

  1. Sempre preferi o Gripen pelo lado estratégico, junto ao F-18, mesmo que para mim o Gripen oferecesse maior liberdade em armamento, o que seria ótimo para a nossa industria bélica sair da cova e ressuscitar.

    Mas agora creio que o governo só quer mesmo é que as nossas forças armadas virem um lixão, assim como as da Argentina. Tão logo prometem grandes investimentos, já corregem enormes cortes de orçamento, até mesmo para o setor espacial, algo que é prioritário em qualquer país desenvolvido e os que almejam este posto.

    Agora só resta lamentar e ver os avinhõesinhos dos outros países.

    O que isso tem haver com essa matéria? Tudo!

    À começar pelo fato da coreia fazer ótimas parcerias, ao contrário do Brasil, que em qualquer parceria que faz, sempre sai perdendo.

    Não aguento mais nossos ministros e agentes fazendo pacto com os piores fornecedores. Parece até que é de propósito.

    • Não é "coreia", mas Suécia, por exemplo, usando tecnologia dos motores americanos em seus jatos. Nem os americanos usam tudo 100% nacionais americanos. Eles não seriam loucos de barrar o motor,pois teriamos outros parceiros que, a visão americana, é assustador para eles, como Rússia e China. Eles ganhariam até mais nos cedendo liberdade da motorização e aviônicas, coisa que esse governo nosso, antiamericano como sempre, mas que toma wisk no jatinho olhando o horizonte, não percebe, ou não faz questão mesmo.
      Eu digo por mim, que me baseio em fatos, não ideologias e como diz o ditado, "contra fatos, não há argumentos".

  2. Bruno falou tudo e falou bonito é a mais pura verdade,quando falo contra os cacinhas da FAB falta pouco em baterem aqui,deu certinho o lixão da FAB,olha que os pilotos são heróis,acho que eles estão com inveja da Argentina,só pode.Mais Taiwain sempre tem a ameaça da China.Nossa se eu tivesse nascido em Taiwan eu morreria de medo.

  3. Caro Paulo,

    Esse caça não é um F-16, é um modelo de fabricação própria deles, mas com ajuda da indústria americana. O desempenho seria um pouco melhor que os F-5, apesar que bem mais modernos.

    []'s

  4. Interessante esta postagem!

    Ontem mesmo, por curiosidade estava lendo sobre o TA-50. E este é mais um projeto de um país oriental que conta com a colaboração dos EUA. Fiquei impressionado com as características da aeronave, que é oficialmente classificado como uma aeronave Lift, mas possue pós-combustão, velocidade máxima de Mach 1.5 , capacidade de levar até 4,5 t em armamentos e vem equipados com o motor GE 404. Utiliza atualmente um radar E/LM 2032, porém já está em curso a integração de um radar AESA. Tudo isto por US$ 25 milhões a unidade.

    Avaliando suas capacidades, fiquei realmente imprecionado com esta aeronave que é em muito superior a qualquer outro Lift do mercado, podendo ser uma ótima opção para Forças Aéreas com baixos orçamentos.

    O mais interessante é que este Lift é, em muitos aspectos, superior a maioria das aeronaves que hoje estão em serviço na América Latina, inclusive na FAB. A FAB necessitará de 120 aeronaves para substituir seus atuais vetores nos próximos anos. Dependendo da escolha do vencedor do FX2, dificilmente conseguiremos chegar a esta quantidade. Talvez esta possa ser uma solução boa e barata para equiparmos 1 a 2 esquadrões da FAB. Desde a retirada dos Xavante de serviço, carecemos de uma aeronave de treinamento avançado e nada melhor que suprirmos esta deficiência com uma aeronave com excelente capacidade de combate e que hoje é em diversos aspectos muito superior aos nossos F5M.

    Para quem ainda não conhece esta aeronave, sugiro que leiam a respeito, afinal ele é o mais completo lift do mercado.

    Um abraço!

  5. Na minha opinião, deveriamos fazer uma parceria com outros países para a construção conjunta da caças. Na Europa essas parcerias renderam frutos como o Eurofighter. No passado, uma parceria entre o Brasil e a Italia rendeu o AMX, que é um excelente caça-bombardeiro, mesmo para os padrões atuais de guerra aérea. Não devemos ficar a mercê de outros países para nos defender. Temos que ter a capacidade de criar nosso próprios armamentos. Com essas parcerias, aprenderíamos muito com a troca de experiências, e assim, quem sabe num futuro próximo, fabricar por conta própria nossas proprias aeronaves de acordo com as nossas necessidades.

  6. Vamos voltar no tempo. Na guerra do Kosovo, em 1999, os AMX italianos foram os responsáveis por mais da metade das surtidas de missões realizados pela Aeronáutica Militare Italiana e 20% das surtidas de bombardeios realizados pelos aliados na guerra. Não vamos nas nossas necessidades atuais não precisariamos de uma quantidade exorbitante de caças. Esse lotezinho ded 70 aeronaves e uma boa quantidade para a nossa posição estratégica dentro do continente sul-americano. Não vamos nos comparar com os Estados Unidos, Inglaterra, Russia, dentre outros, que possuem papeis de maior destaque no cenário mundial. Por isso temos que investir no nosso setor de defesa o mais rápido possivel e desenvolver tecnologia nacional.

  7. Esses 10 bilhões de dólares que poderam ser gastos coma a aquisição de novas aeronaves seria um montante gasto para pesquisa e desenvolvimento, com uma parceria estrangeira, como com os russos, por exemplo, para pesquisa e desenvolvimento de aeronaves e armamentos para suprir as nossas necessidades.

  8. Com uma quantidade de 70 aeronaves modernizadas. Este lote em muito já qualifica esta Força Aérea melhor do que a que temos. E para modernizar 11 jatos da década de 40/50 (quando se deu origem do projeto) levamos 3 anos para aprovar comprar e nem sequer finalizamos ainda a primeira aeronave. Como e bom viver em um pais lento ou sonolento.

  9. Deveriamos isso sim é entrar de cabeça no Gripen NG, construindo uns 150 pra FAB e outros 90 "Sea Gripen" para a MB, ai sim tudo resolvido e depois comprariamos uns 60 Rafales para serem os números 1, e pra terminar uns 30 M-346 para treinamento e ataque leve, isso é que é sonhar….kkkkkkkkkkkk, mas que esse sonho é gostoso é………ja estariamos poderosissimos……….

Comments are closed.