O raro Beriev Be-12 da Marinha Russa sendo interceptado por um par de Typhoons britânicos.

O Ministério da Defesa britânico revelou detalhes sobre a “interceptação” de uma aeronave de patrulha marítima russa sobre o Mar Negro. Em um comunicado divulgado em 25 de agosto, informa que os caças Typhoon da Royal Air Force foram lançados de uma base romena em resposta a dois aviões russos que voavam no espaço aéreo da OTAN.

Lançados a partir da base aérea romena Mihail Kogalniceanu, os Typhoons responderam na manhã do dia 25 de agosto a uma aeronave russa AN-26 e depois a um raro Beriev Be-12 em direção ao Mar Negro. É a terceira vez nesta semana que jatos da RAF, na missão de Policiamento Aéreo da OTAN, tem tentado dissuadir aeronaves russas provocativas e tranquilizar a Romênia e os aliados da OTAN.

O tenente Ben, um piloto do Typhoon junto ao Esquadrão 1 (de Caça), unido a Ala Aérea Expedicionária 135, conduzia o dever de alerta de reação rápida (QRA) quando recebeu o chamado para interceptação.

Aeronave An-26 Curl da Rússia fotografadas pelos pilotos de caças Typhoon sobre o Mar Negro.

“Lançamos as duas aeronaves QRA para combater uma incursão no espaço aéreo romeno leste sobre o Mar Negro por uma aeronave suspeita da Rússia. Fomos capazes de interceptar e identificá-la sendo uma aeronave de transporte russa C-26 “Curl” e escoltada posteriormente para fora do espaço aéreo romeno”, disse Ben.

Descrevendo a segunda aeronave, um Be-12, ele acrescentou: “A primeira resposta foi imediatamente seguida por outra aeronave russa suspeita sobre o Mar Negro. Os Typhoons escoltaram eles sobre o espaço aéreo romeno, e todo o evento foi realizado de forma segura e profissional por ambos os lados.”

O Esquadrão 1 (de Caça), da Base da RAF de Lossiemouth, foi enviado para a Romênia como parte da missão “Reforço do Policiamento Aéreo” da OTAN, onde a assistência é fornecida à frota de aeronaves a jato da Força Aérea Romena.

Ben descreveu a missão dizendo: “Este é exatamente o motivo pelo qual o Esquadrão 1 (de Caça) foi trazido para a Romênia, para apoiar a Missão de Polícia Aéreo da OTAN, e foi ótimo poder contribuir para a missão da OTAN ao ajudar a força aérea romena a policiar seu espaço aéreo.”

Já a Embaixada da Federação Russa no Reino Unido, na Grã-Bretanha e na Irlanda do Norte, estava preocupada pelos caças da RAF estacionados na Romênia terem “interrompido” uma aeronave russa sobre o Mar Negro.

“As forças armadas russas cumprem rigorosamente as leis internacionais e não representam ameaça à Grã-Bretanha. Poder-se-ia entender por que a Marinha Real Britânica escolta navios militares russos no Canal da Mancha, nas proximidades da costa britânica, mesmo que isso não seja necessário para o Reino Unido divulgar. Mas que tipo de ameaça para a Grã-Bretanha ou seus aliados uma aeronave de patrulha russa hipoteticamente possa representar durante a realização de voos na costa da Rússia, a cerca de 1.500 quilômetros de distância do Reino Unido?”, disse a Embaixada da Rússia.

A embaixada russa também observou que o secretário da Defesa, Gavin Williamson, e outros políticos britânicos que apresentam atividades rotineiras na Rússia como “incidentes provocativos”, estão se comportando de maneira altamente irresponsável.

“Este último episódio demonstra adequadamente quão prejudicial é a idéia de implantar a RAF e outras forças da OTAN na Romênia, na Polônia ou nos países bálticos. Em vez de reforçar a segurança de ninguém, essa presença militar está sendo usada pelas autoridades britânicas para ações provocativas – não apenas por meio de declarações verbais, lamentáveis ??como são, mas também em termos militares reais, o que é simplesmente perigoso”, acrescentou.

O Ministro de Estado para as Forças Armadas da Grã-Bretanha, Mark Lancaster, disse que a RAF teve que acionar seus jatos mais de 80 vezes na última década para interceptar aviões militares russos.

Anúncios

3 COMENTÁRIOS

  1. Se cumprem rigorosamente as leis internacionais porque sobrevoar sobre o espaço aéreo romeno?
    Além do mais se eles alegam que suas aeronaves não representam ameaça alguma, a escolta pelos Typhoons britânicos também não representam ameaça alguma para as aeronaves russas…

  2. Ótima oportunidade de treinamento para os pilotos dos Tufões.

    E interessante é esse incomum chororô russo, uma bobagem…

  3. > força aérea russa testando a reação da defesa aérea do país que não tem força aérea forte com caças russos e tem petróleo. Receberam caças usados F-16 de Portugal.

Comments are closed.