Um Il-22 Bizon e um Su-27 no momento que eram interceptados por caças Typhoon da RAF sobre o Báltico. (Foto: UK MoD)

Caças Typhoon em alerta da RAF foram acionados duas vezes em dois dias para interceptar aviões russos voando ao longo da costa do Báltico.

Estes são as primeiras surtidas de Alerta de Reação Rápida (Quick Reaction Alert – QRA) desde que a RAF assumiu a missão de Policiamento Aéreo do Báltico da OTAN no mês passado.

Na terça-feira, os Typhoons foram enviados da Base Aérea de Amari, na Estônia, em resposta a dois caças russos SU-27 Flanker e um avião IL-22, que voavam ao longo da costa do Báltico em direção a Kaliningrado.

Na quarta-feira, os Typhoons foram novamente lançados de Amari para interceptar outros dois aviões SU-27 e um IL-22, e acompanharam a formação rumo à Rússia.

O Ministro das Forças Armadas, Mark Lancaster, disse: “Ao mesmo tempo que as nossas tropas estabelecem laços mais fortes com os Aliados da OTAN na Estônia, os Typhoons da RAF estão policiando os céus bálticos e respondendo rapidamente a qualquer abordagem do espaço aéreo da OTAN. Juntos, enviamos uma mensagem clara – estamos empenhados em defender as fronteiras da OTAN e apoiar os nossos Aliados a impedir quaisquer ameaças.”

O comandante de ala Paul “Pablo” O’Grady, que estava conduzindo o dever do QRA quando a primeira surtida foi convocada, foi citado dizendo: “Em 14 de maio de 2019, meu voo no Typhoon em QRA foi acionado em uma Missão de Policiamento Aéreo do Báltico, encarregada de interceptar e identificar uma aeronave desconhecida. Seis minutos após a decolagem da Base Aérea de Amari, com o vetor dos controladores de caça da Estônia, fechamos rapidamente em um IL-22 russo que estava sendo escoltada por dois caças russos SU-27.

Voando ao lado da aeronave russa a uma distância segura, eu e meu ala, garantimos que as aeronaves russas fossem seguramente escoltadas ao redor do espaço aéreo estoniano. Os pilotos e tripulantes russos se comportaram de maneira profissional e com calma, sem nada de desagradável. Posteriormente, entregamos a formação russa aos Gripens húngaros em QRA que haviam sido acionados da Lituânia para continuar a escolta em direção a Kaliningrado.

Esta foi a primeira Missão de Policiamento Aéreo Báltico do Destacamento Typhoon, garantindo nossa capacidade e demonstrando o compromisso do Reino Unido com nossos Aliados da OTAN”.

SEM COMENTÁRIOS