Caça Eurofighter Typhoon da RAF. (Foto: Comando Estratégico da OTAN na Europa)

Dois jatos britânicos Eurofighter Typhoons, estacionados na Romênia, foram acionados no dia 21 de agosto para investigar a suspeita de aviões de caça Su-30 russos operando perto do espaço aéreo da OTAN sobre o Mar Negro.

Os jatos da Força Aérea da Federação Russa partiram da Rússia continental e sobrevoaram o Mar Negro em direção ao litoral romeno. Seus transponders não foram ativados, nem tinham um plano de vôo ou conversavam com o Controle Civil de Tráfego Aéreo. O Centro de Operações Aéreas Combinadas da OTAN em Torrejon, na Espanha, lançou os jatos da RAF de sua base temporária em Mihail Kogalniceanu, na Romênia, para monitorar a situação no ar. Por volta das 12h30, após a conclusão bem sucedida de sua missão, os Typhoons da RAF retornaram a Mihail Kogalniceanu.

As autoridades russas não comentaram imediatamente sobre o ocorrido.

Os encontros entre aviões de guerra russos e da OTAN aumentaram nos últimos anos, à medida que Moscou demonstra seu poder militar ressurgente.

A Rússia também aumentou a presença de sua marinha no Mediterrâneo, no Mar Negro e em outras áreas.

As tensões são altas na região desde 2014 quando Moscou fez a anexação ilegal da península da Criméia, na Ucrânia, uma medida que levou à imposição de sanções ocidentais contra a Rússia.

Os Typhoons britânicos estavam operando de acordo com a missão de policiamento aéreo da OTAN projetada para deter a “agressão russa, tranquilizar a Romênia e assegurar aos aliados da OTAN o compromisso do Reino Unido com a defesa coletiva”, disse o Ministério da Defesa em um comunicado.

Um dos pilotos do Typhoon do 1 (Fighter) Squadron, anexado a 135ª Ala Aérea Expedicionária, disse: “Tudo correu como planejado, com os dois caças sendo lançados e indo para o leste em direção aos dois contatos. Tivemos contato radar e sombreamos as duas aeronaves eles voaram através da Região de Informação de Voo da Romênia, mas nós nunca obtivemos alcance visual para vê-los. Foi uma missão operacional bem-sucedida, conseguimos exatamente o que os Typhoons da RAF devem fazer como parte da missão da ala e da OTAN no reforço do policiamento aéreo.”

O espaço aéreo é dividido em regiões de informação de voo, nas quais os serviços de voo e alerta são fornecidos pela autoridade de aviação de um país específico e diferem do espaço aéreo soberano.

A declaração não especificou se os jatos russos voaram para o espaço aéreo romeno.

Em setembro, após o término da rotação do Reino Unido, o Canadá será o próximo membro da OTAN a enviar caças à Romênia sob a missão aprimorada de Policiamento Aéreo, aumentando a Força Aérea Romena e protegendo os céus do país.

Anúncios

4 COMENTÁRIOS

  1. sera que o custo financeiro para se Ligar o Transponder ou fazer a comunicação com o controle em terra é muito caro? porque parece que os Russos nunca fazem isso então presumo que seja caro…

    • Ligar o transponder e se comunicar é o equivalente a dar satisfação, e isso eles não pretendem fazer voando sobre território internacional.
      Claro que o custo financeiro é zero e foi só uma brincadeira sua.

  2. Russos querem saber o tempo de reação dos caças da OTAN. truque velho! Romênia tem que modernizar sua força aérea e não aceitar doação de F-16 de Portugal. PutinKGB quer a Moldavia depois da UCrânia e ai vai a 3ªGM

Comments are closed.