Em 1 de dezembro de 2019, aproximadamente 0400z, dois Typhoons da Royal Air Force em QRA (Quick Reaction Alert – Alerta de reação rápida) na base da RAF Coningsby foram lançados para interceptar a uma aeronave que havia perdido temporariamente a comunicação com o controle de tráfego aéreo.

Usando os indicativos de rádio “5EA26” e “5EA27”, as duas aeronaves foram “vetoradas” para interceptar um Boeing 767 matrícula N725SH, um ex El Al matrícula 4X-EAN, a caminho dos EUA.

Os dois caças aceleraram em velocidade supersônica para alcançar o Boeing 767 que não respondeu às chamadas do ATC e o estrondo gerado pelo Typhoons pôde ser ouvido claramente na área metropolitana de Londres. Os CFTVs registraram o momento em que os dois jatos “quebraram” a barreira do som:


De acordo com o SOP (Standard Operating Procedure) no Reino Unido, os Typhoons foram reabastecidos por um Voyager (ZZ334) (um A330 modificado) lançado pela RAF Brize Norton como TTN701.

Depois que as comunicações de rádio foram restabelecidas, os dois Typhoons foram liberados para retornar à RAF Coningsby e encerrar sua missão de domingo de manhã cedo.

O vídeo a seguir mostra o procedimento padrão para interceptação de aeronaves (civis ou militares):

A RAF é responsável por proteger o céu da Grã-Bretanha de ameaças terroristas.

Prontas para responder a qualquer momento, as equipes do Alerta de reação rápida baseadas na RAF Coningsby, Lincolnshire, pilotam jatos Eurofighter Typhoon.

Eles estão armados com mísseis de curto e médio alcance e estão prontos para abater aeronaves hostis assim que receberem o comando.

Os eventos da COMLOSS (Perda de comunicação) são mais frequentes do que se pode imaginar: de acordo com a OTAN, a perda de comunicações de aviões civis com controladores de tráfego aéreo é a principal razão para a Aliança lançar aviões de combate alerta.

Em 2018, o Comando Aéreo Aliado através dos Centros de Operação Aérea Combinada (CAOCs) recebeu mais de 900 relatórios das Nações Unidas sobre incidentes em que as comunicações de rádio entre um avião civil e controladores de tráfego aéreo civis foram perdidas. Quase um em cada dez desses incidentes, as aeronaves de combate em QRA são acionadas sob os procedimentos de Policiamento Aéreo da OTAN para voar até a aeronave COMLOSS para verificar a situação e fornecer visualmente instruções ao piloto para restabelecer as comunicações de rádio com a agência ATC responsável.

De fato, desde 11 de setembro de 2001, o COMLOSS se tornou um problema de segurança muito sério, pois os controladores não conseguem distinguir entre falhas simples de comunicação e razões potencialmente perigosas. Em média, a OTAN lança seus caças seis vezes por mês para responder aos eventos relatados do COMLOSS. Mas o mais impressionante é o fato de que mais de 75% dos incidentes do COMLOSS são causados ??por erros humanos, apenas 15% são causados ??por razões técnicas e 10% permanecem desconhecidos. Embora o lançamento de aeronaves QRA em resposta a esses eventos seja uma oportunidade de treinamento para as tripulações e os controladores de defesa aérea, essa atividade pode ser um fardo para o orçamento alocado para os militares. Por esse motivo, a OTAN e o EUROCONTROL criaram uma força-tarefa conjunta para a COMLOSS, cujo objetivo é implementar medidas para reduzir o erro humano por meio de uma campanha com companhias aéreas e controladores de tráfego aéreo para destacar as melhores práticas e procedimentos e conscientizar essas comunidades.

Anúncios

1 COMENTÁRIO

  1. Deve ter sido assustador você acordar as 04:00 com o estrondo de dois caças rompendo a barreira do som, você acorda atordoado com o estrondo sem ter a menor ideia do que esta acontecendo e que tipo de estrondo é esse!