Os novos caças Eurofighters para o Kuwait e o Catar serão os mais avançados até o momento.

Durante a maior parte da vida do programa Eurofighter Typhoon, a integração de novas capacidades na aeronave foi impulsionada pelos requisitos das quatro nações parceiras originais, e as aeronaves de exportação foram baseadas no padrão destes quatro países. No entanto, pela primeira vez, as aeronaves que estão sendo construídas para serem entregues ao Kuwait e Catar a partir do final de 2019 / início de 2020 terão sensores e armas que não estão em serviço com as forças aéreas das nações parceiras. Em alguns casos, esses novos sistemas fornecerão recursos mais avançados do que os Typhoons da RAF, Luftwaffe, Aeronautica Militare Italiana e Ejército del Aire.

O consórcio Eurofighter deve iniciar as entregas de 28 aeronaves ao Kuwait em 2019, incluindo seis treinadores de dois lugares, após a assinatura de um contrato de US$ 8,7 bilhões com a empresa de defesa italiana Finmeccanica (agora Leonardo) em abril de 2016. O Catar assinou um pedido de 24 aeronaves em dezembro de 2017, com entregas iniciadas em 2022. As aeronaves do Kuwait e Qatar estarão no padrão mais recente e, como os outros Typhoons, serão capazes de transportar o míssil BVRAAM Meteor, bem como os sistemas de armas Storm Shadow, Paveway IV, Brimstone além de outros armamentos ar-superfície.

Embora as quatro “nações centrais” tenham fracassado conspicuamente em adquirir um radar AESA para suas aeronaves Typhoon, as do Kuwait e Catar incorporarão essa tecnologia vital. A Euroradar garantiu contratos de produção para 28 radares E-scan da Eurofighter / Leonardo Aircraft como contratante principal para o Kuwait e da BAE Systems para os 24 radares ao Catar.

O radar usado pelos Typhoons do Kuwait e do Catar é conhecido como Radar One Plus e também forma a base do programa de desenvolvimento de quatro nações, com o mesmo hardware e o mesmo desempenho, embora sejam necessários dados adicionais de documentação e desempenho para satisfazer os quatro requisitos nacionais estabelecidos pela NETMA, que gerencia o programa em nome dos clientes europeus.

O radar Captor-E recebeu sua Critical Design Review (CDR) exatamente dentro do cronograma e seu projeto foi congelado, com software desenvolvido e amadurecido por meio de testes de voo usando hardware padrão de produção na aeronave de produção instrumentada (IPA) 5 da BAE Systems em Warton e na IPA8 da Airbus Defence and Space em Manching.

Testes do radar AESA e-Captor. (Foto: Hensoldt)

A Hensoldt já forneceu duas antenas para o Leonardo UK em Edimburgo, pronto para iniciar a produção em série com a entrega dos primeiros sistemas de radar em meados de 2019. Fontes de Leonardo estão confiantes de que as entregas de radar para os principais empreiteiros permitirão que eles sejam totalmente integrados ao sistema de armas Eurofighter a tempo para que os dois clientes tenham o radar E-Scan instalado desde o primeiro dia. As empresas Euroradar (Leonardo, Hensoldt e Indra) esperam que as nações parceiras do Eurofighter em breve assumam compromissos para adquirir o Radar One Plus para suas próprias frotas Eurofighter, permitindo que a produção desses radares se encaixe perfeitamente nas entregas para o Kuwait e Catar.

Os Typhoons do Kuwait serão os primeiros a usar o ATP (Advanced Targeting Pod) Sniper da Lockheed Martin, que foi recentemente atualizado para incluir rastreamento de pontos a laser de duas cores, infravermelho de ondas curtas e inteligência, vigilância e reconhecimento não tradicionais avançados ( NTISR). A Lockheed Martin assinou um contrato com a Leonardo Aircraft para o fornecimento de 18 pods, juntamente com integração e apoio logístico para o Eurofighter Typhoon da Força Aérea do Kuwait.

A integração do míssil anti-navio Marte ER também foi iniciada, com base no que a Eurofighter chama de “interesse formal de um dos clientes de exportação do Eurofighter” – entendido como sendo o Kuwait.

A integração do Marte ER foi originalmente examinada após o interesse de um cliente de exportação da Eurofighter em 2011, juntamente com o Saab RBS15 e o Boeing AGM-84 Harpoon. Este trabalho inicial foi seguido em 2014 por alguns trabalhos preliminares da MBDA e Leonardo. Um contrato para a fase de definição do sistema foi assinado em maio de 2016, e isso definiu as atividades de engenharia e interface que seriam necessárias para chegar a uma liberação final. Os Typhoons do Kuwait também deverão estar equipados para transportar pods de treinamento de combate DRM-Cubic ACMI P5 e receberão um auxílio de navegação aprimorado com o VOR.

Menos detalhes surgiram sobre o “ajuste” planejado dos Typhoons para o Catar, embora eles usem a mesma versão do radar AESA do Captor-E. Eles também devem usar o Sniper ATP, que foi especificado para o novo F-15QA Eagle e, desde junho de 2018, para os caças Dassault Rafale adquiridos pelo Catar.


Fonte: AIN Online

Anúncios

2 COMENTÁRIOS

  1. É o Typhoon finalmente não só iguala como supera as características do Rafale. Com sobra.

  2. QATAR E KUWAIT > Árabes salvaram a linha de montagem do Thyphonn, caro e que brilha no radar. Áustria quer vencer os deles e ninguém os quer e só os sauditas compraram fora da Europa. nem modernizar como os 3 países do programa fazem por saber que esse projeto é mal sucedido.

Comments are closed.