Jato de treinamento T-38 Talon. (Foto: Fernando Valduga / Cavok Brasil)

No dia 10 de abril de 1959, na Base da Força Aérea de Edwards, Lew Nelson foi para o céu pela primeira vez em um jato T-38 Talon fabricado pela Northrop. Servindo missões críticas por seis décadas, o venerável T-38 tem consistentemente realizado e auxiliado em exercícios de treinamento de voo para 80.000 pilotos. E, com várias modernizações, a aeronave manteve baixos custos operacionais, é favorável à manutenção e tem um grande histórico de segurança.

Um dos aviões supersônicos mais seguros já construídos, o bimotor de alta altitude, o jato de treinamento T-38 pode voar a uma velocidade máxima de 1.380 km/h e pode subir do nível do mar para 33.600 pés em 60 segundos. Dos 1.187 aviões produzidos entre 1959 e 1972, metade ainda está em uso hoje.

O T-38 tem sido usado por mais de meio século, principalmente pela Força Aérea dos EUA, para treinamento especializado de pilotos de graduação. Além disso, o Comando de Combate Aéreo usa o jato como um treinamento para seus pilotos B-2, TR-1 e F-22. A Marinha dos EUA e a NASA também usam o T-38 para testes de voo e missões de pesquisa.

No início deste mês, a Northrop Grumman comemorou o 60º aniversário do primeiro voo do T-38 Talon com a Força Aérea dos Estados Unidos em um evento organizado pelo Comando de Educação e Treinamento Aéreo na Base da Força Aérea de Randolph, no Texas.

O T-38 fez sua primeira aparição na Base Aérea de Randolph em 17 de março de 1961. A aeronave foi recebida com “aplausos e exclamações de admiração das centenas de pessoas que testemunharam sua entrega”, segundo a edição de 22 de março do jornal Wingspread.

No 50º aniversário do T-38, Lane Bourgeois, historiadora da 12ª Ala de Treinamento de Voo, focou-se no desenvolvimento e inovações da aeronave. Ela citou o leve motor J-85, a versão de pós-combustão de um motor desenvolvido pela General Electric para um drone que se encaixava no compartimento de bombas de um B-36.

“A Northrop percebeu que a maior relação empuxo-peso de dois J-85s juntos seria maior do que as relações de empuxo-peso de outros motores”, disse Bourgeois. “Por exemplo, dois J-85 juntos produziram tanto empuxo quanto um motor J-57, mas os dois J-85 pesavam cerca de 500 libras a menos. Motores mais leves significavam que os projetistas não precisavam de muita área de asa, menos área de asa significava menos propulsão do motor necessária para empurrar o avião e assim por diante. ”

A Northrop projetou uma estrutura leve em torno de dois J-85, pesando cerca de 10.000 libras, o que era metade do peso de um F-100F e com melhor desempenho, observou Bourgeois.

O Major General Patrick Doherty, Comandante da 19ª Força Aérea, declarou: “Esta aeronave [aqui] será sempre lembrada em nossa Força Aérea e em nossa nação como sendo uma de excelência que produziu a Força Aérea número um no mundo.”

John Parker, vice-presidente e gerente geral de logística global e modernização da Northrop Grumman participou do evento e discutiu as contribuições do programa T-38 para a indústria da aviação.

“A Northrop Grumman tem orgulho de ser um membro da comunidade de sustentação do T-38”, disse Parker. “Ao longo das últimas décadas, a comunidade de sustentação realizou várias análises de engenharia e logística, obsolescência de peças desgastadas e garantiu que peças de reposição estivessem disponíveis para manter as operações de voo.

Duas semanas atrás, o Centro de Gerenciamento do Ciclo de Vida da Força Aérea dos EUA concedeu à Northrop Grumman um contrato de US$ 22 milhões para os jatos T-38 e F-5 para a sustentação e engenharia do sistema. Estamos ansiosos para continuar a modernização e atualização do sistema para esta aeronave ágil, para que ela permaneça pronta para os próximos anos ”.

7 COMENTÁRIOS

  1. A história desse avião é inegável, mesma coisa o F-5. Não venceu 100 abates mas fez parte da história mundial da aviação de caça.

  2. Ao contrário do que muitos pensam, não é só o avião que forma os pilotos de caça, os de bombardeiro também são formados nos T-38.

      • Não, eles usam para todos os pilotos de bombardeiro.
        Para pilotos de transporte usam o T-1 (Hawker 400) para pilotos de jatos como KC-135 e outros e T-44(Beech 200) da USNavy para pilotos de turbohélices como C-130, são ramos separados na USAFi

  3. E eu considero ser ainda hoje a melhor plataforma de treinamento, exceto talvez o bem mais caro de operar KAI T-50.

Comments are closed.