Um caça F-22 Raptor durante passagem baixa mostra seu compartimento de armas. (Foto: Fernando Valduga / Cavok)

Cinco meses após o Congresso dos EUA aprovar o cancelamento da produção do Lockheed Martin F-22 Raptor, a força aérea está ainda decidindo se preserva ou desmancha o ferramental de produção. De acordo com outro relatório divulgado pelo Cavok, os caças F-22 deverão operar até 2025, quando começam a ser desativados, salvo se exista um novo plano de aumento da vida operacional.

A opção que está sendo discutida inclui preservar pelo menos o núcleo da habilidade da Lockheed para fabricar os componentes e sistemas do F-22, embora reiniciar a produção não é a intenção dos líderes da USAF, informou o chefe de aquisições da USAF, o General Mark Shackelford.

Linha de produção do F-22A Raptor na Lockheed Martin. (Foto: Lockheed Martin)

Preferencialmente, os oficias da USAF estão considerando o custo de preservação desse ferramental para manter os F-22, os quais poderão passar por um programa de extensão da vida operacional nos próximos anos. O mesmo ferramental poderia ser usado para reparar ou substituir caças Raptor danificados.

Shackelford não discutiu sobre o prazo para a decisão da USAF nesse processo. A Lockheed está programada para entregar o último dos 187 caças F-22 no início de 2012, embora uma grande parte dos elementos principais da cadeia de fornecimento da linha de produção do F-22 possam começar a ser finalizados no final de 2010.

A adminsitração do presidente Obama em setemebro derrotou uma tentativa de apoiadores do caça F-22 que queriam a continuição da fabricação do caça avançado stealth.

Como os parlamentares debateram a questão desde abril até setembro de 2009, a USAF pediu para a equipe analítica Rand Project Air Force para estudar as opções sobre o final da linha de produção do F-22A. A equipe Rand entrevistou os parlamentares e apresentou um esboço do relatório no último mês de junho, e uma versão final do relatório foi publicada na semana passada, no dia 3 de março.

A equipe Rand analisou quatro diferentes opções: fechar a linha de produção; continuar a linha de produção a pleno; escalonar a fabricação de 5 caças F-22 por ano; e reiniciar a produção após um período de 2 anos.

A menos que a adiministração de Obama volte atrás, a única opção disponível no momento é de reiniciar a produção após um período de 2 anos. Tomando esse rumo exigiria uma dramática mudança política, e exigiria que a força aérea preservasse a capacidade de produção da Lockheed.

A análise da Rand mostra que a maioria da cadeia de fornecedores da Lockheed poderia ser reativada após essa parada de dois anos, com apenas poucos fornecedores precisando deixar o mercado ou sair do negócio devido ao término da fabricação do F-22.

Mas os custos de reinício da produção, após uma parada, poderia aumentar significativamente o valor unitário de cada caça. Assumindo que sejam fabricadas 75 aeronaves nos próximos cinco anos, o custo unitário do F-22 seria de US$227 milhões. Se a produção continuar sem paradas, a média cai para US$173 milhões por unidade, de acordo com o estudo da Rand.

Fonte: Flight Global – Tradução e Adaptação do texto: Cavok

Anúncios

SEM COMENTÁRIOS