Um bombardeiro B-2 Spirit, da Base Aérea de Whiteman, Missouri, pousa na Base Aérea Conjunta Pearl Harbor-Hickam, no Havaí, enquanto um F-22 Raptor da base taxiar no pátio. (Foto: U.S. Air Force / Senior Airman Thomas Barley)

Três bombardeiros B-2 Spirit e mais de 200 pilotos da Base da Força Aérea de Whiteman, no Missouri, foram enviados no dia 10 de janeiro de 2019 para a Base Aérea Conjunta Pearl Harbor-Hickam (JBPH-H), Havaí, visando apoiar a missão da Força-Tarefa de Bombardeiros (BTF) do Comando Estratégico dos EUA (USSTRATCOM) .

A USAF regularmente rotaciona seus bombardeiros através da região do Indo-Pacífico para integrar as capacidades com os principais parceiros regionais e manter um alto nível de proficiência das tripulações.

“Este treinamento é crucial para manter nossa interoperabilidade regional”, disse o tenente-coronel Joshua Dorr, diretor de operações do 393º Esquadrão de Bombardeiros. “Isso nos dá a oportunidade de trabalhar com nossos aliados em exercícios conjuntos e valida nossa capacidade de ataque global sempre pronta.”

Embora o Spirit tenha treinado na região várias vezes no passado, utilizando a Base da Força Aérea de Andersen, Guam, essa implantação marca a segunda vez que o Spirit é implantado na JBPH-H, apoiando a missão da BTF.

Durante a primeira implantação do B-2 na JBPH-H em agosto de 2018, o bombardeiro realizou várias missões locais e de longa duração, realizou reabastecimentos no solo com o motor acionado e foi integrado em missões com o 199º Esquadrão de Caça da Guarda Aérea do Havaí, junto dos caças furtivos F-22 Raptors.

“A implantação no Havaí nos permite mostrar a um grande público americano e internacional que o B-2 está vigiando 24 horas por dia, sete dias por semana, pronto para proteger nosso país e seus aliados”, disse Dorr.

As características de baixa observabilidade do B-2, ou “stealth”, dão a habilidade de penetrar nas defesas mais sofisticadas de um inimigo e colocar em risco seus alvos mais valiosos, e sua presença nas ilhas havaianas é um testemunho de maior segurança regional.

5 COMENTÁRIOS