O Comando Aéreo Estratégico enviou um bombardeiro stealth B-2 Spirit para treinamento sobre o Pacífico, com objetivo de manter a pressão sobre a Coreia do Norte. (Foto: Comando Aéreo Estratégico dos EUA)

Um bombardeiro furtivo B-2 Spirit voltou ao Pacífico durante o final de semana para demonstrar o compromisso dos EUA com parceiros e aliados em meio aos crescentes testes de mísseis da Coreia do Norte, disseram autoridades do Comando Estratégico dos EUA.

O voo do bombardeiro furtivo a partir da Base Aérea de Whiteman, Missouri, marca um passo significativo na dissuasão dos EUA, ou “campanha de pressão”, contra a Coreia do Norte, que continua a testar mísseis balísticos e ogivas nucleares apesar da repetida condenação da comunidade internacional.

Sua presença marca a primeira vez que o B-2 – capaz de transportar armas convencionais e nucleares – esteve no Pacífico desde que um trio de bombardeiros participou de exercícios de treinamento no início deste ano com a Real Força Aérea Australiana (RAAF).

Os bombardeiros Spirit realizaram uma missão de demonstração de força em 2013, quando eles e as aeronaves aliadas lançaram oito bombas “falsas” sobre uma área de treinamento em Osan, Coreia do Sul.

Enquanto a Força Aérea dos EUA mantém que o voo faz parte de uma missão de rotina, a aparição do B-2 sobre a península coreana ocorreu durante a visita do Secretário de Defesa Jim Mattis à região e poucos dias antes do presidente Donald Trump seguir para sua primeira viagem à Ásia.

Espera-se que Trump se encontre com líderes no Japão, Coreia do Sul, China, Vietnã e Filipinas.

“A ameaça da Coreia do Norte cresceu muito mesmo desde a minha viagem aqui no início deste ano”, disse Mattis durante uma conferência de imprensa ao lado de sua homóloga sul-coreana, Song Young-moo, no sábado.

Mattis enfatizou que os EUA não aceitam e não aceitarão “uma Coreia do Norte nuclear”.

“Qualquer uso de armas nucleares pelo Norte será respondido com uma resposta militar massiva, efetiva e esmagadora”, disse o ex-general da Marinha.

Se o bombardeiro mais avançado da América ficará na região para exercícios adicionais, ou a visita de Trump, não está claro. O comando rotineiramente implanta bombardeiros como parte de sua contínua missão de presença de bombardeiro.

Mais recentemente, dois bombardeiros supersônicos B-1B do Comando do Pacífico dos EUA pela primeira vez realizaram simulações combinadas com a Força de Autodefesa Aérea do Japão e a Força Aérea da República da Coreia à noite.

Durante a operação no início deste mês, as aeronaves Lancer, que atualmente não realiza missões nucleares, simulou bombardeiros ar-solo sobre o mar perto da costa leste da Coreia do Sul.


Fonte: Military.com

Anúncios

3 COMENTÁRIOS

  1. Kim Jung e uma boa isca que Trump mordeu sem pensar. no Sul a China ameaça a ASEAN com suas ilhas artificais

  2. Realmente estou convencido deque ao ajudar eleger Trump , a Russia colocou um prego dentro do sapato dos EUA , o imbecil só tá fazendo cagada e fortalecendo diretamente a China , o vice possui otímas qualidades , ja esta na hora dos Norte americanos descartar o homem cenoura , não seria muito difícil providenciar um acidente !

Comments are closed.