Após uma ‘pausa operacional’ por problemas com o sistema OBOGS (sistema gerador de oxigênio), a frota de treinadores avançados T-45C Goshawk da Marinha dos EUA (USN) está voando novamente, entretanto com restrições.

Embora uma solução definitiva para o problema ainda não tenha sido encontrada, as operações de vôo estão sendo realizadas usando uma máscara modificada, testada com sucesso pelo Naval Air Systems Command (NAVAIR), que contorna o OBOGS.

“Depois de briefings e discussões com nossa tripulação aérea, sua liderança de treinamento de asa, os engenheiros e especialistas aeromedical, nós identificamos um modo para continuar as operações de vôo com segurança, limitando a altitude máxima da cabine para abaixo de 10,000 pés para poder operar sem usar o OBOGS”, explicou o Vice-almirante Mike Shoemaker, Comandante das Forças Aéreas Navais. “Seremos capazes de completar 75% dos vôos do programa com as máscaras modificadas enquanto continuamos os importantes testes de engenharia e análise no PAX River [Estação Aérea Naval Patuxent River, Maryland] para identificar a causa raiz do problema. Isso continuará a ser nossa principal prioridade de segurança até entendermos completamente todos os fatores causais e identificamos uma solução que reduzirá ainda mais os riscos para nossa tripulação.”

Um jato de treinamento BAe/McDonnell Douglas T-45C da Marinha dos EUA. (Mass Communication Specialist Seaman Justin R. Pacheco / U.S. Navy)

Encontrar a causa raiz é um desafio nesta plataforma complexa e altamente sofisticada, de acordo com um comunicado da USN. “Energizamos a força, estamos trabalhando com agências externas e estabelecemos uma Equipe de Projetos Integrados (IPT) na NAVAIR, juntamente com uma equipe de médicos de vôo, fisiologistas e toxicologistas que trabalham na área de crise aeromédica. O mesmo senso de urgência para resolver nossos episódios fisiológicos em toda a frota“, disse Shoemaker.

SEM COMENTÁRIOS