O Heron da IAI (Foto: IAI)

A Israel Aerospace Industries (IAI) assinou um acordo com a Força Aérea Brasileira (FAB) para a restauração, treinamento de pessoal e serviços de suporte para o VANT Heron antes operado pela Polícia Federal brasileira.

O acordo prevê que a IAI preste gerência de suporte e serviços de manutenção durante três anos, treinando técnicos de sistema, operadores de carga e operadores de VANT da Força Aérea Brasileira. Esse acordo colocará em operação na FAB o sistema de VANT Heron, incluindo um avançado centro de comando e controle.

O Brasil utilizará o sistema incrementado em missões para a Polícia Federal, bem como em atividades adicionais conforme as necessidades da FAB. A estrutura modular do sistema Heron permite futuras atualizações e configurações personalizadas por meio das tecnologias extensivas e avançadas da IAI.

Até o momento, o Heron acumulou 400 mil horas em operação. O sistema está a serviço da Força Aérea e da Marinha israelense, além de servir mais de 20 clientes ao redor do mundo. Desde sua introdução, o sistema teve registrados numerosos êxitos, com constantes atualizações e novos recursos que incluem vigilância marítima, detecção submarina, decolagem e aterrissagem automáticas, e aterrissagem remota, reabastecimento em campo e decolagem com recursos de comunicação via satélite.

Moshe Levy, vice-presidente da IAI e chefe da Divisão de Aeronaves Militares da IAI, comentou: “Estou contente com esse novo acordo de fornecimento e suporte do Heron para a Força Aérea Brasileira. Ver nossos sistemas em voo com a bandeira de diversas forças aéreas ao redor do globo demonstra a posição sólida que a IAI conquistou com trabalho árduo e dedicação como uma empresa líder de defesa em Israel e no mundo. O Brasil, quinta maior nação no mundo, apresenta características geográficas desafiadoras que incluem florestas cerradas, áreas vastas e uma extensa costa. O Heron responde a todos esses desafios, sendo para nós uma honra auxiliar a FAB a completar suas missões.”

Anúncios

1 COMENTÁRIO

  1. Isso me lembra a compra dos R-99 — disseram, para o até então uno Ibama, que haveria o compartilhamento de informações com eles e, até operações conjuntas, com a presença de outros órgãos (os bobinhos, todos, achavam que iam embarcar com os militares no avião), mas depois descobriram que o tipo de aeronave é para operações quase que essencialmente sigilosas… 😀

    Aí, tomara que não tenham prometido à PF "disponibilidade total" ("podem passar lá quando quiserem, estamos à disposição"), pois isso não existe nem para o EB, no caso do transporte — daí, depois de muitos anos, os Sherpas verde-oliva…

Comments are closed.