O interior do furacão Dorian com as nuvens no formato estádio. (Fotos: NOAA)

A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA, na sigla em inglês) enviou desde quinta-feira, durante vários voos, uma aeronave WP-3D Orion caçadora de furacões para fazer medições dentro do olho do furacão Dorian, atualmente categoria 5, de acordo com vídeos fornecidos pela agência. E as imagens impressionam.

O vídeo e as imagens mostram que o Lockheed WP-3D Orion, chamado de “Kermit” atingiu o olho do furacão para coletar os dados, dos quais foram obtidos dados de ventos máximos sustentados de 260 quilômetros por hora.

Muitas das informações e conhecimentos que ajudam os meteorologistas a adivinhar o caminho, a força e o tempo da tempestade vêm de uma pequena frota de aviões – operada pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica e pela Reserva da Força Aérea dos EUA – que voam diretamente para o coração de tempestades mais severas para reunir dados precisos sobre suas condições.

Esses “caçadores de furacões” de elite podem passar de 8 a 10 horas por vez coletando dados, o que contribui para previsões que salvam vidas que ajudam os que estão em perigo a evacuar ou procurar abrigo enquanto o céu ainda está limpo e ensolarado.

Marcações com os furacões que o WP-3D já entrou para pesquisas.

Qualificado como “catastrófico” pelo US National Hurricane Center (NHC), o Dorian estava a 360 quilômetros de West Palm Beach (Flórida) às 12:00 GMT deste domingo, em direção à costa dos EUA.

Durante o vídeo, a borda do olho do furacão estava prestes a atingir as Ilhas Abaco, nas Bahamas.

Os meteorologistas dizem que os ventos do furacão se estendem dentro de um raio de 45 quilômetros do olho do ciclone, enquanto os ventos com força de tempestade tropical atingem a distância de 165 quilômetros do centro.

O NHC informou no sábado que o ciclone se afastou de sua trajetória planejada e agora está indo para os estados da Geórgia e Carolinas, onde o estado de emergência já foi declarado.

Lockheed WP-3D Orion “Kermit” do NOAA

Lockheed WP-3D Orion “Kermit” do NOAA.

Os dois Lockheed WP-3D Orion “Hurricane Hunters” da NOAA desempenham um papel fundamental na coleta de dados vitais para a pesquisa e previsão de ciclones tropicais. Esses turboélices de quatro motores de alta capacidade também suportam uma ampla variedade de missões atmosféricas e aéreas.

O personagem “Kermit” dos Muppets, a bordo da cabine de comando do WP-3D Orion do NOAA.

Quando se trata de previsão de furacões, a NOAA tem muitas ferramentas. Radar, satélites e modelos de computadores desempenham um papel na previsão de furacões, mas cada um tem suas próprias limitações. Para superar essas limitações, a NOAA opera duas aeronaves Lockheed WP-3D Orion, “Kermit” (N42RF) e “Miss Piggy” (N43RF), a fim de realizar uma coleta de dados em baixa altitude para preencher lacunas nos dados não disponíveis no radar terrestre ou nas imagens de satélite.

O WP-3D Orions da NOAA está equipado com uma variedade única de instrumentação científica, radares e sistemas de gravação para medições da atmosfera, da terra e de seu ambiente. Obtidas como novas aeronaves da linha de produção da Lockheed em meados dos anos 70, essas aeronaves robustas e bem mantidas levaram os esforços contínuos da NOAA para monitorar e estudar furacões e outras tempestades severas, a qualidade da atmosfera, condições oceanográficas e tendências climáticas.

Anúncios