O helicóptero armado chinês Z-19E realizou hoje seu primeiro voo junto a fábrica da Harbin, no nordeste da China.

O helicóptero armado Z-19E, desenvolvido pela China, fez seu primeiro voo nessa quinta-feira em Harbin, na província de Heilongjiang, nordeste da China.

Também chamado de “Black Whirlwind”, o Z-19E apresentou manobras em voo pairado, manobra de efeito solo e passagens baixas acima do aeroporto para demonstrar seu desempenho.

A nova geração de modelos orientados para a exportação foi desenvolvida pela Avic Harbin Aircraft Industry para atender às exigências do mercado de comércio militar internacional, de acordo com a estatal Aviation Industry Corporation of China (AVIC).

O vice-chefe de design Li Shengwei disse que o Z-19E está equipado com recursos de segurança para melhorar a taxa de sobrevivência do piloto. “O Z-19E e o Z-9 são semelhantes em muitos aspectos”, disse Li. Em termos de manobrabilidade e funções, o Z-19E atende aos padrões internacionais e sua interface operacional é em inglês, acrescentou Li.

O helicóptero é o mais recente helicóptero armado com assentos em tandem. É também o primeiro helicóptero orientado para exportação do país feito especialmente para fins de ataque de resposta rápida, de baixo impacto e frequentes.

“Ele é capaz de ser implantado no campo de batalha no apoio a uma variedade de outras missões e em ambiente difíceis e durante o dia e a noite”, disse Li Shengwei, vice-designer-chefe da Avic Harbin Aircraft Industry.

O helicóptero com dois assentos em tandem, proporciona tanto ao piloto na frente como no assento traseiro uma ampla visão. Suas possibilidades de manobra e sobrevivência no campo de batalha são grandes melhorias, de acordo com Li.

Com um peso máximo de decolagem de 4.250 quilogramas, o Z-19E é um helicóptero armado leve com vantagens óbvias na velocidade de cruzeiro, na razão de subida, e no teto útil, de acordo com seu colaborador.

O Z-19E destina-se principalmente no ataque a tanques, veículos armados, sistemas de defesa e outros alvos no solo.

Ele pode fornecer apoio de fogo direto para tropas terrestres, helicópteros de ataque e outros alvos de baixa altitude, voando em altitudes muito baixas e voando como parte de um comboio de helicópteros.


Fonte: Xinhua – Edição: Cavok

17 COMENTÁRIOS

  1. Sempre vejo a China desenvolvendo avioes e helicopteros para o mercado internacional, mas me pergunto quem absorve tanto equipamento militar chines. Sera q vale a pena tanto desenvolvimento de aeronaves num mercado onde a compra eh tao seletiva e em poucas quantidades?

    Nos anos 80 e 90 eles venderam um monte de Nanchangs e Sheniangs, mas eram outros tempos, hoje eh possivel fazer atualizaçoes de software, overhaul e compra-se kits de avionica para qq aeronave geraçao 3 e logo se tem um mequetrefe que segura as pontas de qq FA. Eu nao consigo imaginar esses avioes e helicopteros chineses tendo uma performance adequada em um campo de batalha.

    Corrijam-me se eu estiver falando abobrinha.

    • No caso é uma versão para exportação o fato dele estar "armado", não interfere em praticamente nada pois as principais mudanças devem ser com relação a parte de aviônica & sensores.

      Sendo assim boa parte da aeronave já esta plenamente homologada e apta para o emprego.

  2. Os chineses não são bobos. Quase certo que o mercado para esses equipamentos são os países que recebem "ajuda"/empréstimos financeiros na Africa, Paquistão, etc. Do ponto de vista técnico, parece que estão, inteligentemente, chupinhando até o osso os projetos da Airbus.