O cargueiro Boeing 767 da Atlas Air (operado pela Prime Air), caiu no dia 23 de fevereiro próximo a Houston, Texas. (Foto: Getty Images)

Um vídeo gravado por uma câmera de segurança revelou os momentos finais do Boeing 767 da Atlas Air (Prime Air) que caiu em Trinity Bay ao se aproximar do Aeroporto George Bush em Houston, no Texas, em 23 de fevereiro.

O avião de carga parece incapaz de recuperar a atitude de seu mergulho em direção à Trinity Bay. O avião continua a mergulhar até cair nas águas rasas. O impacto é parcialmente obscurecido pelas árvores em primeiro plano, mas uma névoa pode ser vista saindo do local do impacto.

Os investigadores recuperaram os gravadores de voo da aeronave.

O NTSB (Conselho Nacional de Segurança e Transporte dos EUA) conseguiu recuperar os dois gravadores de voo do cargueiro 767 que ajudarão a revelar o que causou a queda do Boeing 767 da Atlas Air. A agência divulgou um comunicado dizendo que a aeronave desceu normalmente para uma altura de 6.300 pés. Sua taxa de repente aumentou então para o que o NTSB descreveu como “muito rápida”.

Dados do FlightRadar24.com mostram a aeronave descendo a uma velocidade catastrófica de 27.000 pés por minuto e uma velocidade de 470 km/h.

Alguns testemunharam o cargueiro caindo em queda livre antes de colidir na Trinity Bay, com a filmagem da câmera confirmando o que as testemunhas viram. Os destroços foram encontrados espalhados por vários quilômetros em águas rasas de apenas 1,5 metro do local situado a sudoeste de Houston.

O voo 3591 da Atlas Air estava conduzindo um voo de carga de Miami para Houston em nome da Amazon Air, com três tripulantes a bordo. Apenas um corpo foi encontrado.

Anúncios

7 COMENTÁRIOS

  1. Imaginem o terror de lutar contra o avião, por intermináveis minutos, sabendo que vai perder… Lamentável.

  2. O tempo estava feio. Mas ele parece que mergulhou rápido e de repente então acho que não tem nada a ver…mas não deixei de perceber.

  3. Pra perder sustentação assim parece que por erro o avião pedeu muita potência…ou por falha claro.

  4. Isso não me parece nem de perto perca de potencia, parece mais que apontou para o chão seja por defeito de alguma peca ou humano.

    Isso me fez lembrar, aqueles casos do 747 que o Leme travava para um lado.

  5. Investigações de acidentes com cargueiros é complicado. Começa é claro pelas condições da aeronave, manutenções recentes e histórico de falhas. Depois a carga, fixação, tipo e acomodação na aeronave. Pilotos e, claro, o clima. Pode ser que o profundor ficou congelado por algum motivo como fahas dos circuitos hidraulicos ou equipamento de degelo. Lamentável.

  6. No primeiro 737-8 da Lion Air que caiu, parece que o soft colocou o bico do avão para baixo e a tripulação não conseguiu endireitar. Sera que não foi a mesma coisa???

Comments are closed.