Su-33 (4)
Um caça embarcado Su-33 decolando do convoo do porta-aviões russo Admiral Kuznetsov / © Ministério da Defesa da Federação Russa, em caráter ilustrativo

Veja a seguir um belo vídeo contendo imagens de caças embarcados Sukhoi Su-33 (Flanker-D) pertencentes ao Regimento de Aviação Naval da Marinha Russa (AVMF) realizando exercícios de pouso e decolagem à bordo do porta-aviões russo Admiral Kuznetsov:

RELEMBRE: 

divider 1

EDIÇÃO: Cavok

Anúncios

26 COMENTÁRIOS

  1. esse video eh belissimo
    agora, pergunta que fica. ele decola num curto espaço de tempo, sem a catapulta, mas ele começa a rolagem muito perto da rampa ja, de modo que nem da muito espaço pra ele pegar velocidade. Se ele largasse mais de trás, não seria mais seguro, ou até mesmo a carga util que o Su-33 pode levar não poderia ser aumentada?

    vejo que desse modo ele invadiria a pista de pouso, mas mesmo assim, não seria melhor?
    sou so um leigo no assunto. desculpem se escrevi cagada.

  2. qual a carga maxima que o su-33 consegue carregar pra decolar com skyjump?

    • A carga bélica máxima do Su-33 é de 6.500 kg, mas sinceramente não sei se é possível decolar com esta carga através de uma rampa auxiliar de decolagem (ski-jump).

      • Para um avião desse tamanho 6.500 kg é pouco LaMarca. Salvo engano os legacy Hornets é de 6.200kg e a do Super Hornet 8.000kg

        • Mas a carga bélica máxima do Su-33 é essa, amigo Tireless. Em comparação, no caça embarcado MiG-29K, essa carga é de 5.500 kg.

          • É realmente se levarmos em consideração tamanho, o Su-33 é grande mas carrega relativamente pouca carga.

            • Acredito que não! O Tomcat é até maior e tem 6.5 tons de capacidade de payload.
              O Rafale sendo bem menor tem capacidade de payload de 9.5 tons.

      • Seu LaMarca, então a sempre criticada catapulta (perigosa, complexa, etc) possibilitada ao caça decolar com sua carga bélica plena?

        O uso da catapulta também influi no consumo de combustível na decolagem? Ou a vantagem seria marginal?

  3. Não adianta. A catapulta é mais complexa de operar, mas é mais vantajosa.

    • Além do que, num NAe STOBAR, a operação fica limitada a jatos e helicópteros, havendo a impossibilidade de operação de vetores maiores à hélice, como é o caso, por exemplo, das aeronaves embarcadas de alerta aéreo antecipado Northrop Grumman E-2 Hawkeye, e das aeronaves utilitárias Grumman C-2 Greyhound, que jamais poderiam ser operadas a partir dessas embarcações.

  4. Tenho duvidas

    Num porta aviões CATOBAR os cabos que seguram o avião no pouso são os mesmos que o arremessam na decolagem?

    A energia nos cabos de retenção no pouso é de alguma forma recuperada para uso nas decolagens, como uma mola hidráulica?

    • Então o sujeito que posa de conhecedor, fala com autoridade sobre o F-22 e critica duramente o caça faz uma pergunta dessa tão elementar sobre os cabos que seguram um avião no pouso em porta-aviões?

      Esse rapaz não tem conhecimento que lhe permita criticar nada e não pode ser levado a sério por ninguém. É muita imbecilidade para uma pessoa só.

  5. Independente da carga total que um avião naval pode carregar, arrisco a dizer que nenhum deles decolaria com carga total de armamentos, primeiro por não serem bombardeiros e sim avõoes de ataque embarcado, e segundo poque teriam que ejetar suas cargas para poder pousar em seu porta aviões.

    Bandit at six o´clock!

Comments are closed.