Caça F-21 oferecido pela Lockheed Martin para Força Aérea Indiana.

A Índia e os EUA aprofundaram seus laços de defesa, especialmente desde que Donald Trump assumiu o cargo. A Índia recebeu a etiqueta “Major Defense Partner” em 2016, que mostrou a ascensão da estatura da Índia como aliada estratégica dos Estados Unidos.

Antes da visita muito esperada do presidente dos EUA, Donald Trump, à Índia, a Lockheed Martin ofereceu uma ajuda para a Índia no desenvolvimento de aeronaves avançadas de última geração, equipadas para combate multifuncional, segundo uma reportagem da PTI. A Lockheed Martin fabrica caças poderosos, como os F-16 e os F-35.

A gigante aeroespacial americana também compartilhou sua disposição de cooperar com a Índia para desenvolver o jato Tejas construído na Índia em um avião de combate muito mais eficaz.

A empresa está muito aberta aos requisitos do governo de Narendra Modi e da Força Aérea Indiana para o desenvolvimento de aeronaves de combate multifuncionais avançadas (AMCA) e a atualização do Tejas em um avião de caça superior, segundo a reportagem que cita o vice-presidente de estratégia e segurança da Lockheed Martin Vivek Lall.

Jato de combate leve Tejas desenvolvido pela indiana HAL.

O executivo da Lockheed Martin também lançou a idéia da Força Aérea Indiana de adquirir o novo produto F-21 (ou F-16) da empresa para atender à busca por mais de 100 caças. Ele revelou a exclusividade do acordo que a Lockheed Martin tem a oferecer para a Índia adquirir 114 caças F-21. Ele disse que o caça será fabricado apenas para a Índia e a empresa não assinará nenhum tratado com outros países para o F-21. Isso seria feito para evitar sobreposição de tecnologia.

Sobre as qualidades do F-21 que a Lockheed Martin acredita que tornam o avião de caça superior aos seus concorrentes, como Rafale, Eurofighter Typhoon, MiG-35 e Gripen, Lall disse que o jato possui 40% a mais de ofertas em pacotes de armas com 138 configurações. Ele disse que o F-21 tem uma sonda de reabastecimento extensível com mangueira e drogue, além da tradicional instalação de reabastecimento fornecida para receber pela lança.

O governo Donald Trump renomeou seu comando militar mais antigo e maior – Comando do Pacífico para Comando indo-Pacífico em 2018. A mudança foi vista como um enorme ganho estratégico para Nova Délhi e uma contra-abordagem à crescente influência chinesa no Mar da China Meridional pelos Estados Unidos.

Anúncios

3 COMENTÁRIOS

  1. Exclusividade para a Índia adquirir o F-16…, quero dizer, o moderníssimo e exclusivíssimo F-21!!!! Isso evitará sobreposição de nomenc…, quero dizer, de tecnologia, como o exclusivo duplo sistema de reabastecimento em voo, algo que o torna superior aos concorrentes!!!! Vão ser bom de "lábia" assim lá na p…, Quero dizer, Índia!!!!

  2. Esse negócio de chamar o F-16 Viper (V, E/F, Bloco 70 e tal) com CFT, de F-21, é bobagem sem tamanho.

    Mas o pacote de armas do F-16 superar o de qualquer concorrente, é verdade absoluta, as combinações são sensacionais, aí manda a estratégia.

    E apoiar diretamente a Índia (contra a dupla China/Paquistão) é mais lógico ainda.